Os descendentes de Jacó

José Horta Manzano

Você sabia?

A tradição hebraica, atestada pela Gênese ― um dos livros que compõem o Antigo Testamento ― ensina que, muitos anos antes de nossa era, viveu Yakov. Neto de Abraão, filho de Isaac e de Rebeca, é patriarca bíblico.

Acreditam alguns que seu nome derive de uma palavra significando calcanhar, dado que Yakov teria nascido agarrado ao calcanhar de Esaú, seu irmão gêmeo. Afirmam outros que o termo poderia ter o sentido de suplantar, numa alusão ao prato de lentilhas que Yakov deu ao irmão para conquistar os direitos que correspondem à condição de primogênito.

Embora a gente não se dê conta à primeira vista, está aí um dos nomes mais comuns no planeta. Sua propagação foi impressionante. Teve início com a conquista dos territórios do Oriente Médio pelos romanos. Os invasores, sabe-se lá por que razão, apreciaram o nome e logo trataram de latinizá-lo. O original Yakov assumiu a forma Jacobus. Mais raramente, aparecem também alguns Jacomus.

Passaram-se alguns séculos. A expansão do cristianismo por toda a Europa, aliada ao fato de numerosos Jacobus terem sido santificados, fez que o nome se alastrasse pelo continente. O passar do tempo se encarregou de adaptá-lo ao vernáculo de cada região.

Em algumas línguas, o antigo Yakov mantém-se ainda bem próximo da forma original. Em outras, contudo, sofreu importantes transformações gráficas e fonéticas que o tornaram quase irreconhecível.

Assim, encontramos hoje, em praticamente todas as línguas europeias, filhotes de Jacó. Dou-lhes abaixo uma lista. Ela está longe de ser exaustiva. Apreciem a diversidade de descendentes do Jacó bíblico.

Bible
Inglês:
Jacob, Jakob, Jake, Jack, Jackie, Jock, Cobb, Cobby, Jeb, James, Jim, Jay, Jimmie, Jamie

Alemão:
Jakob, Jakobus, Jeckel, Jockel, Jocki, Jakel, Kobi, Köbes

Francês:
Jacques, Jacob, Jacquot

Espanhol:
Jacobo, Jaime, Diago, Diego, Iago, Santiago
(Santiago é contração do nome do santo. Sant’Iago = Santiago)

Catalão:
Jaume

Sueco, dinamarquês e norueguês:
Jakob, Jacob

Italiano:
Giacobbe, Giacobbo, Giacomo

Húngaro:
Jakab, Jákób, Jákó, Jakus

Occitano:
Jacme, Jaume

Polonês:
Jakub, Kuba, Kubuś

Armênio:
Hagop

Russo:
Яков (= Yakov)

Grego:
Ιάκοβος (= Iákovos)

Estoniano:
Jaagup, Jaak

Tcheco:
Jakub, Jakoubek, Kuba, Kubík, Kubas, Kubis

Letão:
Jekabs

Finlandês:
Jaakob

Árabe:
Yakub

Galego:
Xacobe, Xaime, Iago

Lituano:
Jokubas

Georgiano:
Iakobi

Turco:
Yakup

Ucraniano:
Яків (= Yakiv)

Albanês:
Japku, Jakup, Jakub

Napolitano:
Giacumino, Jacuviello, Jacuvo, Cuviello

Milanês:
Giàcum, Giàcumin

Piemontês:
Giàcom, Giàco, Giacolino

Curdo:
Ya’qub, Aqo

Bretão:
Jagu, Jagut, Jak, Jakez, Jakou, Iagu, Jalm

E NÓS?
Se o distinto leitor acredita que, em nossa terra, há pouca gente com esse nome, está enganado. Temos Jacó e Iago, que, é verdade, são pouco usados. Em compensação, estes últimos anos, apareceram muitos Diogos, Diegos e Tiagos. Aqui vai a explicação.

Aportuguesado, o Jacobus romano transformou-se em Jacó ou Iago, nomes muito comuns na Idade Média. O Jacomus romano deu Jaime.

Entre santos e beatos, a Igreja conta com mais de 30 Jacós. O mais importante deles é contemporâneo de Jesus. Em sua honra, uma catedral foi erigida na Espanha, numa cidade que leva o nome de Santiago (de Compostela). Hoje, como na Idade Média, muita gente vem de longe em peregrinação à catedral de lá. Santiago é a contração de Santo + Iago (= São Jacó).

Pra resumir, nossa língua guarda lembrança variada do Iakov bíblico. Temos: Jacó, Jaime, Diogo, Diego, Iago, Santiago e Tiago.

Conheço dois irmãos, um chamado Tiago e o outro, Diego. Ambos fazem parte da grande família dos tataranetos de Jacó. Carregam variantes do mesmo nome.

Publicado originalmente em 16 mar 2013.

O nome

José Horta Manzano

Pobre, analfabeto, sem profissão e sem perspectiva de melhorar de vida, o italiano Giovanni Segnorio decidiu emigrar. Tinha de sair daquele fim de mundo. Corria o ano de 1894. No vilarejo, corriam histórias de conterrâneos que haviam partido para um país novo chamado Brasil – Brasile, como eles diziam – e que haviam feito fortuna em pouco tempo. Diziam até que minúsculas pepitas de ouro rolavam pela rua. Mas a simplicidade de Giovanni não chegava ao ponto de acreditar. Só podia ser balela.

Vendeu a cabra, as galinhas e o casebre que possuía, juntou mulher e filhos pequenos e partiu para a grande aventura. Balançou durante um mês no porão de um vapor, que é como chamavam os navios à época. Ao desembarcar no Brasil, a primeira obrigação foi entrar na fila para declarar a identidade ao oficial de imigração, que inscrevia tudo, com letra caprichada, num livro enorme de capa preta. Foi aí que a história da família se complicou.

Quanto ao nome, que era Giovanni, não houve grande problema. O oficial, pouco versado em línguas estrangeiras, se distraiu e nosso herói se tornou Giovani, com um ene só. Não era tão grave. Já com o sobrenome, a coisa complicou. Ao ouvir Segnorio – que se pronuncia Senhorío, com acento tônico no í – o funcionário escreveu à moda sua, com nh no lugar de gn. Por azar, esqueceu do r. Transcrito, o sobrenome virou Senhoio, estropiado e distante do original. Analfabeto, Giovanni não se deu conta do aleijão, assinou com um xis, deixou as impressões digitais, e seguiu em frente.

Giovani Senhoio trabalhou duro para educar os filhos que, em poucos anos, já estavam perfeitamente integrados na nova terra. O tempo passou, as gerações se sucederam. Mas persistiu aquela chateação de se chamar Senhoio, nome que, lá pelos anos 1940, por excesso de zelo sabe-se lá de quem, passou a ser grafado Senhôio, assim mesmo, com acento. Soava exatamente «sem ôio» – sobrenome mais apropriado para uma família de zarolhos.

João Senhôio, membro da quarta geração, não gostou nunca do nome que lhe tinha cabido. Sentia-se envergonhado, primeiro na escola, depois na vida adulta, a cada vez que tinha de declarar identidade. Um dia, decidiu tentar alguma coisa. Comentou entre os amigos, que lhe recomendaram consultar um advogado pra ver se havia algo a fazer.

João não gostou da ideia. Não botava muita fé em advogado. Era daquele tipo que dispensava intermediação de santo. Preferia falar com Deus. Um dia, foi ao fórum da cidade procurar a informação direto na fonte. Sentado diante de uma mesinha de madeira repleta de carimbos, um atendente lhe disse que mudança de nome só podia ser determinada por via judicial. Em outras palavras, quem decidia era o juiz. João quis falar com um juiz. O atendente respondeu que era impossível, que juiz não atende assim, de supetão, sem hora marcada.

Insistente, João não se deu por vencido. Disse que dali não arredava pé sem antes ver um juiz. Cansado, o atendente fez uma busca interna e descobriu um magistrado livre naquele momento. Perguntou-lhe se podia receber um visitante que tinha uma dúvida simples, seria questão de minutos. Solícito, o juiz mandou subir. E lá foi João.

Diante do magistrado, um pouco impressionado com os móveis escuros e as pilhas de processos sobre a escrivaninha, João não tinha coragem de encarar o juiz. Este, para deixá-lo à vontade, disse, amistoso:

– Sente-se, meu jovem. Fique à vontade.

– Obrigado, doutor. Fico de pé mesmo – respondeu, olhando fixo o bico do sapato.

– Conte então qual é o problema que o preocupa.

– É meu nome, doutor. Tenho muita vergonha e queria mudar.

– Olhe, meu jovem, mudança de nome é coisa séria. Não se pode conceder a torto e a direito, senão como é que havia de ser? Imagine se todo o mundo se dispusesse a mudar de identidade. Não se encontrava mais ninguém. Seria um pandemônio.

– Entendo, doutor. Mas meu caso é sério. Não aguento mais me chamar assim

– Qual é seu nome?

– É João Senhôio, doutor.

– Ah, entendo! Tem razão. Em casos como o seu, em que o nome prejudica a pessoa, a Justiça costuma ser benevolente e atender à solicitação. E já pensou como gostaria de se chamar?

– Já sim, doutor.

– E qual é o nome?

– É Pedro Senhôio.

Qual é seu nome?

José Horta Manzano

Todo o mundo sabe que não convém mexer em time que está ganhando. Bolo feito pela receita da vovó sai sempre bom. Então pra que mudar o que está dando certo? Nome de firma, por exemplo, só se muda em dois casos: quando o nome já não bate com a atividade da empresa ou quando o negócio está indo pra trás.

Curiosamente, uma alteração que, no começo, salta aos olhos como jogada esperta pode acabar funcionando mais adiante. Na hora em que o nome é mudado, a esperteza fica muito evidente, quase incômoda. No entanto, passando o tempo, a gente acaba se esquecendo do nome antigo e adotando o novo. Vai para o esquecimento também a carga negativa que pesava sobre o nome antigo.

Tivemos um caso famoso de empresa que procurou nome novo quando o antigo ficou obsoleto. É a Sadia Transportes Aéreos, empresa que começou transportando salsicha e, quando passou a levar também passageiros, achou que não ficava bem uma companhia aérea com nome de frigorífico. O nome foi mudado para Transbrasil, empresa hoje falecida.

Em 2002, a companhia aérea Swissair foi à falência. Sua sucessora, que renasceu das cinzas após boa injeção de dinheiro do contribuinte, teve de encontrar nome novo. Um genial marqueteiro canadense, contratado pela módica soma de três milhões de dólares, bolou o extraordinário nome novo: Swiss. Um achado!

Partidos políticos – não só no Brasil – são fregueses dessa prática. Quando as coisas vão mal e os eleitores minguam, muda-se o nome. Costuma dar certo. Em pouco tempo, a população se esquece da sigla antiga. Vão-se as mágoas para o esquecimento. Já faz vários anos que o antigo PFL, que guardava o peso de ter sido braço do regime militar, se desfez do nome antigo e adotou DEM. Hoje, pouca gente se lembra.

Qual é seu nome?

O maior partido francês de extrema-direita, o Front National (Frente Nacional) suavizou seu ideário nos últimos anos. Deixou um pouco da ferocidade e adotou um discurso mais sorridente, com vistas a arrebanhar mais eleitores. Mudança de nome era indispensável. Tornou-se o Rassemblement National (Agrupamento Nacional). De propósito, muitos ainda insistem em chamá-lo pelo nome antigo. Mas a nova denominação vai se impondo pouco a pouco.

Nesse particular, a mais recente novidade entre nós é a intenção do MDB de adotar nome novo. Se acontecer, será a quarta denominação do partido, que já foi MDB, virou PMDB e voltou a ser MDB. Segundo alguns caciques, a mudança se faz necessária dado que o partido anda muito desgastado. Saiu magrinho das últimas eleições. Perdeu a presidência da Câmara e do Senado e, se bobear, vai acabar mergulhando no magma do baixo clero. Cogita-se que o novo nome pode ser Movimento. Original, não é?

Algum parlamentar, preocupado com nossas misérias humanas de cada dia, bem que podia entrar com projeto de lei permitindo que todo cidadão troque de nome quando quiser. Assim, quando a gente estiver chateado e tomar a decisão de começar vida nova, vai poder entrar no novo ciclo de alma lavada, com pé direito e… com nome novo. Não seria bom?

Birras

José Horta Manzano

by Tiff, desenhista francês

Prisão sem bloqueador
Nem todos os estabelecimentos penitenciários brasileiros são equipados com bloqueador de celular. Numa época como a nossa, em que o barateamento de dispositivos de vigilância envolveu o mundo numa teia de controles, fica difícil justificar essa ausência de monitoramento justamente onde ele é mais necessário. Se alguém souber o motivo dessa lacuna, por favor mande carta para a redação.

Sem seguro
Em agosto de 2017, um balão caiu no velódromo do Parque Olímpico do Rio de Janeiro e provocou incêndio. Era de noite, ninguém se feriu, mas o prejuízo ficou em 10 milhões de reais. Por mais incrível que possa parecer, a instalação esportiva não tinha seguro contra estragos causados pelo fogo. Como o assunto saiu de foco, nunca mais se falou nisso. A conta foi paga, naturalmente, com dinheiro do contribuinte.

De um prédio público, nem se fala: é inadmissível que não tenha seguro. Mas também de um prédio particular, é estranho que proprietários não se preocupem em proteger o que lhes pertence. Em terras mais civilizadas, seguro residencial contra incêndio é obrigatório. Em geral, a seguradora oferece planos que cobrem também queda de raio, chuva de granizo, inundação, vidraça estilhaçada, roubo por arrombamento. Pagar seguro e nunca ter de utilizá-lo é sempre melhor que perder a casa e descobrir que não tinha seguro.

Nome feio
Crodowaldo, Ketymarani, Frankstein, Izuperiu, Leidi Dai são alguns dos prenomes estranhos carregados por milhões de infelizes conterrâneos nossos. A meu ver, a liberdade de imaginação dos pais termina onde esbarra no direito que o filho tem de portar nome digno. O pobrezinho vai ter de arrastar o nome pelo resto da vida. Não se pode admitir que pais ignorantes ou irresponsáveis deem ao filho prenome estigmatizante.

Por que é que nomes que saem do ordinário não são obrigatoriamente submetidos, antes de serem sacramentados, à apreciação do dono do cartório ‒ que se supõe ser pessoa letrada? Em caso de dúvida, que um juiz seja consultado.

Não prejudicar a vida alheia, por meio de atribuição de nome ridículo, é item importante na lista dos direitos humanos. Nessa matéria, um dique de contenção tem de ser erguido pra proteger inocentes. Portar nome digno é mais importante do que vestir azul ou rosa. Alô, dona Damares!

Juntos, venceremos!

José Horta Manzano

Com exceção de sunga, fio dental, vôlei de praia & afins, o Brasil não é lançador de moda. Ainda que chinelo de dedo pareça genuína invenção nacional, já era usado por chineses dois milênios antes da chegada de Cabral. (Falo de Pedro Álvares, não daquele que está na cadeia.)

O brasileiro é bastante permeável a modas importadas. Picolé mudou de nome, virou paleta, e o povo achou o máximo. Bife de carne moída, que minha avó aprendeu a fazer com a mãe dela cem anos atrás, virou hambúrguer, e o povo achou o máximo. Liquidação virou sale, desconto virou off, entrega virou delivery ‒ e o povo achou o máximo.

Tudo o que eu mencionei são leviandades. Pode-se sobreviver sem paleta, sem sale e sem delivery. Já quando se trata de assunto importante, o Brasil é bem mais renitente. Em matéria política e social, por exemplo. Aperfeiçoamentos como voto distrital, abolição de foro privilegiado e de cela especial, diminuição de empresas estatais são mudanças difíceis de introduzir. Li outro dia que os governos lulopetistas criaram 150 empresas estatais. Cento e cinquenta cabides de emprego! Pode?

Está chegando ao país nova moda, já adotada muito tempo atrás no estrangeiro. A selva de siglas partidárias, cujo significado poucos conhecem, está sendo substituída por nomes mais simpáticos, que evitam cuidadosamente a palavra ‘partido’, desgastada e malvista.

O exemplo vem de fora. Na França, temos legendas como «La France Insoumise» (A França Rebelde) e «En Marche!» (Vamos em frente!). Na Espanha, apareceram «Podemos» e «Ciudadanos» (Cidadãos). Na Itália, há «Movimento Cinque Stelle» (Movimento Cinco Estrelas) e «Forza Italia» (Força, Itália!). Até na vizinha Bolívia, já faz tempo que señor Morales chefia o «Movimiento al Socialismo».

É o Zeitgeist ‒ sinal dos tempos. Partidos, tanto os tradicionais quanto os de aluguel, andam pra lá de desgastados no Brasil. (Se é que, um dia, já significaram alguma coisa.) Por que não aderir à moda? Nomes têm surgido a cada dia : Patriotas, Avante, Democracia Cristã, Livres, Centro Democrático. Até o PMDB, pra lá de manjado, estuda retomar a denominação originária de MDB.

No final, por que não? Não há de fazer mal a ninguém. Duvido que alguém possa recitar, na ponta da língua, o nome por extenso dos quase quarenta partidos registrados atualmente no país. PRTB? PSL? PCO? PMB? PRB? O distinto leitor conhece todos? Nem eu.

Diferentemente de alguns analistas, não vejo nessa onda de mudança nenhuma jogada de marketing urdida pelos partidos para esconder espírito malévolo debaixo de pele de cordeiro. Exibir denominações em vez de siglas traz mais vantagem que prejuízo. E me parece facilitar a identificação de cada associação. Reconheçamos que um hipotético «Juntos, venceremos!» é mais sugestivo e bem mais atraente que um reles PXYZ ou coisa que o valha.

Viva a nova moda! Que mudem todos! Ah, e que aproveitem a oportunidade para despedir todos os eleitos atuais e substituí-los por sangue novo. Como já dizia o outro, pior do que está não fica. Que se aposentem. Política não é profissão.

Congonhas muda de nome

José Horta Manzano

Se contar, ninguém acredita. Com toda a turbulência que o país atravessa, entre um conchavo e outro, suas excelências encontram o tempo de votar leis que frisam o ridículo. Anteontem, o Diário Oficial da União (da União!) informou que o chacoalhado presidente Temer, logo antes de viajar à Rússia, tinha sancionado uma lei votada pela Câmara.

A lei decorre de projeto apresentado em 2012 por um deputado ‒ que, desde então, não foi reeleito. Naqueles tempos em que o mensalão já assustava o país, o nobre deputado não encontrou nada melhor pra fazer do que propor o banimento do nome do Aeroporto de Congonhas, o segundo do país em número de passageiros. Segundo sua excelência, o aeródromo paulistano deveria ser rebatizado em homenagem a antigo deputado cearense.

clique para ampliar

Cada um tem sua opinião, que vivemos em democracia. No entanto, justamente para barrar ideias estrambóticas, as decisões parlamentares não são monocráticas, mas colegiais. Assim mesmo, o bizarro projeto foi adiante. Tramitou durante cinco anos e acabou sendo aprovado pela maioria de nossos representantes, o que deixa evidente a falta de espírito crítico da manada que fabrica nossas leis. Para coroar, o presidente sancionou. É o mundo de ponta-cabeça.

Meus leitores sabem que me oponho veementemente a dar nome de gente a logradouros públicos, prédios administrativos, estradas, estações, aeroportos & similares. Posso até admitir uma estreita exceção para aquela meia dúzia de heróis reconhecidos da nação. Agora, dar nome de deputado a aeroporto? Em que mundo vivemos? Se o autor do projeto venera a esse ponto o homenageado, que aponha uma placa com o nome de seu heroi na fachada de sua residência. Mexer com Congonhas, um patrimônio nacional? É falta de respeito e de consideração para com paulistanos, paulistas e brasileiros.

Aeroporto de Congonhas com o tradicional piso em tabuleiro de xadrez

E pensar que suas excelências são sustentadas com nosso dinheiro, que gozam de prerrogativas pra lá de especiais, que recebem jetons e auxílio moradia, que têm direito a assessores, a passagens gratuitas, a imunidade judicial… Com tanto problema num país violento, pobre, injusto, à beira da convulsão, tudo o que conseguem votar é mudança de nome de aeroporto? Francamente…

Proibição
A partir de agora, ninguém mais pousa em Congonhas nem de lá decola. O nome oficial da estação aérea passou a ser Deputado Freitas Nobre (Fortaleza, 1921 ‒ São Paulo, 1990). Não se esqueça, distinto leitor. Quando entrar no táxi, ordene: «Toca pro Deputado Freitas Nobre!»

Vingança
O maior aeroporto brasileiro também foi vítima de atentado semelhante. Aberto em 1985, foi rebatizado em 2002 como Governador André Franco Montoro (São Paulo, 1916 ‒ São Paulo, 1999). O povo sabido deu de ombros e a mudança ficou no papel. Nunca, jamais, em tempo algum alguém disse que tinha embarcado em Governador André Franco Montoro. Continuamos todos a dizer Guarulhos. O mesmo acontecerá com Congonhas. E ponto final.

Nomes e sobrenomes

José Horta Manzano

Você sabia?

Nestes tempos de Eurocopa, estive observando que 22 dos 23 jogadores da seleção islandesa de futebol têm sobrenome terminado em «son». Pareceu-me curioso. Resolvi pesquisar e consegui informações interessantes.

A mais surpreendente é que os islandeses não têm sobrenome. Pelo menos, não como entendemos nós. O costume é dar à criança um prenome (simples ou duplo) seguido pelo prenome do pai acrescido do sufixo -son (filho). Assim, Hordur Magnusson é um rapaz chamado Hordur, cujo pai se chamava Magnus.

O mesmo sistema se aplica a meninas. Levam um prenome seguido pelo prenome do pai com o sufixo -dottir (filha). Helga Magnusdottir é a moça chamada Helga, cujo pai se chamava Magnus. (Quem tiver noções de inglês há de perceber a semelhança entre «dottir» e «daughter».)

Na impossibilidade de usar o nome paterno, em caso de paternidade desconhecida ou não declarada, resolve-se o problema dando à criança o nome da mãe, sempre seguido de -son para meninos ou de -dottir para meninas. Os únicos que têm direito de usar sobrenome ‒ e de transmiti-lo aos descendentes ‒ são os (raros) islandeses de origem estrangeira.

Seleção islandesa de futebol clique para ampliar

Seleção islandesa de futebol
clique para ampliar

É de regra também escolher o prenome do recém-nascido numa lista reconhecida oficialmente. Ela contém mais de 1800 prenomes femininos e pouco mais de 1700 masculinos. Para dar ao filho um nome fora da lista, precisa obter autorização do Comitê Islandês de Nomes.

Há condições para que ele seja aceito. Unicamente letras do alfabeto nacional podem ser usadas. O nome proposto tem de ser declinável. Para tanto, tem de ser foneticamente adaptado ao espírito da língua. Nomes terminados em «o», por exemplo, não serão autorizados porque nenhuma palavra islandesa termina com essa letra. São palavras indeclináveis. Nomes que, no futuro, possam causar constrangimento à criança são igualmente recusados.

Cada terra com seu uso. Num país de 300 mil habitantes, é possível conservar esse costume tradicional. Agora imagine o distinto leitor se nossos 200 milhões de conterrâneos se chamassem «João filho de Pedro» ou «Maria filha de Antônio». Adicionaria confusão a um país já confuso. Ou não?

Mas gostei da regra que, fora da lista oficial, um nome não será aprovado se puder representar risco de constranger seu portador. Ah, se pelo menos essa regra valesse no Brasil… Evitaria muito nome ridículo e pesado de carregar.

Interligne 18cNota esportiva
Ontem ocorreu a primeira zebra deste Euro 2016. A respeitada equipe portuguesa, aquela que conta com o festejado Cristiano Ronaldo, não conseguiu ir além de um magrinho 1 x 1 contra a Islândia, considerada a seleção mais fraca do torneio.

Jeitinho danoso

Tribunal 2José Horta Manzano

Escrevo antes do exame de admissão ao STF pelo qual deverá passar, logo mais, o candidato indicado por dona Dilma. Desconheço, portanto, o resultado. Mas tenho considerações a respeito.

O que se passa estes dias é o retrato do Brasil, um exemplo acabado do «jeitinho» brasileiro, prova maior da indisciplina, da desorganização, da leniência de nossa sociedade. Muitos se orgulham dessa faceta nacional – não é meu caso.

Tribunal 4Segundo a Constituição, os poderes da República são harmônicos e complementares. Nenhuma hierarquia há entre eles. Portanto, fazer parte do colegiado que encabeça o STF é estar no topo da hierarquia, tanto quanto o presidente da República.

Presidente, muda-se a cada quatro anos, quando nos é permitido despachar o antigo pra casa e eleger outro. Escolha de ministro de STF deve ser feita com cuidado redobrado, dado que o cargo é vitalício. Com a escolha de mau titular, quem se dana é o País. Ninguém poderá tirar o homem de lá.

Tribunal 5Pela natureza do cargo, é conveniente que juízes exibam perfil neutro. Essa recomendação de imparcialidade vale sobretudo para juízes-mores. Melhor será que não tenham (nem tenham tido) proximidade com movimentos radicais, com partidos políticos, nem com teorias extremistas, revolucionárias ou sectárias. Serem conhecidos por suas opiniões sensatas, é o mínimo que se pode exigir.

O atual candidato à vaga do Supremo não se encaixa nesse perfil. Pelo que o Brasil inteiro ficou sabendo estes dias, o postulante comunga com ideias próximas às de movimentos radicais. Pior que isso, está demonstrado que passou por cima da lei ao aceitar posto na Procuradoria Pública ao mesmo tempo que continuava exercendo como advogado privado.

Tribunal 3Dona Dilma, amparada por seus assessores, não pode alegar ignorância desses fatos. Não devia, portanto, ter nomeado esse indivíduo para posto tão importante. Ao indicá-lo, a presidente fez exatamente como ele: pisoteou a Constituição, o decoro e o bom senso. Tentou “dar um jeitinho”, contornar leis e regras. É revoltante assistir ao menosprezo do interesse da nação em prol das conveniênciais pessoais da presidente e da nomenklatura que lhe assiste.

Que o senhor Fachin seja ou não aprovado pelos parlamentares é de somenos. O pior passo já foi dado pela presidente ao indicá-lo para o topo do STF. Se não quiserem descer mais um degrau na pouca consideração que a nação ainda lhes devota, os congressistas têm de repudiar o postulante. É o mínimo que podem fazer para remendar o tremendo erro presidencial.

Interligne 18c

Facchino 3Curiosidade etimológica
Fachin (pronuncie Faquín) é forma dialetal vêneta do italiano facchino. Provém do árabe faqih, que designava, na origem, um doutor, um sacerdote, um teólogo ou um juiz – pessoa importante.

Facchino 2Ao entrar na língua italiana, o termo foi perdendo majestade. Com o decorrer do tempo, passou a significar superintendente, controlador de alfândega. Decaiu, em seguida, para designar um escrivão. Continuou perdendo importância. Alguns séculos atrás, adquiriu o sentido de vendedor ambulante, mascate.

Facchino 1Hoje chegou ao fundo do poço. Facchino é como são chamados os carregadores de malas, os descarregadores de caminhão, os que transportam objetos pesados. Aliás, a palavra faquino existe, com o mesmo sentido, em nossa língua. Mas seu uso é pra lá de bissexto.

Esperemos que a (provável) sagração de nosso Fachin nacional não signifique a decadência da função de ministro do STF.

Dignidade démodée

José Horta Manzano

Petrobras 3Nestes tempos bicudos de valores pervertidos e de salve-se quem puder, vez por outra surge um fato pra ajudar a levantar o moral.

Destoando da enxurrada de calamidades, uma notícia honrada apareceu mês passado. Em outros tempos, seria encarada como banal, evidente. Já em épocas degeneradas como a atual, merece destaque.

Mônica Bergamo, articulista da Folha de São Paulo, informou – em letrinhas miúdas – que familiares de dona Zilda Arns tinham polidamente declinado de uma homenagem que a Petrobrás se preparava a prestar à ilustre médica falecida tragicamente cinco anos atrás no terremoto de Porto Príncipe. A petroleira se propunha a dar, a um dos navios da Transpetro, o nome da médica sanitarista.

Zilda ArnsNuma educada resposta, a família renunciou à homenagem. Como justificativa, argumentou que só permitia que o nome de dona Zilda fosse usado em eventos ou objetos cujo objetivo não fosse comercial. Não era, evidentemente, o caso do barco da Petrobrás, portanto…

Andamos todos tão acostumados a ver gente se apoderando do que não é seu sem pedir licença que ficamos surpreendidos com tal demonstração de recato fora de moda.

O que costumava ser regra passou a ser exceção cada dia mais rara. Vamos torcer para que atitudes como essa se multipliquem.

Só para terminar: diante da recusa, a Petrobrás tascou na embarcação o nome da falecida escritora Zélia Gattai, mulher de Jorge Amado.

Apagando a História

José Horta Manzano

Dois dias atrás, a Câmara Municipal de Porto Alegre (RS) aprovou, por ampla maioria, a alteração do nome de importante via pública da cidade.

Se o prefeito sancionar a lei, a Avenida Presidente Castelo Branco passará a chamar-se oficialmente Avenida da Legalidade e da Democracia.

Entendo a intenção do legislador, mas fico dubitativo quanto ao sucesso da iniciativa. O propósito dos vereadores que propuseram o banimento do nome que lhes provocava azia era sepultar a memória do primeiro general-presidente do período militar. Agiram como quem guarda mágoas na geladeira ou no porão. “Longe dos olhos, longe do coração” ― imaginam. Quanto a mim, não tenho tanta certeza.

Avenida Castelo BrancoPor outro lado, tenho dificuldade em entender a lógica da escamoteação. A não menção de um fato não tem o condão de fazê-lo desaparecer. Não se refaz a História. Vale ainda ressaltar uma ironia: Castelo Branco, a mais recente vítima dos revisionistas, foi justamente o presidente-general que chefiou a ditadura em seu período menos feroz.

Mas o pior vem agora. Para continuarem afirmando que têm reinventado o Brasil desde que se aboletaram no poder há doze anos, os que nos governam precisam de pontos de referência anteriores. Ao sonegarem a memória do que tinha acontecido antes, seu discurso há de soar ainda mais falso e artificial.

E tem mais. Se a moda pega, as câmaras dos quase seis mil municípios brasileiros vão ter muito trabalho pela frente. Praticamente todas as as cidades têm um logradouro nomeado em homenagem ao ditador Getúlio Vargas. Sem contar os interventores por ele nomeados.

Senhores vereadores, arregacem as mangas e comecem já antes que vosso mandato se esgote. Vai dar um trabalhão!

Novos tempos

by Silvano Gonçalves Mello, desenhista mineiro

by Silvano Gonçalves Mello,
desenhista mineiro

O índio vai ao cartório e o funcionário, solícito, pergunta:

― Em que posso ajudá-lo senhor?

― Índio quer mudar de nome.

― Mas, senhor, os nomes indígenas são suas raízes culturais. Tem certeza de que deseja mudar?

― Sim, certeza! Nome comprido, difícil falar.

― Bom, sendo assim… Qual é o seu nome atual?

― Grande Nuvem Azul que Leva Mensagem para outro Lado da Montanha.

― É, é verdade que é comprido. E o senhor já pensou num novo nome?

― Já.

― E qual é?

― Email.

A arte de nomear

Crédito: Fraudes.org

Crédito: Fraudes.org

José Horta Manzano

Pais brasileiros (e mães brasileiras, como costumava dizer um velho latifundiário que chegou até à presidência da República) costumam ser criativos ao dar nome a seus rebentos.

Criatividade demais, como tudo o que é excessivo, pode acabar em desastre. O Correio Braziliense nos informa que, alguns dias atrás, uma criança do sexo masculino foi registrada com nome feminino. Acabou dando um forrobodó dos diabos.

Compreendo que ninguém pode dar o que não tem. Não se extrai leite de pedra. Quem não recebeu instrução básica pode até não se dar conta de que, ao impor a seu filho um nome extravagante, excêntrico ou ridículo periga criar um sem número de problemas para o pequerrucho.

Os portugueses adotam uma norma ultrarradical que, acredito eu, não seja adaptada para estas terras tropicais. Naquele país d’além-mar, o prenome da criança tem necessariamente de ser pinçado dentre os que constam da lista oficial de nomes. Impossível escapar dela.

Nós cultivamos o exagero oposto. Num clima de liberou geral, aqui vale qualquer nome. Existente, novo, inventado, composto, impronunciável, qualquer um passa. A moda atual manda dobrar letras, enfiar agás, dáblius e ípsilons em qualquer posição. Fica chique. Vale nome de personagem de novela, nome de objeto, nome fabricado. As combinações são infinitas.

Não se pode esperar que cidadãos de poucas letras se deem conta da enormidade dificilmente reparável que estarão a cometer se impingirem a seus rebentos nomes como Crodomirnésio ou Baracobama. No entanto, é incompreensível que oficiais e escrivães de cartório digam amém a aberrações como essa que se perpetrou no DF.

Não temos ainda um Ministério dos Prenomes. Aliás, é melhor nem falar nisso, que poderia dar más ideias a um governo que não se peja com criar novos cargos.

Se oficiais e escrivães de cartório de registro civil não têm autoridade para barrar nomes extravagantes ou mal escritos, que lhes seja conferido esse poder. Caso os pais não concordem com o alvitre do oficial, recorrerão à arbitragem de um juiz.

O que não fica bem é marcar seres inocentes com um estigma que serão constrangidos a carregar pelo resto da vida.