Butcha

José Horta Manzano

Uma guerra de conquista travada na Europa em pleno século 21, de tão anacrônica e assustadora, não pôde passar despercebida. Repórteres, jornalistas, cinegrafistas do mundo todo estão de olho grudado no desenrolar dos acontecimentos.

Se a intenção de Putin era lançar uma Blitzkrieg (=guerra relâmpago), deu-se mal. Analisando desse ponto de vista, já perdeu. O bumerangue voltou mais rápido e com mais força. Em maior ou menor medida, o planeta inteiro vai sofrer; mas as consequências da insanidade serão ainda mais pesadas para Putin e seu povo.

Filmado por repórteres e sacramentado por imagens de satélite, um massacre foi cometido numa cidadezinha tranquila, situada na periferia de Kiev, povoada por 35 mil pessoas antes da guerra.

Agências internacionais deram a notícia. Como se sabe, despachos vêm em inglês. Sonolentos, alguns encarregados de traduzir para a mídia nacional descuidaram de adaptar para nossa fonética o nome da cidade agredida.

A grafia cirílica Буча, transliterada para o inglês, dá Bucha, sequência de letras que, lida por um inglês, corresponde à pronúncia original. Não sei como o nome está sendo pronunciado pelo rádio e pela tevê no Brasil. O que sei é que boa parte de nossa mídia escrita adotou, sem refletir, a grafia inglesa.

O problema é que, em inglês, as duas letrinhas “ch” são pronunciadas “tch” – coisa que a gente aprende na primeira aula. Portanto, para permitir que um leitor brasileiro pronuncie corretamente o nome da cidade, é preciso escrever Butcha, não Bucha.

Sempre alerta, a Folha de São Paulo entendeu.

Folha de São Paulo

Já os outros dois grandes órgãos da imprensa nacional continuam cochilando.

Estadão

O Globo

 

Línguas lusófonas

Chamada da Folha de São Paulo, 9 fev° 2022

José Horta Manzano

A Europa abriga grandes famílias linguísticas. Há as línguas latinas, as germânicas, as eslavas. As latinas também podem ser chamadas neolatinas, romances ou românicas.

Com toda sinceridade, é a primeira vez que ouço falar em “línguas lusófonas”. Suponho que a língua portuguesa entre nessa curiosa categoria. Quais seriam as outras? Ou será que o jornal já dá de barato que o português e o brasileiro são línguas diferentes?

Em tempo
O adjetivo lusófono define o indivíduo que fala português. A língua propriamente dita, não se deve dizer que é “lusófona”, mas lusa.

Deriva continental

Folha de São Paulo, 6 dez° 2021

José Horta Manzano

Numa aula sobre deriva continental, este blogueiro aprendeu que o subcontinente sul-americano se desprendeu de um supercontinente ao qual se costuma dar o nome de Pangeia.

Isso aconteceu por volta de 145 milhões de anos atrás, no Jurássico – período geológico de que todos já ouviram falar por causa do filme. A América do Sul se destacou inteira desde o que é hoje o Canal do Panamá até a Terra do Fogo, na ponta do Cone Sul. De lá pra cá, tirando alguma pequena distorção, conservou a silhueta original.

Bom, isso era o que se acreditava. No entanto, tem um estagiário na Folha de SP que, sempre trabalhando quietinho, na moita e noturnamente, surpreende, às vezes, seus leitores. Estes dias, comunicou uma descoberta extraordinária.

Não se sabe se o rapaz foi picado por mosca varejeira ou por sapo jururu. O fato é que ele ficou sabendo que o Estreito de Magalhães, aquele que separa a Terra do Fogo do continente sul-americano, desrespeitou a cronologia da deriva dos continentes.

O braço de mar não tem os milhões de anos que se imaginava, mas sua abertura é bem mais recente. Está fazendo apenas 501 anos. Uma surpresa e tanto, não? Se existisse um Prêmio Nobel de Geografia, o estagiário estaria certamente entre os indicados.

Passa ser

José Horta Manzano

Não acredito que a pisada na bola seja consequência da intromissão do Bolsonaro no Enem; se bem que, pensando bem, tem um pouco a ver, sim senhor.

Não é de hoje que a Instrução Pública vem sendo mandada pra escanteio “nesse país”, como diria nosso guia. Mas há que reconhecer que, com os personagens peculiares que escolheu para chefiar o Ministério da Educação, o capitão está dando sequência ao que outros já vêm fazendo faz tempo. Tem se esmerado mais que os anteriores, é verdade, mas a linha de conduta é a mesma. O intuito de todos eles é desinformar. Afinal, povo desinformado é mais facilmente manipulado. Ou não?

Aos ouvidos de quem não está acostumado a ler, a expressão “passa a ser”, pode ser entendida como “passa ser”. O escorregão na chamada da Folha não decorre de falta de atenção; é falta de conhecimento mesmo. Os que escrevem “passa ser” são os mesmos que escreveriam “vai começar chover”.

Falta instrução, que só viria com mais leitura. Falta leitura, que teria de ser incentivada pela escola. Falta escola, que teria de ser implantada pelo governo. Falta governo, que teria de ser eleito por um povo instruído. Falta povo instruído… e o círculo vicioso se fecha. Será que um dia vai se romper?

Rainha Isabel

José Horta Manzano

O aportuguesamento de nomes e sobrenomes era comum nos antigamentes. Todas as línguas procediam exatamente da mesma maneira. Há exemplos a dar com pau.

No original italiano, Cristóvão Colombo era Cristòforo Colombo. Em inglês, ficou Christopher Columbus; em espanhol, Cristóbal Colón; em francês, Christophe Colomb; em alemão, Christoph Kolumbus.

O português Fernão de Magalhães virou Fernand de Magellan em francês, Ferdinando Magellano em italiano, Fernando de Magallanes em espanhol.

Em nossa língua, o polonês Mikołaj Kopernik transformou-se em Nicolau Copérnico. Ingleses e alemães conhecem nosso D. Pedro II como Peter II, enquanto italianos dizem Pietro II e franceses preferem Pierre II.

Os espanhóis, até hoje, traduzem o nome dos membros da realeza estrangeira. Quando se referem à família real inglesa, é divertido ouvir falarem da rainha Isabel e dos príncipes Carlos, Guillermo, Henrique e Jorge. A gente precisa retraduzir mentalmente pra saber de quem estão falando.

No Brasil, hoje em dia, é raro ver nome estrangeiro traduzido ou adaptado. Mas de vez em quando escapa um. Foi o que fez o estagiário do Estadão, ao mencionar o nome daquele que (parece que) acaba de ser eleito para o cargo de presidente do Peru: Castillo virou Castilho.

Mas vamos ser justos: foi sem intenção. Na hora de escrever, o automatismo falou mais alto e os dedinhos correram soltos.

Eu somos?

Chamada Estadão

José Horta Manzano

À primeira vista, a frase parece correta. Na releitura, dá pra perceber que algo está fora de lugar. E está.

O verbo tem de concordar com o sujeito. Sujeito no singular exige verbo também no singular. E vice-versa.

O sujeito da frase é desinformação, que está no singular; portanto, o verbo também tem de estar.

Retificando:
Desinformação nas redes sociais inflama conflito israelense-palestino.

Clubes se proliferam?

José Horta Manzano

Quem escreveu a chamada bobeou. Proliferar não é verbo pronominal. É intransitivo, ou seja, não admite objeto. Portanto, alguma coisa simplesmente prolifera. Além disso, no trecho “ganham mais leitores”, o “mais” sobra.

Retificando:
Clubes de assinatura de livros ganham leitores e proliferam na pandemia.

Quem tem telhado de vidro – 2

José Horta Manzano

O inclassificável Abraham Weintraub foi-se. Homem de pouca leitura, também tinha cara de poucos amigos. Não é de espantar que tenha colecionado inimigos. Entre eles, surpreendentemente, a colônia judaica. Uma façanha!

Foi ministro durante ano e pouco, tempo insuficiente pra fazer estrago maior na Instrução Pública. Imagino que os danos sejam reversíveis, se bem que, à boca pequena, corre a informação de que o sucessor será alguém ‘terrivelmente ideológico’. Isso quer dizer que, tirando aquele inimitável ar aparvalhado de Weintraub, a troca será de seis por meia dúzia. Pobre Brasil…

Correio Braziliense: capa da edição impressa de 19 jun° 2020

Como toda a imprensa, sem exceção, o Correio Braziliense também deu a notícia em primeira página. O redator quis fazer troça com o “imprecionante”, aquele pontapé que o (agora ex-) ministro tinha dado na língua algum tempo atrás. Até aí, nada de mais, que a falta de familiaridade do moço com a língua não era segredo pra ninguém. No entanto, quem atira pedra ao telhado do vizinho deve assegurar-se de não estar coberto por telhas de vidro.

O jornal descuidou-se. Duas linhas abaixo do “imprecionante”, tascou, por conta própria, um “distencionar”. Ai, ai, ai. O verbo deriva de tenso, que se grafa com s. Portanto, toda a família acompanha. Tensão, distensão, extensão, ostensão, tensionar e, naturalmente, distensionar. Paft! – o telhado estilhaçou.

Melhor faria se tivesse usado distender, que é sinônimo e tem a vantagem de ser desprovido de armadilhas.

Fundo eleitoral crescidinho

José Horta Manzano

Nossa língua é muito difícil. Principalmente pra quem não aprendeu. A crise que assola a mídia tradicional – falo dos grandes jornais – deve ser realmente bem mais acachapante do que imaginamos. Os cortes salariais não estão atingindo só o porteiro e a mulher do café; já chegam à redação.

Estranhas chamadas de primeira página andam aparecendo. Algumas são tão absconsas que só podem ser compreendidas por iniciados; outras tiranizam a língua. Hoje o Estadão online estampou esta pérola:

Chamada Estadão, 19 set° 2019

A maior parte das vezes, o verbo crescer é intransitivo. Algo cresce. Ponto e basta, sem complementos.

Em casos mais raros, pode aparecer como transitivo indireto. Por exemplo:
À medida que discursava, o deputado transpirava mais e mais abundantemente e seu verbo crescia em furor.

Crescer não será jamais transitivo direto. Ninguém pode crescer algo.

Portanto, pra retomar o texto do jornal, a brecha aberta pela Câmara não crescerá o fundo eleitoral. Pra consertar, há diversas soluções. À escolha do freguês.

A brecha fará fundo eleitoral crescer.

A brecha aumentará fundo eleitoral.

A brecha inflacionará fundo eleitoral.

A brecha ampliará fundo eleitoral.

A brecha inchará fundo eleitoral.

A brecha expandirá fundo eleitoral.

Essa história deixa um gosto amargo. Constata-se, mais uma vez, que Suas Excelências estão legislando em causa própria. Isso não me parece republicano. Acho que certas decisões que dizem diretamente respeito aos parlamentares deveriam ser tomadas por outras instâncias.

Não faz sentido que eles fixem o próprio salário, as mordomias, os adicionais, o número de assessores, a remuneração do pessoal, as condições de aposentadoria, o valor do fundo eleitoral. Essa tarefa deveria ser atribuída a um coletivo independente de cidadãos, que nada tivesse que ver com o Congresso. Pode-se discutir sobre a composição do plantel e a forma de escolher os componentes. O importante é que cessasse essa aberração de congressistas legislarem em benefício próprio.

Não é admissível que subsistam cidadãos ‘mais iguais que os outros’, gente que tem a faca e o queijo na mão. E a boca.

Garde à vue

José Horta Manzano

Michel Platini, glória do futebol francês nos anos 80, subiu na vida depois que abandonou o gramado. Chegou à presidência da Uefa, a União das Associações Europeias de Futebol, equivalente a nossa Conmebol.

Acusado de envolvimento em obscuras negociatas, voltou à luz dos holofotes. Só que, desta vez, não são os holofotes do estádio, mas os da mídia internacional, que se delicia quando um figurão tem contas a acertar com a justiça.

Chamada do Estadão, 18 jun 2019

O Estadão errou. Não, Platini não foi preso.

Chamada da Folha de SP, 18 jun 2019

A Folha de São Paulo errou. Não, Platini não foi preso.

Chamada d’O Globo, 18 jun 2019

O Globo acertou! Platini foi detido.

Na França – e também no Brasil – ser preso e ser detido são coisas diferentes. Platini foi hoje «placé en garde à vue».

Segundo os procedimentos policiais e judiciais da França, no decurso de uma investigação policial, o suspeito pode ser detido e instalado numa cela especial, dentro da delegacia de polícia. A todo momento, pode ser chamado para interrogatório. Dorme ali. Come ali. Esse regime, chamado de «garde à vue – retenção à vista», dura geralmente 48 horas. Ao final, o suspeito será apresentado a um juiz, que decidirá se o deixa livre ou se o despacha direto para a prisão.

Atualmente, Michel Platini está nessa situação. Nos filmes policiais, a cela costuma ser um engradado, num canto da delegacia, sem privacidade, à vista de quem por ali passar. Na vida real, pode ser situada em local mais discreto.

Amanhã ou depois, conheceremos a decisão do juiz. Saberemos se será aberto processo judicial e, se for o caso, se Platini poderá responder em liberdade. Ou não.

Foi mal

José Horta Manzano

Baita escorregão! É d’O Globo de hoje. Já ouvi muita acusação contra o presidente dos EUA. Prepotente, autoritário, trapalhão, inconsequente, mentiroso, presunçoso – são algumas delas. É a primeira vez que o vejo acusado de botar quebranto. Parece que a rainha Elizabeth, bem assessorada, já sabia do perigo. Nada como receber informações de primeira mão.

Chamada d’O Globo, 5 junho 2019

Pode até ser verdade; não posso garantir porque não sou amigo de infância de Mr. Trump. Mas, cá entre nós, o autor da chamada quis dizer uma coisa e acabou escrevendo outra. Aquele feitiço que, dizem, certas pessoas têm o condão de lançar com os olhos chama-se mau-olhado. Escreve-se com tracinho. E, naturalmente, é mau, não mal.

Mãe analfabeta

José Horta Manzano

Tirei esta frase do editorial do Estadão deste domingo:

“Se o recorte for feito, por exemplo, entre jovens negros, residentes em áreas rurais do Nordeste e que a mãe é analfabeta, apenas 8% concluíram o ensino médio até os 18 anos.”

Muitos escribas, seja pra dar prova de maior proximidade com o leitor, seja por outra razão qualquer, reproduzem na escrita a linguagem oral. É um recurso de estilo muito útil, que este blogueiro usa com frequência.

Como sabemos, o português brasileiro apresenta crescente afastamento entre a escrita e a oralidade. Na verdade, ninguém aprende em casa o português dito “certo” ou “correto”. A língua materna de todos nós não tem nome, mas qualquer um concordará: ela é diferente da língua escrita. Esse não é um fenômeno universal. Em países como a França, a Inglaterra, a Alemanha, a Suécia e tantos outros, a língua falada coincide com a escrita. Se diferenças há, elas se limitam a uma ou outra expressão familiar ou coloquial.

O respeito e o receio que nos inspira a língua culta vem do fato de nos sentirmos inseguros ao lidar com ela. Seria exagero classificar o português culto como língua estrangeira, mas a forma erudita não nos é nada familiar. Pra manejá-la, temos de calçar luvas, usar pinças e trabalhar com muito cuidado.

Em outras terras, o único problema de quem escreve é a ortografia, dificuldade que qualquer corretor automático elimina. Fora isso, quem escreve pode soltar as amarras. Basta escrever como está acostumado a falar, que vai dar certo. Uma delícia que nós outros não conhecemos.

Em contexto informal, o uso de fórmulas coloquiais na escrita é permitido. No editorial de um jornal de referência, cai mal. Pois foi o que fez o Estadão hoje, na frase que destaquei no alto desta página. Convido o distinto leitor a relê-la. Todo o mundo entende, é verdade, mas não é assim que se deve escrever em português culto. A frase é torturada. Pega mal, principalmente inserida em editorial que se alarma com os índices de evasão escolar.

Na linguagem oral, faz muito tempo que o pronome “cujo” desapareceu. Mesmo na escrita, só aparece raramente. Quem escreve, sempre dá um jeito de torcer a frase pra evitar usá-lo. Tivesse sido usado na frase do Estadão, teria aliviado a tortura – que, todos sabem, é proibida pela Constituição!

A frase do jornal reproduziu o formato popular que substituiu o “cujo” pelo “que”. É o que ocorre em frases como:

Aquela moça que o pai morreu (= moça cujo pai morreu)

O livro que a capa estragou (livro cuja capa estragou)

O carro que a porta caiu (carro cuja porta caiu)

No artigo do jornal, mesmo sem o “cujo” teria sido possível evitar essa reprodução da fala popular. Poderiam ter escrito:

“Se o recorte for feito, por exemplo, entre jovens nordestinos negros, com mãe analfabeta e residentes em áreas rurais, (vai-se constatar que) apenas 8% concluíram o ensino médio até os 18 anos.”

Há outras possibilidades de revirar a frase sem escorregar da forma culta para a coloquial. É sempre a mesma história: pra quem sabe, é fácil; pra quem não sabe, é mistério insondável.

Terremoto – 2

José Horta Manzano

Em nosso país, os terremotos mais frequentes são de natureza política – esses estouram dia sim, outro também. Tremores de terra no sentido original, daqueles que derrubam gentes e prédios, são fenômeno bem mais raro. Ocorrem, às vezes, mas em geral em zonas de escassa habitação, o que suaviza o problema. A gente só fica sabendo quando algum sismógrafo ultrassensível, montado a milhares de quilômetros dali, registra e publica o acontecido. Já nossos hermanos do Peru, do Chile, do Equador, da Colômbia estão muito mais expostos a esse tipo de ocorrência. Quando violentos, os terremotos podem causar perda de muitas vidas além de grande estrago material.

Terremoto de 26 maio 2019

No domingo 26 de maio, forte sismo de magnitude estimada em 7,5 graus na Escala Richter sacudiu a região do Alto Amazonas, no Peru. Foi sentido no país inteiro e até nos vizinhos Equador e Colômbia. É mais que provável que pudesse ter sido sentido também no Brasil, no oeste do Amazonas e no Acre, se essas regiões fossem mais densamente povoadas. Como há pouca gente por ali, só ficamos sabendo porque os sismógrafos peruanos registraram.

Em nota discreta, a notícia foi dada pela mídia brasileira. Como acontece a cada vez, escorregaram na hora de dar os detalhes. O Estadão, por exemplo, escreveu que o epicentro do tremor foi registrado a uma profundidade de 141km. Bobeou. Já falei nisso antes mas, como o erro se repete, repito eu também.

Estadão, 26 maio 2019

Epicentro é o ponto da superfície (da terra ou do mar) situado exatamente acima do lugar onde teve origem a ruptura que causou o terremoto. Portanto, é incorreto dizer que o epicentro está situado a tal profundidade. Está sempre na superfície. A palavra epicentro utiliza o prefixo grego epi = acima, na superfície. O hipocentro é o ponto onde se produziu a ruptura. Esse, sim, está sempre na profundidade.

O escorregão se explica. Pra terremoto político, estamos escolados. Já tremor de terra não é nossa praia. Cada qual com sua especialidade, ué.

Meio porcento

José Horta Manzano

«Alguns dos números apurados pela CNM: só 0,5% das cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes incentiva a substituição das frotas de ônibus atuais por carros elétricos.»

Extraí esse texto de notícia dada hoje pelo Estadão. Como raramente compro pelo valor de face, fui verificar. Queria saber quantos municípios de mais de 300 mil moradores há no Brasil. São 89, número considerável.

Agora vem o nó. A notícia fala em 0,5% deles. Quanto dá 0,5% de 89? Dá 0,45. Portanto, nem meia cidade incentiva o uso de ônibus elétricos. Sente o absurdo?

Pra publicar bobagens assim, é melhor não dar números. Mais vale dizer que menos de meio município aderiu à prática ecológica. Ninguém vai entender, mas que importância tem?

Decretar falência

José Horta Manzano

Falência? De filial de multinacional? Coisa mais estranha. Cheira mal. É esquisitíssimo assistir à quebra de uma filial de grande multinacional. Estranho também é dizer que a empresa «decretou falência».

Chamada d’O Globo, 1° abr 2019

A falência (ou quebra, ou bancarrota) é decretada por autoridade judicial. Quando a firma não tem meios de honrar os próprios compromissos, cabe-lhe pedir falência. Constatado o estado falimentar e cumprido o devido ritual, cabe a um magistrado tomar a decisão de decretar a falência.

O gato e o biscoito

José Horta Manzano

Não somos os únicos a achar que gato, só porque nasceu no forno, é biscoito. Outros também incorrem nesse erro primário.

A lei argentina de nacionalidade diz o seguinte:

“Son argentinos todos los individuos nacidos en el territorio de la República, sea cual fuere la nacionalidad de sus padres, con excepción de los hijos de ministros extranjeros y miembros de la legación residentes en la República.”

Portanto, a nacionalidade do pais hermano é garantida a todos os nascidos no território salvo a filhos de funcionários estrangeiros que estiverem no país a serviço. Nesse ponto, a lei argentina e a brasileira são idênticas.

A propósito da morte do jornalista Ricardo Boéchat, o jornal Clarín, de Buenos Aires, estampou a manchete abaixo.

clique para ampliar

Na tentativa de se apoderar do ilustre falecido, escorregaram no biscoito do gato do forno. O jornalista realmente nasceu em Buenos Aires. No entanto, seu pai, diplomata, estava a serviço do governo brasileiro. Sua situação é claramente definida, tanto na lei de nacionalidade de lá quanto na de cá: não nasceu argentino, mas brasileiro. Se tivesse desejado adquirir a nacionalidade do país hermano, teria tido de enfrentar processo ordinário de naturalização, como qualquer estrangeiro.

Boéchat nasceu e morreu brasileiro. Portava um sobrenome suíço, da região das montanhas do Jura. Não estou a par dos segredos da família dele mas, se tiver sido realmente descendente de suíços, teria tido direito a reclamar o passaporte helvético. Não sei se chegou a fazê-lo.

Pente-fino

José Horta Manzano

Chamada O Globo, 8 jan° 2019

Este blogueiro é do tempo em que goiaba não nascia em pé de goiaba, mas em goiabeira.

Tudo era diferente naquela época. Quem fazia pente, por exemplo, era a fábrica. O utilizador passava o pente.

Ah, tem mais! Substantivo composto, pente-fino se escrevia assim, com hífen. (Aliás, continua-se a escrever do mesmo jeito.) Pente fino (sem hífen) é qualquer pente de pouca espessura. Pente-fino (com hífen) é objeto específico, que todos conhecemos, excelente pra tirar piolho. Aliás, o pente-fino nem é tão fino assim ‒ o espaço entre os dentes é que é reduzido.

Dicionários, que não costumam mentir, estão aí, loucos pra serem consultados.