Lviv

José Horta Manzano

As bombas de Putin trouxeram ao noticiário o nome de Lviv, importante cidade da Ucrânia. Para alívio de seus assustados habitantes, Lviv não foi sitiada, nem invadida, tampouco bombardeada. Até o momento em que escrevo.

A cidade foi fundada numa dessas esquinas estratégicas da Europa medieval, no que era então o Reino da Galícia-Volínia. Foi durante o reinado de Daniel I, em meados do século 13.

Nestes oito séculos, a cidade mudou de mãos numerosas vezes, pertenceu a reinos, principados, impérios e repúblicas. Teve grande número de “donos”. A impressionante lista vai aqui abaixo.

Principado da Galícia-Volínia (1256-1349)
Reino da Polônia (1349-1569)
República das Duas Nações (Polônia e Lituânia) (1569-1772)
Reino da Galícia e Lodoméria (1772-1804)
Império Austríaco (1804-1867)
Império Austro-Húngaro (1867-1918)
República Popular da Ucrânia Ocidental (1918)
Polônia (1918-1939)
União Soviética (1939-1941)
Alemanha nazista (1941-1944)
União Soviética (1944-1991)
Ucrânia (1991 até o presente)

Essa concentração de heranças tão diversas fez de Lviv uma cidade que destoa, em arquitetura, das demais cidades ucranianas. Enquanto as outras, em maior ou menor escala, guardam fortes traços da era soviética, Lviv ostenta um charme tranquilo, indefinível, com toques germânicos, bálticos e até nórdicos.

Outra marca do cosmopolitismo da cidade é sua coleção de nomes. O rei fundador deu-lhe o nome do filho Lev – que significa Leão nas línguas eslavas. Diferentes línguas traduziram, bem ou mal, o nome original. Ou simplesmente o adaptaram a sua fonética.

Os franceses hesitaram entre Léopol, Léoville e Lionville. Acabaram ficando com Lviv mesmo. Em italiano e em espanhol, o nome é Leopoli/Leópolis(*). Lituanos e letões preferem Lvovas/Lviva. Os alemães deram-lhe o nome de Lemberg. Os judeus, que chegaram a ser numerosos por lá antes dos massacres da Segunda Guerra, utilizavam o mesmo nome Lemberg, embora escrito com caracteres hebraicos. Em russo, o nome é Львов (pr: Lhvôf). Os poloneses utilizam praticamente o mesmo nome, mas escrevem em caracteres latinos: Lwów. Os ucranianos, que são os donos atuais, escrevem Львів (pr: Lhvif). Entre nós, visto que a cidade era muito pouco conhecida até outro dia, tem sido adotada a transliteração do ucraniano = Lviv.

O centro histórico da cidade está inscrito na lista do patrimônio arquitetural da Unesco. Ao sabor de guerras e ocupações, sua demografia sofreu mudanças drásticas. Em 1931, a população se subdividia em 50% de poloneses, 32% de judeus e 16% de ucranianos – cada grupo falando sua língua. Na virada do século, por volta do ano 2000, os judeus haviam praticamente desaparecido, assim como os poloneses. Por seu lado a porcentagem de ucranianos havia saltado de 16% para 88% e persistia um contingente de russos de 9%, num resquício da era soviética.

Atirar bombas sobre populações civis, como vêm fazendo as tropas de Putin em outros centros urbanos da Ucrânia, é crime contra a Humanidade. Bombardear Lviv agravaria o nível da ação celerada, acrescentando mais um crime à extensa lista de selvajaria: a destruição de patrimônio da Humanidade.

(*) Temos, no estado do Paraná, um município de nome Leópolis. Logo que fiquei sabendo, imaginei que fosse região de colonização polonesa ou ucraniana. Engano. A origem é mais prosaica. Trata-se simplesmente de homenagem ao proprietário da gleba na qual o povoado foi fundado. Ele se chamava Léo, donde o nome de Leópolis. Portanto, nada a ver com Lviv.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s