Congonhas muda de nome

José Horta Manzano

Se contar, ninguém acredita. Com toda a turbulência que o país atravessa, entre um conchavo e outro, suas excelências encontram o tempo de votar leis que frisam o ridículo. Anteontem, o Diário Oficial da União (da União!) informou que o chacoalhado presidente Temer, logo antes de viajar à Rússia, tinha sancionado uma lei votada pela Câmara.

A lei decorre de projeto apresentado em 2012 por um deputado ‒ que, desde então, não foi reeleito. Naqueles tempos em que o mensalão já assustava o país, o nobre deputado não encontrou nada melhor pra fazer do que propor o banimento do nome do Aeroporto de Congonhas, o segundo do país em número de passageiros. Segundo sua excelência, o aeródromo paulistano deveria ser rebatizado em homenagem a antigo deputado cearense.

clique para ampliar

Cada um tem sua opinião, que vivemos em democracia. No entanto, justamente para barrar ideias estrambóticas, as decisões parlamentares não são monocráticas, mas colegiais. Assim mesmo, o bizarro projeto foi adiante. Tramitou durante cinco anos e acabou sendo aprovado pela maioria de nossos representantes, o que deixa evidente a falta de espírito crítico da manada que fabrica nossas leis. Para coroar, o presidente sancionou. É o mundo de ponta-cabeça.

Meus leitores sabem que me oponho veementemente a dar nome de gente a logradouros públicos, prédios administrativos, estradas, estações, aeroportos & similares. Posso até admitir uma estreita exceção para aquela meia dúzia de heróis reconhecidos da nação. Agora, dar nome de deputado a aeroporto? Em que mundo vivemos? Se o autor do projeto venera a esse ponto o homenageado, que aponha uma placa com o nome de seu heroi na fachada de sua residência. Mexer com Congonhas, um patrimônio nacional? É falta de respeito e de consideração para com paulistanos, paulistas e brasileiros.

Aeroporto de Congonhas com o tradicional piso em tabuleiro de xadrez

E pensar que suas excelências são sustentadas com nosso dinheiro, que gozam de prerrogativas pra lá de especiais, que recebem jetons e auxílio moradia, que têm direito a assessores, a passagens gratuitas, a imunidade judicial… Com tanto problema num país violento, pobre, injusto, à beira da convulsão, tudo o que conseguem votar é mudança de nome de aeroporto? Francamente…

Proibição
A partir de agora, ninguém mais pousa em Congonhas nem de lá decola. O nome oficial da estação aérea passou a ser Deputado Freitas Nobre (Fortaleza, 1921 ‒ São Paulo, 1990). Não se esqueça, distinto leitor. Quando entrar no táxi, ordene: «Toca pro Deputado Freitas Nobre!»

Vingança
O maior aeroporto brasileiro também foi vítima de atentado semelhante. Aberto em 1985, foi rebatizado em 2002 como Governador André Franco Montoro (São Paulo, 1916 ‒ São Paulo, 1999). O povo sabido deu de ombros e a mudança ficou no papel. Nunca, jamais, em tempo algum alguém disse que tinha embarcado em Governador André Franco Montoro. Continuamos todos a dizer Guarulhos. O mesmo acontecerá com Congonhas. E ponto final.

O conhaque francês

Sebastião Nery (*)

Alcântara era contínuo do palácio do governo do Rio Grande do Norte. Afonso Pena, presidente da República, ia visitar o Estado. Alcântara pediu para fazer parte da comitiva que ia esperar o presidente na estação ferroviária de Nova Cruz, divisa da Paraíba com o Rio Grande do Norte.

O governador concordou. Mas o secretário do governador achou um absurdo. Onde já se viu contínuo esperando presidente? Chamou Alcântara.

– O governador deixou, você vai. Mas, antes de o trem entrar na estação, você salta no triângulo. (Triângulo é o espaço de manobra de trens, na entrada da estação.)

Presidente 4 Afonso PenaAFONSO PENA
Quando o trem do governador ia entrando na estação, antes da chegada do presidente, Alcântara saltou no triângulo. Daí a pouco, entra o trem do presidente no mesmo triângulo para manobrar. Alcântara subiu, foi entrando, deu de frente com o presidente e foi o primeiro a dar boas-vindas a Sua Excelência. E foi mostrando a cidade da janela.

Quando o trem do presidente chegou à estação, o governador, o secretário do governador, os puxa-sacos do governador levaram o maior susto. Era Alcântara quem aparecia na porta, ao lado do presidente, apresentando-o às autoridades estaduais.

ALCÂNTARA
Seguem para Natal. Chegando cansado ao palácio, o presidente pediu logo um banho. De repente abriu a porta do banheiro, meteu a cabeça:

– Onde está o Alcântara?

Alcântara apareceu, conversou com o presidente, saiu. Ninguém entendia nada, Alcântara sendo chamado, Alcântara atendendo.

No dia da partida, à beira do cais (o presidente voltou de navio), Afonso Pena chamou Alcântara, deu-lhe um abraço e lhe disse alguma coisa ao ouvido. Alcântara sorriu, saiu, não disse nada a ninguém.

Garrafa 1A GARRAFINHA
Um mês depois, o Diário Oficial da União publicava um ato do presidente Afonso Pena nomeando Alcântara administrador do porto de Santos. Foi um escândalo no Rio Grande do Norte.

Mistério? Não. No bolso do paletó, tamanho portátil, Alcântara carregava sempre uma garrafinha de conhaque francês. E Afonso Pena era doido por um golinho de conhaque francês.

(*) Excertos das memórias do jornalista Sebastião Nery.