A máquina do tempo

Esta é do Sensacionalista, o caderno de humor do jornal O Globo. E a continuação do texto é estricnina pura.

“Quem é que disse que a ciência no Brasil está morta (por overdose de cloroquina) e enterrada (numa cova rasa porque os cemitérios estão lotados)?

O presidente Jair Bolsonaro é concorrente fortíssimo para o Nobel de Física de 2021. Ele assombrou a comunidade científica internacional ao fazer o país voltar no tempo em 30 anos.

E não foi só. A inflação voltou a níveis de 27 anos atrás. Em alguns lugares, o país retrocedeu séculos, até uma época em que se cozinhava à lenha, religiões mandavam na política e se morria de doenças para as quais havia vacina.”

O bacana

Vai doer, doutor?

José Horta Manzano

A gente está habituado ao linguajar de meliante utilizado pelos membros da família Bolsonaro. ‘Habituado’ é maneira de dizer. Acho que quem tem ouvidos sensíveis e vive distante desses ambientes rasteiros não se acostuma nunca. É um susto a cada novo pronunciamento do clã.

Tem horas em que o palavreado que eles usam em público deixa o cabelo mais arrepiado que de costume. Foi o que aconteceu em 10 de março deste ano. Um dos bolsonarinhos, aquele que é deputado, irritado com a obrigação de portar máscara para proteger a si e aos outros, exprimiu-se no fino linguajar da família e ordenou à nação que “enfiasse a máscara no rabo”. Não se sabe se foi atendido.

Ao se deixar fotografar ontem no momento em que recebia vacina anticovid, surpreendeu a nação. Ninguém imaginava que o bacana fosse aparecer dando o braço a torcer – perdão! – dando o braço a vacinar. Provou que é macho e que não tem medo de agulha. Só um pouquinho.

Ainda por cima, mostrou que é homem de palavra: apareceu sem máscara. Só que a demonstração de coerência ficou pela metade. Por descuido ou por pudor, não instruiu o cinegrafista a filmá-lo de costas, de modo que não ficou confirmado se realmente enfiou a máscara no lugar que ele mesmo tinha sugerido à nação.

A atitude do bolsonarinho inspira nova cantiga de roda. Pra cantar depois que as crianças forem pr’a cama. Chama-se “Onde está a mascarinha?”

Ti-ra, ti-ra,
Tira a cuequinha
Não deve ficar brabo
Queremos ver seu rabo

Corto cabelo e pinto

José Horta Manzano

Frases mal formuladas podem causar efeitos estranhos. O exemplo lapidar está contido nessa curiosa placa de barbearia. A foto circula na internet há anos, mas o efeito hilário continua garantido.

No caso do “Corto cabelo e pinto”, nem mesmo acrescentando uma vírgula se resolve o problema. Uma solução será: “Corto e pinto cabelo”.  Ou talvez: “Cabelo: corto e pinto”. Vi outro dia na Folha esta chamada.

Dado que eu estava, naquele momento, chegando do planeta Marte, fiquei na dúvida se o vendedor de vacinas e o líder do governo Bolsonaro eram uma só pessoa. Quê? É impossível? ¡Que va!

Nestes tempos estranhos, com o governo desregulado que é o nosso, nada mais espanta. Se um ministro do Meio Ambiente está sendo processado por ter se envolvido com contrabandistas de madeira, o líder do governo pode perfeitamente estar vendendo vacina. E faturando alto com isso. Ora, ora.

Buscando a clareza (e evitando que o freguês tenha de ler o artigo inteiro pra saber quem é quem), seria bom reformular a chamada.

Se o líder do governo e o vendedor de vacinas forem uma só pessoa, uma solução seria esta:
“CPI convoca líder do governo Bolsonaro, que vende vacinas e que denunciou propina”

Se forem duas pessoas, é melhor reformular a chamada:
“O líder do governo Bolsonaro e o vendedor de vacinas que denunciou propina são convocados por CPI”.

Assim, nenhum líder poderá botar defeito. Nenhum vendedor de vacinas também.

Os presentes de Bolsonaro

José Horta Manzano

Outro dia, em cima de um palanque, Bolsonaro exibiu uma camiseta cuja estampa pedia ao povo que votasse de novo nele em 2022. A favor dele, diga-se que a peça de roupa foi um presente que ele acabava de receber. A seu desfavor, porém, frise-se que nada o obrigava a desdobrar o acessório e exibi-lo urbi et orbi – à cidade e ao mundo. O gesto foi visto como campanha eleitoral antecipada, sujeita a sanções.

O Estadão aproveitou a deixa para fazer a conta dos presentes que o capitão recebeu. Desde que vestiu a faixa, já lhe fizeram mais de 6 mil presentes, somando objetos simples e artigos mais sofisticados, o que dá uma média de 7 por dia, sábados e domingos incluídos. Pelo regulamento, tudo é arrolado em lista mantida pelo setor de documentação da Presidência.

Entre insignificâncias como ímãs de geladeira, canetas, panelas, cafeteiras e panos de prato, há também ítens assaz significativos. Vamos citar alguns.

Identificação
Numa mostra de identificação de valores com o mandatário, o comando da Polícia Militar do RJ deu-lhe, de presente de Natal, uma baioneta. A delicadeza do mimo dá prova da meiguice de espírito que une presenteante e presenteado.

Confidencialidade
Visivelmente preocupados com vazamento de informações (ou, quem sabe, com informações que custam a vazar), 353 cidadãos lhe deram pen drives.

Prático e útil
Gravata é presente que a gente compra quando não tem ideia do que oferecer. Não sai muito caro e é útil, visto que todo homem, um dia ou outro, acaba usando. A lista já contabiliza 56 cidadãos que ofereceram gravata ao capitão. Entre os ofertantes do másculo adereço, estão os ministros Heleno e Lorenzoni. Mendonça, o advogado-geral da União, que corre atrás de uma vaga no STF, também teve a original ideia de agradar o chefe com uma gravata.

Camiseta
Só de camisetas, o capitão já tinha recebido 954 até o fim de abril. De lá pra cá, a coleção há de ter inchado. Se o distinto leitor tinha pensado em dar-lhe camiseta de presente, esqueça. As que ele ganhou já não cabem nas gavetas.

Premonição
O assessor Fábio Waingarten, aquele que foi jogado ao mar recentemente, é um visionário. Seguindo uma premonição, tinha dado ao chefe, já em janeiro passado, um colete salva-vidas. Só que o prognóstico furou: o afogado acabou sendo ele mesmo. Devia ter guardado o presente para si, talvez não afundasse.

Sem rancor
O embaixador da China no Brasil demonstrou não ser rancoroso. Apesar de todos os insultos que a nebulosa bolsonárica tem feito a seu país, presenteou o presidente com um vaso chinês em março do ano passado. Deve ser o objeto que aparece entre o presidente e a tela, na foto abaixo,

em que o mandatário mostra estar assistindo ao jogo do Brasil num canal de tevê amigo – o único a transmitir o jogo, pelo que me disseram. Expus minhas considerações sobre a foto em post separado.

Vade retro!
Cidadãos católicos, alarmados com as infidelidades de um presidente que já foi católico e hoje flerta com neopentecostais, já lhe deram 56 terços, 15 imagens de Nossa Senhora Aparecida e mais de 30 de outros santos. Até um frasco de água benta já lhe foi ofertado, que é pra ver se o capitão se emenda.

Como tem gente atrevida!
Certos gestos ousados não têm cabimento, mas tem gente que continua ousando. Talvez com boa intenção, 1.630 cidadãos cometeram o irreparável: deram um livro de presente ao presidente! Um livro! Como se sabe, o capitão associa o livro à cultura, e a cultura ao comunismo. Assim que abre o embrulho e descobre que é livro, joga longe e corre pra desinfetar as mãos. Com a chegada dessas centenas de livros, hão há mão que aguente.

Resumo da ópera
Se o distinto leitor tem intenção de fazer um mimo ao presidente, sugiro um objeto que, acredito eu, ainda não veio à cabeça de ninguém: uma vassoura. Nos tempos que correm, pode ser útil pra varrer a sujeira pra debaixo do tapete.

Olimpíadas em modo covid

José Horta Manzano

O povo japonês é conhecido por seu espírito disciplinado e rigoroso. Na preparação dos Jogos Olímpicos, que o país deverá acolher dentro de um mês, as autoridades anunciaram os cuidados que os atletas de diferentes modalidades de esporte deverão tomar para estancar o alastramento da pandemia. Aqui estão alguns deles.

Lançamento de martelo
Para evitar o contacto do martelo com as mãos no momento do arremesso, deverá ser usado um estilingue.

Salto com vara
Antes de agarrar a vara, o atleta deverá calçar luvas cirúrgicas.

Pugilismo
Para evitar projeção de perdigotos no momento da luta, os boxeadores deverão manter sempre distância de um metro e meio.

Futebol
A fim de prevenir aglomerações, somente será permitida a presença de 4 jogadores em campo ao mesmo tempo. A cada 10 minutos, se fará o rodízio: saem 4, entram outros 4. E assim até o fim do jogo. (O goleiro será autorizado a permanecer.)

Ginástica
O atleta deverá desinfetar barras e argolas antes e depois de cada apresentação. Frascos de álcool 70° serão postos gratuitamente à disposição.

Luta livre
Dado que este esporte deixa os atletas ofegantes, o uso de máscara será obrigatório durante todas as provas.

Ginástica rítmica
Para evitar contacto próximo, cada ginasta executará o número separadamente. Ao final, uma montagem sincronizada de vídeo será apresentada no telão com os dois atletas.

Nado quatro estilos (medley)
Durante a prova, a cada virada, os atletas deverão lavar as mãos cuidadosamente.

As autoridades nipônicas agradecem a todos os participantes pela compreensão. E declaram sentir-se orgulhosas de tornar as Olimpíadas mais seguras.

CPI aguarda explodir?

Chamada O Globo, 27 mai 2021

José Horta Manzano

“Witzel é bomba contra o Planalto que CPI aguarda explosão”

É o que diz a chamada do jornal. Frase esquisita, não? A gente até que entende o que o estagiário quis dizer, mas o título parece meio torto.

Consertar é fácil. É até curioso que o autor da frase não tenha pensado nisso. Basta mudar uma palavra. Quer ver?

“Witzel é bomba contra o Planalto, que CPI aguarda explodir

Pronto. Explodir no lugar de explosão, e o problema está resolvido.

Só que tomei o cuidado de acrescentar uma vírgula. Nesse caso, faz diferença. Sem ela, dá-se o recado de que a CPI está aguardando a explosão do Planalto. Cruz-credo! Os senadores estão exaltados, mas não a esse ponto. Enfim, acredito que não.

Quadrinhos ‒ 281

José Horta Manzano

A vacina AstraZeneca (de Oxford) vem sofrendo forte rejeição na Europa em decorrência de supostos efeitos secundários. Eles seriam terríveis, uma ameaça bem pior do que virar jacaré.

“Não, não foi daqui. Nós encomendamos pizza.”
by Harry Harrison (1961-), ilustrador do jornal South China Morning Post, Hong Kong.