O tédio sem Bolsonaro

Mariliz Pereira Jorge (*)

Vocês estão ouvindo? Eu também não. Que delícia o silêncio. Silêncio que tem som de paz, de calmaria, de tarde de férias. Duas semanas sem live do Biroliro. Duas semanas em que ele posta apenas fotos, feito um blogueiro aposentado. Duas semanas que não xinga jornalistas, não faz arminha com a mão, não ameaça alguma minoria.

Em meio ao primeiro pronunciamento do vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, tive vontade de mudar o canal. Meu Deus, que tédio. Que tédio gostoso. Picolé de Chuchu é vice, usa meias de bolinhas, não xinga jornalistas e fala num tom como se fosse mesmo uma autoridade. Esse é o país que quero, do tédio.

Duas semanas, obrigada, obrigada, sem ouvir “cuestão” e “no tocante”. Duas semanas sem dar de cara a todo momento com aquela cara perebenta na TV, nos jornais, em camiseta de minion. Prefiro ver o Lula chorar ao falar de pobre a aguentar o ignóbil dizer que as pessoas não passam fome.

Tudo de volta à normalidade, jornalistas já começaram a ser chamados de PIG (Partido da Imprensa Golpista), mas sem violência, sem chamar de puta, com aquele verniz intelectual e aquele desprezo maroto pela categoria que só a esquerda consegue ter. Meus haters favoritos. E olha que nem começou, prometo que a partir de janeiro é que terá motivo. Reservem o seu ódio. Por enquanto, apreciem o silêncio.

O tédio chegou até a um dos maiores redutos minions do país. Os tios do Zap do meu bairro voltaram todos para a praça. Golpe agora é só no dominó e para não pagar sacola de plástico no supermercado. Quem quiser bater continência para milico precisa pagar R$ 6 para entrar no Forte de Copacabana. Aproveite que esta semana tem exposição de blindados. Pelo clima de tédio no lugar, posso apostar que não tem um militar ali querendo trocar a vista do Posto 6 para se alinhar a golpistas nas estradas.

Apreciem o silêncio. Dias sem ouvir a familícia, a micheque, a doidamares et caterva. A única notícia que se tem é que Bolsonaro tem gastado R$ 100 mil por dia no cartão corporativo. Eu entendo, quando fico sem nada para fazer me entretenho no Mercado Livre. O boleto que lute. No caso do cartão da fatura do presidente, o brasileiro que se vire.

(*) Mariliz Pereira Jorge é jornalista e escritora. O presente artigo foi publicado pela Folha de São Paulo de 12 nov° 2022.

Os avatares e o hino

Eduardo Affonso (*)

Segundo sua lógica peculiar, os avatares amarelos e embandeirados estão lutando por democracia enquanto clamam por um golpe contra o Estado Democrático.

Cantam o hino nacional como se fosse uma canção do Carlinhos Brown, sem dar bola para a letra.

  • Se iluminam com “o sol da liberdade, em raios fúlgidos“, ao mesmo tempo que “autorizam” uma ditadura.
  • Exaltam “o penhor dessa igualdade”, querendo impor sua vontade à maioria.
  • Falam “de amor e de esperança” e dá-lhe violência para bloquear estradas e tentar disseminar o caos.
  • Passam por “nossos bosques têm mais vida” como se nada tivessem a ver com desmatamento, garimpo ilegal, desmonte do Inpe.
  • Não se vexam de entoar “se ergues da justiça a clava forte” enquanto erguem a clava forte contra a Justiça.
  • E pulam a “paz no futuro” para focar numa suposta “glória no passado”.

(*) Eduardo Affonso é arquiteto, colunista do jornal O Globo e blogueiro. O presente texto é parte de artigo de 5 nov° 2022.

De volta para o futuro – 3

Carlos Brickmann (*)

Em 1618, na Europa, começou a Guerra dos 30 Anos, entre protestantes e católicos. No final, houve um acordo: em cada Estado a população teria a religião de seu monarca. Naqueles tempos, era estranhíssima a ideia de que cada pessoa pudesse ter a religião de sua escolha.

E que é que discutimos no Brasil de hoje? Se um candidato ter visitado um templo maçom é suficiente para que não se vote mais nele, ou se evangélico deve ser obrigado a votar em evangélico.

No século 17, Galileo Galilei demonstrou que a Terra é uma esfera. E hoje temos discussões sobre a Terra plana.

Só falta discutir se os índios têm alma – e dá até medo ver essa ideia voltar na campanha eleitoral mais antiga de nossa História.

(*) Carlos Brickmann é jornalista, consultor de comunicação e colunista.

Zé Pequeno

Gaudêncio Torquato (*)

Dinarte Mariz era governador do Rio Grande do Norte. Em uma de suas costumeiras visitas a Caicó, visitou a feira da cidade, acompanhado da sempre presente Dona Nani, secretária de absoluta confiança. Dá de cara com um amigo de infância e logo pergunta:

– Como vai, Zé Pequeno?

O amigo, meio tristonho e cerimonioso, responde:

– Governador, o negócio não tá fácil; são oito filhos mais a mulher… tá difícil alimentar essa tropa vivendo de biscate. Mas vou levando até Deus permitir.

Dinarte o interrompe de pronto:

– Zé, que é isso, homem, deixe essa história de governador de lado. Sou seu amigo de infância, sou o Didi!

Vira-se para Dona Nani e ordena:

– Anote o nome do Zé Pequeno e o nomeie para o cargo de professor do estado.

Na segunda-feira, logo no início do expediente, Dona Nani entra na sala de Dinarte e vai logo informando:

– Governador, temos um problema, o Zé Pequeno, seu amigo, é analfabeto; como podemos nomear…

Antes que concluísse a fala, o governador atalha:

– Virgem Maria, Dona Nani! O Rio Grande do Norte não pode ter um professor analfabeto. Aposente o homem imediatamente.

E assim foi feito!

(*) Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP e colunista.

Multidão x multidão

Ascânio Seleme (*)

Havia 64,6 mil pessoas no comício de Bolsonaro em Copacabana na tarde de quarta-feira, segundo o Monitor do Debate Público da USP. Na noite do mesmo dia, 66,6 mil torcedores assistiram à vitória do Flamengo sobre o Vélez Sarsfield no Maracanã.

Pode não significar muita coisa, são apenas dois mil a mais, mas os que foram ao Maracanã pagaram para entrar. Já muitos dos que estiveram em Copacabana receberam algum “incentivo” para participar do ato e gritar “mito”.

No Maracanã, Bolsonaro foi vaiado e xingado. E Rodolfo Landim não pôde fazer nada.

(*) Ascânio Seleme é jornalista. Trecho de artigo publicado no jornal O Globo.

11 de agosto

Ascânio Seleme (*)

Não adianta Bolsonaro e bolsonaristas reagirem com deboche ou ódio, o 11 de agosto entrou para a História como data nacional de repúdio à ditadura. Será comemorado daqui para sempre. Será lembrado como o dia do basta, o dia em que a sociedade civil tomou a si a defesa da democracia como bem maior da nação.

Os brasileiros fizeram o que seus representantes no Congresso não fazem por interesses privados e escusos: disseram não ao golpe e ao golpista.

(*) Ascânio Seleme é jornalista. Trecho de artigo publicado no jornal O Globo.

É tão simples!

Carlos Brickmann (*)

Tem gente discutindo política externa Sul-Sul, tem gente discutindo se urnas eletrônicas são confiáveis ou não, tem gente fazendo coisas que nos velhos tempos seriam chamadas de compra de votos, tem casal que vive sob o mesmo teto em que a residência do marido é contestada e a da esposa é aceita, tem gente que não consegue viver sem um tacão de coturno nos calcanhares.

Há candidatos que só querem saber se alguma coisa dá voto. E a resposta é tão simples! Um garoto de onze anos de idade telefonou para a Polícia, na região metropolitana de Belo Horizonte, pedindo comida. “Estamos com fome!”

Talvez nem seja necessário alimentar esse nosso povo por muito tempo: basta criar condições para que os pais possam trabalhar e ganhar um salário suficiente para oferecer três refeições diárias à família. Não é preciso importar armas caríssimas e perigosas: bastam talheres à mesa.

(*) Carlos Brickmann é jornalista, consultor de comunicação e colunista.

Jecas, incendiários, invertebrados

Lúcia Guimarães (*)

Os crassos jecas da Faria Lima, os incendiários do agronegócio e os invertebrados da avenida Paulista podem ter se fartado de comer mingau pela beirada do fascismo. Talvez agora tenham começado a entender o preço de negar que a agenda que apoiaram não é conservadora ou cristã, é terrorista e demolidora.

Se quiserem continuar decolando para Paris e manter o privilégio de tirar férias do martírio brasileiro, precisam de um país para onde possam voltar.

(*) Lúcia Guimarães é jornalista e colunista. O texto é fragmento de artigo seu publicado no Estadão.

Credibilidade por água abaixo

Exportação

José Horta Manzano

Patrícia Campos Mello, jornalista da Folha de SP, entrevistou o pecuarista Pedro de Camargo Neto, ex-presidente da Sociedade Rural Brasileira e ex-presidente da Associação dos Produtores e Exportadores de Carne Suína. Aqui está um trecho da entrevista.

O senhor rompeu com o setor agrícola em 2020 ao sair da Sociedade Rural Brasileira. Por quê?

O nível de ilegalidade que a gente vive na Amazônia é crítico. O garimpo ilegal está cada dia mais controlado pelo crime organizado, o Brasil começa a perder controle de parte de seu território, há muita grilagem de terras públicas, desmatamento, extração ilegal de madeira.

E a reação do governo é muito ruim, é de omissão mesmo. Vai dar trabalho recompor a credibilidade que vínhamos conquistando. Isso já está nos causando muitos problemas. Hoje, quando você se senta com a União Europeia para discutir qualquer assunto, como uma questão sanitária, ela reage questionando nossa credibilidade. Parte do setor declarou apoio à política ambiental do governo, e eu não concordei. Por isso saí.

As palavras que escondem os fatos

Carlos Brickmann (*)

O ex-presidente Jânio Quadros era mestre nisso: pendurou chuteiras na porta de sua sala (para indicar que não pretendia mais disputar eleições), apareceu com uma calça por cima da outra, a de cima arregaçada para mostrar a de baixo, simulando distração.

O então prefeito César Maia, no calor do verão carioca, saiu de casa todo agasalhado, entrou num açougue e pediu sorvete. Doidos? Não: doido é quem pensa que isso é para valer. Na verdade, queriam manter-se nos holofotes e escolher o tema das discussões.

A reunião de Bolsonaro com os diplomatas para falar mal das urnas em que se elegeu por mais de vinte anos foi absurda. Ou não: para o presidente, é melhor que discutam o inglês mambembe de sua assessoria e a ideia boba, e não o preço do leite e da carne. Alta de preços é tema de interesse de toda a população. Uma chatíssima discussão cheia de fatos duvidosos não causa prejuízo eleitoral nenhum.

Quem não é bolsonarista critica; quem é fará tudo para explicar como aquela atitude foi brilhante ou correta. E ninguém vai mudar de ideia por causa disso. Boa parte dos eleitores não vai perder seu tempo discutindo fragilidades cibernéticas e como corrigi-las.

Ah, confirma que o presidente pensa num golpe? De novo, os bolsonaristas negam que ele pense num golpe e, se ele tentar o golpe, descobrirão um bom motivo para o apoiar. E os antibolsonaristas estão convencidos de que ele só pensa nisso.

Esse tipo de discussão serve apenas para ocultar o que deve ser discutido.

(*) Carlos Brickmann é jornalista, consultor de comunicação e colunista.

O vexame

Reinaldo Azevedo (*)

A vergonha a que [Bolsonaro] submeteu o país na reunião com embaixadores, deixando-se ladear por generais não menos golpistas do que ele próprio, indica que é chegada a hora de reagir.

O país precisa saber onde estão os empresários que consideram a democracia inegociável e onde estão os negociantes de democracia. A hora é agora, não depois.

Como se viu, na conversa com os embaixadores, Bolsonaro sugere que está apenas defendendo a democracia. Nunca a pistolagem antidemocrática, que se fantasia de verde-amarelo, chegou tão longe.

(*) Reinaldo Azevedo é jornalista, analista político e blogueiro.