Coisas nossas

José Horta Manzano

As peripécias judiciais que nossos figurões têm atravessado estes últimos anos estão forçando a um curioso (e torto) raciocínio. Criminosos de colarinho branco dão mostra de dissociar condenação e cumprimento de pena.

Pelo que se lê, vê e ouve, o Lula & coorte de aduladores adotam esse conceito bizarro. Chegam a aceitar, ainda que de cara torcida, a condenação imposta pela Justiça. Não costumam se insurgir contra o comprimento da pena, mas contra o cumprimento dela.

E muitos incautos caem na cilada, reparem. Poucos se espantam com o rigor da sentença mas muitos aderem inconscientemente à tese de que a pena é mera abstração, desconectada da execução. Em resumo, admite-se que este ou aquele tenha sido condenado a cinco, dez ou vinte anos de cadeia, mas a o encarceramento propriamente dito nos parece impensável, inadmissível.

Em outras terras, a pena e seu cumprimento são uma sequência lógica e inexorável. Entre nós, são realidades independentes, figuras jurídicas que não se conhecem nem de elevador.

A coisa não vem de hoje. Doutor Maluf, condenado há quase vinte anos, continuou livre e solto. Seu encarceramento efetivo em dezembro último, ao invés de ser visto como consequência natural da condenação, é considerado por muitos como injusto, um exagero, uma obstinação do judiciário, uma vingança, uma crueldade.

Outro que tem reforçado a tese da dissociação entre condenação e prisão é o próprio Lula. Das declarações dele e dos que o rodeiam, depreende-se que uma coisa não tem nada que ver com a outra. Condenado, vá lá. Preso? Nunca!

São coisas nossas.

Nota
Coisas nossas é o título de um maxixe de Noel Rosa, gravado em 1932.

Os perigos da euforia

José Horta Manzano

Na madrugada passada, em mero controle rotineiro levado a cabo na estação ferroviária de Sesto San Giovanni, periferia de Milão, dois agentes da polícia local patrulhavam a plataforma de desembarque. Em escolha aleatória, sem desconfiar da identidade da pessoa a quem se dirigiam, pediram a um jovem recém-desembarcado que mostrasse seus documentos. Em resposta, o interpelado sacou um revólver calibre 22 e atirou à queima-roupa num dos dois policiais. Ferido no ombro, o agente veio a terra. O patrulheiro que o acompanhava não esperou sua vez. Sacou imediatamente e, em compreensível e legítimo gesto de defesa, atirou no desconhecido. Não errou o golpe. Atingido em cheio, o desconhecido desmoronou. Morto.

italia-sesto-san-giovanniNeutralizado o agressor, foram feitas as verificações habituais. Com espanto, constatou-se que se tratava do assassino de massa, aquele que havia lançado um caminhão, como um bólido, sobre uma multidão em Berlim, dias antes. As impressões digitais e a comparação fotográfica com a sinalização difundida pela polícia alemã não deixam dúvida sobre a identidade do morto. Bilhetes de trem encontrados nos bolsos do tunisiano darão indicações sobre sua rota de fuga. Talvez levem a eventuais cúmplices. Até aí, não há nada a criticar. O fugitivo não foi «executado», como às vezes acontece. A prova da troca de tiros é justamente o policial ferido, atualmente hospitalizado e que, felizmente, não corre risco de vida. O mundo está ficando cada vez menor. A informação circula cada vez mais rápido. Os tempos andam duros para contraventores, criminosos e fugitivos em geral. (Que o digam os que a Lava a Jato tem apanhado de calça curta.)

O terrorista enfrentou a polícia italiana e foi por ela posto fora de combate. Os agentes que, por ofício, patrulhavam a estação cumpriam horário. A agressão foi cometida contra o Estado italiano. O policial, naquele momento, representava a nação. Acontece que os italianos têm o dom de dramatizar. O ministro dos Negócios Internos deu, esta manhã logo cedo, coletiva de imprensa. Relatou o acontecido e fez questão de dar o nome completo do policial de cuja arma saiu a bala que matou o terrorista. A meu ver, não agiu ajuizadamente. Por duas razões, deveria ter omitido o nome do agente.

policia-4Primeiro, por razões éticas e de privacidade. Talvez o jovem não aprecie que o planeta fique sabendo que foi ele a acionar o gatilho que tirou a vida de um semelhante. Atirou contra um criminoso, sem dúvida, assim mesmo há de ser desconfortável ser apontado na rua como responsável direto pela morte de alguém. Agora não tem mais jeito: com nome, idade e currículo divulgados, será impossível escapar.

Há uma segunda razão, talvez mais grave que a anterior. Daqui a alguns meses, a poeira terá baixado para a maioria de nós. No entanto, mandachuvas do Estado Islâmico, fanáticos, radicais & outros destrambelhados podem não esquecer nunca. O policial ‒ que agora tem identidade conhecida ‒ periga passar o resto da existência na angústia de ser vítima de vingança.

O ministro italiano deveria ter-se lembrado do caso do escritor britânico Salman Rushdie, aquele que publicou, em 1988, um livro considerado ofensivo aos valores islâmicos. O homem, que nunca mais pôde levar vida normal como qualquer cidadão, vive sob proteção da polícia secreta britânica faz quase trinta anos.

Baú de memórias

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Dentre as características de personalidade que mais admiro, o senso de humor e o raciocínio rápido ocupam lugar de destaque. Se uma pessoa tem a capacidade de me surpreender e de me fazer rir, ganha meu coração para sempre. Sei por experiência própria que, às vezes, mesmo um humor mordaz, longe de ser ofensivo, pode funcionar como provocação para que a gente desenvolva essas mesmas habilidades. No meu baú de memórias, estão guardadas com carinho algumas situações engraçadas – e reais, juro – que me ensinaram a não me levar tão a sério.

Eu estava planejando uma festinha na minha casa para colegas de trabalho, não me lembro mais por qual razão. Tínhamos concordado que cada participante se encarregaria de levar uma comida ou bebida e suas músicas preferidas para animar o encontro. Como minha carga de trabalho era muito alta naquela semana, deleguei a outros a distribuição das responsabilidades de cada um e confirmação das presenças.

Festa 2No começo da tarde do encontro, recebo um telefonema de uma das organizadoras avisando que havia surgido um imprevisto no trabalho e que ela não poderia ir. Fiquei chateada, é claro, mas não dei maior importância ao fato. Logo em seguida, uma segunda pessoa liga informando que também se ausentaria. Começo a me inquietar. Era final de mês e todos os departamentos estavam envolvidos com a preparação de relatórios de fechamento de números. Quando o terceiro convidado telefonou para dizer que não poderia ir e sugeriu que nosso encontro fosse adiado, percebi que seria burrice prosseguir com os preparativos. Resolvi cancelar a festa e pedi que todos fossem avisados.

Fui para casa me sentindo um tanto perdida. Na falta do que fazer, tomei um banho, vesti a camisola e me sentei em frente à televisão com um pote de salgadinhos para assistir a um filme. Lá pelas dez horas da noite, o interfone toca e o porteiro me avisa que um amigo querido havia chegado. Baiano, tremendo gozador e uma pessoa sempre disposta a tirar humor das situações mais improváveis. Ele não deve ter sido avisado a tempo, pensei. Na dúvida, pedi que ele subisse para conversarmos. Mal tive tempo de colocar um peignoir e lá estava ele na porta, com um olhar curioso. Percebendo o silêncio e as luzes apagadas (só a tela do televisor estava iluminada), ele perguntou com um sorriso: “Cheguei cedo ou tarde demais?“

Festa 1Xingando mentalmente quem havia esquecido de avisá-lo, respondi que nem uma coisa nem outra. Expliquei resumidamente as razões do cancelamento da festa e pedi que ele me perdoasse por não deixá-lo entrar. Um tanto sem graça, ele se despediu e foi embora.

No dia seguinte, na hora do almoço, ao sair do restaurante da empresa, vi que ele estava de pé no meio de uma rodinha de homens, todos colegas engenheiros. Tinha um ar de moleque safado e me acenou de longe. Aproximei-me do grupo para conversar. Com um sorriso maroto, sem que ninguém esperasse, ele retirou lentamente uma meia feminina de nylon do bolso e disse: “Isto é seu. Ontem, quando saí da sua casa, peguei por engano…”

Inútil dizer que, diante do meu olhar de pasmo, o grupo todo se esbaldou de rir. Estimulado pela companhia masculina, ele prosseguiu triunfante com a vingança que havia arquitetado: “Imaginem que ontem ela me convidou para uma festa na casa dela. Quando cheguei, ela abriu a porta vestida só de negligé translúcido. Luz negra, musiquinha tocando… aí já viu, né…?“

Televisao 7Nova gargalhada que, dessa vez, se arrastou por mais tempo em função do meu evidente e crescente constrangimento. Em desespero, eu procurava mentalmente uma saída honrosa para aquela saia justa. Subitamente, tive uma inspiração: eu precisava fazer que ele experimentasse um pouco de seu próprio veneno. Esperei que as risadas diminuíssem de intensidade e ataquei. Encarei o grupo com coragem e disse, rindo: “Pois é, e apesar de tantos sinais, ele virou as costas e foi embora, me deixando a ver navios…”

A gargalhada que se seguiu ao meu contra-ataque fulminante deixava claro que a batalha estava perdida para ele. Sua fama de garanhão e sua autoconfiança haviam sido irremediavelmente abaladas…

Interligne 28a

Eu e um colega estávamos coordenando um workshop internacional em um hotel luxuoso do centro da cidade. Era uma região boêmia, cercada por teatros e cinemas, local de agitada vida noturna.

Os trabalhos se arrastaram por mais tempo do que o previsto e, por isso, decidimos jantar no restaurante nobre do próprio hotel. Embora só servissem pratos à la carte, meu amigo chamou o maître e pediu que fosse aberta uma exceção e lhe trouxessem um sanduíche. O maitre assentiu, a contragosto.

Hotel 1De início, fiz de conta que não havia percebido a inconveniência do comportamento dele. Alguns minutos mais tarde, nossas refeições chegaram, servidas com toda pompa e circunstância, em pratos de porcelana cobertos por uma cloche.

Meu colega não se fez de rogado. Pegou o sanduíche com as mãos e o abocanhou com a satisfação e a voracidade de uma criança em um parque de diversões. Consequência inevitável: molho escorrendo pelos lados da boca, recheio catapultado pelos lados da baguete e dedos lambuzados. Feliz da vida, ele deu prosseguimento ao festival de incontinências e lambeu os dedos como se estivesse no sofá de casa. Foi demais para mim. Olhando envergonhada para os lados, pedi que ele parasse com tudo aquilo, advertindo-o de que as pessoas ao lado estavam reparando.

Com um sorriso confiante nos lábios, ele me deu uma preciosa ‒ ainda que dolorida ‒ lição sobre a forma hipócrita com que nossa sociedade lida com as aparências e com as diferenças de gênero, dizendo: “Minha querida, eu sou um cara alto, loiro e de olhos azuis. Em suma, um tipo claramente europeu (era, de fato, húngaro). Faça eu o que quiser, todos pensarão, no máximo, que sou uma pessoa excêntrica…. Já você, se fizer a mesma coisa, o que os outros vão pensar é que você é a putinha que acabei de pegar na esquina…

Sanduiche 1Até hoje não me recuperei totalmente da provocação, mas confesso que aprendi a lição. Sei agora que, para me adequar aos ambientes que frequento, preciso diferenciar com rigor o impacto que pretendo causar e aquele que, de fato, provoco.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Os jabutis de senhor Cunha

José Horta Manzano

Animal 09A malandragem nacional não tem limites. Com certeza, o distinto leitor já ouviu falar dos “jabutis”, nome curioso dado a emendas bizarras que parlamentares tentam enxertar em MPs em tramitação no Congresso.

São penduricalhos que nada têm a ver com o tema central do projeto. Trata-se de ardil para apanhar incautos. Distraído, o deputado pode até votar a favor de uma MP sem se dar conta de que ela carrega, de contrabando, dispositivo ao qual ele nunca daria seu voto consciente.

Animal 08Senhor Eduardo Cunha, personagem cuja fama hoje se esparrama pelo território nacional, é presidente da Câmara. Por quanto tempo, ninguém sabe. Em agosto de 2011, quando o deputado era líder do PMDB, a OAB rejeitou seu nome para relatar a reforma do Código de Processo Civil. A razão alegada foi a ausência de formação jurídica do parlamentar.

Rancoroso e vingativo, senhor Cunha inscreveu a OAB em sua lista de desafetos. E jurou “implodir” a Ordem. Imediatamente após ser rejeitado, apresentou projeto de lei para abolir a exigência de exame da Ordem para todo bacharel que aspire ao título de advogado. Não teve sucesso.

Animal 10Desde então, o (ainda hoje) presidente da Câmara não sossegou. A cada MP que se apresenta, tenta adicionar um penduricalho para acabar com o exame da Ordem. Matéria publicada em maio 2013 pelo Portal Último Segundo conta que, das 17 MPs votadas ou em tramitação no Congresso naquele ano, 11 continham um “jabuti” incrustado por senhor Cunha pedindo a extinção do exame da Ordem. O homem é tenaz, do tipo que guarda mágoa em geladeira.

O afastamento do rancoroso parlamentar parece ser questão de tempo. A gente chega a se perguntar, aliás, como é possível que ainda esteja ocupando a cadeira-mor da Câmara. Assim que ele cair, a Ordem dos Advogados do Brasil há de respirar aliviada.

Interligne 18f

PS: Matéria do Estadão desta segunda-feira informa que Eduardo Cunha acaba de ser sancionado pelo Tribunal Federal Suíço por tentativa de atravancar a comunicação de seus dados bancários às autoridades brasileiras. Recebeu pena pecuniária. Mas o Ministério Público suíço não enterrou a possibilidade de processá-lo criminalmente por lavagem de dinheiro.

Suíço pero no mucho

José Horta Manzano0-Sigismeno 1

Sigismeno fazia tempo que não aparecia. Veio hoje com aquele ar deslumbrado de quem acaba de inventar a roda.

Banco 2– Olá! Não acredito em coincidências. Nessa história de dinheiro escondido na Suíça, tem coisa fora do lugar.

– Bons dias, Sigismeno! Tem razão você. Dá realmente vontade de trucidar esse pessoal que andou enfiando a mão em nosso bolso pra enriquecer.

– Não estou falando da paisagem geral. Estou-me referindo ao caso especial do senhor Cunha, aquele que preside a Câmara.

– Especial por que, Sigismeno? Pelo que diz a mídia, andou se servindo do nosso dinheiro igualzinho a dezenas de outros. Ou não?

Chamada do Estadão, 1° out° 2015

Chamada do Estadão, 1° out° 2015

– Assim foi, mas parece que escolheu o banco errado pra encafuar seus milhões.

– Banco errado? Mas foi na Suíça, Sigismeno! Parece que o pessoal de lá entende do ramo. Errado por quê?

– Raciocine comigo. Por tradição, banco suíço é discreto. Faz parte do jogo. A cada vez que o MP do Brasil precisou obter dados de outros larápios foi um custo. Qualquer retalhozinho de informação só sai com saca-rolhas. Informação costuma vir a conta-gotas. Já no caso desse senhor Cunha, foi diferente.

– Diferente como, Sigismeno?

Chamada da Folha, 1° out° 2015

Chamada da Folha, 1° out° 2015

– Pois você não viu? Diz aqui no jornal que o Cunha foi denunciado pelo próprio banco. Coisa do outro mundo, amigo! Terá sido a primeira vez que banco suíço denuncia cliente sem ser compelido pela justiça.

– Tem razão, Sigismeno, parece fora de esquadro. E qual é sua teoria, você que sempre encontra explicação pra tudo?

– Antes de dar minha conclusão, quero voltar a um acontecimento ocorrido faz pouco mais de um mês. Certamente você se lembra daquele caso da conta suíça do Romário.

– Aquela que a Veja denunciou?

– Essa mesmo. A revista obteve, sabe-se lá como, extrato bancário do senador, com papel timbrado, número de conta, montante, tudo nos conformes. Era perfeito demais pra ser verdadeiro, mas a revista caiu no logro e publicou.

– Mas, Sigismeno, além do fato de serem cariocas, o que tem o Romário a ver com o Cunha?

Banco 4– Olhe, meu amigo, é cristalino como água de mina. Por um lado, o pessoal lá do andar de cima tem bronca da revista Veja, não tem?

– Todo o mundo sabe disso.

– Por outro, eles têm interesse em tirar o senhor Cunha do caminho, não têm?

– Ô, se têm. Afinal, a chave do processo de destituição da presidente está nas mãos do homem.

– Pois é, embora seja raro no andar de cima, alguma cabeça pensante pensou, veja você. E arquitetaram um jeito malandro de dar uma cutucada feia na Veja e no Cunha.

– Nos dois?

Chamada d'O Globo, 1° out° 2015

Chamada d’O Globo, 1° out° 2015

– Nos dois, amigo. Valeram-se do fato de Cunha ter milhões de dólares escondidos no BSI, um banco suíço. Já Romário não tem conta nesse banco.

– Agora está ficando difícil seguir seu raciocínio, Sigismeno. Qual é o ponto comum entre esse três personagens, o Romário, a Veja e o Cunha?

– Não seja impaciente. Continuo. O Romário, a meu ver, foi inocente útil na história. Seu nome foi usado. Podiam ter usado qualquer figura pública. Escolheram o senador.

– Usado? Para quê?

– Para quê? Ora, é evidente: pra atingir a revista Veja, deixá-la numa saia justa e levar a cabo a vingança. Forjaram um extrato bancário do ex-jogador e deram um jeito de fazê-lo chegar à revista como se verdadeiro fosse. Imaginando que era legítimo, os editores, felizes com o ‘achado’, publicaram imediatamente. Daí deu aquela confusão toda: o Romário viajou até Genebra, a revista se retratou e pediu desculpa, um forrobodó dos diabos. Foi um vexame. Os que urdiram o plano devem ter gargalhado.

– Então você acha mesmo que os dois foram ludibriados, Sigismeno? O Romário e a Veja?

Chamada da Folha, 1° out° 2015

Chamada da Folha, 1° out° 2015

– Acho. A Veja era o alvo, enquanto o senador foi o inocente útil.

– E onde é que o Cunha entra nessa história?

– O senhor Cunha não foi ludibriado. Foi traído. Traído pelo banco suíço onde tinha enfurnado seus milhõezinhos. Jamais se tinha visto banco suíço denunciando cliente. Foi a primeira vez. Um despautério!

– Que coisa mais extraordinária, Sigismeno. E por que, diabos, esse banco teria agido assim?

– Olhe, agora estamos pisando no terreno das suposições. Dou-lhe uma dica que pode ser a chave do mistério: o tradicional banco suíço BSI, nascido 150 anos atrás, foi comprado no ano passado por um banco brasileiro.

– Hã?

BSI 3– Sim, senhor. Faz um ano que o conceituado BSI pertence ao Banco BTG Pactual, cujo dono é um bilionário brasileiro. Agora, não me pergunte se há relação entre a ‘brasilidade’ do banco suíço e o Planalto. Não saberia responder. Mas ficam no ar as perguntas. Como é possível um falso extrato do Romário ter sido impresso em papel timbrado do banco, direitinho como manda o figurino? Como é possível que, pela primeira vez na história, banco suíço denuncie um correntista, assim, gratuita e espontaneamente?

– Ih, Sigismeno, acho bom você parar por aqui. Por minha parte, já entendi, mas, se alguém nos ouvir, ainda vamos ter problemas. Só vou dizer-lhe uma coisa: se um dia eu tirar a sorte grande na loteria, vou pensar duas vezes antes de botar meu dinheirinho naquele banco.

Reação vigorosa

José Horta Manzano

No Estadão online deste 30 maio 2015, aparece a chamada: “Joseph Blatter diz que ação dos EUA contra Fifa é revanche”.

Chamada do Estadão, 30 mai 2015

Chamada do Estadão, 30 mai 2015

A bem dizer, errado não é. Mas a língua oferece outras palavras que dão o recado com maior precisão. São elas: retaliação, desforra, revide e vingança.

Convém guardar revanche para o domínio esportivo. Assim: “A seleção de futebol do Brasil, que perdeu para a Alemanha, não vê a hora de conseguir sua revanche.”

Indignação e catarse

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Atos violentos, como os ataques terroristas perpetrados na França há alguns dias, costumam gerar forte indignação em todo o mundo. Em mim também. No entanto, o que mais tem chamado minha atenção nos últimos meses é a repetição por toda parte de comportamentos que têm por objetivo primário o de impor de forma violenta as próprias percepções, crenças e visões de mundo a todo o restante da humanidade.

Cagoule 1Exemplos desse tipo de conduta incluem desde casos corriqueiros, como carros circulando com o aparelho de som ligado na potência máxima, passando por comentários raivosos nas redes sociais diante de literalmente qualquer tipo de opinião expressa, até os assim chamados “hate crimes” – crimes de ódio. É como se os outros tivessem se transformado em simples obstáculos que impedem que cada um acesse e desfrute tudo aquilo que lhe dá prazer. Assassinatos em série com requintes inimagináveis de perversidade, esquartejamentos, estupros, casos de pedofilia e violência doméstica multiplicam-se exponencialmente, atingindo agora não apenas os desafetos habituais mas também as pessoas mais próximas do círculo familiar, do ambiente de trabalho ou com as quais o infrator possui laços afetivos. Não há escrúpulo, culpa ou remorso. Nenhuma emoção penosa o suficiente para demover o mal-intencionado do desejo de causar dor, sofrimento e morte.

Frente a esse cenário catastrófico, uma pergunta insiste em percorrer meu cérebro: o que leva um ser humano a romper com as as regras civilizatórias mais básicas? Desconfio instintivamente do diagnóstico pontual de transtornos mentais. A coisa está mais para epidemia do tipo ebola do que para asilo de loucos. O vírus do rancor, do ódio e da vingança dissemina-se em velocidade francamente espantosa em todos os cantos do mundo.

A agressividade não é estranha nem rara no mundo animal. Lutas de vida ou morte são bastante frequentes entre animais que disputam território, comida, água ou parceiros sexuais mas, até onde eu saiba, não há notícia de embates sangrentos que não envolvam essas causas.

Há alguns meses, assisti a um debate capitaneado por um filósofo francês cujo argumento central era o de que a indignação não é um sentimento verdadeiramente moral. E explicava: nós só nos indignamos com o comportamento dos outros, nunca com nossa própria conduta. Caso alguém aponte um ato antiético que tenhamos eventualmente cometido, temos sempre uma justificativa na ponta da língua: eu estava desequilibrado naquele momento, não tive a intenção, foi um segundo de distração, não pesei as consequências, etc. etc. etc.

Cruzada 1Essa argumentação voltou à minha cabeça com força nos últimos dias. Temos, como sociedade, um novo bode expiatório já pronto para o abate: o fanatismo islâmico contraria os princípios mais caros do cristianismo, do judaísmo, do budismo e de muitas outras religiões “ocidentais”. O que fazer então? Treinar novos exércitos de combatentes e declarar nova guerra santa? Exterminar todos aqueles que agridem frontalmente nossa fé? Em nome de quê? É bem possível que os comandantes desses novos batalhões argumentem que estão apenas defendendo os valores da vida, da solidariedade, da compaixão, da harmonia e da conciliação.

Mas… espere um pouco: é somente a mim que esse convite à conflagração parece insano? Ou será que ainda há pessoas que se dão conta de que os dois lados do conflito estão contaminados pela mesma doença? Aquela enfermidade que nos obriga a colocar, como ponto de honra de nossa vida, a minha ideologia, as minhas crenças políticas e religiosas, o meu estilo de vida têm de prevalecer, custe o que custar.

by Diogo Salles, desenhista paulista

by Diogo Salles, desenhista paulista

A pergunta permanece: por quê? Um de meus professores de psicanálise me encantou com a teoria de que todas as pendengas sociais partem de uma sensação pessoal de insatisfação. Não de desequilíbrio de poder, repetia ele, mas de um desequilíbrio de satisfação. Um formulado bastante sensato, a meu ver. Se estou satisfeita com minha vida afetiva, profissional e financeira, que razão teria para ficar me perguntando se outras pessoas estão mais ou menos satisfeitas do que eu?

Em nossa sociedade psicologicamente imatura e egocêntrica, parece ser mais fácil confundir poder e força, conhecimento e sabedoria. Infelizmente, ainda estamos às voltas com as crises de birra típicas da infância e engatinhando na difícil arte de lidar com frustrações e limites.

O mais angustiante, entretanto, é que a indignação diante de acontecimentos tão nefastos dura apenas um segundo. Os protestos de massa podem aliviar significativamente a tensão do momento, mas a catarse não constrói. Quase imediatamente voltamos à rotina de engolir outros sapos pessoais, a tensão começa a se acumular novamente e a insatisfação nos empurra para a busca de novos bodes expiatórios.

A pergunta agora é: até quando vamos nos conformar em tratar dos sintomas e voltar as costas para a busca dos motivos de nossa insanidade coletiva?

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.