A novela dos apartamentos

José Horta Manzano

A novela dos apartamentos comprados a dinheiro pelos Bolsonarinhos tem causado espanto – se é que algo ainda causa espanto na política brasileira.

Acho engraçado a gente dizer «dinheiro vivo», expressão que faz pressupor a existência de hipotético ‘dinheiro morto’. Bem, era só uma observação. Não vamos mexer em vespeiro, que vespa pode picar.

O clã Bolsonaro tem mostrado forte preferência por investir em imóveis, pagando sempre com ‘dinheiro vivo’. É curioso. Se o Brasil fosse um país nos conformes, uma denúncia desse tipo seria objeto de investigação imediata, profunda e minuciosa. Caso se descobrisse que a origem do ‘dinheiro vivo’ era ilícita, o caso terminaria num tribunal criminal. Com condenação garantida.

Sabe-se que o Brasil não é muito dado a investigações minuciosas; sabe-se também que ver gente graúda responder pelos crimes cometidos é raridade. A cada dia, tem-se a impressão de que a Operação Lava a Jato foi uma excrescência, um ponto fora da curva. Portanto, é melhor tirar o cavalo da chuva.

Há um aspecto nessa história que me deixa perplexo. É justamente o fato de os membros do clã darem preferência a investir em imóveis o fruto de sabe-se lá que ilícitos. Um conhecido meu, de profissão contador, costuma dizer que é sempre mais fácil esconder um maço de notas do que um imóvel. Decerto, os Bolsonarinhos nunca pensaram nisso.

Paulo Maluf, um dos mais obstinados ladrões de dinheiro público que o país conheceu, já tinha aprendido, desde mocinho, que dinheiro roubado se guarda lá fora. Se foi apanhado, é porque exagerou, foi além dos limites. (Até para assalto ao erário, há que ser razoável.)

Os membros da quadrilha lulopetista, que também meteram a mão nas burras do Estado e enriqueceram com nosso dinheiro, tinham mais imaginação. Tirando uns poucos que preferiram receber o fruto do assalto em ‘dinheiro vivo’ e guardá-lo em malas, o grosso dos malandros despachou o tutu para portos seguros no exterior. Em seguida, terão investido em ações, ouro, platina, minas de cobre na Sibéria, garrafas de Bordeaux, obras de arte, coisas assim. Mas nada de apartamento no Rio de Janeiro, que ninguém é besta.

Os lulopetistas sabiam disso. Os Bolsonaros, ao que se vê, não sabiam. Devem fazer parte do que a gente costuma chamar de ‘ladrão pé de chinelo’.

A acreditar nas revelações da imprensa, é permitido deduzir que o clã se dedicou a práticas criminosas. Tivessem procurado a expertise de peritos no assunto, não estariam agora em apuros. Vai ficando cada dia mais claro que a família sofre, de fato, de pesado déficit de inteligência.

Gosto muito de histórias de ladrões como Arsène Lupin e outros ladrões de casaca. Não devo ser o único a apreciar as aventuras desse tipo de personagem, visto o número de filmes e livros em circulação. Quando se mergulha numa história dessas, a cada sequência, a gente vibra pelo ladrão. Sem se dar conta, a gente sucumbe ao magnetismo e à simpatia do elegante personagem.

Apesar de ser ilegal apropriar-se do que pertence ao alheio, quando a elegância convence e o charme opera, fica impossível resistir: nossa torcida vai inteira para o personagem. A cada vez que a polícia ameaça descobrir o herói e mandá-lo para detrás das grades, sentimos um frio na barriga.

No caso dos assaltantes do erário via sistema de rachadinhas – prática na qual a família Bolsonaro parece ter-se especializado – a gente torce mesmo é para a polícia.

Os perigos da euforia

José Horta Manzano

Na madrugada passada, em mero controle rotineiro levado a cabo na estação ferroviária de Sesto San Giovanni, periferia de Milão, dois agentes da polícia local patrulhavam a plataforma de desembarque. Em escolha aleatória, sem desconfiar da identidade da pessoa a quem se dirigiam, pediram a um jovem recém-desembarcado que mostrasse seus documentos. Em resposta, o interpelado sacou um revólver calibre 22 e atirou à queima-roupa num dos dois policiais. Ferido no ombro, o agente veio a terra. O patrulheiro que o acompanhava não esperou sua vez. Sacou imediatamente e, em compreensível e legítimo gesto de defesa, atirou no desconhecido. Não errou o golpe. Atingido em cheio, o desconhecido desmoronou. Morto.

italia-sesto-san-giovanniNeutralizado o agressor, foram feitas as verificações habituais. Com espanto, constatou-se que se tratava do assassino de massa, aquele que havia lançado um caminhão, como um bólido, sobre uma multidão em Berlim, dias antes. As impressões digitais e a comparação fotográfica com a sinalização difundida pela polícia alemã não deixam dúvida sobre a identidade do morto. Bilhetes de trem encontrados nos bolsos do tunisiano darão indicações sobre sua rota de fuga. Talvez levem a eventuais cúmplices. Até aí, não há nada a criticar. O fugitivo não foi «executado», como às vezes acontece. A prova da troca de tiros é justamente o policial ferido, atualmente hospitalizado e que, felizmente, não corre risco de vida. O mundo está ficando cada vez menor. A informação circula cada vez mais rápido. Os tempos andam duros para contraventores, criminosos e fugitivos em geral. (Que o digam os que a Lava a Jato tem apanhado de calça curta.)

O terrorista enfrentou a polícia italiana e foi por ela posto fora de combate. Os agentes que, por ofício, patrulhavam a estação cumpriam horário. A agressão foi cometida contra o Estado italiano. O policial, naquele momento, representava a nação. Acontece que os italianos têm o dom de dramatizar. O ministro dos Negócios Internos deu, esta manhã logo cedo, coletiva de imprensa. Relatou o acontecido e fez questão de dar o nome completo do policial de cuja arma saiu a bala que matou o terrorista. A meu ver, não agiu ajuizadamente. Por duas razões, deveria ter omitido o nome do agente.

policia-4Primeiro, por razões éticas e de privacidade. Talvez o jovem não aprecie que o planeta fique sabendo que foi ele a acionar o gatilho que tirou a vida de um semelhante. Atirou contra um criminoso, sem dúvida, assim mesmo há de ser desconfortável ser apontado na rua como responsável direto pela morte de alguém. Agora não tem mais jeito: com nome, idade e currículo divulgados, será impossível escapar.

Há uma segunda razão, talvez mais grave que a anterior. Daqui a alguns meses, a poeira terá baixado para a maioria de nós. No entanto, mandachuvas do Estado Islâmico, fanáticos, radicais & outros destrambelhados podem não esquecer nunca. O policial ‒ que agora tem identidade conhecida ‒ periga passar o resto da existência na angústia de ser vítima de vingança.

O ministro italiano deveria ter-se lembrado do caso do escritor britânico Salman Rushdie, aquele que publicou, em 1988, um livro considerado ofensivo aos valores islâmicos. O homem, que nunca mais pôde levar vida normal como qualquer cidadão, vive sob proteção da polícia secreta britânica faz quase trinta anos.