Nome de rua

José Horta Manzano

Decisão sensata foi tomada pelo governador do Maranhão. Cumprindo promessa de campanha, regulamentou a atribuição de nome a logradouros públicos.

decreto, assinado no começo deste ano, aplica-se a todo o Estado e proíbe emprestar nome de pessoa viva a bem público de qualquer natureza. A interdição abrange ruas, praças, avenidas, viadutos, becos, esplanadas, bulevares, caminhos, estradas, rodovias. Atinge também prédios públicos, estações rodoviárias, escolas, hospitais públicos & assemelhados.

Placa 16É verdade que a invasão de nomes ligados ao clã de José Ribamar, dito Sarney, tornou-se escandalosa no simpático Estado nordestino. Convenhamos: vaidade e autoincensamento têm limite, sob risco de chegarmos ao ridículo de autocracias de segunda linha, como a Coreia do Norte ou o Haiti dos Duvalier.

Placa 15O decreto se estende a figuras ligadas à mais recente ditadura militar, aquela que finou em 1985. Dado que o governador é afiliado ao Partido Comunista, a rebarba é compreensível. Mais difícil é compreender por que razão nomes que evocam outras ditaduras mais antigas não são contemplados pela proibição. Ditadura por ditadura, se Castelo Branco & companhia estão banidos, Getúlio Vargas & confrades também deveriam estar. Afinal, sob ambos os regimes, o partidão esteve fora da lei.

Passando por cima do rancor seletivo, a decisão é digna de aplauso e tem direito a ser espichada além das divisas maranhenses. A interdição merece ser objeto de lei federal, de abrangência nacional.

Placa 3Dependesse de mim, iria até mais longe. Mesmo entre os mortos, nem todos fizeram por merecer figurar em placa de rua. Melhor mesmo seria excluir nome de gente. Tem muito nome mais interessante pra ser utilizado. Animais, rios, países, poemas, nomes abstratos, frutas, profissões e ofícios, flores, acidentes geográficos, árvores estão à disposição.

Em Lisboa, temos a Rua das Janelas Verdes; no Porto, a Rua da Palma; em São Paulo, a Rua dos Trilhos; no Recife, a Rua da Aurora; no Rio, a Rua da Quitanda. As opções são infinitas, todas muito simpáticas.

A exceção ficaria por conta de algumas dezenas de figuras excepcionais, daquelas que realmente deram notável contribuição à nação ‒ com a condição de que tenham falecido há pelo menos meio século.

Placa 1A decisão, caso a caso, seria responsabilidade de um conselho ad hoc ‒ criado para esse fim. Seria composto de uma ou duas dezenas de personalidades de bom senso, representando amplo espectro da cultura nacional.

Para evitar criar mais um cabide de emprego, o comitê não se reuniria mais que uma ou duas vezes por ano para deliberar sobre os casos pendentes. Cada componente receberia não mais que um jetom simbólico. E basta.

Sonhar custa barato.

Os jabutis de senhor Cunha

José Horta Manzano

Animal 09A malandragem nacional não tem limites. Com certeza, o distinto leitor já ouviu falar dos “jabutis”, nome curioso dado a emendas bizarras que parlamentares tentam enxertar em MPs em tramitação no Congresso.

São penduricalhos que nada têm a ver com o tema central do projeto. Trata-se de ardil para apanhar incautos. Distraído, o deputado pode até votar a favor de uma MP sem se dar conta de que ela carrega, de contrabando, dispositivo ao qual ele nunca daria seu voto consciente.

Animal 08Senhor Eduardo Cunha, personagem cuja fama hoje se esparrama pelo território nacional, é presidente da Câmara. Por quanto tempo, ninguém sabe. Em agosto de 2011, quando o deputado era líder do PMDB, a OAB rejeitou seu nome para relatar a reforma do Código de Processo Civil. A razão alegada foi a ausência de formação jurídica do parlamentar.

Rancoroso e vingativo, senhor Cunha inscreveu a OAB em sua lista de desafetos. E jurou “implodir” a Ordem. Imediatamente após ser rejeitado, apresentou projeto de lei para abolir a exigência de exame da Ordem para todo bacharel que aspire ao título de advogado. Não teve sucesso.

Animal 10Desde então, o (ainda hoje) presidente da Câmara não sossegou. A cada MP que se apresenta, tenta adicionar um penduricalho para acabar com o exame da Ordem. Matéria publicada em maio 2013 pelo Portal Último Segundo conta que, das 17 MPs votadas ou em tramitação no Congresso naquele ano, 11 continham um “jabuti” incrustado por senhor Cunha pedindo a extinção do exame da Ordem. O homem é tenaz, do tipo que guarda mágoa em geladeira.

O afastamento do rancoroso parlamentar parece ser questão de tempo. A gente chega a se perguntar, aliás, como é possível que ainda esteja ocupando a cadeira-mor da Câmara. Assim que ele cair, a Ordem dos Advogados do Brasil há de respirar aliviada.

Interligne 18f

PS: Matéria do Estadão desta segunda-feira informa que Eduardo Cunha acaba de ser sancionado pelo Tribunal Federal Suíço por tentativa de atravancar a comunicação de seus dados bancários às autoridades brasileiras. Recebeu pena pecuniária. Mas o Ministério Público suíço não enterrou a possibilidade de processá-lo criminalmente por lavagem de dinheiro.

Já acabou

José Horta Manzano

Inimigas 1Em entrevista concedida à jornalista Eliane Cantanhêde, dona Marta Suplicy – figurinha carimbada e assaz longeva do petismo – declarou que «ou o PT muda ou acaba». Causou frisson no partido. Passadas 24 horas, os líderes atuais ainda estão discutindo o teor da resposta.

O amargor de dona Marta é compreensível. Nos tempos áureos em que caminhava sobre tapete vermelho, ganhava eleição e era prestigiada no partido, a vida lhe parecia mais doce. Não deu nem um pio quando estourou o escândalo do mensalão. Continuou calada quando companheiros foram condenados à prisão fechada.

Sua contribuição maior ao folclore político brasileiro – aquela que marcará sua biografia – foi a frase pronunciada em jun° 2007, no auge da crise da aviação conhecida como apagão aéreo. Nove entre dez brasileiros pensantes se lembrarão de sua declaração debochada: «Relaxa e goza!». Raras foram as figuras políticas capazes de despertar, com três palavras, reprovação instantânea, nacional e unânime. Dona Marta realizou a façanha.

Dilma e MartaSua bronca com o partido é relativamente recente. Desde que o Lula, seu padrinho, deixou a presidência, os holofotes se desviaram pouco a pouco da senadora. Pra reverter a situação, ela bem que tentou algum golpe de estrelismo. Não funcionou. É situação pra lá de frustrante para quem se afiliou ao partido 35 anos atrás.

Pra pôr a coisa em termos polidos, direi que dona Dilma e ela não são exatamente amigas do peito. Desbocada como criança mimada, Marta pisoteou muita gente e colecionou inimizades. Nos próximos quatro anos, sua probabilidade de obter posto de destaque são franzinas. Desesperançada com a falta de perspectiva, a senadora – que completará 70 anos daqui a dois meses – resolveu chutar o pau da barraca.

Inimigas 1«Ou o PT muda ou acaba» – foi o que disse. Tenho o embaraçoso dever de lembrar à senadora que, como partido, o PT já acabou faz mais de dez anos. A antiga agremiação que lutava contra roubalheira e injustiças se degenerou, se abastardou, se desnaturou. Pulou a cerca e exibe hoje perfil de organização criminosa.

Já faz tempo que o Brasil inteiro entendeu a metamorfose desse curioso partido. Está na hora de dona Marta também reconhecer a realidade.

Interligne 18b

A contar desta semana, a jornalista Eliane Cantanhêde passa a assinar uma coluna no Estadão. Suas análises aparecerão três vezes por semana. O link permanente está anotado na coluna da direita, no tópico meus links preferidos.