Falhar em?

José Horta Manzano

Chamada do Estadão, 17 maio 2020

O uso do verbo falhar em frases do tipo “Ele falhou em fazer tal coisa” é modismo. Poucas décadas atrás, não se via tal construção. Não sei de onde terá vindo; por ser decalque da sintaxe inglesa, imagino que tenha sido introduzida por tradutores apressados. Ou por turistas de retorno de trepidante temporada de vilegiatura na Disneylândia.

Em muitos casos, to fail se traduz por faltar. É verdade que outras acepções se traduzem por falhar. A sintaxe da chamada do jornal soa estranha, estrangeira. Talvez, no futuro, venha a ser completamente aceita; hoje, ainda não é o caso.

A norma culta não prevê ‘falhar em, mas ‘falhar a’. Falhou ao juramento, por exemplo, é forma legítima.

Pra consertar a chamada, aqui vão duas opções. Ambas conservam o verbo falhar intransitivo.

“Modelo sueco contra coronavírus falha ao não evitar recessão no país”.

“Modelo sueco contra coronavírus falha. Não evita recessão no país”.

Por que confinar?

José Horta Manzano

Se o confinamento foi imposto na maioria dos países da Europa, não foi pra castigar ninguém, mas pra preservar o sistema nacional de saúde. E funcionou. Quanto mais cedo foi instaurado, menor foi a taxa de mortalidade. Na maioria dos países, visto que a curva de contágio entortou pra baixo, o desconfinamento gradual já começou.

No início da pandemia, o governo do Reino Unido foi reticente, o que significou um baita escorregão para o país, que virou um caso à parte. Boris Johnson chegou a debochar do perigo ao dizer que continuava, sim, apertando a mão de muita gente. Deu no que deu. O figurão apanhou a covid-19, deu entrada no hospital, foi tratado na UTI, quase empacotou – parece até que foi castigo. Quando, finalmente, instauraram o confinamento, o contágio já corria solto. Como resultado, a epidemia foi lá mais grave do que na maioria dos vizinhos.

O Brasil vive uma situação peculiar. O sistema nacional integrado de saúde (SUS) convive com um sistema paralelo de asseguradoras privadas (convênios), que asseguram, grosso modo, os mesmos riscos. O resultado é sui-generis: boa parte dos brasileiros são sobreassegurados (=overassured, surassurés). Sustentam, do próprio bolso, dois sistemas concorrentes. Pra quem olha do exterior, parece um despropósito, um desperdício. Afinal, apesar de pagar dois sistemas, o cidadão só recorre a um deles de cada vez. Desse modo, terá pago o outro por nada. A meu conhecimento, nenhum país rico procede assim. No entanto, pensando bem, se ninguém reclama, é porque devem estar satisfeitos.

Seja como for, que se considere o SUS ou as seguradoras privadas, no frigir dos ovos, a capacidade de atendimento hospitalar será sempre o resultado da soma dos dois sistemas. Portanto, o princípio que compeliu outros países a decretarem confinamento da população vale também para o Brasil. O objetivo é preservar o(s) sistema(s) de saúde. É afligente que doutor Bolsonaro não tenha entendido isso.

Tuíte – 8

José Horta Manzano

Um estudo publicado hoje pelos epidemiologistas da respeitada Escola de Estudos Superiores de Saúde Pública, da França, revela que o rigoroso confinamento que a população está obrigada a cumprir salvou o país de uma hecatombe.

As regras extremamente rígidas da quarentena à la française evitaram 60 mil mortes a mais nos hospitais. Se essa multidão tivesse de ser acolhida, as UTIs do país não teriam conseguido acompanhar, os hospitais teriam entrado em colapso e o sistema de saúde pública teria desmoronado.

Hoje, diante do achatamento da curva de novos casos, o desconfinamento já está em curso; será progressivo, devendo se estender até o mês de junho.

Tuíte – 7

José Horta Manzano

No fundo, no fundo, governantes não estão ligando a mínima para a saúde do povo. O que querem é evitar todo escândalo que os possa impedir de permanecer no poder. Para atingir o objetivo, caminham sempre na corda bamba: pra escapar de um escândalo, não é aceitável provocar outro.

Se dirigentes do mundo inteiro – com exceção de 3 ou 4 renitentes – estão submetendo a população a algum tipo de confinamento, não é tanto que estejam atristados com a perspectiva de perder certo número de conterrâneos. O que apavora é o colapso do sistema hospitalar.

O confinamento, que seja mais rigoroso ou menos, está aí justamente pra evitar esse afluxo excessivo. No dia em que cidadãos doentes baterem à porta de hospitais lotados, sobrecarregados e incapazes de atendê-los, estará instalado escândalo tonitruante.

Governadores e prefeitos ajuizados entenderam o perigo e fizeram como estão fazendo praticamente todos os países: aderiram às diretivas da OMS e editaram regras de distanciação social e de confinamento.

Ao insistir na negação da realidade e do bom senso, doutor Bolsonaro dá mais uma prova de seu déficit de inteligência. Se sua doutrina desvairada fosse seguida, o circuito brasileiro de saúde pública sofreria rápido aumento de pacientes e o colapso seria líquido e certo. O escândalo seria instantâneo. No fundo, ele está sendo salvo pela diligência de governadores e prefeitos ajuizados.

Paranoia ou método?

José Horta Manzano

«Minha campanha, eu acredito que, pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu tinha sido, eu fui eleito no primeiro turno, mas no meu entender teve fraude

«[Essa quantidade de óbitos] está muito grande para São Paulo. Tem que ver o que está acontecendo aí. Não pode ser um jogo de números para favorecer interesse político. Não estou acreditando nesse número

Ambas as frases, nem precisa dizer, foram pronunciadas por doutor Bolsonaro. A primeira, em Miami, num evento neopentecostal. A segunda, no Brasil, em entrevista a uma estação de televisão.

Em ambas, ele abre o jogo: deixa claro que, no seu entender, manipulação de resultados é matéria corriqueira, coisa que todo o mundo faz. Está brincando com assunto sério, Excelência! Nem sua proverbial mania de perseguição explica essa desconfiança.

A menos que…
A menos que, por detrás dessa conversa boba de matuto, haja método, armação, orquestração. É permitido imaginar que Sua Excelência esteja preparando o espírito do distinto público para uma dança de números, jogados no ventilador com o intuito de causar polêmica, confusão e descrença geral. Ele mesmo já deu a dica de como enxerga o problema quando insinuou não acreditar nos números paulistas porque pode ser um jogo de números para favorecer interesse político”.

Imaginemos um cenário
O Planalto sabe muito bem que, afrouxadas as medidas de confinamento, a doença vai se alastrar. Assim mesmo, decide apoiar o afrouxamento, com o fim de evitar catástrofe que lhe parece mais importante: a perda de renda dos trabalhadores informais. Diga-se, en passant, que o presidente já avisou que «terão mortes»(sic).

Pra evitar que esse ‘terão mortes’ resulte em número assustador, prepara-se para maquiar estatísticas e mascarar a realidade. Afinal, cada hospital tem seus números, mas só o governo federal é dono da planilha que coleta todos os dados. Com um pouco de arte, não é difícil ‘achatar’ essa curva. Os números paulistas são os que fazem a curva empinar, daí o descrédito que o presidente lança, desde já, sobre eles.

O achatamento artificial somado à não notificação de casos em que a morte tiver ocorrido em casa, longe de amparo e assistência, vão dar o resultado sonhado pelo doutor. Ficará demonstrado que ele tinha razão ao liberar geral.

Engenhoso, não?

Brasil: objeto de zombaria

José Horta Manzano

Além de governar sem pulso e transformar o Brasil em nau sem rumo a navegar em ritmo de pedalinho, doutor Bolsonaro nos envergonha lá fora. Sua desconexão da realidade – que já está sendo vista como caso psiquiátrico – não passa mais despercebida na mídia mundial.

Os mais antigos hão de se lembrar de Idi Amin Dada, o ditador louco e sanguinário que reinou sobre a pobre Uganda de 1971 a 1979. Do jeito que nosso presidente solta barbaridades, a comparação entre os dois vai se tornando cada dia mais pertinente. Bolsonaro só não é sanguinário porque não tem poder para tanto. Felizmente.

Notícia boa logo sai da pauta; notícia ruim, ao contrário, demora pra ir-se embora da manchete. O vexame que o doutor cometeu domingo passado, quando se jogou nos braços dos fanáticos de sua seita, ainda ecoa no resto do planeta. Nosso presidente tornou-se objeto de sarcasmo; por consequência, o país inteiro também.

Nestes tempos de confinamento, toda notícia ridícula é bem-vinda pra fazer brotar um sorriso, ainda que seja de desdém. Um balançar de cabeça faz bem, em meio a tanta pressão por causa de uma doença que ninguém vê mas que todos temem.

O mundo entende que o Brasil não é uma ditadura. Portanto, se esse homem está na Presidência, é porque seus compatriotas o puseram lá. Vai daí, o reflexo de todas as enormidades que ele comete recai sobre nós todos.

Veja abaixo um florilégio da mídia internacional.

 

 

Clarín, Argentina
Bolsonaro prepara uma festa de aniversário e critica os governadores que impõem medidas emergenciais.

 

 

Stern, Alemanha
“O mundo está enlouquecendo”: Bolsonaro ignora as diretrizes da OMS e fala em histeria corona.

 

 

Le Monde, França
No Brasil, Bolsonaro se esfrega na multidão apesar do coronavírus.

 

 

CNN, EUA
Bolsonaro trata medidas de prevenção contra coronavírus de “histeria”.

 

 

Dagens Nyheter, Suécia
Bolsonaro acredita que o vírus é desculpa para afastá-lo do poder.

 

Scherzo

José Horta Manzano

Você sabia?

clique para ampliar

Está aqui um quadro interessante. Traz a altura (corporal) de alguns figurões. Não sei quem é o autor, mas merece parabéns pelo esforço. Não é tarefa fácil coletar imagem desse pessoal, todos na proporção justa, alinhá-los, identificá-los. Quanto a mim, só tive de traduzir pés e polegadas em centímetros.

Os personagens antigos (Churchill e Hitler) são figuras históricas que cabem em qualquer comparação. Os demais eram os grandes de então – esse “então” há de ter sido uns dez anos atrás.

Pra que serve o quadro? Pra nada. È uno scherzo – é uma brincadeira. Bom domingo para os que já estão confinados em casa e para aqueles que logo estarão.

Coronavírus e precauções

José Horta Manzano

Não sei se será impressão minha, mas parece que, no Brasil, a perspectiva de crise econômica está preocupando mais do que a crise sanitária provocada pelo Covid-19. A julgar pelas manchetes e notícias da imprensa, minha impressão é correta. Considerando a área impressa, a recessão mundial que bate à porta ganha de goleada do vírus. Essa atitude é estranha, dado que a recessão é amanhã, enquanto o vírus é hoje.

É verdade que o Brasil não é o terreno de predileção do coronavírus. Não é porque «o vírus morre com o calor», como li outro dia – tolice. A rápida propagação da doença neste fim de inverno do hemisfério norte é simples de explicar. No inverno, faz frio. Com isso, as pessoas tendem a permanecer o tempo todo em locais fechados, abafados, confinados, com ar viciado. Bares, restaurantes e assemelhados são aquecidos e hermeticamente fechados. Transporte coletivo (ônibus e metrô) idem. Pronto, está dada a receita da propagação relâmpago.

No Brasil, dado que costuma fazer calor, há menos ajuntamento em local fechado. Bares e até restaurantes mantêm portas e janelas escancaradas. O vírus não derrete com o calor, mas pode até escapar pela janela.

Na Suíça, por enquanto, não há confinamento. Mas o jornal televisivo, que dura meia hora, gasta 15 minutos com notícias do vírus. Por seu lado, o governo federal lançou campanha de prevenção, com folhetos publicitários em 12 línguas.

Um dos ‘flyers’ editados pelo governo federal suíço. (O português é lusitano.)

Na Itália, saiu hoje ordem do governo: confinamento obrigatório em todo o território nacional. Sair de casa passa a ser permitido somente por razões de trabalho ou necessidade justificada. Estão fechadas, até o mês que vem, escolas, creches, faculdades. Casamentos e homenagens fúnebres estão proibidos. Até futebol, paixão nacional, se joga em estádios sem público.

Na França, o vírus já pegou um ministro e três parlamentares da Assembleia Nacional. O entorno do presidente está sendo cuidadosamente protegido. Banidas as coletivas de imprensa, as viagens, as entregas de condecoração. Confinamento obrigatório está em vigor somente nas regiões mais atingidas do território – por enquanto.

Espero que, no Brasil, as autoridades tomem consciência rapidamente. Não convém brincar com coisa séria. Deixado à solta, sem que se tomem precauções, o Covid-19 que saiu pela janela pode voltar pela porta e fazer estragos.