Brasil: objeto de zombaria

José Horta Manzano

Além de governar sem pulso e transformar o Brasil em nau sem rumo a navegar em ritmo de pedalinho, doutor Bolsonaro nos envergonha lá fora. Sua desconexão da realidade – que já está sendo vista como caso psiquiátrico – não passa mais despercebida na mídia mundial.

Os mais antigos hão de se lembrar de Idi Amin Dada, o ditador louco e sanguinário que reinou sobre a pobre Uganda de 1971 a 1979. Do jeito que nosso presidente solta barbaridades, a comparação entre os dois vai se tornando cada dia mais pertinente. Bolsonaro só não é sanguinário porque não tem poder para tanto. Felizmente.

Notícia boa logo sai da pauta; notícia ruim, ao contrário, demora pra ir-se embora da manchete. O vexame que o doutor cometeu domingo passado, quando se jogou nos braços dos fanáticos de sua seita, ainda ecoa no resto do planeta. Nosso presidente tornou-se objeto de sarcasmo; por consequência, o país inteiro também.

Nestes tempos de confinamento, toda notícia ridícula é bem-vinda pra fazer brotar um sorriso, ainda que seja de desdém. Um balançar de cabeça faz bem, em meio a tanta pressão por causa de uma doença que ninguém vê mas que todos temem.

O mundo entende que o Brasil não é uma ditadura. Portanto, se esse homem está na Presidência, é porque seus compatriotas o puseram lá. Vai daí, o reflexo de todas as enormidades que ele comete recai sobre nós todos.

Veja abaixo um florilégio da mídia internacional.

 

 

Clarín, Argentina
Bolsonaro prepara uma festa de aniversário e critica os governadores que impõem medidas emergenciais.

 

 

Stern, Alemanha
“O mundo está enlouquecendo”: Bolsonaro ignora as diretrizes da OMS e fala em histeria corona.

 

 

Le Monde, França
No Brasil, Bolsonaro se esfrega na multidão apesar do coronavírus.

 

 

CNN, EUA
Bolsonaro trata medidas de prevenção contra coronavírus de “histeria”.

 

 

Dagens Nyheter, Suécia
Bolsonaro acredita que o vírus é desculpa para afastá-lo do poder.