As passeatas de antigamente

José Horta Manzano

Houve uma época, não faz tanto tempo assim, em que opinião política se manifestava no grito. Na rua, de preferência. Havia quem chamasse de passeata; alguns diziam desfile; outros preferiam protesto. Faixa, megafone, cartaz, palavras de ordem eram de rigor. Por fim, o mais importante de tudo: a cor da indumentária. Aquela maré humana, principalmente fotografada do alto, não teria o mesmo encanto se não estivessem todos uniformizados. Boné, camiseta e bermuda respeitavam o código.

Manifestações assim sempre houve. Foi um lulopetismo desmascarado por mensalões e petrolões que cuidou de dar relevo a elas. Quando a seita já caminhava para o fim, multidões de aluguel vestiram o vermelho das bandeiras progressistas enquanto uma maré de gente se apresentou de verde-amarelo. Era o bom senso nacional despachando os vermelhinhos pra fora da pista.

A roda gira. Desfiles, passeatas e protestos andam meio fora de moda. Palavras de ordem (palavrões?) não saem mais de megafones, mas brotam de redes associais. Mas palavras não têm cor. Onde foi parar a alegre paleta dos velhos dias?

Ela hoje está à porta do palácio presidencial, contida num cercadinho destinado a amestrados prontos a aplaudir o que Seu Mestre disser. Os vermelhinhos sumiram, e os figurantes se vestem de verde-amarelo. É manifestação unívoca, sem contestação possível, senão… «Cala a boca!».

Tudo estaria na santa paz, só que Seu Mestre só diz besteiras. As enormidades presidenciais vêm em modo mesa de pizzaria quando proferidas ao vivo, e em modo balcão de boteco quando são ditas em ambiente restrito. Quem quiser mostrar desagrado e não estiver disposto a escrever palavrão nas redes teria caminho certo: organizar contramanifestação. Só que vai enfrentar um problema espinhoso. A turma do ódio é que trocou o vermelho pelo verde-amarelo. Portanto, que cor o cidadão equilibrado deve vestir?

Está explicado o porquê do silêncio das ruas. Por um lado, a ala do bom senso não se anima a soltar palavrão pela internet. Por outro, dado que o verde-amarelo foi parar em mãos indevidas, gente fina está hesitando em manifestar nas ruas. Tá complicado, parceiro.

Com claque e sem vaia

José Horta Manzano

Vaia 1Na virada do século 19 para o 20, a ópera andava muito na moda. Antes do disco, da tevê, do rádio e do cinema, espetáculo musical ou teatral tinha de ser assistido ao vivo. Dado que conjugava música com teatro, ópera fazia sucesso e atraía plateias populares.

Para aparentar sucesso de arromba e assegurar artigos elogiosos nos jornais do dia seguinte, cantores costumavam contratar uma claque. Era um grupo de mercenários incumbidos de aplaudir estrepitosamente o desempenho do artista por conta do qual trabalhavam. A um sinal discreto do chefe da tropa, choviam aplausos fenomenais.

Ao final do espetáculo, dirigiam-se os componentes da claque a um lugar discreto onde, em fila, se preparavam para receber o pagamento combinado. Antes de embolsar os cobres, passavam pela inspeção. Suas mãos eram palpadas. Só fariam jus ao soldo se as palmas estivessem quentes, vermelhas, sinal evidente de que haviam aplaudido com vigor. Hoje em dia, espetáculos ao vivo dispensam claque. Fazem sucesso sem estímulos forçados.

Aplauso 1Ontem, no entanto, assistimos a uma emocionante viagem ao passado. Para amenizar a saída inglória ‒ por debaixo da rampa do Planalto, diga-se de passagem ‒, dona Dilma recorreu ao antigo truque. Pequena tropa estava ali, constituída em boa parte de mulheres devidamente paramentadas de vermelho. Palavras de ordem foram regularmente escandidas aos brados. Aplausos e gestos enérgicos não faltaram.

Foi uma comovente volta no tempo, o coroamento apoteótico de uma era de regressão. Esperamos todos que, daqui pra frente, o Brasil volte a funcionar. Esperamos todos que a simbólica ressurreição da claque tenha significado o enterro do retrocesso.

A mídia não registrou a fila da palpação das mãos.

Tempos difíceis

José Horta Manzano

Os tempos andam complicados para todos – mais para uns que para outros. Para o partido que dominava a cena política federal até poucos meses atrás, o momento é mais que espinhoso. Depois que perderam a hegemonia, seus afiliados estão tentando colar os cacos.

O instantâneo tomado ontem no Congresso Nacional do PT deixa perceber que, por detrás de sorrisos de triunfo, há muita preocupação. Vejamos dois detalhes:

Dilma 12Interligne vertical 14A bancada oficial é ornada pelas bandeiras do Brasil, da Bahia e do partido. Detalhe sintomático: a bandeira nacional ocupa a posição central, jogando a do partido pra escanteio.

Nos tempos áureos, teriam vindo todos de roupa vermelha. Hoje, dado que o partido está irremediavelmente associado à roubalheira e à bandidagem, o vibrante vermelho-revolução – marca registrada da agremiação – foi substituído pela sem-gracice do traje de todos os dias. Alguns até de camisa pra fora da calça, composição pra lá de chique.

Pra finalizar, fato singular, importante e inquietante: a presença da presidente da República. A pessoa que acumula as duas funções maiores – chefe do governo e chefe do Estado brasileiro – deve ter a sabedoria de pairar acima de partidos. No momento em que foi eleita, dona Dilma deveria ter passado a distanciar-se de comemorações e festejos partidários. Faz parte da liturgia da função.

Dilma e Lula 2A presidente não fez mera visita de cortesia. Foi parte integrante e figura capital do convescote. Dado que nunca foi vista em convenção de nenhum outro partido, fica a certeza de que não é a presidente de todos os brasileiros, mas somente do partido do «nós». O «eles» fica de fora.

No fundo, é melhor assim.