Desleixo quadrienal

José Horta Manzano

A faixa verde-amarela, símbolo mais vistoso da Presidência, passa do antigo ao novo inquilino. A cerimônia é solene, encenada diante de câmeras e plateia. De tanta importância que se dá ao adereço, a gente fica com a impressão de que presidente usa faixa o tempo todo. Será que dorme com ela?

No entanto, um detalhe não costuma ser contado. A faixa é renovada a cada mandato. A que doutor Bolsonaro recebeu não é a que doutora Dilma tinha usado. Foi confeccionada especialmente para ele. Foi apenas ‘emprestada’, por alguns minutos, a doutor Temer, só para a cerimônia de passação.

Olhando de longe, o amarelo da faixa inaugurada ontem me pareceu meio pálido. Os símbolos da nação são rigorosamente codificados, fato que não é conhecido de todos. As estrelas da bandeira têm lugar astronomicamente definido. O verde, o amarelo, o azul e até o branco são descritos nos sistemas de cores RGB, CMYK e Hexadecimal. Se bandeirinha vendida em banca de jornal sair do tom, não será tão grave assim. No entanto, para uso oficial, os símbolos deverão respeitar fielmente o figurino.

Pelas imagens, é difícil julgar se a palidez do amarelo era verdadeira ou só impressão minha. De repente, lá vem doutor Bolsonaro agitando bandeira que tinha levado no bolso. O contraste foi impiedoso. Não era impressão minha. O amarelo intenso ‒ e oficialmente correto ‒ da bandeira de bolso escancarou a palidez da faixa.

É preocupante que o símbolo do cargo tenha empalidecido antes mesmo da assunção do novo ocupante. É mau sinal. Lembra aquele carro russo que importavam nos anos 1980, cuja chave, diziam as más línguas, já vinha enferrujada.

Assim mesmo, é de indignar o fato de a insígnia do chefe de Estado ser confeccionada com tamanho desleixo. Têm quatro anos pra pensar no assunto e, apesar disso, ainda sai com defeito. Desleixo quadrienal.

A ficha ainda não caiu

José Horta Manzano

Faz alguns dias, à aproximação do 7 de setembro, assessores do Planalto saíram em busca da faixa presidencial. Afinal, o Dia da Independência é o feriado maior, comemorado com desfile, faixa e fita. O adereço tinha de estar pronto, limpo, passado a ferro e tinindo para paramentar o presidente.

Faixa presidencialA faixa foi encontrada, mas o broche que completa o conjunto ‒ feito de ouro e diamantes ‒ tinha desaparecido. Parece que não é a primeira vez que objeto precioso desaparece nas dependências do Planalto. Ah, essas faxineiras…

A mídia divulgou o sumiço. Diante do compreensível escândalo que o “extravio” provocou, o broche, reapareceu rápida e miraculosamente. O objeto simplesmente repousava em berço plácido, bem debaixo de um armário que ‒ veja que coincidência! ‒ não via vassoura havia anos. Tinha caído e ninguém se tinha dado conta. Ah, esses distraídos…

Chegou o grande dia, faixa pronta, revigorada, aprumada, engomada e com o devido broche. E o que é que se vê? Um presidente que se apresenta na tribuna de honra como um civil qualquer, sem o símbolo tradicional.

desfile-7-setembro-5Concedo que o adereço não passa de um pedaço de seda, mas, diabos, é símbolo da nação. Nas grandes cerimônias, todo cacique usa o devido cocar. Até a rainha da Inglaterra, nas grandes horas, vem de manto e coroa. Senhor Temer houve por bem deixar a faixa em casa. Talvez tivesse receio de que o broche lhe fosse surrupiado. No Brasil, nunca se sabe.

Assim mesmo, teria valido a pena correr o risco. Ficou a desagradável impressão de que nem o próprio presidente respeita a autoridade de que está investido. A ficha ainda não caiu, o que é mau sinal.

Contas secretas

José Horta Manzano

Tem cada uma… Bom, é verdade que todo advogado que defende bandido costuma pedir clemência para seu cliente. Cabe a ele pedir ‒ quem tem de dizer “não” é a Justiça. Assim mesmo, tem limite pra tudo. Pretensões exageradas acabam deixando um gostinho azedo de justiça bolivariana.

A equipe de defesa da esposa de senhor Eduardo Cunha ‒ falo daquela que costumava gastar milhões de euros em artigos de luxo e mandar a conta para banco privado pagar ‒ é acusada de lavagem de dinheiro ilícito. Não há de ter sido difícil concluir que as fortunas que gastou eram incompatíveis com suas posses.

Num ato de magnanimidade, a equipe de juízes de Curitiba (ainda) não mandou prender a moça. Naturalmente, recolheu seu passaporte, visto o risco de fuga para o exterior.

Antigamente se diza que quem rouba um tostão rouba um milhão. Corrigindo pela inflação, melhor dizer hoje que quem rouba um milhão rouba um bilhão. Ou mais.

Banco 6A Justiça brasileira talvez não venha nunca a conhecer o montante exato surrupiado por senhor Cunha e esposa. Mas fica no ar a desconfiança de que, além do que já foi confessado, haja outros trusts, outras empresas de fachada, outras contas não declaradas, outros investimentos aqui e ali, outras barras de metal amarelo encafuadas em cofres de bancos discretos.

Pois o pelotão de advogados de defesa da acusada pede à Justiça nada menos que… a devolução do passaporte da ré. Para ficar no ambiente judiciário, seria como pedir que entregassem ao preso a chave da cadeia. É pretensão exagerada pra meu gosto, um desplante.

Espero que os juízes paranaenses não se dobrem a essa exigência. Numa época em que se rouba até faixa presidencial, todo cuidado é pouco.

Faixa presidencialFaixa presidencial
Para quem acaba de desembarcar do planeta Marte, informo que foi instaurado «processo de sindicância» para saber quem deu sumiço na faixa presidencial(!) e nos presentes que o Brasil recebeu durante a gestão do Lula e da doutora Dilma.

Ignoro o que seja «processo de sindicância» e quais possam ser as consequências. Um leigo imaginaria que se instaurasse logo um procedimento penal para esclarecer crime de peculato. Quem viver verá.

A faixa presidencial

José Horta Manzano

Você sabia?

Pelo rodar da carroça, senhor Michel Temer pode ir encomendando o terno da posse. Parece ser questão de (pouco) tempo. O rebaixamento da nota de confiança na economia do País é golpe duro e vem em hora delicada. Desconfiança dos financistas internacionais é o pior que poderia acontecer neste momento.

Faixa presidencialOs grandes investidores institucionais – fundos de pensão, fundos de ações, cestos de investimento – têm como regra seguir a orientação das agências de avaliação de risco. Estatuto de fundo sério proíbe expressamente que se arrisque dinheiro em países mal avaliados. Portanto, não é questão de simpatia. O Brasil continua bonito por natureza, mas será desprezado, que as regras têm de ser seguidas.

Os personagens políticos brasileiros, tão flexíveis, estão-se tornando todos oposicionistas, já repararam? Até nosso guia anda vociferando mais que chefe de oposição. Com a água batendo na cintura, ninguém quer saber de prestar solidariedade à atual mandatária. Tem gente que nem se aproxima mais dela, com medo de aparecer a seu lado em alguma foto furtiva.

Getúlio Vargas

Getúlio Vargas

Arthur Bernardes

Arthur Bernardes

Ah, que senhor Temer aproveite e mande também preparar a faixa presidencial, símbolo do cargo! Aquele pedaço de tecido aformoseia e vai bem em qualquer um – desde que o portador saiba usar.

Instituída no Brasil pelo marechal Hermes da Fonseca, a faixa já é centenária. Tirando um retoque aqui, outro ali, o desenho pouco se alterou desde a criação. O que se tem alterado, isso sim, é a maneira de vesti-la.

Fernando Collor foi o último a paramentar-se com a faixa sobre a camisa, mas debaixo do paletó – como se vinha usando fazia 80 anos. Depois dele, sabe-se lá por que razão, os presidentes passaram a portar o adereço por cima do paletó. Fica mais visível, é verdade, mas abala a solenidade dos raros momentos em que se costuma usá-la. Afinal, não é faixa de concurso de miss.

Sabia o distinto leitor que, se calhar de Michel Temer assumir o trono, será o primeiro presidente paulista desde Rodrigues Alves, que deixou o Catete em 1906, faz mais de um século, num tempo em que ainda não se usava a faixa?

Juscelino Kubitschek

Juscelino Kubitschek

Depois disso, o único paulista a ocupar a presidência o fez de forma interina e efêmera: foi Ranieri Mazzili, em duas ocasiões: 1961 e 1964. No total, só presidiu a nação por um mês. Em caso de vacância do cargo, o presidente do Congresso assume provisoriamente, eis por que o homem foi parar lá.

Vamos ver se senhor Temer, dono de certo senso de elegância, vai pensar em vestir a faixa condignamente. Se o destino decidir guindá-lo ao cargo maior, naturalmente.

Interligne 18hEcharpe 1

Origem do símbolo
A faixa, como símbolo de poder, surgiu na Europa em meados do século XIX. Foi adotada em dezenas de países, tanto na Europa quanto na África e na América. Na França, é atributo de prefeitos, não do presidente. Os alcaides a vestem em cerimônias oficiais, principalmente quando celebram casamentos. É sempre usada por cima do paletó.