Apocalipse vende mais

José Horta Manzano

Puxa! Nunca imaginei que o Brasil se tivesse tornado tão importante! Visto do exterior, parece que o país subiu de nível. Passou a eleição, o novo presidente está definido há dez dias, mas o assunto continua a ser comentado na imprensa. Em volume de citações, este período supera com folga a época de ouro do lulopetismo, quando se imaginava que um salvador da pátria tinha surgido da secura da caatinga para redimir definitivamente a nação tupiniquim. Quá!

A abundância de artigos, entrevistas e análises atuais se deve, com certeza, à rede mundial de telefones e computadores, que faz que a informação circule fluente e dê volta ao planeta num segundo. No entanto, apesar das facilidades modernas, constato que a informação que chega ao exterior pende para um lado que não é o que os brasileiros escolheram. Com folgada maioria, os eleitores elegeram doutor Bolsonaro. Passando por cima dessa realidade, a mídia europeia continua de queixo caído, incapaz de reconhecer que o eleito encarna a mudança pela qual todos anseiam, tanto os que votaram nele, quanto os demais.

Por aqui, o discurso que se ouve é aflitivamente semelhante ao do lulopetismo. Analistas continuam a mostrar-se escandalizados com a «deriva conservadora» do eleitorado do maior país da América Latina. Acusam os brasileiros de ‘fascistas’, ‘adeptos da extrema-direita’, ‘homofóbicos’, ‘machistas’, ‘adeptos do autoritarismo’ e outros apodos graciosos.

Também, brasileiros com projeção internacional não ajudam. Outro dia, ouvi nosso ultraconhecido fotógrafo Sebastião Salgado, convidado matinal da rádio pública francesa, declarar que ‘os brasileiros ficaram loucos’ e martelar o relato do golpe sofrido por doutora Rousseff. Entre dezenas de outros, essa mesma ex-presidente, mais Chico Buarque e até FHC ‒ quem diria! ‒ botam lenha na fogueira. Correspondentes da mídia internacional baseados no Brasil também contribuem para difundir a versão lulopetista. É que anunciar o apocalipse vende mais do que falar em esperança de enfiar corruptos na cadeia e pôr ordem no país.

O festival de desinformação continua. Por minha parte, preferia que se falasse do país por outros motivos. Mas as coisas são como são. The (poor) show must go on. O show (mambembe) tem de continuar.

Adendo 1
Signor Paolo Mieli é colunista do italiano Corriere della Sera há 25 anos. Passando por cima do fato de que foi o próprio povo brasileiro a fazer sua escolha, ele assina um artigo publicado domingo passado que dá a impressão de que o novo presidente nos tenha sido imposto por algum poder extraterrestre. Aqui vai a primeira frase:

“Il trionfo elettorale di un personaggio discutibile e discusso come Jair Bolsonaro è stata una pessima notizia non soltanto per il Brasile, ma anche per l’America Latina tutta e, probabilmente, per il mondo intero ‒ O triunfo eleitoral de um personagem discutível e discutido como Jair Bolsonaro foi péssima notícia não só para o Brasil, mas também para toda a América Latina e, provavelmente, para o mundo inteiro.”

Precisa ler o resto?

Adendo 2
Ouvi outro dia no rádio, no dia seguinte ao da eleição do novo presidente, o comentário de um jornalista, que soava como trovão:

«Les minorités entendent déjà le bruit des bottes sur le sable de Copacabana ‒ As minorias já podem ouvir o ruído de botas nas areias de Copacabana.»

Que talento dramático! De todo modo, pouco importa o conteúdo, o que conta é a embalagem. Não é pra assustar qualquer cristão?

Como está sendo visto o Brasil de longe

José Horta Manzano

«É má notícia para a democracia [brasileira], corroída por exagerada corrupção, que o único que podia combatê-la, o ex-presidente Lula, está na cadeia.»

A frase acima que, de tão absurda, a gente tem de ler duas vezes, saiu da pluma de um jornalista e escritor mexicano. É o arquétipo da visão que se tem do Brasil no exterior. É impressionante a agitação que tem tomado conta da mídia internacional nesta época de eleições brasileiras. Conforme se vai aproximando o dia do segundo turno, então, a agitação vai se transformando em frenesi.

O diário espanhol El Pais traz, na edição online de hoje, longo artigo intitulado «Intelectuales de América y Europa alertan contra Bolsonaro». Vinte e três personalidades dão depoimento. Entre outras nacionalidades, há gente do Brasil, da França, da Argentina, da Espanha, da Colômbia, dos EUA, do Chile. Algumas declarações são comoventes de ingenuidade. Outras são fruto evidente de desinformação. Há também aquelas de deixar de cabelo em pé de tanto cinismo: atribuem, a doutor Bolsonaro, terríveis intenções que constam do programa oficial do Partido dos Trabalhadores.

Nosso decepcionante Chico Buarque também mete lá o bedelho, assim como o argentino Esquivel, o americano Chomsky e o francês Bernard Henri Lévy ‒ figurinhas carimbadas. Exclamações como retrocesso!, soberba!, extrema direita!, golpe!, terrorismo fascista! aparecem a cada duas linhas. São relembrados até os cem mil votos que recebeu o rinoceronte Cacareco na eleição para a vereança paulistana em 1959. Pra você ver o grau de apelação.

O grito
by Edward Munch, pintor norueguês

Todas as análises são equivocadas. Entre os entrevistados, há os que atribuem a derrota do PT à «onda conservadora» que varre o planeta. Há os que veem na atual política brasileira um complô das elites que, ao tirar de cena Lula da Silva, estão alinhavando o golpe iniciado com a deposição de doutora Rousseff. Há quem chegue mais perto da realidade, ao evocar a insegurança que impera no território nacional. Ninguém, no entanto, se atreve a encarar a realidade e a atribuir a vitória de doutor Bolsonaro à verdadeira razão, que é a resposta do povo à roubalheira que comeu solta no período lulopetista.

Não tivesse havido roubalheira, o PT estaria instalado no topo do poder por vinte, trinta, cinquenta anos. Teriam continuado a moldar o país segundo a cartilha do partido. Teriam transformado o Brasil numa Venezuela light, com regime autoritário mas sem débâcle econômica. Ou, na pior das hipóteses, com “débâcle light”. Ao agir como fominhas, bobearam e perderam tudo. Observadores estrangeiros não conseguem entender, mas nós, que somos os maiores interessados, entendemos muito bem. Ânimo, minha gente, que falta pouco!

Em todas as línguas ‒ 2

José Horta Manzano

Em holandês

Em sueco

Em alemão

Em italiano

Em inglês

Em espanhol

Em francês

Em húngaro

Em tcheco

Em turco

Em romeno

Em japonês

Em polonês

Em grego

E até em português luso.
O condenado levou chumbo!

Melhor que novela

José Horta Manzano

Hoje eu ia contar algumas particularidades curiosas do exército suíço. Atropelado pelos acontecimentos pátrios, deixo para uma próxima vez.

Provando que realmente faz jus ao mais alto cargo da Câmara, senhor Cunha mostrou empatia com o anseio de 90% dos brasileiros e, magnânimo, abriu as portas para o processo de destituição de dona Dilma. Foi gesto louvável de desprendimento.

Aliás, fez-me lembrar o adágio «alegria de palhaço é ver o circo pegar fogo». Ao dar-se conta de que estava cercado por todos os lados – ilhado em seu universo de mentiras desmascaradas, abandonado pouco a pouco por gente com quem imaginava poder contar, ameaçado de perder o cargo, o mandato e a liberdade, com fortuna confiscada –, o deputado jogou a última ficha.

Dilma 15Doravante, sua única (tênue) esperança é ver a tempestade se transformar em forte furacão, daqueles que carregam tudo. Se não vier o tufão, nosso rancoroso presidente da Câmara tem pouca esperança de sair incólume.

Os mais antigos hão de se lembrar da novela Vale Tudo, exibida 25 anos atrás. O Brasil parou durante os capítulos finais, quando todos queriam saber quem tinha matado Odete Reutemann(*). Curiosamente, o intuito do autor da obra era abrir o debate sobre um problema de sociedade. «Até que ponto vale ser honesto no Brasil?» – era a questão de fundo. A resposta clara não veio até hoje.

Como o distinto leitor há de imaginar, a notícia do iminente processo de destituição da presidente repercutiu na mídia mundial. Dou aqui uma coletânea.

(*) Talvez para evitar erros de pronúncia, os responsáveis decidiram grafar Roitman no lugar do original Reutemann.

Interligne 28a

Chamada de The Guardian, Inglaterra

Chamada de The Guardian, Inglaterra

Interligne 28a

Chamada de Le Figaro, França

Chamada de Le Figaro, França

Interligne 28a

Chamada de Der Spiegel, Alemanha

Chamada de Der Spiegel, Alemanha

Interligne 28a

Chamada de La Nación, Argentina

Chamada de La Nación, Argentina

Interligne 28a

Chamada de Digi24, Romênia

Chamada de Digi24, Romênia

Interligne 28a

Chamada de El Periódico Internacional, Catalunha, Espanha

Chamada de El Periódico Internacional, Catalunha, Espanha

Interligne 28a

Chamada de Sveriges Radio, Suécia

Chamada de Sveriges Radio, Suécia

Interligne 28a

Chamada de De Volkskrant, Holanda

Chamada de De Volkskrant, Holanda

Interligne 28a

Chamada de El País, Espanha

Chamada de El País, Espanha

Interligne 28a

Chamada de TVN24, Polônia

Chamada de TVN24, Polônia

Interligne 28a

Chamada de Corriere della Sera, Itália

Chamada de Corriere della Sera, Itália

Interligne 28a

Chamada de Observador, Portugal

Chamada de Observador, Portugal

Interligne 28a

Falam de nós – 9

0-Falam de nósJosé Horta Manzano

Como podem imaginar meus distintos leitores, as manifestações populares de 16 de agosto tiveram repercussão planetária. Dou-lhes, aqui abaixo, um apanhado das manchetes internacionais.

AlemanhaStern, maior revista europeia de atualidades
«Hunderttausende Brasilianer fordern Präsidentin Rousseff zum Rücktritt auf»
Centenas de milhares de brasileiros exigem renúncia da presidente Rousseff

SuíçaAgefi, jornal financeiro suíço
«Brésil: manifestations dans plus de 200 villes contre Dilma Rousseff»
Brasil: manifestações em mais de 200 cidades contra Dilma Rousseff

Suécia – Dagens Nyheter, jornal de referência
«Den brasilianska medelklassen protesterade i går i 239 städer i landet och krävde president Dilma Rousseffs avgång»
A classe média brasileira protestou ontem em 239 cidades do país e reivindicou afastamento da presidente Dilma Rousseff

América Latina – BBC de Londres, edição latino-americana
«“Brasil está siendo destruido”: lo que dicen los manifestantes anti-Rousseff»
Brasil está sendo destruído: é o que dizem os manifestantes anti-Rousseff

Alemanha – Frankfurter Allgemeine Zeitung, jornal importante
«Hunderttausende fordern Rousseffs Amtsenthebung»
Centenas de milhares exigem deposição de Rousseff

Manif 23Reino Unido – BBC de Londres, edição em inglês
«Brazilian protesters call for President Dilma Rousseff’s impeachment»
Manifestantes brasileiros clamam por impedimento da presidente Dilma Rousseff

Itália – Gruppo 24 Ore
«Brasile, destra in piazza per l’impeachment della Rousseff»
Brasil: a direita nas ruas pelo impeachment de Rousseff

França – Le Monde, jornal de referência
«Des centaines de milliers de Brésiliens disent ‘dehors’ à Dilma Rousseff»
Centenas de milhares de brasileiros dizem ‘fora’ a Dilma Rousseff

China – South China Morning Post, de Hong Kong
«Hundreds of thousands rally in Brazil to demand president’s resignation amid corruption scandal»
Centenas de milhares agrupam-se no Brasil para exigir renúncia da presidente em meio a escândalo de corrupção

Dinamarca – Jornal Fyens
«Hundredtusinder kræver præsidents afgang i Brasilien»
Centenas de milhares reivindicam afastamento da presidente do Brasil

Manif 24France Info – Rádio pública francesa
«Brésil: 900.000 manifestants réclament le départ de Dilma Rousseff»
Brasil: 900.000 manifestantes clamam pelo afastamento de Dilma Rousseff

Nova Zelândia – New Zealand Herald
«Anti-government protesters take to streets across Brazil»
Manifestantes contra o governo ganham as ruas em todo o Brasil

Suíça – Blick, o jornal de maior tiragem no país
«Massenproteste setzen Brasiliens Präsidentin unter Druck»
Protestos maciços põem a presidente do Brasil sob pressão

Bélgica – La Libre Belgique, jornal belga de referência
«Brésil: 400.000 manifestants exigent le départ de la présidente Rousseff»
Brasil: 400.000 manifestantes exigem afastamento da presidente Rousseff

Canadá – Métro, jornal em língua francesa
«Manifestations antigouvernementales au Brésil»
Manifestações antigovernamentais no Brasil

Manif 25Holanda – De Volkskrant, jornal diário
«Opnieuw massale protesten tegen Braziliaanse president»
De novo, protestos maciços contra presidente do Brasil

Suíça – Neue Zürcher Zeitung, jornal de referência
«Aufmarsch gegen eine paralysierte Präsidentin»
Concentração contra uma presidente paralisada

Holanda – NOS, portal informativo
«Weer massale protesten in Brazilië»
Novos protestos de massa no Brasil

Portugal – Expresso, diário lisboeta
«“Fora Dilma”, gritaram novamente os brasileiros»

O custo do crime

José Horta Manzano

Brasil: a violência custou 81 bilhões de euros, ou seja, 5,4% do PIB

É com esse título que o jornal francês Les Echos (equivalente a nosso diário Valor) abre artigo sobre nosso País, publicado em 10 nov° 2014.

Prisioneiro 2A matéria baseia-se em recente estudo elaborado pela FGV por encomenda do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Logo abaixo do título, o texto continua no mesmo tom. E cita aqueles dados que nos envergonham, justamente aqueles que desmontam discursos ufanistas e visões otimistas.

«Por volta de 45 mil homicídios são cometidos todo ano no Brasil» – é o subtítulo. Diz lá que, pela primeira vez no Brasil – um dos países mais violentos do mundo (sic) –, um estudo calculou o impacto econômico desse flagelo. Chegou à cifra astronômica de 258 bilhões de reais em 2013, que correspondem a 5,4% do PIB.

Uma reflexão de Samira Bueno, diretora do Fórum, é citada: «A análise das despesas que compõem esses 258 bilhões mostra uma perversão. Para combater os efeitos da violência, o Brasil gasta o triplo do que investe em políticas públicas de combate ao crime e à violência».

No Brasil, os gastos causados pelos efeitos perversos da violência são o triplo do que se investe em políticas públicas de combate ao crime e à violência.

No Brasil, os gastos causados pelos efeitos perversos da violência são o triplo do que se investe em políticas públicas de combate ao crime e à violência.

Em outros termos, espera-se que a porta seja arrombada para, em seguida, botar a tranca. Seria mais simples e mais barato prevenir, mas essa receita, embora lógica, não é seguida. Em vez de prevenir, prefere-se esperar que aconteça para, em seguida, correr atrás do remédio.

Vamos ser justos: não chegamos à calamitosa situação atual da noite pro dia. O quadro atual é fruto de lenta e secular elaboração. Vem dos tempos de Dom Manuel, o Venturoso. Essa constatação pode até aliviar a culpa dos atuais dirigentes, mas não serve como desculpa para a inação. Não vale dizer «sempre foi assim, não há nada a fazer».

by Ricardo Ferraz, desenhista capixaba

by Ricardo Ferraz, desenhista capixaba

Vistosas e midiáticas «ações de combate ao crime» são volta e meia organizadas pelo poder público. Batidas, operações, cumprimento em massa de mandados de prisão são alardeados, chegam às manchetes e impressionam. A lástima é que essas ações relâmpago não são seguidas por política de prevenção. E o círculo da violência continua a se autoalimentar.

Construir mais e mais presídios pode até ser necessário, mas não traz solução ao problema. Ao contrário, o objetivo deveria ser tornar as prisões cada dia mais supérfluas por falta de inquilinos.

Se não é simples chegar lá, tampouco é impossível.

Cada cabeça, uma sentença ― 3

José Horta Manzano

Jornal peruano El Comercio
«Brasil fue campeón sin Pelé en 1962: ¿Podrá serlo sin Neymar?»
«O Brasil foi campeão sem Pelé em 1962. Poderá ser de novo sem Neymar?»

Interligne 28aJornal alemão Die Welt
«Brasilien muss vor uns zittern, nicht umgekehrt»
«O Brasil tem de tremer por causa de nós, não o contrário»

Interligne 28aJornal italiano Blasting News
«Brasile-Germania: i mostri del calcio mondiale»
«Brasil x Alemanha: os monstros do futebol mundial»

Interligne 28aJornal espanhol ABC
«Brasil-Colombia, el partido más visto desde la eliminación de España»
«Brasil x Colombia, o jogo mais visto desde a eliminação da Espanha»

Interligne 28aJornal alemão RP-Online
«Voodoo-Priester verflucht Deutschland»
«Feiticeiro vodu roga praga contra a Alemanha»

Interligne 28aJornal italiano La Repubblica
«Un Brasile che quasi ‘somiglia’ al… Brasile»
«Um Brasil que quase ‘parece’ com… o Brasil»

Interligne 28aJornal francês Sports
«Le Brésil a mal au coeur»
«O Brasil com dor no coração»

Interligne 28aJornal alemão T-Online
«Löws Plan geht auf – Nun gegen “ein gesamtes Land”»
«O plano de Löw funciona. Agora contra “um país inteiro”»

Interligne 28aDito popular francês
«Le football est un sport qui se joue à onze. Et à la fin c’est les allemands qui gagnent.»
«Futebol é esporte de onze jogadores. E, no final, são os alemães que ganham.»

Frase do dia — 104

«Brazil’s government has set the favelas and middle classes against each other»

«O governo do Brasil incentiva o enfrentamento entre favelas e classes médias»

Título de artigo publicado no jornal britânico The Guardian em 8 fev° 2014. Para ler o texto integral (em inglês), clique aqui.