Não dava

Vera Magalhães (*)

Mesmo não tendo em sua trajetória de deputado sindicalista, corporativista, pró-estatais e infiel a partidos nenhuma obra dedicada ao combate sistemático a privilégios, corrupção estrutural e desmandos de políticos, Bolsonaro conseguiu fazer prosperar na campanha o discurso de que era o mais indicado para empunhar essa bandeira. Como se apenas o contraponto ao PT lhe desse essas credenciais.

Não dava. O histórico político dos gabinetes da família Bolsonaro é o das mais velhas práticas da política: empregar cabos eleitorais, alguns deles fantasmas, muitos deles com ligações perigosas com milícias e outros grupos, com indícios fortes de prática de rachadinha de salários. Jair nunca atuou em nenhuma das grandes CPIs ou no Conselho de Ética da Câmara. Quem caiu na balela o fez porque quis.

(*) Vera Magalhães é jornalista. O texto integral foi publicado no Estadão de 11 set° 2019.

Acordo Mercosul-UE

Os frutos do acordo

Vera Magalhães (*)

Além do enorme impacto comercial e econômico que a retirada de barreiras trará para o Brasil, devolvendo o país ao tabuleiro global, do qual estava escanteado, o acordo com a União Europeia funciona também como uma bem-vinda garantia de que o ímpeto bolsonarista em áreas como meio ambiente também terá de ser contido. O capítulo político do tratado inclui o compromisso dos países signatários com o Acordo de Paris e com outras metas ambientais.

A assinatura do acordo faz letra morta da cantilena bobalista da ala ideológica do governo. Ela pode até continuar entoando seus mantras no Twitter, comemorando como sua uma construção que é anterior e mais plural. Mas o fato é que, na vida real, falaram mais alto o pragmatismo e a disposição pelo liberalismo econômico e pela abertura do País ao resto do mundo.

(*) Vera Magalhães é jornalista. Trecho de artigo de 30 junho 2019.

Hora e vez de Bolsonaro

Eliane Cantanhêde (*)

Bolsonaro sai vitorioso do G-20. A seu jeito, um tanto estabanado, ele ganhou elogios de Trump, respondeu à altura a Merkel, surpreendeu Macron, foi malcriado com Xi Ji Ping com boas razões, comprometeu-se com o Acordo de Paris e abriu mais a porta da OCDE para o Brasil. Tomara que aproveite o acordo com a UE e o bom momento para parar de fazer e falar “besteiras”, controlar os excessos do seu entorno e passar a governar, ou seja, a focar as prioridades do País.

(*) Eliane Cantanhêde é jornalista. Trecho de artigo de 30 junho 2019.

Tudo ou nada já?

Vera Magalhães (*)

Num intervalo de sete dias, o presidente:

1) disse que fez um acordo com Sérgio Moro para nomeá-lo para o STF, para em seguida recuar;

2) previu um tsunami;

3) viu as investigações sobre o filho Flávio avançarem substancialmente e atingirem o resto do clã político, e reagiu a isso na base da valentia de pai;

4) minimizou os protestos contra a Educação e xingou seus participantes;

5) se enfiou numa viagem caricata a uma cidade desimportante para uma agenda irrelevante para a qual não havia sido convidado;

6) terminou a semana compartilhando corrente pelo WhatsApp com um texto que diz que sua própria pauta fracassou e que o País é ingovernável.

É preciso um talento muito específico para gastar tanta energia assim em um conjunto tão desastroso de ações.

(*) Vera Magalhães é jornalista. O texto integral foi publicado no Estadão de 19 maio 2019.

The Stooges

José Horta Manzano

Assim como eu, o distinto leitor é, sem dúvida, jovem demais pra ter vibrado com as aventuras d’Os Três Patetas, um trio que começou a atuar no cinema mudo e continuou quando a voz revigorou as fitas de Hollywood. Isso foi no tempo em que ainda se traduziam expressões estrangeiras. Fosse hoje, diríamos bovinamente «Os Três Stooges», que era o nome original. Na época, o trio tinha muita graça. Hoje, o entusiasmo das plateias seria, certo, menor.

Ao observar, inquieto, as cabeçadas que anda dando nossa trupe governamental, não posso deixar de me lembrar das patacoadas dos patetas cinematográficos de um século atrás. Só que há uma diferença afligente. Os do cinema eram pagos pra fazer graça. Recebiam cachê e, baixado o pano, a vida retomava seu curso. A graça só continuava nas crianças encantadas que saíam do espetáculo com os olhos cheios de riso. As patetadas atuais são, ai!, mais profundas. E de engraçado não têm nada.

No cinema, o patetas eram só três. No Planalto nosso de cada dia, são muitos. Como numa orquestra sem maestro, cada um deles faz questão de dar contribuição para a palhaçada geral. Quanto mais desencontrada for a fala, melhor será o efeito. Com os primeiros-filhos menos salientes estes últimos dias, o vazio está sendo preenchido pelo presidente em pessoa, devidamente acolitado pelos assessores mais chegados.

Os Três Patetas

Temos um “presidente temático”, como definiu, com felicidade, a jornalista Vera Magalhães. Não tendo ainda vestido o terno presidencial, doutor Bolsonaro continua em cima do palanque a discursar pra convencidos. Sua última tirada é mexer no vespeiro dos acontecimentos de 31 de março de 1964. O presidente não atina com o fato de que nada de bom pode sair dessa cutucada irresponsável.

Saudosistas do regime militar estarão insatisfeitos, pois esperam de doutor Bolsonaro forte guinada autoritária ‒ que não virá. Quanto aos ressentidos da ditadura, também estarão incomodados com essa indisfarçada simpatia que o presidente nutre por aquele período. Entre mortos e feridos, todos estarão insatisfeitos. Só a uma mente inconsequente viria a ideia de fazer cosquinha na onça com vara curta.

Nosso governo é um imenso Titanic à busca desesperada de um iceberg.

Estamos bem arrumados

Vera Magalhães (*)

De um lado, o PT ‒ partido que questionou a legalidade de sucessivas decisões judiciais ‒ tem um condenado em segunda instância dizendo que a sigla “tomará o poder” de qualquer forma, pelo voto ou não. Ademais, o candidato a presidente pelo partido, Fernando Haddad, diz que pretende “criar condições” para uma Constituinte, sem dizer quais seriam elas.

De outro, Jair Bolsonaro diz que se não vencer a eleição não aceitará o resultado do pleito. A tese é propagada por seus filhos e apoiadores.

Em comum, os dois lados relativizam o compromisso com a democracia, as regras do jogo e o respeito às instituições. Na antessala da eleição.

(*) Vera Magalhães é jornalista. O texto foi publicado no portal BR18.

O baile das eleições

Vera Magalhães (*)

Uma parcela do eleitorado abraçou um candidato que vocifera contra a política mesmo vivendo dela há quase três décadas e nela colocando toda a família, que diz não entender nada de economia e promete vagamente cumprir um programa que é o oposto da sua vida parlamentar, sem ter maioria mínima para mudar nem nome de praça.

Do outro lado do salão de baile, está o eleitor que viveu a ilusão da pujança dos governos Lula, foi perdendo tudo aos poucos e se esqueceu que houve Dilma Rousseff, também criada por ele, para levar o país à breca e à situação em que eles se encontram hoje.

Os dois lados do salão do baile do pé na jaca da democracia achincalham a imprensa, flertam com a modificação da Constituição e com a relativização da democracia de forma irresponsável, com o beneplácito de seu eleitorado disposto a beber até o último gole.

(*) Vera Magalhães é jornalista. O texto é excerto de artigo publicado pelo Estadão em 16 set° 2018.

O prometido e o entregado

Vera Magalhães (*)

Enquanto engana um público cada vez mais reduzido com o figurino da vítima, Lula age como chefe de bando. Seus seguidores insuflaram a violência, ele zombou da Justiça, promoveu um showmissa em “memória” da mulher, se escondeu atrás de um biombo humano de políticos e militantes para não cumprir a ordem de se apresentar à Polícia Federal e mostrou, uma vez mais, que quer para si uma lei própria, uma justiça personalíssima e a vassalagem de um povo ao qual, tendo prometido igualdade de oportunidades, entregou Dilma Rousseff, a maior recessão da história e uma roubalheira generalizada incrustada em todo o aparelho estatal, em conluio com empresários amigos. Em troca de propina.

(*) Vera Magalhães é jornalista.

De guayabera

José Horta Manzano

Continuo intrigado com o fato de alguns analistas de projeção nacional ainda parecerem receosos de que o Lula se candidate em 2018 e ‒ pior ainda ‒ que volte à presidência da República. É insensato. Senão, vejamos.

O discreto Instituto Paraná Pesquisas, que não é conhecido por estar particularmente chegado a nenhum partido ou movimento político, publicou, duas semanas atrás, sondagem que constatava que 62% dos entrevistados achavam que o Lula devia ir preso. Isso foi antes da sentença condenatória do Tribunal Federal de Curitiba.

Em pesquisa mais recente, saída do forno este fim de semana, o mesmo instituto informa que 65,5% dos eleitores consideram que o ex-presidente recebeu sentença justa. Não ficou claro se os demais teriam sido mais clementes ou, quem sabe, até mais impiedosos. Resumo da ópera: dois em cada três brasileiros descartam o antigo operário. Recusam-se a votar nele.

De guayabera

O homem é, visivelmente, carta fora do baralho eleitoral. Se um diminuto grupo de fiéis ainda o acompanha, não será por cegueira ideológica, mas por cálculo político. No desespero, náufragos costumam abraçar-se a qualquer tronco que ainda dê a aparência de flutuar.

Prova disso é a «Emenda Lula», proposta por um deputado federal, visando a impedir a prisão de candidatos a postos eletivos a partir de oito meses(!) antes da eleição. A proposta silencia sobre o que acontecerá caso os candidatos ameaçados de encarceramento não se consigam eleger. De fato, não se pode garantir blindagem a derrotados. Passado o dia da votação, a vulnerabilidade de cada um deles volta. É da vida.

Em artigo publicado no Estadão deste domingo, a excelente analista Vera Magalhães compara os últimos seguidores do guia a adeptos de seita radical subjugados pela devoção incondicional ao guru, pessoas que se recusam a aceitar que o cenário mudou.

Quando um acusado se encontra na situaçao em que está o guia caído, mais inteligente seria eclipsar-se e recolher-se à humildade. Ameaçar, atacar, vituperar não é boa estratégia. Vociferar contra a mídia, o Ministério Público, a magistratura é péssima escolha: só serve para acirrar ânimos e reforçar antipatias.

Guayabera para todos

Que ninguém se engane. Se a situação do ex-presidente já é complicada, tende a tornar-se insuportável à medida que novas condenações forem aparecendo. Com ou sem a extravagante emenda, ele não será mais eleito para a presidência. Se quiser efetivamente escapar à prisão, há caminho mais promissor.

Um pedido de asilo apresentado ao governo cubano tem todas as chances de ser aceito. Mr. Trump, que já se mostrou contrário a toda aproximação com a ilha caribenha, foi eleito por quatro anos. Não será surpreendente que, em seguida, seja reeleito. Nosso guia, que completa 72 primaveras este ano, terá assim oito anos de tranquilidade nas cercanias de Havana. Basta comprar um par de guayaberas (ou de abrigos Adidas, conforme o gosto), e pronto.

De seu exílio dourado, ele poderá continuar esbravejando contra tudo e contra todos. Passados os anos de autoexílio, terá direito ao indulto humanitário que nossa benevolente justiça costuma conceder a anciãos, por mais graves que tenham sido seus crimes. E voltará, tranquilo, para viver um ocaso dourado num sítio cedido por algum dos últimos fiéis.

Frase do dia — 338

«O Brasil chegou ao paroxismo de ver um ex-presidente recorrer a uma candidatura como estratégia de defesa. Afinal, com a rejeição nas alturas, o vaidoso Lula jamais se arriscaria a perder nas urnas novamente, como ocorreu em 1989, 94 e 98.»

Vera Magalhães, jornalista, analista política, colunista e radialista.

Frase do dia — 107

«Lobão, com seu humor tragicômico, ironiza acidentes aéreos, que matam. Temos de rezar para que não vire ministro da Aviação Civil.»

Mendonça Filho, deputado federal pernambucano, ao comentar fala do ministro de Minas e Energia. Este último havia declarado que, «assim como aviões, o sistema elétrico “sazonalmente cai”».

Reportado por Vera Magalhães, editora do Painel da Folha de São Paulo.

Apertem os cintos

Em evento em que foram entregues ambulâncias a municípios paulistas, prefeitos relembraram episódio ocorrido na década de 80 em Silveiras, no Vale do Paraíba.

Uma mulher, prestes a dar à luz, chegou à Prefeitura, onde ficava o veículo da cidade. Queria ser levada ao hospital da vizinha Cruzeiro, o único da região que fazia partos.

Como não achavam o motorista, ela subiu correndo ao gabinete do prefeito, Osvaldo Cardoso.
― Prefeito, me ajude! ― disse, apontando a barriga.

Assustado e sem saber o que ocorria, Cardoso rebateu:
― Nem vem que esse filho não é meu!

Do Painel de Vera Magalhães, in Folha de São Paulo, 9 nov° 2013

Economia de palavras

Nas décadas de 60 e 70, quando foi prefeito de Salvador e senador pela Bahia, Heitor Dias (UDN e Arena) guardava um discurso na ponta da língua para responder aos pedidos de dinheiro que eram feitos por seus eleitores ― prática comum à época.

Ao ser abordado nas ruas da capital baiana ou em Brasília, Dias, que chamava seus interlocutores de “parentes”, costumava responder:

« ― Parente, eu tenho 14 motivos para não lhe emprestar dinheiro. O primeiro deles é que não tenho. Acho desnecessário explicar os outros 13.»

Do Painel de Vera Magalhães, in Folha de São Paulo, 2 out° 2013

Frase do dia – 17

Interligne vertical 11Trava-língua…


A lista de cargos prolixos do governo federal foi engrossada nesta semana pelo de «coordenador na Coordenação da Coordenação-Geral de Produtividade do Departamento de Produtividade e Inovação da Secretaria de Competitividade e Gestão da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República».

Da coluna de Vera Magalhães, in Folha de São Paulo, 2 ago 2013

É oficial

José Horta Manzano

É oficial. Já aconteceu faz um mês, mas, distraído, eu não tinha me dado conta. É verdade que nosso governo federal nos tem acostumado a uma avalanche de decisões grandiosas, o que faz que uma ou outra decisão passe despercebida. Mas essa de que lhe falo aqui é de tal magnitude que não pode ser deixada na penumbra.

Vera Magalhães, da Folha de São Paulo, foi quem botou a boca no trombone. Como não gosto de comprar gato por lebre, fui conferir na fonte. Para quem se interessar, aqui está o Decreto n° 8001, de 10 de maio de 2013, sancionado pela presidente da República.

Decreto n° 8001 Presidência da República

Decreto n° 8001
Presidência da República

Entre outras providências, o decreto cria o cargo de diretor do Departamento de Racionalização das Exigências Estatais da Secretaria de Racionalização e Simplificação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República. Não é brincadeira, não. Confiram.

E pensar que, durante mais de cinco séculos, função tão importante não foi exercida por ninguém! É de pasmar! Antes tarde que nunca. Estou feliz em saber que uma parte do salário desse senhor é sustentada com os impostos que pago. Equipamentos hospitalares podem bem esperar um pouco. Tenho certeza de que estamos todos de acordo, não?

Depois fazem cara de bobos e dizem não entender por que razão o povo reclama nas ruas…

Interligne 23

Obs:
Dona Dilma, sabe-se lá por que absconsa razão, prefere a forma presidentA. A mim, soa demasiado informal, indigno de servir de título à chefe do Executivo. Faz pensar em «gerenta», em «dona patroa», formas irreverentes que não caem bem em tão excelsa personagem.
Parenta ainda passa ― é termo familiar, coloquial. Agora, presidenta… tsk, tsk, não me parece apropriado.

A frase do dia – 09

Tiroteio
“Vamos ter de criar a bolsa-idioma, para o paciente do SUS aprender a se comunicar com os médicos em espanhol, inglês…”

Fernando Capez, deputado estadual, sobre proposta do governo de trazer médicos estrangeiros para áreas sem oferta de profissionais.

Recolhido por Vera Magalhães, in Folha online, 23 junho 2013

Interligne 34e