Trumpização

José Horta Manzano

Donald Trump não inventou a baixaria na política, mas está lhe dando um impulso fenomenal. É difícil saber se costumes tão rasteiros já existiram antes, em outras épocas. O bom senso indica que não, que nunca houve nada parecido. Homens políticos, por mais incisivos e veementes que possam ter sido, não desceram tão fundo como o atual inquilino da Casa Branca.

Não assisti ao debate de ontem, etapa obrigatória da corrida presidencial americana. Pra começar, não teria estômago para aguentar hora e meia de bate-boca; pra terminar, o espetáculo caía às 3h da manhã na hora daqui, razão suficiente para renunciar. Mas ouvi, hoje de manhã, uma dezena de analistas, cada um com sua visão e seu resumo do que ocorreu.

Pelo que pude depreender, não foi um debate de ideias stricto sensu, dado que nenhum dos candidatos gastou mais que 10% de seu tempo para apresentar as metas de um eventual governo. Foi mais parecido com uma briga de cortiço, em que a intenção de cada litigante era só rebaixar o adversário.

Invectivas, insultos, mentiras, ataques pessoais, ‘voadoras’ na carótida, dedo no olho, pé no peito pra derrubar. Sabe de uma coisa? Aqueles que se destroçavam num circo romano, dois mil anos atrás, seguiam código de ética bem superior ao que se viu numa etapa crucial das eleições do país mais poderoso do planeta.

Não posso avaliar o que se passa na cabeça do americano médio; não sei como ele se sente depois de quatro anos sob Trump. Visto daqui de longe, no entanto, o problema é diferente. Quem vive fora dos EUA está menos preocupado com problemas internos americanos e mais com a imagem que a grande potência projeta no resto do mundo. E com a influência que exerce em dirigentes mais frágeis, como é o caso do doutor que nos governa.

Que Donald Trump esteja fazendo bom ou mau governo, isso quem tem de julgar são os americanos, seus eleitores. Darão o veredicto nas urnas. Quanto a nós outros, só nos resta constatar o abalo que um indivíduo inculto, agressivo, narcisista, mentiroso e despreparado para ser presidente tem provocado nos costumes políticos do planeta.

Povos mais esclarecidos, como os que vivem em democracias maduras, têm nas mãos as armas para reconhecer essa ameaça de degradação nas artes da política e para resistir a ela. Povos menos esclarecidos – como o nosso, sejamos sinceros – se encontram desarmados. O jeito lulopetista de manejar a coisa pública deu uma perigosa inclinada para baixo. Os anos em que fomos governados por presidentes de poucas letras e ideias curtas (mas braços longos, se é que me entendem) deram a partida para forte rebaixamento no nível do debate de ideias.

A rejeição ao modo lulopetista de governar abriu uma avenida para o aventureiro que se mostrasse mais ousado. Bolsonaro conseguiu ser visto como o mais antipetista dos candidatos. Não deu outra: deixou os demais a comer poeira e venceu.

Sem preparo e sem projeto, nosso doutor precisava agarrar-se à figura de um irmão mais velho a mostrar-lhe caminho radioso. É neste ponto que entra a influência daninha de Trump sobre políticos despreparados, como nosso presidente.

Se Trump não tivesse ousado, Bolsonaro não ousaria. Se Trump não tivesse dito, Bolsonaro não diria. Se Trump não tivesse feito, Bolsonaro não faria. Em resumo: sem Trump, não teria havido Bolsonaro; ou, pelo menos, não esse Bolsonaro que conhecemos.

Resta esperar que os eleitores americanos se mostrem mais espertos desta vez e que despachem o topetudo pra casa. Para o Brasil, será uma bênção.

Novilíngua ‒ 4

José Horta Manzano

Outro dia, o jornal contava a tristemente corriqueira história de um assalto. Estava lá, literalmente: «uma professora de 40 anos foi agredida e ‘teve o celular roubado’». Como se não bastasse, completavam: «teve a cara socada».

Ter a casa assaltada, ter o mandato cassado, ter a entrada proibida, ter a eletricidade cortada, ter a multa anulada, ter a candidatura negada, ter a carteira suspensa, ter a autorização prorrogada, ter o visto cancelado. Está aí uma coleção de expressões que se ouvem diariamente.

Errado, propriamente, não é, que cada um fala como lhe apetece. Mas soa esquisito. O uso do verbo ter + particípio passado para informar que o sujeito sofreu ação externa é moda relativamente nova. Foge ao espírito da língua. Até há pouco tempo, não era assim que se falava.

Essa construção, tomada diretamente do inglês, é anglicismo que pode ‒ e, a meu ver, deve ‒ ser evitado. Em português, temos a voz passiva, que dá o recado com elegância e naturalidade.

* Em vez de «ele teve o celular roubado», fica melhor «seu celular foi roubado» ou «o celular dele foi roubado» ou ainda «roubaram-lhe o celular».

* Em vez de «ele teve a entrada negada», fica melhor «sua entrada foi negada» ou «a entrada lhe foi negada» ou ainda «negaram-lhe a entrada».

* Em vez de «ela teve a cara socada», fica melhor «a cara dela foi socada» ou «socaram-lhe a cara».

Concedo que é difícil escapar ao que se ouve o tempo todo. A tendência a reproduzir o que dizem os demais é natural e compreensível. Mas… vamos, gente, um esforçozinho não mata ninguém! Vamos valorizar o que temos. Vale mais que sucumbir à facilidade.

Da próxima vez que o distinto leitor tiver de relatar que alguém sofreu ação externa, lembre-se da voz passiva. Fale sem sotaque.

De fininho

José Horta Manzano

O século e meio que vai da coroação de Luís XIV (1654) até a queda definitiva de Napoleão (1815) marca o apogeu da França. Naquela época, o país dominava grande parte da África e possuía vastos territórios nas Américas. Seus braços se estendiam até o Extremo-Oriente e a arquipélagos do Pacífico.

A influência francesa sobre os demais países europeus era esmagadora. Marcas desse tempo subsistem até nossos dias em numerosas línguas, especialmente em inglês. Está aqui uma lista não exaustiva. Ela também inclui expressões adotadas mais tardiamente.

French pastry = tortinha doce recheada de chantilly ou de frutas

French dressing = molho vinagrete para salada

French chalk - Giz de alfaiate

French chalk – Giz de alfaiate

French telephone = telefone que combina, numa peça só, a recepção e a transmissão da voz. (Em contraposição ao modelos anteriores, em que fone de ouvido e microfone eram peças separadas)

French bread = pão francês, baguette

French chalk = giz de alfaiate

French doors = porta-janela

French fries = batata frita

French horn = trompa (instrumento musical)

French seam = costura em que duas peças de tecido são superpostas

French letter = (vulgar) preservativo

French heel - Salto estilo anos 2910

French heel – Salto estilo anos 1920

French cricket = (esporte) críquete modificado e adaptado ao gosto francês

French loaf = pão francês comprido

French pancake = panqueca fina, crepe

French polish = laca

French kiss = beijo de língua

French skipping = brincadeira infantil para três crianças e uma corda circular contínua

French disease = (antiquado) sífilis

French cuff = manchette (de camisa)

French knitting - tricô tubular

French knitting – tricô tubular

French beans = vagem

French knickers = faca curta usada por caçadores

French marigold = (flor) tagetes, cravo-amarelo, cravo-de-defunto

French plait (braid) = trança (de cabelo)

French roll = espécie de penteado feminino, chignon

French toast = espécie de pão tostado de um lado só; ou ainda: pudim de pão

French knitting = tipo de tricô de aspecto tubular

French boxing = boxe francês, semelhante ao boxe tailandês

French pastries - doces com creme ou frutas

French pastries – doces com creme ou frutas

French manicure = estilo sofisticado de corte de unha

French harp = (EUA) gaita

French cap = gorro

French chop = (culinaria) tipo de corte de carne

French maid = auxiliar doméstica

French custard ice cream = sorvete cuja receita leva ovos

French dip sandwich = sanduíche de carne com pão embebido no caldo

French endive = endívia, chicória de Bruxelas

French roof - Telhado vertical

French roof – Telhado vertical

French twist = coque (de cabelo)

French cleaners = lavagem a seco

French curve = régua de desenho curva (hoje suplantada por aplicações de computador)

French eye needle = agulha de dois buracos

French fly pants = (vestuário) braguilha com dois botões

French heel = salto curvo de sapato feminino, estilo anos 1920

French knot = técnica especial de bordado em que se enrola a linha na agulha antes de dar o ponto

French curtains = cortina pesada, trabalhada, de brocado ou tecido espesso

French skipping - Brincadeira infantil com corda

French skipping – Brincadeira infantil com corda

French onion rings = rodelas de cebola à milanesa

French poodle = poodle (cão)

French casement = janela de dois batentes

French press = cafeteira, usada amplamente na França, com êmbolo para extrair o café

French drain = dreno construído sem uso de cimento

French roof = telhado inclinado, quase vertical, que permite a construção de cômodos de estilo mansardé

French silk pie = espécie de torta recheada de mousse de chocolate

Pardon my French = desculpe-me pelo que vou dizer. Costuma-se usar a expressão antes de pronunciar palavra(s) vulgar(es). Corresponde a nosso “com o perdão da palavra”, já caído em desuso.

Interligne 18b

A recíproca, no entanto, não é verdadeira. Em francês, fatos e gestos ingleses são pouco usados em expressões. Em compensação, para dizer «sair de fininho», os ingleses dizem «take a French leave» (sair à francesa), enquanto os franceses preferem «filer à l’anglaise» (escapar à inglesa). Cada cabeça, uma sentença.

Observação
Algumas expressões são usadas exclusivamente no Reino Unido. Outras são conhecidas unicamente nos EUA. Uma poucas são coloquiais, no limite do tabuísmo.

Arma secreta

José Horta Manzano

Heroi 1Todo país guarda memória de algum dirigente excepcional, daqueles que só aparecem uma vez por século. Refiro-me a gente da estirpe de um Winston Churchill, de um Otto von Bismarck, de um Abraham Lincoln ou de um Charles de Gaulle. O Canadá também teve o seu. Foi o Primeiro-Ministro Pierre Elliott Trudeau (1919-2000).

Dotado de grande simpatia e de espírito vivo, Trudeau segurou as rédeas de seu país em duas ocasiões, totalizando 15 anos. São de sua lavra algumas pérolas oratórias. Certa ocasião, em discurso no Clube de Imprensa de Washington, soltou uma preciosidade curta, grossa e irretocável. Referindo-se aos Estados Unidos, disse:

Interligne vertical 3Interligne vertical 3«Living next to you is in some ways like sleeping with an elephant. No matter how friendly and even-tempered is the beast, one is affected by every twitch and grunt.»

Ser vizinho seu é como dormir com um elefante. Por mais amistoso e manso que seja o animal, a gente sente cada movimento e cada grunhido.

Fazia alusão, naturalmente, ao descomunal peso demográfico, econômico, militar e político do vizinho. Os dois países são separados (ou unidos, como queira) por quase 9000km de linha demarcatória, a mais longa fronteira do planeta entre duas nações.

Fronteira 1Embora a gente nem sempre se dê conta, o Brasil assume, na América do Sul, o papel do elefante. Com população e peso econômico equivalente ao de todos os hermanos reunidos, nosso país é observado com crescente atenção pelos vizinhos. Nossos sobressaltos nacionais extrapolam fronteiras.

A edição online deste domingo do espanhol El País aponta exatamente para essa influência que, o mais das vezes, nos passa despercebida. Se mensalões, petrolões e recessões nos deixam apreensivos, o mesmo sentimento de insegurança atravessa cerrados, pampas, pantanais e florestas para incomodar outros povos.

by Fernando de Castro Lopes, desenhista carioca

by Fernando de Castro Lopes, desenhista carioca

Nossos vizinhos – uns menos, outros mais – sentem inquietação. Para a Argentina, o Uruguai e o Paraguai, as trocas comerciais com o Brasil são de importância vital. Se bambearem, eles estarão em apuros.

Nossos vizinhos de inclinação autocrática e populista – ou «bolivariana», como eles preferem – andam angustiados com os desdobramentos da Lava a Jato. La Paz, Caracas e Quito sabem que o regime que vêm tentando implantar há anos não sobreviverá a uma guinada brasileira em direção à civilização. Se o Brasil conseguir aperfeiçoar sua democracia, o regime autoritário de alguns vizinhos definhará.

Manif 3A marca deixada pelo presidente americano Richard Nixon (1913-1994) não é positiva. No entanto, em pelo menos uma ocasião, o chefe de Estado pronunciou palavras proféticas. Em 1971, já vislumbrava a crescente e inevitável influência de nosso País quando disse que «para onde for o Brasil, irá a América Latina».

Está aí, companheiros! Não estamos sós! Além-fronteiras, também se repete a partição entre «nós & eles». De um lado, há os que torcem pelo soerguimento da economia brasileira, objetivo que só pode ser atingido depois de varrida a bandalheira que nos tem martirizado. De outro lado, há os que rezam para que nada mude, pois são beneficiários diretos do statu quo.

Quanto aos de fora, que torçam, que rezem, que façam novena ou trezena, de pouco adiantará. O futuro do Brasil está contido na arma que só se concede aos nacionais: o voto.

Qualquer semelhança…

Ayn Rand (1905-1982)

Ayn Rand (1905-1982)

«When you see that in order to produce, you need to obtain permission from men who produce nothing

— when you see that money is flowing to those who deal, not in goods, but in favors

— when you see that men get richer by graft and by pull than by work, and your laws don’t protect you against them, but protect them against you

— when you see corruption being rewarded and honesty becoming a self-sacrifice

— you may know that your society is doomed.»

Interligne 18b

«Quando você vir que, para produzir, precisa obter autorização de quem nada produz

— que o dinheiro não beneficia aqueles que comerciam produtos, mas os que negociam favores

— que tem gente enriquecendo mais fácil por suborno e por influência do que por trabalho, e que as leis não estão aí para resguardar você mas, ao contrário, para protegê-los contra você

— que a corrupção está sendo valorizada ao passo que a honestidade virou sacrifício,

— tenha certeza de que sua sociedade está condenada à ruína.»

Interligne 18b

Ayn Rand, nascida Alissa Zinovievna Rosenbaum (em cirílico: Алиса Зиновьевна Розенбаум) — (1905-1982), foi filósofa e escritora americana de origem judia russa. O trecho acima foi extraído do artigo The Meaning of Money, publicado em 1° jan° 1957. Para ler o texto integral (em inglês), clique aqui.