Tirar a carne

José Horta Manzano

As crenças antigas, que hoje costumamos chamar de pagãs, eram bem menos restritivas que as nossas. Penso na multiplicidade de deuses e deusas reverenciados por gregos e romanos. Em meio a tanta divindade, havia os deuses bonzinhos, os severos, os camaradas, os bem-comportados, os excessivos. Cada fiel incensava aqueles que lhe parecessem mais chegados. E tudo bem.

Na Europa, a implantação do cristianismo marcou o fim dessa época de folguedos despreocupados. Uma avalanche de sisudez começou já nos tempos de Santo Agostinho, faz quase dois milênios, para atravessar a Idade Média e aterrissar na modernidade de Trump e doutora Damares. Chegamos a uma civilização na qual tudo o que é bom e agradável é proibido. De sexo a sorvete de chocolate, de álcool a provolone à milanesa. Hoje em dia, se não for proibido por lei, será condenado pela Igreja ou, em última instância, vetado pelo médico. Não há como escapar.

Os romanos festejavam sua Saturnália sem se preocupar com o que viria no dia seguinte. Depois que o cristianismo se tornou fé oficial, a coisa mudou. Carnaval, válvula de escape espremida entre Advento e Páscoa, é curto período de relaxamento consentido. Consentido, sim, mas de olho no dia seguinte. Essa sensação de que ‘a festa vai acabar’ está embutida no próprio nome destes dias de folia. Quer ver?

Se etimólogos não são unânimes em apontar a com segurança a origem do vocábulo Carnaval, grande maioria vê nele uma advertência lançada ao distinto público pra que ninguém se esqueça de que a festa é curta e a punição vem logo em seguida. O aviso é: comam carne agora, porque depois vai ser proibido. De fato, é forte a probabilidade de o moto carnem levare ou carnem levamen (= tirar a carne) estar na origem da palavra Carnaval. Como um desmancha-prazeres, a fórmula já vai avisando que a festa é curta e que depois vem ferro.

É que, depois do Carnaval, entra a Quaresma, quarenta dias coalhados de jejum e de abstinência de carne. A confirmar essa etimologia, está o nome que os alemães dão à festa: Fastnacht/Fasnacht, palavra cujo primeiro elemento vem do verbo fasten (= jejuar). Outra confirmação, incontestável, aparece no nome catalão do Carnaval: carnestoltes (= carnes removidas).

Bom Carnaval!

Ressaca

José Horta Manzano

Este sábado com cara de Quarta-Feira de Cinzas é propício para algumas reflexões futebolísticas despretensiosas.

Azedou
A copa, que era pra ser de champanhe, virou cálice de amargura. Quem provou, desaprovou.

João que chora, João que ri
Tristeza de uns, alegria de outros: os franceses estão rindo à toa por terem escapado de enfrentar o Brasil. Caíram com a Bélgica. Não sei se fizeram bom negócio. Há controvérsia.

Quem muito espera…
Quem fixa meta muito elevada está mais sujeito a se desapontar. Em geral, países põem objetivos mais modestos: chegar às oitavas ou chegar às quartas de final, por exemplo. Quando chegam lá, ficam supercontentes. Já o Brasil mira sempre ao primeiro lugar, sem alternativa possível. Eis por que se decepciona. Não é fácil chegar lá ‒ acontece uma vez a cada 20 ou 30 anos, e olhe lá! Além do mais, nosso país não detém o monopólio do bem jogar.

Soberba
Todos os comentaristas brasileiros se puseram a tentar descobrir onde é que o Brasil errou. Este aponta a falha de tal jogador, aquele reclama da arbitragem, um outro acusa o selecionador. A mim, parece que o problema é exatamente esse egocentrismo que cega.

Todos raciocinam como se a seleção brasileira fosse o centro do universo e que todas as demais equipes gravitassem em órbita longínqua e excêntrica. O bom senso informa que não é assim. Se a seleção do Brasil tem seus méritos, as demais também os têm.

O Brasil jogou bem, não há que dizer. Se perdeu, não é porque tenha jogado mal: é porque a Bélgica jogou muito melhor. O time de vermelho estava num patamar mais elevado, foi mais realista e mais eficaz. Deixou de lado dribles espetaculares ‒ e desastrosos ‒ para ir direto ao essencial. É menos artístico, mas funciona. A nós, está faltando humildade pra reconhecer essa realidade. Repito: nosso país não detém o monopólio do bem jogar.

Palco iluminado
Jogadores vão a campo pra jogar, não pra dar espetáculo teatral. O drama tem de estar centrado na bola que rola. Sem bola, acabou o show. É patético assistir, depois de uma derrota, ao choro convulsivo de marmanjos com pés de barro. Pega mal pra caramba. Tinham mais é que sair rapidinho do gramado e ir chorar no vestiário. Está faltando compostura.

De luxo
Vejo aqueles espectadores decepcionados, chorando pelas arquibancadas, morrendo de pena dos jogadores. E conjecturo que talvez tenham feito prestação pra comprar a passagem para a Rússia. Quem sabe ainda vão passar alguns meses de aperto até quitar o carnê. Enquanto voltam para o hotel, enxugam uma derradeira lágrima e afivelam as malas, os pobres meninos que choravam em campo já terão embarcado num jatinho privê de volta para fazer a festa na mansão de Londres ou de Paris. Ou de Mallorca, que ninguém é de ferro.

Futuro mais escuro

José Horta Manzano

Bandeira Brasil ChinaA bolsa de valores é, por natureza, arisca e desconfiada. Um rumor, um boato, um soluço pode desestabilizar mercados. No entanto, embora seja imediata, o mais das vezes a reação não vai além da epiderme. Não desce ao osso.

Os mandachuvas de Pequim, por razões que lhes dizem respeito, desvalorizaram a moeda nacional três vezes semana passada. As bolsas chinesas sentiram o baque e desmoronaram carregando as do resto do mundo.

Pra lá do susto – que já está passando – fica a realidade que, para o Brasil, é pra lá de preocupante. Desde que nosso país passou a ser governado por incapazes, a porção de manufaturados em nossa pauta de exportação tem decrescido.

O empenho em fazer surgir – do nada – campeões em determinadas categorias (cf. Eike Batista, Odebrecht, Lulinha & cia) fez que o resto da indústria nacional, abandonada, fosse aos poucos perdendo terreno para produtos chineses. Em termos crus, o Brasil deu um salto pra trás e voltou a ser exportador de matéria-prima, como acontecia nos anos 50.

Chinês 2Nestas duas últimas décadas em que o crescimento da China deixou o mundo boquiaberto, o processo de sujeição do Brasil à potência extremo-oriental se acelerou. Acreditando que os ventos favoráveis soprariam até o fim dos tempos, nossos imprevidentes mandatários se jogaram de cabeça. Em matéria de comércio internacional, o Brasil avassalou-se e tornou-se mero satélite da China.

Brasil e ChinaAs consequências do enfraquecimento do crescimento chinês nos atingem de maneira direta e duradoura. A China, além de ser grande consumidora de petróleo, tem avidez por alimentos e outros insumos que o Brasil lhe fornece. Com a diminuição da demanda, é inevitável que os preços desabem. A partir do momento em que soja, ferro, carne, suco de laranja passam a ser menos procurados, sua cotação nos mercados internacionais tende a cair.

É péssima notícia para o Brasil atual. À crise generalizada que vivemos, vem-se acrescentar queda na receita das exportações. Não precisávamos de mais esse «efeito colateral» da miopia com que temos sido governados.