Zelensky ou Zelenski?

José Horta Manzano

Algumas línguas, principalmente eslavas, utilizam o alfabeto cirílico. O russo, o búlgaro, o sérvio, o macedônio e também o ucraniano estão entre essas línguas.

Esse alfabeto, baseado no grego com acréscimo de letras específicas, foi criado pelo bispo Constantino Cirilo, que viveu no 9° século de nossa era, ou seja, 1.200 anos atrás. Como se vê, o nome do prelado se estendeu ao nome do sistema de escrita.

Uma das características das línguas eslavas é a grande variedade de sibilantes. Há diferenças sutis, que nosso ouvido nem chega a perceber, como o S forte e o S fraco. Há muitos ch, ts, dz, tch, chtch e outros da mesma linha.

As letras cirílicas são bastante úteis para grafar as línguas eslavas. Por exemplo, para escrever chtch, nós precisamos de 5 letras, enquanto os eslavos resolvem o problema com uma letra só: щ. É uma economia de tempo e de espaço! Para ter uma ideia de como soa essa letra, pronuncie “os tchetchenos” como os cariocas: och tchetchenos.

Quando escrevemos um nome eslavo usando nosso alfabeto, estamos fazendo uma transliteração (= escrever com um alfabeto palavras de outro). Nomes russos, ucranianos e sérvios passam por esse processo.

Tenho visto frequentemente, em jornais do Brasil, o nome do valoroso presidente ucraniano escrito Zelensky, com Y final. Não é a melhor maneira de transliterar.

Nosso Y não existe no alfabeto cirílico, que só tem uma única letra para a vogal i: и. Em determinados casos, para indicar som breve, o и pode aparecer com uma braquia (й). No entanto, com acento ou não, será sempre a mesma letra.

Portanto, é recomendável transliterar o nome do presidente Зеленський como Zelenski, com i no final. Tascar um Y, embora pareça mais “estrangeiro”, não se justifica nesse caso.

A Folha de São Paulo entendeu perfeitamente e só grafa Zelenski. O Estadão oscila entre as duas formas. Já O Globo, não sei por que razão, persiste em copiar a forma inglesa Zelensky. Ainda bem que não adotaram Zelenskyy, com dois Y, como alguns jornais ingleses costumam grafar.

Com sabedoria, os latinos diziam: “Errare humanum est, perseverare diabolicum”Errar é humano, perseverar é diabólico.

Z de Zorro

José Horta Manzano

Quando se entra num cômodo, o olho será irresistivelmente atraído para o que houver de vermelho: uma almofada, um quadro, um livro. Não se trata de gostar ou deixar de gostar desta ou daquela cor; simplesmente é assim. Certas cores atraem mais que outras. Com as letras do alfabeto ocorre fenômeno semelhante. Umas são mais atraentes que outras. Umas são mais sexy que outras, como diriam os ingleses.

Uma das letras que maior atração exercem é o Z. Muito tempo atrás, quando a televisão engatinhava, a criançada acompanhava um seriado americano cujo herói era um cavaleiro mascarado chamado Zorro – só os anciãos devem se lembrar. (Diga-se que zorro, em espanhol, é a raposa.) A característica do mascarado era surgir de repente, sempre para castigar os maus, salvar os mais frágeis, marcar o Z de Zorro com a ponta da espada e, em seguida, desaparecer cavalgando.

Por que deram ao protagonista esse nome? Acredito que a letra Z tenha sido fator determinante. Um Z traçado com três golpes de espada é símbolo forte e viril. Um S, por exemplo, não faria o mesmo efeito.

A língua russa utiliza o alfabeto cirílico. Algumas letras são iguais às nossas, mas não todas. Nosso Z não existe no alfabeto russo. O som zê é representado por uma letra que lembra o número 3. No entanto, na Rússia destes tempos de guerra, o Z está se tornando um símbolo fortíssimo. Tornou-se o sinal que distingue todos os que apoiam a invasão da Ucrânia.

Crédito imagem: Reuters

Como surgiu esse símbolo? Ninguém sabe ao certo. O que se sabe é que, de repente, em duas semanas, passou ao primeiro plano, está por toda parte. Na Rússia, em princípio. Há várias teorias que procuram explicar o aparecimento e o significado do Z, que é, repito, letra estranha ao alfabeto usado no país.

Explicações fervilham nas redes sociais russas. No começo, alguns chegaram a imaginar que o Z fosse um número 2 estilizado, usado pra marcar o 22/2/22, dia em que a Rússia assinou um “tratado de amizade” com as províncias separatistas da Ucrânia – o prenúncio da guerra que estouraria dois dias depois.

Crédito imagem: Reuters

A explicação mais aceita atualmente é de que o Z é utilizado para inibir o “fogo amigo”. Todos os veículos militares se parecem. Para destacar os que lhe pertencem, o exército vermelho decidiu marcar os seus com esse sinal. Tentam assim evitar que um tanque russo atire em outro tanque russo.

Eu vejo um problema. A coisa vai, mas a coisa também vem. Explico. Se o Z evita que os russos se massacrem entre si, informa, por outro lado, aos ucranianos quais são os veículos inimigos. Neste último caso, funciona como licença de alvejar: “Ah, esse aí é russo! Pode atirar!”.

Crédito imagem: Reuters

O fato é que o símbolo aparece por toda parte na Rússia, não só nos veículos militares. Pontos de ônibus, anúncios luminosos, camisetas. Ele aparece até bordado em capotes, blusas e paletós usados por executivos. Não só as redes sociais como também o próprio governo estão incentivando a propagação do Z.

Crédito imagem: Reuters

Numa competição realizada estes dias no Catar, um jovem ginasta russo subiu ao pódio exibindo um Z bordado na camiseta. Para piorar a situação, ao lado dele estava justamente um atleta ucraniano. O russo está sofrendo sanções disciplinares aplicadas pela Federação Internacional de Ginástica.

Certas más línguas acreditam que o Z poderia simbolizar Zelenski, o presidente da Ucrânia, alvo principal da invasão russa. Mas não deve passar de especulação.

Notícias do front

José Horta Manzano

Com tanques de guerra russos passeando pelas avenidas de Kyiv, a população civil procura escapar. “É melhor dar por perdidos os bens, desde que nos sobre a vida” – é o reflexo coletivo.

Só no dia de ontem, sexta-feira, 50 mil ucranianos fugiram do país. Ao leste, está a Rússia, o ogro; ao norte, fica a Bielo-Rússia, cúmplice do papão; ao sul, é o Mar Negro. A única rota de fuga é na direção do oeste.

Cinco países fazem fronteira com a Ucrânia: a Polônia, a Eslováquia, a Hungria, a Romênia e a Moldávia. Com exceção da Moldávia, todos fazem parte da União Europeia. Mas quem foge de homens armados não escolhe caminho.

Na Polônia, vivem já centenas de milhares de ucranianos, talvez cheguem a um milhão e meio. São imigrantes, alguns de longa data, todos vindos em busca de melhores oportunidades. Este país será o destino mais procurado pela nova onda de refugiados. Generosa, a Polônia já declarou que aceitará todos os ucranianos que se apresentarem à fronteira.

Viktor Orbán, o ultranacionalista dirigente da Hungria, conhecido por suas posições anti-imigrantes, não há de estar encantado. Assim mesmo, decerto para não fazer feio diante dos demais dirigentes do continente, declarou que seu país está “preparado para acolhê-los com rapidez e eficiência”. Não deu mais precisões. Calcula-se que 600 mil ucranianos podem bater à porta do país nos próximos dias.

A Eslováquia, que tem alguns quilômetros de fronteira com a Ucrânia, afirma estar preparada para acolher os que vierem. Numa previsão de que os combates possam penetrar no país, as autoridades incitaram a população a doar sangue e informaram já ter preparado alojamento para até 5500 militares do exército ou da ONU.

A Romênia é o país mais pobre da União Europeia e os ucranianos sabem disso. Os poucos refugiados que penetraram no país ontem, cerca de 5300 pessoas, têm intenção de seguir viagem em direção à Tchéquia ou à Polônia.

O último vizinho, a Moldávia, não é membro da Otan nem da União Europeia. Assim mesmo, o pavor do invasor russo é tamanho, que 4000 refugiados ucranianos já atravessaram a fronteira nestas primeiras horas.

A Alemanha e a França, embora não tenham fronteira comum com a Ucrânia, já prometeram ajuda maciça aos Estados que acolherem refugiados, em especial a Polônia.

Monsieur Emmanuel Macron, presidente da França, declarou, na manhã deste sábado, que “a guerra será longa” e que “temos de estar preparados”.

O HCR (Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) trabalha com a expectativa de até 5 milhões de ucranianos abandonarem o país e pedirem asilo no estrangeiro. Isso representa entre 11% e 12% da população do país. Aplicando a mesma proporção ao Brasil, é como se 25 milhões deixassem o país. Exceto São Paulo, nenhum estado brasileiro tem população tão grande. É um mundaréu de gente.

Resta esperar que as coisas se acalmem logo e, na hipótese mais otimista, Putin abandone suas pretensões desatinadas e chame a tropa de volta. Não custa sonhar.

“Notícias do front” era a expressão usada pela imprensa durante as guerras europeias do século passado. Todos imaginavam que a expressão pertencia aos livros de História. Engano. A insanidade de Vladímir Putin acaba de desempoeirá-la.

“Front” é palavra francesa que se traduz por linha de frente.