Notícias do front

José Horta Manzano

Com tanques de guerra russos passeando pelas avenidas de Kyiv, a população civil procura escapar. “É melhor dar por perdidos os bens, desde que nos sobre a vida” – é o reflexo coletivo.

Só no dia de ontem, sexta-feira, 50 mil ucranianos fugiram do país. Ao leste, está a Rússia, o ogro; ao norte, fica a Bielo-Rússia, cúmplice do papão; ao sul, é o Mar Negro. A única rota de fuga é na direção do oeste.

Cinco países fazem fronteira com a Ucrânia: a Polônia, a Eslováquia, a Hungria, a Romênia e a Moldávia. Com exceção da Moldávia, todos fazem parte da União Europeia. Mas quem foge de homens armados não escolhe caminho.

Na Polônia, vivem já centenas de milhares de ucranianos, talvez cheguem a um milhão e meio. São imigrantes, alguns de longa data, todos vindos em busca de melhores oportunidades. Este país será o destino mais procurado pela nova onda de refugiados. Generosa, a Polônia já declarou que aceitará todos os ucranianos que se apresentarem à fronteira.

Viktor Orbán, o ultranacionalista dirigente da Hungria, conhecido por suas posições anti-imigrantes, não há de estar encantado. Assim mesmo, decerto para não fazer feio diante dos demais dirigentes do continente, declarou que seu país está “preparado para acolhê-los com rapidez e eficiência”. Não deu mais precisões. Calcula-se que 600 mil ucranianos podem bater à porta do país nos próximos dias.

A Eslováquia, que tem alguns quilômetros de fronteira com a Ucrânia, afirma estar preparada para acolher os que vierem. Numa previsão de que os combates possam penetrar no país, as autoridades incitaram a população a doar sangue e informaram já ter preparado alojamento para até 5500 militares do exército ou da ONU.

A Romênia é o país mais pobre da União Europeia e os ucranianos sabem disso. Os poucos refugiados que penetraram no país ontem, cerca de 5300 pessoas, têm intenção de seguir viagem em direção à Tchéquia ou à Polônia.

O último vizinho, a Moldávia, não é membro da Otan nem da União Europeia. Assim mesmo, o pavor do invasor russo é tamanho, que 4000 refugiados ucranianos já atravessaram a fronteira nestas primeiras horas.

A Alemanha e a França, embora não tenham fronteira comum com a Ucrânia, já prometeram ajuda maciça aos Estados que acolherem refugiados, em especial a Polônia.

Monsieur Emmanuel Macron, presidente da França, declarou, na manhã deste sábado, que “a guerra será longa” e que “temos de estar preparados”.

O HCR (Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) trabalha com a expectativa de até 5 milhões de ucranianos abandonarem o país e pedirem asilo no estrangeiro. Isso representa entre 11% e 12% da população do país. Aplicando a mesma proporção ao Brasil, é como se 25 milhões deixassem o país. Exceto São Paulo, nenhum estado brasileiro tem população tão grande. É um mundaréu de gente.

Resta esperar que as coisas se acalmem logo e, na hipótese mais otimista, Putin abandone suas pretensões desatinadas e chame a tropa de volta. Não custa sonhar.

“Notícias do front” era a expressão usada pela imprensa durante as guerras europeias do século passado. Todos imaginavam que a expressão pertencia aos livros de História. Engano. A insanidade de Vladímir Putin acaba de desempoeirá-la.

“Front” é palavra francesa que se traduz por linha de frente.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s