Z de Zorro

José Horta Manzano

Quando se entra num cômodo, o olho será irresistivelmente atraído para o que houver de vermelho: uma almofada, um quadro, um livro. Não se trata de gostar ou deixar de gostar desta ou daquela cor; simplesmente é assim. Certas cores atraem mais que outras. Com as letras do alfabeto ocorre fenômeno semelhante. Umas são mais atraentes que outras. Umas são mais sexy que outras, como diriam os ingleses.

Uma das letras que maior atração exercem é o Z. Muito tempo atrás, quando a televisão engatinhava, a criançada acompanhava um seriado americano cujo herói era um cavaleiro mascarado chamado Zorro – só os anciãos devem se lembrar. (Diga-se que zorro, em espanhol, é a raposa.) A característica do mascarado era surgir de repente, sempre para castigar os maus, salvar os mais frágeis, marcar o Z de Zorro com a ponta da espada e, em seguida, desaparecer cavalgando.

Por que deram ao protagonista esse nome? Acredito que a letra Z tenha sido fator determinante. Um Z traçado com três golpes de espada é símbolo forte e viril. Um S, por exemplo, não faria o mesmo efeito.

A língua russa utiliza o alfabeto cirílico. Algumas letras são iguais às nossas, mas não todas. Nosso Z não existe no alfabeto russo. O som zê é representado por uma letra que lembra o número 3. No entanto, na Rússia destes tempos de guerra, o Z está se tornando um símbolo fortíssimo. Tornou-se o sinal que distingue todos os que apoiam a invasão da Ucrânia.

Crédito imagem: Reuters

Como surgiu esse símbolo? Ninguém sabe ao certo. O que se sabe é que, de repente, em duas semanas, passou ao primeiro plano, está por toda parte. Na Rússia, em princípio. Há várias teorias que procuram explicar o aparecimento e o significado do Z, que é, repito, letra estranha ao alfabeto usado no país.

Explicações fervilham nas redes sociais russas. No começo, alguns chegaram a imaginar que o Z fosse um número 2 estilizado, usado pra marcar o 22/2/22, dia em que a Rússia assinou um “tratado de amizade” com as províncias separatistas da Ucrânia – o prenúncio da guerra que estouraria dois dias depois.

Crédito imagem: Reuters

A explicação mais aceita atualmente é de que o Z é utilizado para inibir o “fogo amigo”. Todos os veículos militares se parecem. Para destacar os que lhe pertencem, o exército vermelho decidiu marcar os seus com esse sinal. Tentam assim evitar que um tanque russo atire em outro tanque russo.

Eu vejo um problema. A coisa vai, mas a coisa também vem. Explico. Se o Z evita que os russos se massacrem entre si, informa, por outro lado, aos ucranianos quais são os veículos inimigos. Neste último caso, funciona como licença de alvejar: “Ah, esse aí é russo! Pode atirar!”.

Crédito imagem: Reuters

O fato é que o símbolo aparece por toda parte na Rússia, não só nos veículos militares. Pontos de ônibus, anúncios luminosos, camisetas. Ele aparece até bordado em capotes, blusas e paletós usados por executivos. Não só as redes sociais como também o próprio governo estão incentivando a propagação do Z.

Crédito imagem: Reuters

Numa competição realizada estes dias no Catar, um jovem ginasta russo subiu ao pódio exibindo um Z bordado na camiseta. Para piorar a situação, ao lado dele estava justamente um atleta ucraniano. O russo está sofrendo sanções disciplinares aplicadas pela Federação Internacional de Ginástica.

Certas más línguas acreditam que o Z poderia simbolizar Zelenski, o presidente da Ucrânia, alvo principal da invasão russa. Mas não deve passar de especulação.

Ensaio geral?

arquivo pessoal deste blogueiro

José Horta Manzano

Este blogueiro, embora fosse bem jovem, já estava em idade de ouvir o zum-zum que correu a cidade na manhã de 1° de abril de 1964. Ouvir e escutar é uma coisa; entender é outra. Acho que, tirando os galardoados que tinham dado as ordens, ninguém entendia direito o que estava acontecendo. Nem mesmo – e principalmente – os que conduziam os brucutus.

Foi no fim da manhã que a voz correu e chegou até nós, povinho ignaro e sem importância. Falava-se em golpe de Estado. Como é que é? De novo? Mais um? Quem foi desta vez? (Sem ser corriqueiro, golpe de Estado não era algo que espantasse naqueles tempos.)

Numa época sem internet, sem redes sociais, com rádio transmitindo em cadeia única e com as raras tevês tocando música, as notícias se arrastavam a passo de tartaruga. Para nós, adolescentes, a novidade não fedia nem cheirava. A vida continuou, a escola pra quem estudava, o trabalho pra quem trabalhava.

Para os mais velhos, especialmente para os que se lembravam dos bombardeios sofridos pela cidade na Revolução de 1924, restou o temor de ver de novo gente sendo esmagada por bombas largadas por aeroplanos. Fora isso, como todos tinham na memória recente os movimentos de 1924, 1930, 1932, 1935, 1945 e 1955, esse não passava de um a mais.

Não foi senão algum tempo depois que nos ensinaram que aquilo não tinha sido um golpe de Estado, mas uma Revolução. Sei que, hoje em dia, pôr na mesma frase as expressões “31 de março” e “Revolução” causa frisson. Mas, na época, ninguém se abalou. Assim foi.

É claro que, “golpe” ou “revolução”, os acontecimentos da madrugada de 1° de abril de 1964 não surgiram do nada, resultado do mau humor de dois ou três generais que houvessem comido salada de pepino à meia-noite. O movimento estava fermentando fazia semanas, meses talvez. Naquela noite, amadureceu e estourou. Só que, como todo levante que se preze, germinou em silêncio, no escurinho dos quartéis, em conciliábulos para meia dúzia de iniciados. Para os demais, boca de siri.

Neste 2021, o capitão que imagina nos governar, sentindo que perde rapidamente o pouco apoio que tinha, determinou que manobras militares ostensivas se realizassem em Brasília, ao vivo e em cores, bem no dia em que o Congresso deve votar uma matéria ultrassensível. Todos interpretaram a exigência presidencial como expediente intimidatório sobre os parlamentares – e sobre a população. Uma espécie de “Quem manda no meu exército sou eu”.

Jair Bolsonaro ainda usava calça curta em 1964. Há de ser por isso que não se dá conta de uma verdade elementar: golpe de Estado não se anuncia de véspera, especialmente pondo brucutus no asfalto. Ele está assumindo um tremendo risco. Sem necessidade, está apostando no tudo ou nada antes da hora. Há dois caminhos possíveis. Só dois, não vejo mais nenhum.

Se os parlamentares se intimidarem com os canhões e votarem como deseja o capitão, ele vai conseguir alguns pontos. Não será o vencedor da guerra, mas terá ganhado uma batalha, o que lhe permitirá continuar no páreo.

Já se os parlamentares não ligarem a mínima para os canhões e derrubarem a medida tão desejada pelo capitão, este último terá perdido o pouco que lhe resta de moral. Todos vão ficar sabendo que o desprezo pelo presidente é tamanho, que nem brucutus no asfalto assustam mais ninguém.

Em matéria de golpe de Estado, não há ensaio nem ameaça – só a ação definitiva conta. E ela tem de ser única, imprevista, radical e certeira. Não há segunda chance.

Zuniga

José Horta Manzano

Tempos houve, faz bem mais de 150 anos, em que os habitantes da acanhada vila de São Paulo de Piratininga mandavam seus escravos ou iam pessoalmente visitar o Zuniga. Faziam isso todos os dias. Eram outros tempos, era um mundo em que a luta diária pela existência não deixava margem para distrações. De resto, não havia estádios nem futebol.

Água encanada não existia nem em sonho. Para lavar roupa ou simplesmente para aprovisionar-se em água potável, os paulistanos se valiam de riachos, fontes, alagados ou tanques naturais. Era o caso do Tanque do Zuniga.

São Paulo, Tanque do Zuniga Mapa de 1847 do Eng° Civil Bresser

São Paulo, Tanque do Zuniga
Mapa de 1847 do Eng° Civil Bresser

Situado em terras de um certo Manuel Zuniga, era uma pequena lagoa natural. Escravas frequentavam o lugar onde enchiam seus cântaros e lavavam roupa. Ficava na região onde hoje está o Largo do Paiçandu, entre a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e o edifício do Correio Central.

São Paulo, Localização do Tanque do Zuniga Mapa atual do Google

São Paulo, Localização do Tanque do Zuniga
Mapa atual do Google

O tanque sumiu com a drenagem da região, entre 1850 e 1860. O nome Zuniga, que havia desaparecido da memória dos paulistanos, reaparece agora de repente, sob a forma de um desastrado jogador colombiano de futebol, autor de um verdadeiro atentado contra o astro maior da Seleção.

Zuniga é nome ibérico, originário do País Basco. No original, a pronúncia é proparoxítona ― Zúnhiga. Seja qual for a história do tanque, o nome há de ser lembrado como triste capítulo da história do futebol.

Exatamente como o nome do goleiro alemão Harald Schumacher, autor de uma violenta «voadora» que, na Copa de 1982 , demoliu o jogador francês Patrick Battiston, que teve de ser retirado desacordado. Hoje, 32 anos depois do que ocorreu aquele dia em Sevilha, os franceses ainda lamentam o episódio que contribuiu para tirá-los da Copa.

Se você quiser saber ou relembrar como foi a “voadora” de 1982, clique aqui.