Plus bête que méchant

José Horta Manzano

«Você não pode comparar Brasil com Itália. Eu pergunto a você: sabe quantos habitantes temos por quilômetro quadrado na Itália? São 200 habitantes por quilômetro quadrado. Na Alemanha são 230 habitantes. No Brasil, 24. Há uma diferença enorme entre esses países.»

A frase, quem soltou, foi doutor Bolsonaro em entrevista a uma emissora de tevê – aquela cujo proprietário é dono de um império que inclui uma ‘denominação’ neopentecostal.

Há de ter sido a equipe de assessores presidenciais que soprou ao chefe a densidade populacional da Alemanha e da Itália. Os números batem. Quanto ao número citado para o Brasil, é apenas meia verdade. Na abstração estatística, está correto; mas no concreto da vida real, a história é bem diferente. Consultaram Wikipédia, mas não souberam analisar o que leram.

O povoamento das regiões que hoje constituem a Alemanha e a Itália começou há milênios, ao tempo dos neandertais (ou neandertalenses, como quer o dicionário). Fato é que a expansão populacional se fez muito lentamente, aldeia por aldeia, vilarejo por vilarejo, ao longo dos séculos. O resultado dessa paulatina ocupação do território é visível até hoje: a população está pulverizada em milhares e milhares de lugarejos, vilarejos e cidades pequenas. Bom exemplo é a França, que tem 35.000 municípios, enquanto o imenso Brasil, com quase 4 vezes a população, não chega a 6.000.

Para focar nos exemplos dados por doutor Bolsonaro, Mato Grosso do Sul tem 79 municípios enquanto a Alemanha, com território equivalente, tem perto de 11.000. Comparação semelhante vale para a Itália: o Rio Grande do Sul tem 497 municípios, enquanto a Itália, com território equivalente, tem 7.900. Esses números mostram, na Europa, uma população dispersa e disseminada pelo território. Não é o caso do Brasil.

Arte: Roberto Polillo, fotógrafo italiano

A distribuição da população em nosso país tem características peculiares. Elas decorrem de vários fatores: o estilo ibérico de colonização, a onda de imigração do final do século XIX, a atração exercida pelas cidades e a falta crônica de política federal voltada para o problema. O resultado é que nossas cidades têm o inchaço característico do Terceiro Mundo. O violento êxodo rural esvaziou os campos. Em consequência, a distribuição de nossa população é desequilibrada e está longe da homogeneidade europeia.

No Brasil, as cinco unidades federativas onde o povoamento é mais denso têm mais de 100 habitantes por km2 – longe dos 24 anunciados pelo doutor. As três UFs com maior densidade populacional são as mais importantes economica e politicamente. São elas:

3° lugar: São Paulo      185 habitantes por km2
2° lugar: Rio de Janeiro 385 habitantes por km2
1° lugar: Brasília       526 habitantes por km2

Doutor Bolsonaro deve ser distraído. Essas três UFs apinhadas de gente são marcos importantes de sua existência. No Estado de São Paulo, nasceu e foi criado; no Rio, foi eleito e várias vezes reeleito deputado federal; em Brasília, é atualmente inquilino do Planalto. Alguém precisa informar aos assessores dele que essas três unidades federativas, sozinhas, concentram 1/3 dos brasileiros. É isso mesmo: de cada 3 conterrâneos, 1 vive numa dessas UFs. Isso derruba o número citado pelo presidente. Não por acaso, os primeiros casos de contaminação pelo coronavírus apareceram em SP e no RJ.

Não dá pra comparar a densidade média alemã ou italiana com a brasileira. Nossa população está ultraconcentrada em cidades abarrotadas circundadas por espaços vazios. Para qualquer vírus, essa aglomeração de gente é uma festa. Para o Covid-19, é um banquete!

Quanta análise distorcida a gente é obrigado a ouvir, não? Resta a dúvida se essa gente faz isso por malandragem ou por falta de visão. Tenho tendência a ficar com a segunda opção. Os franceses dizem: “C’est plus bête que méchant – Está mais pra imbecil que pra malvado“.

Observação
Pra confirmar a extrema concentração populacional no Brasil, lembremos que: a Itália tem 6 cidades acima de meio milhão de habitantes; a Alemanha tem 14; o Brasil tem 48(!).

Atirando no escuro

José Horta Manzano

Umas profissões são arriscadas; outras, mais tranquilas. Um policial, um acróbata, um alpinista, um repórter de guerra correm perigo maior do que um contador, um agrimensor, um pizzaiolo ou um técnico em informática.

Assim mesmo, arriscada ou não, toda profissão pode dar a quem a exerce momentos de júbilo ou de frustração grande. Tomemos, por exemplo, a advocacia penal. Pode ser fonte de alegria e satisfação para o profissional quando o veredicto é favorável a seu cliente. Caso contrário, traz decepção, chateação e aflição.

escrita-7O ofício de articulista e o de analista ‒ falo desses que escrevem artigos para a grande mídia ‒ pode às vezes dar motivo a desapontamento. Quando algum acontecimento se está inexoravelmente aproximando, artigos costumam ser escritos antecipadamente. À medida que personalidades conhecidas vão envelhecendo, necrológios já vão sendo preparados. Dormem na gaveta das redações. (Hoje é mais adequado dizer que ficam armazenados em pastas de computador, mas dá no mesmo.) Assim que chega a notícia do falecimento, não precisa correr à Wikipédia à cata de pormenores da vida e do instinto do distinto extinto. Basta acrescentar algumas linhas ao esboço para dar o fecho. Não é cinismo, que a vida é assim mesmo.

Passadas as eleições americanas, pelas quais todo o planeta se interessou, chegou o tempo das análises. Todas as previsões e palpites davam como certo o final. Seria o relato da história, da glória e da vitória de Hillary Clinton. É de imaginar que, previdente, a maioria dos comentaristas já houvesse preparado artigos, às vezes com semanas de antecedência. Estavam os papéis prontos para publicação quando… paf! Contra todos os prognósticos, venceu Trump.

escrita-6Fico imaginando as resmas de papel atiradas ao lixo. Tiveram todos de costurar à pressa artigo novinho. Saíram no encalço do vencedor pra relembrar excesso, progresso e sucesso do inconfundível, irascível e imprevisível bilionário. As rimas são propositais, tanto o personagem é ativo, permissivo e agressivo.

Pensando bem, é mais cômodo escrever elogio fúnebre. A personalidade, seja ela quem for, acaba morrendo um dia, é certeza. Agora basta aos que escreveram sobre Mrs. Clinton guardar o material numa pasta. Um dia, é garantido que vai servir.

Por que complicar?

Chamada do Estadão, 1° jan 2016

Chamada do Estadão, 1° jan 2016

José Horta Manzano

Por que “chikungunya”? Essa grafia é destinada à mídia de língua inglesa. Temos meios mais familiares para escrever o nome da enfermidade. Fica assim, ó: chicungunha.

Até a Wikipédia já entendeu ‒ vá conferir.

Gotejando

Eliane Cantanhêde (*)

Censura 2Depois de o Planalto enviar um funcionário a um seminário de internet em Cuba, tudo é possível. Cuba é o último lugar do mundo para fazer curso de internet… a não ser de guerrilha digital.

Por essas e outras, é irritante, mas não surpreendente, a informação da Folha e do Globo de que a rede do Planalto é usada para adocicar perfis de aliados, azedar dos adversários e plantar calúnias contra jornalistas críticos. A operação, além de indecente e possivelmente criminosa, é também de uma burrice gritante.

Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, afora serem queridos amigos, são dois dos mais premiados jornalistas do país. Logo, o ataque não foi só aos dois, mas a uma categoria inteira e a uma cidadania que exige liberdade de expressão e de crítica.

Censura 1Do ponto de vista político, é péssimo para Dilma Rousseff, mas é sobretudo um desastre para o PT, que já enfrenta alta rejeição, candidatos assustados e atritos de toda sorte.

Segundo o marqueteiro João Santana, eleições trabalham o imaginário popular. Pois o uso da sede da Presidência para golpes rasteiros só “vai gotejando” uma imagem ruim do PT, como diz Gilberto Carvalho.

Auto de fé

Auto de fé

A hora é de falar de Mais Médicos, Minha Casa, Pronatec, não de o Planalto fazer jogo sujo que remete a mensalão, aloprados e manipulação da CPI. E também à estrela vermelha de dona Marisa no Alvorada, ao passeio da cadelinha em carro oficial, ao emprego da nora para não fazer nada no Sesi e ao contrato milionário do filho ― o Ronaldinho ― por baixo do pano.

A confusão entre público e privado corresponde às boquinhas e ao aparelhamento de Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil. Em nome de “uma causa” ― a dos poderosos e da elite de plantão. Os outros? Os outros são “contra os pobres”.

Se cabeças rolaram no Santander por avaliações de mercado, o que ocorrerá no Planalto por ações que nada têm a ver com o interesse público, o Estado e a nação?

(*) Eliane Cantenhêde, jornalista, é colunista da Folha de São Paulo

Sorry, mano

José Horta Manzano

«Computador do Planalto pôs elogios a Dilma em página da Wikipédia» ― é o título de matéria da Folha de São Paulo deste 28 de julho.

ComputadorOs autores do artigo vão mais longe, descem aos tim-tins e dão nome aos bois. Informam que 11 (onze!) computadores do governo federal, em irrefutável desvio de suas funções republicanas, dedicaram-se a eliminar referências desairosas a membros da nomenklatura. No lugar de menções desagradáveis, os computadores inseriram louvação.

A blindagem tem a presidente por objeto principal, mas não só. Um certo senhor Padilha, candidato a governar o maior estado da federação, também teve seu currículo, digamos, adocicado. A história não faz alusão a outros beneficiários da trapaça, mas o bom senso impele a imaginar que os dois não sejam os únicos.

Curioso é o artigo relatar que «computadores» do Planalto tenham feito isto ou aquilo, como se máquinas decidissem por si o que convém e o que não convém a determinados figurões.

Dona Dilma disse uma vez que, atrás de cada criança, havia sempre uma figura oculta ― um cachorro, no imaginário presidencial. Pois eu digo, sem demagogia, que, atrás de um computador, há sempre ser(es) humano(s) que o manipulam. É incontestável.

Computador 2Portanto, digamos as coisas como são. Uma penca de funcionários ― pagos com nosso dinheiro ― estão incumbidos de reescrever a história, apagando menções embaraçosas e substituindo-as por referências enaltecedoras. Para chegar a seus fins, utilizam computadores pagos com nosso dinheiro, abrigados em palácio custeado com nossos impostos. Até a conta da eletricidade que faz funcionar as simpáticas máquinas de dourar pílula é paga com dinheiro do nosso bolso.

E agora, que a falcatrua foi desvendada, fica tudo por isso mesmo? Ministério Público, OAB, Congresso, onde estais que não respondeis?

Tremei, porteiros! Tremei, moças do café! Tremei, contínuos, bedéis e faxineiros! Se a notícia chegar ao jornal televisivo, não vai ter jeito: um de vocês terá de pagar pelo malfeito. Sorry, mano.

Notícias de Ponta Grossa

José Horta Manzano

Passeando pelos jornais de hoje, topei com um relato um tanto confuso de uma vereadora de Ponta Grossa (PR), presa por ter forjado seu próprio sequestro. Não se lançou à aventura sozinha, mas acumpliciada com Suzicleia, Idalécio e Adalto. Para espíritos mais curiosos, a notícia completa está aqui.

Se entendi a história ― mas não tenho certeza ― a edil fez o que fez para escapar da eleição da Câmara. Confesso não saber a que eleição da Câmara se refere o articulista. Pensava que, para não votar, bastasse não comparecer. Parece que é bem mais complicado.

Contra a vereadora e seus cúmplices, será apresentada denúncia por crime de formação de quadrilha, simulação de sequestro e fraude processual. Não é pouca coisa. Mas parece que a eleita municipal já providenciou advogado. O causídico, naturalmente, entrará logo com pedido de habeas corpus. E assim, vão todos para casa torcer para que o processo se eternize nos escaninhos da Justiça brasileira. E tudo bem.

Crédito: Thiago Schuina

Crédito: Thiago Schuina

Não conheço Ponta Grossa. A curiosidade me levou a consultar a Wikipédia. Fiquei sabendo de muita coisa. O município não é nenhuma Xiririca da Serra, não, senhor. A população estimada é de mais de 300 mil almas, como Genebra!

Uma outra informação me deixou pasmo. O inverno é mais frio e o verão é mais quente! Não é um fato digno de nota? Para quem quiser conferir, está lá com todas as letras, no tópico Clima. Aqui.

A Wikipédia traz um capítulo sobre a composição da população de Ponta Grossa. Fala dos desbravadores portugueses, dos tropeiros, das famílias vindas de São Paulo. Conta que, mais tarde, chegaram eslavos, árabes, italianos e outros estrangeiros. Curiosamente, nenhuma menção é feita aos habitantes primitivos do lugar, os indígenas. Não terá sobrado nenhum?

Não vamos atirar pedra nesse artigo. Não é o único, apenas segue a linha que nos ensinaram desde o curso primário. Nossa historiografia oficial menciona todos os imigrantes ― do português ao coreano ―, fala do africano trazido à força, mas faz abstração do habitante originário, como se nunca tivesse existido. O índio pode até servir como figurante de quadros épicos, mas na vida real atrapalha.

Por que razão isso acontece?