Plus bête que méchant

José Horta Manzano

«Você não pode comparar Brasil com Itália. Eu pergunto a você: sabe quantos habitantes temos por quilômetro quadrado na Itália? São 200 habitantes por quilômetro quadrado. Na Alemanha são 230 habitantes. No Brasil, 24. Há uma diferença enorme entre esses países.»

A frase, quem soltou, foi doutor Bolsonaro em entrevista a uma emissora de tevê – aquela cujo proprietário é dono de um império que inclui uma ‘denominação’ neopentecostal.

Há de ter sido a equipe de assessores presidenciais que soprou ao chefe a densidade populacional da Alemanha e da Itália. Os números batem. Quanto ao número citado para o Brasil, é apenas meia verdade. Na abstração estatística, está correto; mas no concreto da vida real, a história é bem diferente. Consultaram Wikipédia, mas não souberam analisar o que leram.

O povoamento das regiões que hoje constituem a Alemanha e a Itália começou há milênios, ao tempo dos neandertais (ou neandertalenses, como quer o dicionário). Fato é que a expansão populacional se fez muito lentamente, aldeia por aldeia, vilarejo por vilarejo, ao longo dos séculos. O resultado dessa paulatina ocupação do território é visível até hoje: a população está pulverizada em milhares e milhares de lugarejos, vilarejos e cidades pequenas. Bom exemplo é a França, que tem 35.000 municípios, enquanto o imenso Brasil, com quase 4 vezes a população, não chega a 6.000.

Para focar nos exemplos dados por doutor Bolsonaro, Mato Grosso do Sul tem 79 municípios enquanto a Alemanha, com território equivalente, tem perto de 11.000. Comparação semelhante vale para a Itália: o Rio Grande do Sul tem 497 municípios, enquanto a Itália, com território equivalente, tem 7.900. Esses números mostram, na Europa, uma população dispersa e disseminada pelo território. Não é o caso do Brasil.

Arte: Roberto Polillo, fotógrafo italiano

A distribuição da população em nosso país tem características peculiares. Elas decorrem de vários fatores: o estilo ibérico de colonização, a onda de imigração do final do século XIX, a atração exercida pelas cidades e a falta crônica de política federal voltada para o problema. O resultado é que nossas cidades têm o inchaço característico do Terceiro Mundo. O violento êxodo rural esvaziou os campos. Em consequência, a distribuição de nossa população é desequilibrada e está longe da homogeneidade europeia.

No Brasil, as cinco unidades federativas onde o povoamento é mais denso têm mais de 100 habitantes por km2 – longe dos 24 anunciados pelo doutor. As três UFs com maior densidade populacional são as mais importantes economica e politicamente. São elas:

3° lugar: São Paulo      185 habitantes por km2
2° lugar: Rio de Janeiro 385 habitantes por km2
1° lugar: Brasília       526 habitantes por km2

Doutor Bolsonaro deve ser distraído. Essas três UFs apinhadas de gente são marcos importantes de sua existência. No Estado de São Paulo, nasceu e foi criado; no Rio, foi eleito e várias vezes reeleito deputado federal; em Brasília, é atualmente inquilino do Planalto. Alguém precisa informar aos assessores dele que essas três unidades federativas, sozinhas, concentram 1/3 dos brasileiros. É isso mesmo: de cada 3 conterrâneos, 1 vive numa dessas UFs. Isso derruba o número citado pelo presidente. Não por acaso, os primeiros casos de contaminação pelo coronavírus apareceram em SP e no RJ.

Não dá pra comparar a densidade média alemã ou italiana com a brasileira. Nossa população está ultraconcentrada em cidades abarrotadas circundadas por espaços vazios. Para qualquer vírus, essa aglomeração de gente é uma festa. Para o Covid-19, é um banquete!

Quanta análise distorcida a gente é obrigado a ouvir, não? Resta a dúvida se essa gente faz isso por malandragem ou por falta de visão. Tenho tendência a ficar com a segunda opção. Os franceses dizem: “C’est plus bête que méchant – Está mais pra imbecil que pra malvado“.

Observação
Pra confirmar a extrema concentração populacional no Brasil, lembremos que: a Itália tem 6 cidades acima de meio milhão de habitantes; a Alemanha tem 14; o Brasil tem 48(!).