Pacto oligárquico

clique para ampliar

José Horta Manzano

O distinto leitor que costuma passear por este modesto blogue por certo entende a frase do ministro. Mas não é o caso de meio Brasil. Metade de nossos conterrâneos, ainda que fizessem o esforço de consultar dicionário pra descobrir o significado de cada palavra, dificilmente conseguiriam captar a concatenação.

Recorde-se que o «exame da Ordem», que todo bacharel em Direito tem de enfrentar se quiser obter o brevê de advogado, expõe a catástrofe da Instrução Pública no país: em média, nove entre dez candidatos são reprovados. Triste Brasil.

Após treze anos de domínio absoluto do lulopetismo ‒ capitaneado por aquele partido que prometia a redenção nacional ‒, o que é que temos? Um terço da população dependendo da bolsa família para sobreviver ‒ e sem perspectiva de sair da miséria. Diplomados da faculdade sendo reprovados no exame de entrada na profissão que escolheram. Sessenta mil homicídios por ano, taxa superior a qualquer país em guerra. A mais profunda recessão que o país já conheceu.

Chega. Não vou repetir aqui a procissão de misérias que nos assolam. Vale apenas constatar que os que nos governaram desde 2002 não entregaram o que haviam prometido. No mínimo, são tratantes. Mas fizeram pior. Além de nos terem vendido gato por lebre, deram forte contribuição para engrossar o tal «pacto oligárquico».

Do grego olígos (pouco) e archía (autoridade, supremacia), a oligarquia designa o domínio exercido por um pequeno grupo. É termo perfeito para exprimir o Estado brasileiro. Pensar que nascimento, vida e morte de duzentos milhões de almas são regulados por um reduzido número de integrantes de nossa nomenklatura! É de dar arrepio!

O ministro mencionou «agentes públicos e privados». Com isso, quis sublinhar que o grupinho oligarca inclui não só políticos, mas grandes empresários. Todos se beneficiam do sistema. A Lava a Jato desmascarou os mais importantes, mas ainda há muita poeira debaixo do tapete.

O sistema é relativamente simples. A oligarquia tem o domínio sobre os cofres públicos. O grosso da população não se dá conta de que aquele tesouro pertence a todos nós. Os poucos que percebem a realidade gritam no deserto ‒ ninguém lhes dá ouvidos. Em consequência, o grupelho lá de cima se sente à vontade pra se servir do tesouro que é de nós todos.

O grão-mestre, que dirigiu a orquestra dos oligarcas durante 13 anos, não foi (nem será) julgado pelo estrago que infligiu aos brasileiros. Como o sanguinário Al Capone, que só pôde ser sentenciado por evasão fiscal, nosso demiurgo foi condenado por uma sombria história de propina materializada por um apartamento. Uma ninharia perto das artes que o homem fez.

Agora, com medo da cadeia, esperneia. Vendo-o condenado por dois tribunais, o brasileiro de bem achou que era o fim da viagem. Só que… agora entra em cena a nomenklatura, a oligarquia. Lá no andar de cima, estão todos incomodados. O acusado é um deles, faz parte do grupo. Se ele cair, os demais estarão em perigo. Uma providência precisa ser tomada.

A decisão que o STF tomará amanhã se anuncia apertada. Nenhuma sondagem de boca de urna é capaz de predizer, neste momento, o resultado. Conseguirá a oligarquia preservar seu domínio? Ou vai abrir-se a brecha que anuncia o esvaziamento da nomenklatura atual?

Seja como for, visto o nível de instrução do brasileiro médio, a oligarquia ainda tem muita lenha pra queimar. Ainda que alguns integrantes caiam em desgraça, logo serão substituídos. E a vida vai seguir.

Panem et circenses

José Horta Manzano

No primeiro século da Era Cristã, o poeta satírico latino Decimus Junius Juvenalis, que passou para a História como Juvenal, deu fama à antiga expressão panem et circenses(1). Não foi o inventor da locução, que já existia séculos antes dele. O que Juvenal fez, com sua pluma feroz, foi conferir-lhe um sentido diferente do habitual.

Depois que o poeta analisou com lente impiedosa os costumes declinantes da Roma de seu tempo, a expressão passou a ser usada para denunciar a cooptação a que recorrem governantes e poderosos para atrair simpatia popular.

Pão crocante

Pão crocante

Já naquela época, mandachuvas tinham se dado conta de que a ineficiência ― assim como também a inexorável decadência ― de qualquer regime pode ser dissimulada com políticas populistas que distraiam o bom povo. Para tal, nada melhor que alimento e diversões. Isso não impedirá o fim do regime, seja ele qual fôr, porque tudo tem um fim. Mas é estratagema que pode prolongar a sobrevida do sistema.

A América Latina tem conhecido estes últimos anos um florilégio de regimes populistas. Brasil, Argentina, Venezuela, Nicarágua, Equador, Bolívia fazem parte dessa lista. O grau de desfaçatez de cada governo está na razão inversa do nível cultural de seu povo. Quanto mais instruída for a população, menor será a margem de manobra de governantes oportunistas.

Dentre os países citados, o Brasil talvez seja aquele onde o autoritarismo do governo é o menos acentuado. Será porque boa parcela de nossa população já tem instrução suficiente para discernir se o que lhe estão vendendo é lebre ou gato. No Brasil, os candidatos a cargos executivos não costumam ser eleitos com votações stalinianas de 90% ou 95%. Ponto para nós.

Já os venezuelanos, nossos sofridos hermanos do norte, não têm tido a mesma sorte. Anestesiados pelas migalhas que lhes vêm sendo distribuídas, ainda não se deram conta de que sua pátria-mãe está sendo subtraída em tenebrosas transações(2). Continuam prestando honras ao defunto caudilho e, de tabela, aos que se apresentam, gratia Dei(3), como seus sucessores.

Coliseu ― Circo romano

Coliseu ― Circo romano

Estes dias, aprontaram mais uma boa, curiosamente pouco noticiada no Brasil. De Caracas nos chega a espantosa informação de que o Premio Nacional de Periodismo 2013 (nós diríamos jornalismo), conferido pela fundação de mesmo nome, foi atribuído em caráter póstumo a… Hugo Chávez. A honraria lhe foi outorgada, por unanimidade do júri, em virtude «do impulso que deu à mídia pública e popular do país». Não sorria. É a razão oficial!

Segundo o filósofo ítalo-venezuelano Antonio Pasquali (1929-), o líder máximo da Revolução Bolivariana, no intuito de garantir sua permanência no mando supremo, fechou dezenas de emissoras de rádio e um canal de televisão muito crítico (RCTV). Dar a esse personagem um prêmio de excelência em jornalismo equivale a homenagear a raposa como defensora maior das galinhas.

A história é simplesmente inacreditável. Antes que me acusem de insanidade mental, apresso-me a citar as fontes onde bebi.

Granma, o sítio oficial (e único) do Partido Comunista de Cuba babou de contentamento.

El Universal, um corajoso diário de Caracas, ousou criticar, embora por via indireta. Ateve-se a citar a declaração desagradada do CNP ― Colegio Nacional de Periodistas.

El Nuevo Herald, jornal editado em Miami e crítico feroz do regime bolivariano, não deixou de dar sua visão.

Por fim, O Globo, do Rio de Janeiro,  limitou-se a dar a notícia em poucas linhas, sem julgamento de valor.Interligne 36

Algumas explicações:

(1) Panem et circenses = pão e divertimentos circenses. Mais concisamente, pão e circo.

(2) Uma piscadela ao Sanatório Geral de Chico Buarque, cuja letra é um achado.

(3) Gratia Dei = pela graça de Deus, de droit divin