Narrativa

José Horta Manzano

No domingo 14 de nov°, a deputada Joice Hasselmann soltou um tuíte venenoso:


Nenhum deputado bolsonarista se inscreveu para inspecionar o código fonte das urnas eletrônicas. O TSE abriu as portas para vistoria em 4/10. Eles só se interessam pela narrativa.


Estricnina pura. Em menos de 30 palavras, a doutora deu seu diagnóstico sobre o estado de espírito dos espalhadores de notícias falsas (em português: fake news). Nessa gente, o que domina é a falsidade. O que dizem é só “da boca pra fora”, como se dizia antigamente.

Os que praticam esse perigoso esporte de desinformação não são apegados à verdade. Se a notícia espalhada não bate com a realidade, dane-se a realidade.

Afinal, toda seita que se preze exige que os fiéis bebam as palavras do chefe, como se bebessem da fonte de água pura. Na qualidade de arautos do “mito”, são pagos pra divulgar o que seu mestre mandar.

Se o chefe disse que as urnas eletrônicas são um lixo, ninguém tem o direito de contestar, muito menos o de verificar. E há bobões que acreditam e seguem o enterro. Nenhum deles tem sequer a curiosidade de levantar a tampa do caixão pra ver se defunto há.

O rumor, o boato e a notícia falsa

José Horta Manzano

Desde os anos 1300, o nome da coisa é rumor. Dois séculos mais tarde, a língua se enriqueceu e a coisa ganhou mais um nome: boato. A modernidade do século 20 trouxe expressão nova para designar a mesma coisa: notícia falsa. E a vassalagem pós-moderna do século 21 obrigou a língua a importar expressão inglesa para a mesmíssima coisa: é “fake news”. São variações em torno do mesmo tema. A abundância de nomes dá a dimensão da importância que o boato adquiriu em nossos dias.

A disseminação das redes ditas ‘sociais’ – que chamo, maldosamente, associais – inunda os usuários com um magma de informação que chega em jorro contínuo. O portentoso volume dificulta a separação do joio e do trigo. A cada notícia nova, vem a dúvida: é verdade ou boato? Em compreensível reação de impotência, cada um tende a botar fé naquilo que lhe soa simpático, naquilo que lhe afaga as crenças. E acaba abonando notícia falsa.

Dirigentes populistas exploram essa insegurança de leitores que passam por cima de todo pensamento crítico para abraçar a notícia que vai de encontro a suas esperanças. É desse alimento que se fortalecem os oportunistas instalados no andar de cima.

Neste momento, tramita no Senado um projeto para combater “fake news”. Combater boatos é tão irrealista quanto combater erupções vulcânicas, terremotos ou aguaceiros. O que se gostaria, na verdade, é de reprimir a propagação de notícias falsas por redes (as)sociais. Essa judiciarização é sintomática dos tempos que vivemos.

Cinquenta anos atrás, os produtos alimentícios não vinham com data de validade. Minha avó abria, observava, cheirava e dava o diagnóstico: está (ou não está) bom. Cada um usava a própria capacidade de tomar decisão sem muleta. Hoje mudou. Se dou com uma notícia inesperada no meu grupo virtual, me falta expediente pra decidir sozinho se é verdadeira ou falsa. Daí a necessidade de uma lei que faça o trabalho por mim. Daí a utilidade do projeto que tramita no Senado.

É pena assistir a essa crescente infantilização da população, que não consegue mais distinguir sozinha entre o joio e o trigo das informações. E pensar que a solução é simples: para ter certeza, basta informar-se nos grandes órgãos da mídia. Não é garantia absoluta, mas ainda é o melhor caminho pra escapar de boatos e deixar de engolir gato por lebre.

Fake news ‒ 1

José Horta Manzano

Assim como o Lula não inventou o suborno, tampouco Donald Trump é o criador da «fake news», a notícia falsa. O mérito de ambos ‒ se é que se pode chamar de mérito ‒ é ter elevado essas práticas duvidosas ao nível de política de Estado.

O Lula até que conseguiu se sustentar sobre o tablado durante muito tempo. A técnica durou tantos anos que, como era inevitável, ele e a companheirada se acostumaram a seguir pela via paralela e a dobrar pela direita. Agir na base do toma lá dá cá tornou-se uma segunda natureza, entrou para o quotidiano. O exagero levou à perdição.

Suborno, cooptação, prevaricação, corrupção e outros males desse jaez já eram conhecidos antes de os gregos antigos implantarem a democracia. E nunca saíram de cena. Usados com moderação, são como o vinho: não fazem mal à saúde e, de quebra, podem até ajudar a destravar negócios enrolados. Em excesso, no entanto, destroem criadores e criaturas.

«Fake news» ‒ que antigamente a gente dizia boato ‒ é outra prática antiga. Seus parentes são o rumor, a calúnia, a injúria, a falsa denúncia. Todos eles já existiam antes que a bíblia fosse escrita. Tanto quanto a corrupção, a boataria é praticamente inócua desde que se mantenha dentro de certos limites. Ao tornar-se prática difundida, universal e diária, enguiça a máquina. Ninguém consegue sobreviver em chão de areia movediça.

Internet e redes sociais têm usado e abusado de verdades mascaradas. Exatamente como no caso dos poderosos brasileiros, a falta de freios está se tornando procedimento normal. Cada um distorce a verdade como lhe parece mais conveniente. O mais recente escândalo está centrado no futebolista luso Cristiano Ronaldo, cuja fama de excelência subiu mais um pouco quando seu clube conquistou a Copa da Liga dos Campeões da Uefa dias atrás.

A firma de equipamentos esportivos Nike, que aparece entre os principais patrocinadores do rapaz, bolou rapidamente uma campanha publicitária. Encontrou uma foto em que o jogador aparece ainda jovem e tratou de difundi-la. Antes disso, tomou o cuidado de dar-lhe uma “photoshopada” e de acrescentar o característico logotipo e uma legenda: «This boy knew» ‒ este menino sabia. Deu-se mal.

Um observador atento tratou logo de espalhar pelas redes a foto original. No retrato verdadeiro, o futebolista não veste agasalho Nike, mas da maior concorrente, a firma Adidas. Pegou mal pra caramba.

Como os corruptos inveterados, os difusores de «fake news» estão ultrapassando os limites da razoabilidade. O mundo vai mal. Já não se pode mais nem acreditar em boato.