Sim, mas…

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Acho que fui contaminada com o vírus dessa estranha doença que é ver em tudo um viés ideológico condenável e que tem por perversa consequência o hábito de relativizar ou amenizar o próprio posicionamento frente às grandes questões nacionais. Em outras palavras, uma doença cujo principal sintoma é o de procurar se posicionar como nem contra nem a favor, muito pelo contrário. De repetir que a solução de todos os problemas está no combate à miopia ‒ ou cegueira ‒ de que “eles” são acometidos e não naquilo que “nós” podemos fazer.

Algumas situações recentes me fizeram ver que meu organismo psíquico já havia sido infectado. Se, por exemplo, o foco das ações do Executivo e do Legislativo mostra ser estritamente econômico, ou seja, a defesa de reformas na pretensa busca do ajuste fiscal, meu cérebro começa imediatamente a indagar se não seria mais urgente equacionar antes as questões humanitárias e de responsabilidade social do governo. Começa, então, um interminável ir e vir de perguntas dentro da minha cabeça. Pior, mesmo quando as respostas são afirmativas, há sempre um “mas” ao qual posso recorrer para me eximir do enfrentamento das consequências de minha alienação.

As reformas são necessárias? Sim, mas não se pode jogar toda a responsabilidade pelo reequilíbrio das contas públicas nas costas da população e deixar intocados os privilégios das elites. Além disso, quem me garante que os indicadores de que as reformas são realmente necessárias são verdadeiros, se não houve transparência na divulgação do resultado das auditorias?

Não há outras opções a propor? Sim, mas ninguém quer se comprometer com a mudança de paradigmas. O raciocínio da maioria vai na linha do “ruim com ela [regra atual], pior sem ela”, principalmente quando se considera que o segmento populacional mais atingido é o de trabalhadores de baixa renda. Depois de mais de uma década de implementação de políticas assistencialistas para essa fatia da população, é como se mais ninguém se dispusesse a abrir mão do que julga ser um direito conquistado.

Se as reformas não forem feitas agora, haverá consequências negativas para todos no futuro próximo? Sim, mas a incerteza quanto à consistência e persistência dos projetos governamentais de longo prazo é velha conhecida da alma do brasileiro comum. Não escapa a ninguém a tradição secular de novos governos alterarem as regras depois de começado o jogo. E, na maior parte das vezes, constata-se a cada nova partida que os juízes apitam perigo de gol apenas quando o time do povo se aproxima da área. Já o time do andar de cima profissionalizou-se na apresentação de justificativas convincentes para gols marcados com a mão ou pênaltis não marcados. Além disso, o medo de enfrentar dias ainda mais difíceis já não assusta de fato, em especial quando o outro lado ‒ seja ele de que matiz for ‒ fica repetindo ad nauseam que é melhor entregar os anéis para não perder os dedos.

Se o tema do dia é a convocação de greve geral como protesto contra essas mesmas reformas, lá vai meu cérebro de novo criando um diálogo interno de doido: Pense bem, a greve não é um direito mundialmente reconhecido, já não demonstrou sua eficácia historicamente? Sim, mas a mobilização dos trabalhadores desta vez não surgiu espontaneamente, foi uma iniciativa dos sindicatos. Mas não é esse o caminho legítimo e natural das coisas no mundo do trabalho? Sim, mas acreditar que os dirigentes das centrais sindicais brasileiras estejam unicamente preocupados com a preservação de direitos de seus associados equivale a botar fé de que basta pendurar uma meia ao lado da chaminé para que Papai Noel nos presenteie com sua visita.

A população não poderia ter se antecipado a esses desastrosos desenlaces e saído às ruas, apresentado projetos mais condizentes com suas expectativas para dar fim ao desemprego, às desiguais condições de negociação com empregadores e amparar os cidadãos na velhice sem comprometer o orçamento da União? Sim, mas muitas pessoas, recém-escaldadas pela deturpação do projeto de medidas anticorrupção, agora sentem medo do balde de água fria que certamente lhes seria despejado sobre a cabeça no esforço de convencer deputados e senadores a subscreverem fielmente seus projetos.

Afinal, a paralisação foi um estrondoso sucesso ou tudo não passou de uma desculpa armada por um bando de “vagabundos” para não trabalhar na véspera do feriado? Foi mesmo uma greve à qual aderiram todos que conscientemente rejeitam cláusulas do projeto de reforma ou foi só mais um subterfúgio para vândalos desinformados descarregarem sua raiva?

Chego, finalmente, às questões-chave de legitimidade, credibilidade e representatividade dos propositores tanto das reformas quanto da greve geral. Não são todos eles sabidamente tidos como envolvidos em casos de corrupção, useiros e vezeiros na arte de destratar a coisa pública, legislar em causa própria, ignorar as verdadeiras demandas da população e não se preocupar em consultar os que serão impactados pela mudança? Sim, mas… fomos nós que os elegemos!

Será que algum dia nosso discurso e nossa prática cotidiana vão coincidir? Falando nisso, acabo de ler a notícia de que Lula amplia sua liderança nas pesquisas para a campanha presidencial de 2018, seguido de perto por Bolsonaro. Como sabiamente apontou o editor deste blog ainda outro dia, parece ser altamente improvável que aprendamos a curto prazo a lutar com lealdade quando nossos interesses são contrariados.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Feriado

José Horta Manzano

Li ontem que o tráfego estava pesado por causa do feriado. Feriado? Que feriado? Olhei pro calendário – que eu, teimosamente, ainda chamo de ‘folhinha’. Pensei: «Mas… o 15 nov° já passou. Que feriado é mesmo esse dia 20?»

Crédito: Jodi Cobb

Crédito: Jodi Cobb

Hoje de manhã, rádio e jornal me ensinaram. É celebração nova, eis porque eu não estava a par. Marca a data de falecimento do jovem Zumbi, figura controversa de cuja existência não há provas sólidas. Os estabelecimentos lusos em terras sul-americanas no século XVII não eram conhecidos por rigorismo documental. Poucos eram os que sabiam escrever. Pouca era a preocupação em deixar memória escrita, e pouco escrito deixaram.

O feriado novo me fez refletir sobre os tradicionais. Constatei que, com uma ou duas exceções, os dias em que assalariados ganham sem trabalhar rememoram alguma ruptura histórica, alguma conquista de grupo minoritário com relação à lei vigente. Senão, vejamos.

Festas cristãs
Natal, Páscoa, Na. Sra. Aparecida, Corpus Christi são elas. Essas festas parecem tão evidentes que deixam a impressão de que sempre existiram. Não é exato. Dois mil anos atrás, os seguidores do Cristo eram escassa minoria.

Considerados ‘iluminados’, eram gente disposta a dar a vida em sacrifício por um ideal. O grosso da população não concebia lógica nessa obstinação. Para os padrões da época, a doutrina introduzida por aqueles ‘destrambelhados’ representou, sem sombra de dúvida, uma ruptura e tanto.

TiradentesTiradentes
Aprendemos todos na escola: Tiradentes é o ‘protomártir’ da independência do Brasil. Um parêntese para comentar que o epíteto não é o mais adequado. Protomártir, em rigor, quer dizer o primeiro a sacrificar-se. Ora, vários cidadãos se tinham, por motivos vários, alevantado contra a metrópole bem antes do tira-dentes mineiro. Atribuir a ele a primazia é problemático. Fechemos o parêntese.

Para nossa história de hoje, pouco importa ter ele sido ou não o primeiro. Ao fim e ao cabo, a verdade é que o 21 de abril marca a mais vistosa tentativa de abolição do regime vigente. Seu objetivo era a ruptura.

Independência
Essa é moleza, todo o mundo sabe. Nos bancos escolares aprendemos que, depois de subir a serra em direção a São Paulo, o buliçoso e imprevisível Pedro, filho do rei, decidiu dar um golpe em família. Era um 7 de set°. Menosprezou as ordens do pai e autodeclarou-se ‘defensor perpétuo’ do território onde se encontrava. A rebeldia do jovem príncipe causou profunda e irreparável ruptura.

Marechal DeodoroRepública
Essa também nos ensinaram no grupo escolar. (Para quem não sabe, era assim que se chamavam os primeiros quatro anos do ensino elementar.) Num 15 nov°, o Exército Imperial Brasileiro – personificado na ocasião pelo general Deodoro da Fonseca – deu golpe militar, destituiu imperador, derrubou governo e rasgou Constituição. Se isso não foi ruptura…

Trabalho
O Dia Internacional dos Trabalhadores é consequência direta da Revolução Industrial, de fins do séc. XVIII. A máquina a vapor viu pipocar fábricas por toda parte e criou nova casta de cidadãos: os empregados assalariados. Nas primeiras décadas, aqueles trabalhadores eram tratados como se escravos fossem. Folga, feriado, pausa, aposentadoria, salário mínimo, segurança no trabalho eram noções desconhecidas.

De conquista em conquista, a classe trabalhadora conseguiu melhorar condições de trabalho e de remuneração. É o que se comemora no 1° de maio: a abolição dos resquícios de ordem feudal e a instituição da relação empregatícia. Uma ruptura e tanto.

ZumbiZumbi
No meu tempo, se aprendia que a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel em 13 maio 1888, marcava o fim da escravidão, uma senhora ruptura da ordem vigente. Foi guinada tão impactante que selou o destino do regime monárquico. De fato, um ano e meio mais tarde, ele seria derribado.

Confesso que me escapa a razão pela qual se parece querer atribuir ao falecimento do Zumbi importância maior do que à abolição da escravatura. Costumo passar ao largo de considerações ideológicas – principalmente quando amplificam o risco de dividir a população em castas do tipo «nós contra eles».

Há de ser por isso que não atino com o objetivo por detrás dessa recomendação que nos chega do andar de cima. Parece que não sou o único nesta situação. Outros também hesitam em abraçar valores que exaltam diferenças raciais.

A Lei n° 12.519, sancionada pela presidente da República em 2011, institui o Dia Nacional do Zumbi, mas não determina que o trabalho assalariado cesse nessa data. Dentre os mais de 5500 municípios brasileiros, apenas cerca de 1000 comemoram a data com feriado.

Detalhe curioso
O Quilombo dos Palmares, onde teria vivido o Zumbi, situava-se entre os atuais Estados de Alagoas e Pernambuco. Acredite o distinto leitor ou não: o 20 novembro não é dia feriado em nenhum dos municípios do Estado de Pernambuco.

V como Velocidade

José Horta Manzano

Sigismeno é boa gente, mas meio bobão. Embora seja muito aplicado, atencioso e curioso, a compreensão de certas coisas lhe escapa. Para compensar, o que lhe falta de cultura sobra-lhe de boa vontade. É um tipo agradável.

Hoje, logo de manhã, leu uma chamada do Estadão online que lhe deu nó nos miolos. A manchete associa o nome de Ayrton Senna ― o símbolo de um Brasil veloz e triunfante ― a um reles congestionamento de tráfego, símbolo de um Brasil lento e descrente.

Eu lhe expliquei que, assim que o glorioso campeão de velocidade sobre quatro rodas desapareceu num trágico acidente, seu nome havia sido dado à antiga Rodovia dos Trabalhadores. A intenção, naturalmente, era ligar o nome do corredor a uma estrada por onde se costumava transitar em alta velocidade.

Sigismeno, que não sabia disso, olhou-me muito espantado. Ele me perguntou por que tinham «desomenageado» (não reparem, Sigismeno inventa neologismos de vez em quando) todos os trabalhadores para homenagear um só. Quis saber se uma só figura podia ser mais importante que todos os outros reunidos. Fiquei sem saber responder.

Chamada do Estadão de 29 nov° 2013

Chamada do Estadão de 29 nov° 2013

Refletindo um pouco mais sobre o caso, concluí que realmente não faz sentido, numa cidade que se expande a cada dia, dar preferência a desnomear logradouros tradicionais para honrar novos ídolos. Teria sido tão mais simples dar o nome do campeão a, digamos, um novo bairro. Um bairro inteiro!

Além de não desonrar todos os trabalhadores do Brasil, traria vantagem adicional: afastaria o vexame de ligar o nome de Senna ao de um congestionamento de tráfego.

É comum e compreensível banir estátuas e homenagens a heróis caídos em desgraça. Na antiga União Soviética, estátuas de Stalin desapareceram. Naquele país, até uma cidade mudou de nome: Leningrado recuperou seu primitivo nome de São Petersburgo. No Iraque, a imensa escultura representando Saddam foi posta abaixo. Na própria cidade de São Paulo, logo em seguida à implantação do regime republicano, a Rua da Imperatriz virou 15 de novembro, enquanto a Rua do Príncipe tornou-se Quintino Bocaiuva.

Já faz quase 20 anos que a estrada mudou de nome. Mas só hoje Sigismeno se deu conta disso. Ficou deveras chocado com a confiscação do nome antigo, perpetrada em detrimento de todos os trabalhadores. Há de ser para confirmar a tradicional máxima: rei morto, rei posto. Mesmo assim, não faz sentido. Trabalhador nunca foi rei no Brasil.

Se Sigismeno chegar a alguma conclusão, eu lhe conto.