Carolina do Norte e Niterói

José Horta Manzano

Para quem está acostumado com o esquema 1 eleitor = 1 voto, o sistema eleitoral americano parece surpreendente. Como é que é? Não é o mais votado que vence? Pois é, não é necessariamente o mais votado que vence. Em cinco ocasiões, ao longo da história americana, aconteceu de o vencedor ser o candidato que tinha ficado em segundo no voto popular. Da última vez, foi justamente em 2016, quando competiam Donald Trump e Hillary Clinton. Para nós, é desnorteante. É o famoso “ganha, mas não leva”.

Tudo tem um porquê. Nos tempos de antigamente, quando o sistema foi instituído, o mundo era outro. Não havia internet, nem tevê, nem rádio, nem fax, nem telex, nem telefone. Não havia nem mesmo estrada de ferro. Ainda que o território fosse menos vasto que o de agora, os EUA já eram um país enorme. Viagens eram demoradas e penosas, por estradas poeirentas ou nevadas, em veículo a tração animal.

Por essa razão, ficou combinado que, a cada 4 anos, na hora de escolher o presidente do Executivo, os eleitores de cada estado federado escolheriam, por voto popular, uma comitiva de grandes eleitores, cujo papel era representar os eleitores do estado. No dia marcado, cada unidade da federação enviaria seu grupo de grandes eleitores à capital do país. Cada grupo levava o resultado do voto de seu estado. Na época, a solução era excelente: evitava transportar papéis, borderôs, livros ou urnas.

O tempo passou, muita coisa mudou. Hoje há rádio, tevê, telefone, internet. Viaja-se de trem, de carro, de avião. As mulheres têm (já faz tempo) o direito de votar. No entanto, acomodados com um sistema secular, os americanos hesitam em alterá-lo. A cada vez que a apuração se espicha e ameaça terminar nos tribunais, volta-se ao assunto. Em seguida, as coisas se acalmam e o assunto morre. Até a próxima eleição.

by Adam Zyglis (1982-), desenhista americano

Outra particularidade da eleição americana, surpreendente para um país avançado, é a lentidão da apuração. Neste ano de pandemia, a razão da demora foi o fato de grande parte do eleitorado ter dado preferência ao voto enviado por correio em vez de se arriscar a apanhar um vírus qualquer num local apinhado.

Os estados têm bastante autonomia para fixar as regras da apuração. Alguns deles só validam as cédulas que forem recebidas até o dia do voto nacional – o que me parece correto. Já outros reconhecem votos que cheguem mais tarde; a Carolina do Norte, um caso extremo, aceita votos que deem entrada até 12 de novembro (9 dias depois da eleição). Essa medida é uma maçada, na medida que trava a proclamação do resultado nacional.

Não acredito que o esquema de eleição indireta venha a ser modificado tão cedo. Mas ouso esperar que, com o objetivo de evitar a angústia deste 2020, as normas de aceitação de votos antecipados seja revista. Dependesse de mim, só os votos recebidos o mais tardar 3 dias antes do pleito seriam validados. Assim, a comissão de apuração já poderia começar a trabalhar antecipadamente, de modo que, no dia do voto final, o resultado final sairia rapidinho.

O que eu disse acima não passa de visão de espírito, pura opinião pessoal. Como diziam os gaiatos no Rio de antigamente: ‘não sou daqui, sou de Niterói’(*).

(*) São palavras de um samba de Ataúlfo Alves e Wilson Batista, lançado em 1941 por Aracy de Almeida. No youtube aqui.

De vacinas

José Horta Manzano

Lê-se a todo momento que a vacina contra a covid está para sair. Russos, chineses, americanos, europeus e até indianos dedicam-se seriamente ao assunto. Cada semana, aparece notícia animadora sobre a vacina: a russa está no ponto; na China só falta o derradeiro teste; os americanos afirmam que a deles estará no mercado antes do Natal. E assim por diante. Tanto falam nisso, que a gente acredita que, sim, um dia virá a vacina.

Algo me escapa, porém. A covid é causada por vírus, um bichinho minúsculo que até sob as lentes potentes de um microscópio eletrônico aparece como uma mancha embaçada, não é? A aids também é dano causado pour outro terrível vírus, pois não? Ora, esta última enfermidade se espalhou pelo mundo inteiro a partir do fim dos anos 70, ou seja, 40 anos atrás. Desde então, muitos laboratórios de pesquisa vêm se dedicando a fabricar uma vacina. Passados 40 anos, não conseguiram.

Como é que é possível ter tanta certeza de que estará disponível, em um ano, vacina eficaz contra a covid, quando se sabe que, no caso da aids, não se conseguiu em quarenta anos?

Faço votos para que encontrem rapidamente (mesmo porque, pessoalmente, no teste de múltipla escolha dos grupos de risco, assinalo três ou quatro quadradinhos). Assim mesmo, sem querer ser profeta de desgraça, fico dubitativo. Vamos torcer.

Boa posição

José Horta Manzano

Artigo do jornal sueco Nyheter 24 dá as mais recentes estatísticas da periculosidade do tráfego. O estudo se concentra nos dez países que apresentam o maior número absoluto de mortos na circulação. Nosso país ostenta um honroso terceiro lugar. Aqui está a lista dos dez países onde é mais perigoso dirigir:

Índia          150.000 mortos por ano
China           58.022 mortos por ano
Brasil          38.651 mortos por ano
USA             35.092 mortos por ano
Indonésia       31.282 mortos por ano
Tailândia       21.745 mortos por ano
Rússia          20.308 mortos por ano
México          16.039 mortos por ano
Irã             15.932 mortos por ano
África do Sul   14.071 mortos por ano

Para um estudo mais refinado, é preciso levar em conta o número de habitantes de cada país. Na análise final de mortes por 100 mil habitantes, nosso país perde uma colocação. Mas ainda aparece em quarto lugar, bem à frente de países mais adiantados. Veja:

Tailândia     31,4 mortos por 100 mil habitantes
África do S.  24,2 mortos por 100 mil habitantes
Irã           19,2 mortos por 100 mil habitantes
Brasil        18,2 mortos por 100 mil habitantes
Rússia        14,1 mortos por 100 mil habitantes
México        12,1 mortos por 100 mil habitantes
Indonésia     11,6 mortos por 100 mil habitantes
Índia         10,9 mortos por 100 mil habitantes
USA           10,7 mortos por 100 mil habitantes
China          4,1 mortos por 100 mil habitantes

Atenção: O estudo se limita aos dez campeões, ou seja, àqueles países que registram o número absoluto mais elevado de mortos em acidentes da circulação. Não computados neste estudo, certos países africanos ostentam taxas astronômicas quando se analisam os mortos por 100 mil habitantes. Alguns ultrapassam 50 mortos por 100 mil habitantes, o triplo da mortandade brasileira, uma verdadeira hecatombe.

Como curiosidade, note-se que os países que registram o menor número absoluto de mortos na estrada são a Islândia, a Jordânia e a Líbia. Por falta de habitantes e/ou de veículos.

Em todas as línguas

José Horta Manzano

News, Austrália

Clarín, Argentina

Der Spiegel, Alemanha

De Redactie, Bélgica

Nachrichten, Áustria

Le Monde, França

The Guardian, Inglaterra

Nova, Bulgária

El Comercio, Peru

Deník, República Tcheca

La Repubblica, Itália

De Morgen, Holanda

TVN24, Polônia

Público, Portugal

Stiri, Romênia

Agência Tass, Rússia

Sveriges Radio, Suécia

Tages Anzeiger, Suíça

Bir Gün, Turquia

Hrodmadske, Ucrânia

The Washington Post, EUA

Channel News Asia, Singapura

South China Morning Post, Hong Kong (China)

Cuba Sí, Cuba

Radio New Zealand, Nova Zelândia

Al Jazeera, Catar

HVG, Hungria

Telegram, Croácia

Irish Times, Irlanda

15min, Lituânia

Politis News, Grécia

Dagens Næringsliv, Noruega

DW, Indonésia

EWN, África do Sul

El Universal, Venezuela

Frase do dia — 250

«Dilma encerra a viagem pela bela Califórnia. Irá à Universidade Stanford, ao Centro de Pesquisas da Nasa e à sede do Google onde, se tiver sorte, dará um passeio e tirará boas fotos nos carros inteligentes. Um carro sem marchas, sem espelhos, sem volante – e sem motorista. Mais ou menos como o atual governo brasileiro, mas não aos trancos e barrancos.»

Eliane Cantanhêde, em sua coluna do Estadão, 28 jun 2015.

Rapidinha 15

José Horta Manzano

Ninguém nasce sabendo. Tirando insetos, micróbios, protozoários e afins, todos temos algo a aprender. Animais inferiores já nascem sabendo tudo o que lhes será necessário para sobreviver. O homem, não.

Para isso estão aí a família e a escola. Independentemente das aptidões inatas de cada um, a orientação familiar e a qualidade do ensino exercerão pesada influência na construção da personalidade.

Recente pesquisa levada a cabo pela National Science Foundation trouxe revelações surpreendentes. Uma quarta parte dos 2200 americanos entrevistados imagina que o Sol gire em torno da Terra. As lições de Galileu, Kepler e Copérnico ainda não foram assimiladas.Sistema solar

Pior que isso: menos da metade dos pesquisados sabia que o ser humano é produto da evolução das espécies. Assim como os astrônomos pioneiros, tampouco Darwin conta com amplo reconhecimento por aquelas bandas.

Será burrice? Será atraso? Não me parece que o caminho seja esse. Tenho tendência a crer que o problema maior esteja na ideologização do aprendizado. Em muitas familias ― e em muitas escolas ― o integrismo de fundo religioso passa à frente da Ciência.

Ideologia e Educação não fazem necessariamente boa companhia.