Ocultação de crime

José Horta Manzano

Chamada do Estadão, 22 jul° 2016

Chamada do Estadão, 22 jul° 2016

Na máfia, essa atitude é conhecida como omertà(*). Criminoso apanhado pela Justiça mente para cobrir e proteger um superior. Faz parte dos códigos da bandidagem.

Em terras civilizadas, isso se chama não denunciação de crime (ou ocultação de crime ou ainda obstrução de Justiça), ato que costuma ser reprimido e punido pela lei. Na hipótese mais benigna, será considerado fator agravante de outros crimes. Como reagirão os juízes de Curitiba?

(*) Nota linguística
Omertà é palavra presente em dialetos do sul da Itália, especialmente em napolitano. É a maneira local de dizer umiltà (= humildade). A Lei da Humildade é outro nome da Lei do Silêncio. Segundo ela, bandido não tem o direito, em nenhuma hipótese, de denunciar comparsa. É obrigado a calar-se, evitando, assim, que o companheiro seja apanhado pela Justiça.

Na mafia siciliana, na camorra napolitana e na ‘ndrangheta calabresa, quem entregar companheiro tem o destino selado: mais cedo ou mais tarde, será despachado desta para melhor.

Na organização criminosa que se apoderou de nosso andar de cima, porém, as regras são mais flexíveis: a Lei do Silêncio transformou-se na Lei do Salve-se Quem Puder. Afinal, o brasileiro é, antes de tudo, cordial. Ou não?

Hipocrisia

José Horta Manzano

Desde que o mundo é mundo, espia-se o próximo. Desde a esposa que remexe nos bolsos da calça do marido (e vice-versa) até altas esferas do governo do país A que bisbilhota os assuntos internos do país B. Desde o mordomo que escuta atrás da cortina, como nos filmes, até organizações oficiais ― complexas, estruturadas e gordamente financiadas ― especializadas no ramo.

Sempre foi assim e sempre será. No entanto, em nome da coabitação harmoniosa, convém tomar cuidado para manter a discrição. Seja debaixo do teto familiar, seja entre países. Assim como os mafiosos, os espiões também têm sua omertà, seu código de conduta.

Embora não se faça muito alarde sobre o assunto, a cada ano são organizadas em vários países (inclusive no Brasil) dezenas de feiras e exposições especializadas em armamentos. Expõem-se revólveres, carabinas, espingardas, bombas de fragmentação, minas antipessoais, até tanques de guerra. As balas são apresentadas em estojos almofadados. Coisa de louco.

Faz algum tempo, num salão desse tipo organizado em Paris, descobriu-se que os chineses haviam montado, no interior de seu estande, uma complexa central de escuta telefônica. Conseguiam captar todas as comunicações que circulassem via telefone celular no recinto da feira. Alguns poucos jornalistas ficaram sabendo. Para evitar um incidente diplomático, o Estado francês fez questão de abafar o acontecido. Ficou tudo por isso mesmo.

A História (não) registrou milhares de outros episódios de mesmo tipo. Dar publicidade a certos fatos pode ser mais danoso do que fazer de conta que não aconteceu.

Interligne 34e

Estes dias, um jovem com vocação para salvador do mundo tomou a ousada decisão de subir ao telhado para anunciar que espiões espionam. Não contou nenhuma novidade, o infeliz. Nada disse que especialistas no assunto já não soubessem. Mas rompeu velho acordo tácito, atributo básico da velha profissão de espião: manter a discrição a todo custo.

Os países espionados ― os quais, sejamos claros, também se espionam entre si ― mostraram-se indignados. «Oh! Como é possível? Entre amigos?» Esqueceram-se todos de que até marido e mulher cometem a mesma incorreção. Mutuamente, às vezes.

Aeroporto Шереметьево Chirimiêtiva Moscou, Rússia

Aeroporto Шереметьево Chirimiêtiva
Moscou, Rússia

Enfim, cada um tem de representar seu papel nesta grande comédia planetária. Ao mesmo tempo que juram respeito e amizade eterna, todos os países transgridem como podem. Espionam-se uns aos outros na medida da tecnologia de que cada um dispõe. Quando um é apanhado com a boca na botija, vem a grita generalizada: «Céus! Nunca esperava isso de você!».

Quanta hipocrisia! No final, vai ficar tudo por isso mesmo. O mundo não vai acabar. O infeliz denunciante, que tenha feito isso por ingenuidade ou por estrelismo, será o único prejudicado.

Que seja acolhido no Equador, na Venezuela ou no Sultanato de Omã, está condenado a viver em aflição permanente até o fim de seus dias. Terá palpitações a cada vez que tocar o telefone ou a campainha de casa. Não se quebram as regras do métier impunemente.

Interligne 34a

Preguiça mental
O site Wikileaks informa que o jovem imprudente enviou pedido de asilo a mais de 20 países. Não sei se por erro de digitação ou por ignorância, a nota informa que o Consulado Russo (sic) no Aeroporto de Шереметьево(*) está despachando os pedidos às embaixadas que os países solicitados mantêm em Moscou. Consulado russo em Moscou? É tão incongruente quanto falar de um consulado brasileiro em Brasília. Vivendo e aprendendo…

Mas não pára por aí. Os funcionários de plantão na Folha de São Paulo e no Estadão, meio sonolentos, repercutiram a informação tal qual a receberam. Engoliram sem mastigar. Confirmam todos a existência de um consulado da Rússia dentro da própria Rússia.

Mundo, mundo, vasto mundo…

 .

(*) Шереметьево = Na Rússia, a pronúncia “Cheremetiêvo” é considerada inculta. Faça como os moscovitas, diga Chirimiêtchiva, numa pronúncia proparoxítona.

Brasil em miniatura

José Horta Manzano

Acho que todo o mundo conhece a jornalista e escritora Danuza Leão. Dispensa apresentações. Pode-se gostar do que ela escreve, mas também é permitido não apreciar. Liberdade é igualmente concedida aos que acham que seus escritos não fedem nem cheiram.

Quanto a mim, encontro pelo menos uma qualidade em seus textos: são espontâneos, um desabafo, como uma conversa na sala. Mas não vamos discutir aqui de gosto, que não é o propósito do post de hoje. Afinal, de gustibus non disputandum.

Li sua última coluna, publicada na edição online da Folha de São Paulo de 24 de fevereiro. Desde o começo, uma sensação de déjà vu me incomodou. Não era bem a lembrança de algum texto antigo, nada disso. Nenhuma cópia, nenhum plágio à vista.

É que a situação que, segundo Danuza, domina o Country Clube do Rio de Janeiro me fez obrigatoriamente enxergar aquela associação como um Brasil em miniatura. Vou explicar.

Naquele clube, polícia não entra. É território protegido. As prerrogativas dos sócios são sagradas. Na atual nomenklatura brasileira a situação é análoga. Parlamentares e mandachuvas são intocáveis.

Para ser aceito no clube, o novo sócio tem de pagar uma joia. Nas altas esferas da república brasileira também funciona assim. Um partido de aluguel, por exemplo, representa uma joia de valor inestimável, que pode abrir a seu proprietário as portas do andar de cima.Brasilia 1

A associação descrita por Danuza está formada por «gente que não tem coragem de se expor, e passa a vida almoçando, jantando, casando, traindo, roubando, dando pequenos golpes dentro da própria família, protegida pelas paredes do clube». Qualquer semelhança com a classe que, nestes tempos estranhos, controla a política nacional não será mera coincidência.

A partir do momento em que entra no clube descrito pela escritora, o novo sócio estará obrigado a respeitar a «omertà»(*), a lei do silêncio. Dentro do clube, tudo pode. De novo, se algo lhe parecer vagamente semelhante ao que se passa nos elevados círculos do Poder no Brasil, não será apenas uma impressão: é igual mesmo.

Faz alguns anos, Roberto Jefferson chegou a balançar o coreto. Mas foi tremor pequeno. Para inglês ver, alguns figurões foram afastados. Mas o grosso continua lá em cima. O coreto ainda está de pé, firme e forte como antes.

Danuza termina sua crônica dizendo que «é de chorar». Concordo.

.

(*) O termo omertà, que designa um dos preceitos inelutáveis dos mafiosos, é uma variante dialetal da palavra italiana umiltà, que corresponde, à nossa humildade.