Barcelona e os atentados

José Horta Manzano

Nestes últimos cinquenta anos, nenhum país europeu sofreu tantos atentados quanto a Espanha. Os mais jovens talvez não se deem conta, mas o violento bando separatista ETA (Euskadi ta Askatasuna = País Basco e Liberdade), especialmente ativo nos anos 70, 80 e 90, terrorizou a nação ao cometer mais de 700 atentados, que deixaram centenas de mortos e milhares de feridos.

O grupo combatia o governo central espanhol e batalhava pela independência das províncias bascas ‒ região de Bilbao, San Sebastián e Biarritz (França). Noventa porcento do território basco se situa na Espanha e os dez porcento restantes, na França. A organização está hoje praticamente extinta. Mataram muita gente, causaram muita desgraça, mas não conseguiram o que queriam.

Esquema do atentado mais espetacular perpetrado por ETA. Foi em 1973, quando forte quantidade de explosivos projetou o carro do chefe do governo espanhol a uma altura de 30 metros.
Clicar para ampliar.

Em meio século de experiência em matéria de ataques terroristas, a polícia espanhola desenvolveu técnicas específicas, especialmente de prevenção de atentados. Uma vez explodida a bomba, é tarde demais. É importante agir a montante, na origem, antes que o atentado seja perpetrado. Por mais prática que tenha, nenhuma polícia será capaz de prevenir todos os atentados, mas o exercício constante contribui para inibi-los.

Estes últimos anos, tem-se exacerbado um sentimento nacionalista na Catalunha, região autônoma com território pouco mais extenso que o do Estado de Alagoas, povoada por sete milhões e meio de almas. A cidade capital é Barcelona. Dado que a Catalunha exibe um dos PIBs mais elevados da Espanha, seus habitantes têm a impressão de servir de locomotiva e de trabalhar para sustentar o resto do país.

Não se dão conta de que esse «resto do país» é justamente seu maior cliente. Não percebem que uma eventual (e improvável) independência lhes traria muito mais problemas do que vantagens. O «resto do país», por certo, não lhes facilitaria a existência. Muitas indústrias catalãs abandonariam o recém-criado estado para estabelecer-se na Espanha. Dificilmente seriam aceitos pela União Europeia, visto que o ingresso de novos membros depende de aceitação unânime e a Espanha, imagina-se, votaria contra.

Bandeira independentista da Catalunha

A hostilidade entre Catalunha e as demais regiões tem crescido nos últimos anos. Uma das consequências é o menor entrosamento entre a polícia nacional espanhola e a polícia local catalã. Quando o contacto é tenso, problemas aparecem, a linha crepita e a circulação da informação sofre. Seria exagerado afirmar ser essa a causa principal de os recentes atentados terem sido planejados e executados em território catalão. Há outras razões. Assim mesmo, um bom entrosamento entre forças policiais sempre ajuda.

Daqui a mês e pouco, as autoridades catalãs vão organizar um plebiscito ‒ não autorizado por Madrid ‒ para consultar os habitantes sobre a independência. Os recentes atentados devem levar alguns eleitores à conclusão de que a união faz a força. Essa reflexão os pode impelir a votar pela união. Será decisão sensata.

Daqui ninguém me tira

José Horta Manzano

A Rússia é o maior país do planeta. Sua superfície equivale a dois Brasis. Com tanto espaço para população relativamente pequena ― de uns 140 milhões de habitantes ― convém perguntar por que razão se batem pela Crimeia.

Por que fazem tanta questão de conservar um território exíguo, do tamanho do pequenino Estado das Alagoas? Seriam os russos gananciosos a ponto de tomarem à força um pedaço de terra estrangeira, assim, sem mais nem menos, pelo prazer de aumentar seu próprio território? Que diferença faz acrescentar 27 mil km2 a um país que já dispõe de 17 milhões de km2? A Crimeia, afinal, não tem petróleo, nem ouro, nem urânio.

O buraco é mais profundo. Por grande que seja, a Rússia tem um problema antigo de difícil solução: seu imenso território é encravado, a porta de saída é estreita. Com exceção de alguns trechos, suas costas estão expostas a mares frios, daqueles que congelam no inverno e dificultam ou impedem a navegação.

Faz séculos que o governo russo tenta por todas as maneiras estender suas costas a águas mais clementes. Cada quilômetro de beira-mar livre de gelo agregada ao território representa uma vitória.

O avanço em direção ao sul é o objetivo maior do Estado russo. Em todas as guerras que o país travou, o butim mais significativo foi sempre a conquista de mais uma franja de costa. Foi o que aconteceu ao final da Guerra Russo-Finlandesa e da Segunda Guerra Mundial. Cada uma delas aumentou a exposição do país a mares temperados.

Rússia e península da Crimeia

Rússia e península da Crimeia

Pois a Crimeia entra nessa linha. Banhada pelo Mar Negro, situada a uma latitude de 45 graus, tem suas costas livres de gelo o ano inteiro. Do ponto de vista estratégico, é uma das joias da coroa. Para Moscou, aquela peninsulazinha vale ouro.

De qualquer maneira, era território russo até 1954, quando foi atribuída à Ucrânia por decisão burocrática tomada em Moscou. Na época, como a Rússia e a Ucrânia faziam parte da União Soviética, essa redefinição de fronteiras internas não trazia consequência. Hoje não é mais assim. Mas frise-se que a população daquele território ainda é majoritariamente de origem e de língua russa.

Os EUA e a UE podem reclamar, ameaçar, espernear ― não vai adiantar. Exagerando nas tintas, eu diria que é mais fácil os russos entregarem um pedaço da Sibéria que a Crimeia. Os estrategistas do mundo inteiro sabem disso. O que se vê estes dias não passa de jogo de cena. A Rússia lá está e lá continuará «duela a quién duela». (*)

Interligne 23

(*) Nota em atenção aos mais jovens
Em 1992, quando de uma entrevista à televisão argentina, Collor de Mello ― então presidente do Brasil ― soltou uma joia de puro portuñol. Querendo afirmar que todos os corruptos seriam desmascarados e punidos, traduziu ao pé da letra nossa expressão “doa a quem doer”. Ficou incompreensível para ouvidos castelhanos. Foi um desastre.

Stop novelas, please!

José Horta Manzano

Tevê: não me identifico

Tevê: não me identifico

Percorrendo as manchetes dos jornais brasileiros online deste sábado, levei um susto. O Correio Braziliense informa que mais de 2/3 dos brasileiros não se identificam com a programação de tevê. Ué, como é possível? Dizem que nove em cada dez telespectadores seguem fanática e religiosamente as novelas. Parece até que um antigo presidente da República não costumava perder nenhum capítulo. A coisa me pareceu fora de esquadro.

O Correio dava como fonte a Agência Brasil. Fui conferir. De fato, o despacho original tinha sido transcrito ipsis litteris, com todas as vírgulas, os esses e os erres. A agência cita a Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, como autora da pesquisa. Dado que essa fundação não faz parte dos institutos de sondagem de opinião pública tradicionais ― Ibope, Ipsos, Datafolha ― continuei a puxar o fio da meada.

Cheguei ao site da fundação. Curiosamente, não aparece ali menção à pesquisa cujo resultado a própria instituição acaba de publicar e difundir.

Não precisa ser doutor em psicologia para entender que, dependendo das perguntas e de como forem formuladas, pode-se induzir o entrevistado a dizer aquilo que queremos ouvir.

Tevê: não aguento mais!

Tevê: não aguento mais!

Tem mais. Para que se possa avaliar a seriedade de uma sondagem, é necessário saber qual foi o universo abrangido pela pesquisa, quais foram as perguntas, quantos indivíduos foram entrevistados e como foram escolhidos. Nada disso aparece neste 17 de agosto no site da fundação. Repito que os resultados da consulta foram publicados ontem, dia 16.

Tudo muito estranho. Esses números, lançados assim ao vento, vão na contramão do bom-senso. É descabido afirmar que, numa terra onde a esmagadora maioria não perde um capítulo de novela, 2/3 dos telespectadores «não se identificam» com a programação. Desconfiado, quis saber um pouco mais sobre a Fundação Perseu Abramo.

No site, não consegui encontrar os estatutos ― talvez não lhes interesse expô-los, assim, ao primeiro bisbilhoteiro. Mas o histórico se encarrega de nos esclarecer. Está lá, com todas as letras:

Interligne vertical 7«A natureza da Fundação, como instituição de direito privado, instituída pelo Partido dos Trabalhadores mas com autonomia jurídica e administrativa, com sede em São Paulo, mas de âmbito nacional, “tendo como fins a pesquisa, a elaboração doutrinária e a contribuição para a educação política dos filiados do Partido dos Trabalhadores e do povo trabalhador brasileiro”.»

Pronto, agora ficou claro e explicado. A «pesquisa», apresentada como verdade lapidar, emana de uma fundação cuja finalidade explícita é a educação doutrinária dos filiados de um partido politico. Se realmente pesquisa houve, fico eu a imaginar quem terão sido os entrevistados e como terão sido formuladas as perguntas. Digo bem: se pesquisa foi levada a cabo.

Quando o resultado de uma consulta diverge a tal ponto da realidade perceptível, fica difícil acreditar. Até a velhinha de Taubaté, se viva fosse, ficaria desconfiada.

Por detrás dessa ― digamos francamente ― desajeitada jogada de marketing, está uma das ideias fixas dos que nos conduzem há pouco mais de dez anos: cercear a liberdade de expressão e fazer que a mídia difunda unicamente o que a eles interessa. Além de irritante, essa insistência padece de dois defeitos maiores: é ilógica e perigosa.

Televisor com imagem adequada

Tevê:  imagem adequada

Ilógica? Pois, sim. Ressalte-se que tanto Collor quanto Sarney (aquele brasileiro que não pode ser tratado como pessoa comum, lembram?) são, ao mesmo tempo, sustentáculos do atual governo e concessionários de um império midiático.

A família Collor de Mello é proprietária da TV Gazeta de Alagoas, afiliada à Rede Globo. É dona também de jornal, de estações de rádio, de sites internet e… de um instituto de pesquisa. A família Sarney possui a TV Mirante do Maranhão, afiliada à Rede Globo. Um jornal e outras emissoras completam o império.

Perigosa? Pois, sim. Os atuais mandachuvas federais certamente imaginam eternizar-se no poder. Controlando a mídia, o círculo estará fechado. O poder segura a mídia e a mídia segura o poder. Uma espécie de bolivarianismo tupiniquim. Mas… e se um milagre de São Benedito fizer que a atual maioria seja mandada para o vestiário? Os novos ocupantes das altas esferas terão à sua disposição uma mídia servil. O feitiço pode virar contra o feiticeiro.

Se eu tivesse de dar um conselho à fundação que se transmutou em instituto de pesquisa de opinião, lembraria a eles que é melhor não brincar com fogo. Criança que brinca com fogo faz pipi na cama. E pode até se queimar.

Interligne 18h

De última hora
Acaba de me ocorrer uma interrogação. Quantos, dos supostos entrevistados, conheciam o significado de «identificar-se» com algo ou com alguém? Não são muitos os brasileiros familiarizados com essa palavra. Na maior parte dos casos, desde que pesquisa tenha realmente havido, o entrevistador deve ter sido obrigado a traduzir a frase para um vernáculo mais elementar. Quais terão sido os termos empregados? Seria interessante ficar sabendo. Em resumo: quais terão sido as verdadeiras perguntas? Um doce a quem descobrir.

Quanta ingenuidade!

José Horta Manzano

Nascido nas Alagoas em 1956, Aldo Rebelo, o atual ministro do Esporte já teve tempo de sobra para criar juízo. Suas mais recentes declarações tendem a provar que ainda lhe falta um pedaço de caminho a percorrer.

Sua opção pelo partidão (PC do B) fazia sentido quando a ele se afiliou, nos já longínquos anos 1970. Hoje em dia ― após a débâcle da URSS e a transformação da China em economia de mercado ― sua persistência nos mesmos ideais é mais difícil de explicar. Mas cada um tem suas convicções e há que respeitá-las. O ministro é a prova tangível de que, de vez em quando, ainda aparece algum dom-quixote.

Quando deputado, Rebelo apresentou projetos de lei um tanto desfocados. É dele a estranha ideia de coibir o uso de estrangeirismos a fim de «proteger» a língua portuguesa.

Não ocorreu ao nobre deputado que, assim como as gentes, as palavras também migram, vão daqui pra lá e vêm de lá pra cá. É justamente isso que faz a riqueza das falas e lhes dá vigor. Além do que, quando uma língua precisa ser protegida, é sinal de que está moribunda, com um pé na tumba. Não é o caso da variante de português falada no Brasil.

Aldo Rebelo ― Ministro do Esporte

Aldo Rebelo ― Ministro do Esporte

O deputado já tentou também fortalecer o saci-pererê em detrimento de bruxas importadas. Elaborou projeto para instituir o dia oficial do negrinho de uma perna só. Gostaria ele que caísse no 31 de outubro, justamente para resguardar o Brasil contra a insuportável ingerência estrangeira representada pelo Halloween.

Outra travessura do simpático homem político foi tentar, por meio de lei, obrigar que o tradicional pão francês ― aquele tradicional pãozinho de padaria ― passasse a conter uma certa porcentagem de raspa de mandioca misturada à farinha de trigo.

Como se vê por essa sucinta olhadela, o homem é adepto da maneira forte e radical: a imposição vem de cima, por lei, e não se fala mais nisso. Como nos bons velhos tempos do camarada Stalin, ah! que saudades…

O ministro do Esporte é, como se vê, pessoa sensível e sobretudo susceptível. Ano passado, ao captar numa declaração do secretário-geral da Fifa uma alusão ofensiva aos brios do País, não hesitou em proscrever o estrangeiro e em declará-lo persona non grata.

Não se conhecem as circunstâncias claras, mas deve ter levado um puxão de orelhas. Enquadrado, deixou o dito pelo não dito. Razões de Estado costumam ser mais convincentes que susceptibilidades. O secretário-geral da Fifa continua circulando livre e solto pelo País.

Como sabemos todos, o ministro do Esporte está no olho do furacão com relação aos eventos esportivos planetários que terão lugar em futuro próximo no Brasil. Segundo reportagem do Estadão, Aldo Rebelo mostrou sua preocupação com o alto valor cobrado pelos ingressos nos novos estádios ― curiosamente chamados de arenas, num atentado contra a língua digno de empalidecer qualquer ministro.

Ora pois, o idiota devo ser eu. Não posso imaginar que os mandachuvas brasileiros que negociaram a famigerada «Lei da Copa» com os controversos dirigentes da Fifa tenham negligenciado a fixação do preço dos ingressos. Se até na caxirola pensaram, não me parece cabível que tenham esquecido de combinar qual seria o preço das entradas.

Que reflete, então, a fala do ministro? Falsa ingenuidade? Ou, pior, confissão de incompetência?Interligne 35

O ministro reincide
Acabo de ler no Estadão desta quinta-feira notícia que vem bem a calhar. Agora o espantalho são os hotéis. Parece que os organizadores dos eventos se esqueceram de combinar com os hospedeiros também. O ministro adverte que, em caso de preços abusivos, «a mão pesada do poder publico vai agir». Bota peso nisso, coronel!

Primeira consideração: hotéis são entidades comerciais privadas. Praticam os preços que lhes parecerem convenientes. Cada hóspede é livre de alojar-se onde bem lhe aprouver.

Segunda consideração: o ministro não explicou o que vem a ser «preço abusivo». Conviria deixar a coisa mais clara.