Os exames do presidente

José Horta Manzano

A divulgação dos exames que o presidente fez para detectar coronavírus desconforta os brasileiros aflitos. Responde a dúvidas, mas leva a reflexões.

Era verdade
Já em março, este blogueiro tinha levantado a hipótese de que doutor Bolsonaro pudesse ter sido infectado pelo vírus e que, após ingerir comprimidos de Plaquinol (=cloroquina), estivesse atribuindo sua cura a essa molécula. O esperneio destas últimas semanas confirma amplamente a hipótese, se não da cloroquina, pelo menos da contaminação. Tivessem os testes de março dado resultado negativo, teriam sido publicados imediatamente. E com orgulho de “atleta” invulnerável. Não vieram a público então, o que nos permite duvidar da veracidade dos que acabam de sair. Quem é que já não viu atestado falso assinado por médico de verdade? Quando é para o presidente, então, deve ter fila pra assinar.

Numeração
Uma semana atrás, escrevi um artigo sobre a estranha propensão presidencial de numerar as pessoas de seu entorno. Considerando que seus quatro filhos homens já ocupam as primeiras posições (01, 02, 03 e 04), eu estava curioso de saber que número o doutor teria reservado para si. Seria talvez 00? Não era. O teste do coronavírus (que ele jura ter dado negativo) revela que o capitão, como bom chefe de clã, põe os filhos à frente. Um dos laudos foi feito sob o “codinome” 05. Brasil acima de tudo e a famiglia acima de todos! –, que ninguém é trouxa.

O Estadão não hesitou: mandou brasa.

Sinônimos?
Palavras parecidas nem sempre são perfeitamente sinônimas. Há várias maneiras de designar um nome inventado. Pode ser pseudônimo, apelido, alcunha, apodo, nick – sem contar variedades eruditas como heterônimo, epíteto, cognome, alônimo, criptônimo ou o assustador onomatópose. Há ainda o curioso codinome, cunhado a partir do inglês code + name = nome de código. Cada falante escolhe as palavras que prefere, mas é bom tomar cuidado com codinome. Nos anos 1970, esse termo estava muito em voga pra designar terroristas. De doutora Dilma, afirma-se ter usado diferentes codinomes, entre eles Wanda e Iolanda. Se puder evitar, evite. A menos que esteja se referindo a organização criminosa. (Há quem jure haver uma, instalada no Planalto.)

Frase do dia — 308

«Obstrução de Justiça ao tentar evitar delações premiadas contra amigos e contra si, ocultação de patrimônio no caso do sítio e do triplex, suspeita de palestras fictícias para empreiteiras, envolvimento do filho na Zelotes… tudo isso, que já não é pouco, é apenas parte da história. Os investigadores estão comendo o mingau pelas bordas, até chegar ao centro, fervendo.

No centro, podem estar as perigosas relações do Lula com o exterior, particularmente com Portugal, Angola, Cuba e países vizinhos. E o calor vem da suspeita – com a qual a força-tarefa da Lava a Jato trabalha – de que Lula seja o cérebro, o chefe da “organização criminosa”.

No mensalão, ele passou ao largo e José Dirceu aguentou o tranco. No petrolão, pode não ter a mesma sorte – nem escudo.»

Eliane Cantanhêde, em sua coluna do Estadão, 31 jul° 2016.

Já acabou

José Horta Manzano

Inimigas 1Em entrevista concedida à jornalista Eliane Cantanhêde, dona Marta Suplicy – figurinha carimbada e assaz longeva do petismo – declarou que «ou o PT muda ou acaba». Causou frisson no partido. Passadas 24 horas, os líderes atuais ainda estão discutindo o teor da resposta.

O amargor de dona Marta é compreensível. Nos tempos áureos em que caminhava sobre tapete vermelho, ganhava eleição e era prestigiada no partido, a vida lhe parecia mais doce. Não deu nem um pio quando estourou o escândalo do mensalão. Continuou calada quando companheiros foram condenados à prisão fechada.

Sua contribuição maior ao folclore político brasileiro – aquela que marcará sua biografia – foi a frase pronunciada em jun° 2007, no auge da crise da aviação conhecida como apagão aéreo. Nove entre dez brasileiros pensantes se lembrarão de sua declaração debochada: «Relaxa e goza!». Raras foram as figuras políticas capazes de despertar, com três palavras, reprovação instantânea, nacional e unânime. Dona Marta realizou a façanha.

Dilma e MartaSua bronca com o partido é relativamente recente. Desde que o Lula, seu padrinho, deixou a presidência, os holofotes se desviaram pouco a pouco da senadora. Pra reverter a situação, ela bem que tentou algum golpe de estrelismo. Não funcionou. É situação pra lá de frustrante para quem se afiliou ao partido 35 anos atrás.

Pra pôr a coisa em termos polidos, direi que dona Dilma e ela não são exatamente amigas do peito. Desbocada como criança mimada, Marta pisoteou muita gente e colecionou inimizades. Nos próximos quatro anos, sua probabilidade de obter posto de destaque são franzinas. Desesperançada com a falta de perspectiva, a senadora – que completará 70 anos daqui a dois meses – resolveu chutar o pau da barraca.

Inimigas 1«Ou o PT muda ou acaba» – foi o que disse. Tenho o embaraçoso dever de lembrar à senadora que, como partido, o PT já acabou faz mais de dez anos. A antiga agremiação que lutava contra roubalheira e injustiças se degenerou, se abastardou, se desnaturou. Pulou a cerca e exibe hoje perfil de organização criminosa.

Já faz tempo que o Brasil inteiro entendeu a metamorfose desse curioso partido. Está na hora de dona Marta também reconhecer a realidade.

Interligne 18b

A contar desta semana, a jornalista Eliane Cantanhêde passa a assinar uma coluna no Estadão. Suas análises aparecerão três vezes por semana. O link permanente está anotado na coluna da direita, no tópico meus links preferidos.