O Brasil e a pobreza da Guiné

José Horta Manzano

Confesso que sinto dificuldade pra acompanhar a linha de ação de nossa diplomacia.

Levando em conta o princípio básico de que diplomacia é prerrogativa do Estado – a cujos interesses deve servir – a atuação bipolar de nosso governo de turno é desconcertante. Ressalve-se que ‘bipolar’ é expressão moderna e chique. Até alguns anos atrás, diríamos que o Itamaraty age ‘de veneta’, de forma lunática, em zigue-zague.

A África conta com três países que incluem Guiné no nome. Para fazer a diferença, é costume dizer: Guiné-Bissau (antiga colônia portuguesa), Guiné-Conakry (ex-colônia francesa) e Guiné Equatorial (minúsculo território cujo dono anterior era a Espanha). Esta última é aquela onde o Lula foi perguntar ao ditador (e dono) atual como é que se faz pra ficar 38 anos no poder. Não minto: foi nosso guia mesmo quem contou.

Guiné 1A Guiné-Conakry, com território equivalente ao do Estado de São Paulo, já conheceu turbulência no passado. Atualmente, vive período de calma relativa. Assim mesmo, falta um bocado pra atingir patamar aceitável de desenvolvimento.

Seu portal de informação – GuineeNews –publica entrevista com o embaixador do Brasil em Conakry. Num acesso de soberba, o diplomata declara que é «difficile de comprendre que vous soyez si pauvres»difícil entender que vocês sejam tão pobres.

Ora, todos sabem que as riquezas naturais e o trabalho da África sub-saariana, antes confiscados pelo colonizador, estão sendo abocanhados por ditaduras sangrentas, ávidas e insaciáveis. O diplomata faz cara de paisagem para os espoliadores atuais. Prefere fixar-se nos antigos rapinantes. Faz questão de deixar claro que o Brasil não tenciona se apoderar de riquezas guineanas. «O Brasil não precisa tomar o que a Guiné tem» – declara ele. E continua: «Vocês têm ouro, nós temos ouro. Vocês têm bauxita, nós também.»

E não pára por aí. O embaixador faz questão de remexer a faca na ferida. Ele se pergunta como é possível que o Brasil tenha chegado lá enquanto a Guiné ainda engatinha. Ao final, emite o julgamento: segundo ele, os guineanos precisam “organizar-se para ver a luz no fim do túnel”.

Blabla 2Santo Deus, quanta arrogância! Não precisa ser especialista pra entender que o Brasil chafurda num mar de lama, desorganizado, bagunçado, rapinado, depredado, longe de ver a luz no fim do túnel.

O representante de um país que mal consegue manter em dia o pagamento de contas de manutenção de suas embaixadas não está em condições de dar lições a quem quer que seja. Fosse eu guineano, me sentiria incomodado.

Fica a impressão de que os quadros do Itamaraty andam fazendo pronunciamentos sem sentido nem utilidade, só pra bater cartão. Se há alguma intenção oculta por detrás disso tudo, não identifiquei. Só espero que não tenha nada a ver com financiamento de grandes obras pelo BNDES. Já basta.

Os cinco selecionados

José Horta Manzano

Diplomacia não é o forte de dona Dilma – isso não é novidade. Mas há momentos em que ela consegue se superar e atingir a excelência na arte de maltratar autoridades estrangeiras.

Dilma e Joe Biden, vice-presidente dos EUA

Dilma e Joe Biden, vice-presidente dos EUA

Reportagem do jornal O Globo informa que nossa presidente recebeu 15 pedidos de entrevista formulados por autoridades estrangeiras que vieram prestigiar sua tomada de posse. Dos quinze, só cinco foram atendidos. Madame descartou dez.

Assim, dois terços dos solicitantes voltarão para casa chupando o dedo. E pensar que, depois de abandonar família e amigos no réveillon de ano-novo, essa gente atravessou mundo para aplaudir dona Dilma. Não os receber é grande falta de educação. Se concedesse dez minutos a cada um, em menos de duas horas a fatura estaria liquidada. Além de malcriada, a presidente está sendo mal aconselhada – o que tampouco é novidade.

O artigo não diz quem foram os rechaçados. Mas dá a lista dos que foram atendidos. São eles: o representante dos EUA, o da China, o da Suécia, o da Venezuela e o da Guiné-Bissau. Vamos tentar adivinhar a razão dessa seleção.

Dilma e Stefan Löfven, primeiro-ministro da Suécia

Dilma e Stefan Löfven, primeiro-ministro da Suécia

Estados Unidos e China são os mais importantes parceiros comerciais do Brasil. Recusar-lhes o pedido de entrevista seria pecado mortal. Faz sentido.

Quanto à atenção dedicada ao primeiro-ministro sueco, a explicação deve ser buscada nos 36 aviões de caça Gripen encomendados pelo Planalto. Conforme já comentei em meu artigo Os aviõezinhos, há negociações em curso para aumentar o volume encomendado. Passará de 36 a 108 aparelhos, num valor total de cerca de 50 bilhões de reais. Sem dúvida, num negócio dessa magnitude, o acerto de determinados «detalhes» vale meia hora do precioso tempo presidencial.

Dilma e Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

Dilma e Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

Señor Maduro, mandatário da infeliz e “bolivariana” Venezuela, foi outro para quem dona Dilma abriu as portas da sala de visitas. A intenção há de ter sido consolar o companheiro em perdição. O coitado deve estar-se sentindo cada vez mais só, depois que Cuba – importante membro do clube anti-imperialista – anunciou seu desligamento para dentro em breve.

O último dos agraciados com a simpatia de nossa presidente foi o mandachuva da Guiné-Bissau, país qualificado como narcoestado pela Agência da ONU contra a Droga e o Crime. Pobre, com área pouco superior à do Estado de Alagoas, a Guiné vive da exportação da castanha de caju. Oficialmente.

Por lá, é raro que se passe um ano sem golpe de Estado e assassinato de dirigentes. Bissau é conhecido ponto de passagem da cocaína proveniente da Colômbia. É “hub” importante. De lá, a droga é redirecionada para diversos destinos europeus, para onde é levada por infelizes que conhecemos como ‘correios’, ‘mulas’ ou ‘aviõezinhos’.

Dilma e José Mario Vaz, mandatário da Guiné-Bissau

Dilma e José Mario Vaz, mandatário da Guiné-Bissau

Não atino qual seja o interesse de nossa presidente em receber o atual homem forte de país tão estranho. Ela deve conhecer a razão. Se não, seus aspones saberão.

As dez autoridades rechaçadas deviam representar pouco interesse aos olhos da tosca diplomacia do Planalto. Como dizia o outro: “Dize-me a quem concedes entrevista e dir-te-ei quem és”.