O Brasil e a pobreza da Guiné

José Horta Manzano

Confesso que sinto dificuldade pra acompanhar a linha de ação de nossa diplomacia.

Levando em conta o princípio básico de que diplomacia é prerrogativa do Estado – a cujos interesses deve servir – a atuação bipolar de nosso governo de turno é desconcertante. Ressalve-se que ‘bipolar’ é expressão moderna e chique. Até alguns anos atrás, diríamos que o Itamaraty age ‘de veneta’, de forma lunática, em zigue-zague.

A África conta com três países que incluem Guiné no nome. Para fazer a diferença, é costume dizer: Guiné-Bissau (antiga colônia portuguesa), Guiné-Conakry (ex-colônia francesa) e Guiné Equatorial (minúsculo território cujo dono anterior era a Espanha). Esta última é aquela onde o Lula foi perguntar ao ditador (e dono) atual como é que se faz pra ficar 38 anos no poder. Não minto: foi nosso guia mesmo quem contou.

Guiné 1A Guiné-Conakry, com território equivalente ao do Estado de São Paulo, já conheceu turbulência no passado. Atualmente, vive período de calma relativa. Assim mesmo, falta um bocado pra atingir patamar aceitável de desenvolvimento.

Seu portal de informação – GuineeNews –publica entrevista com o embaixador do Brasil em Conakry. Num acesso de soberba, o diplomata declara que é «difficile de comprendre que vous soyez si pauvres»difícil entender que vocês sejam tão pobres.

Ora, todos sabem que as riquezas naturais e o trabalho da África sub-saariana, antes confiscados pelo colonizador, estão sendo abocanhados por ditaduras sangrentas, ávidas e insaciáveis. O diplomata faz cara de paisagem para os espoliadores atuais. Prefere fixar-se nos antigos rapinantes. Faz questão de deixar claro que o Brasil não tenciona se apoderar de riquezas guineanas. «O Brasil não precisa tomar o que a Guiné tem» – declara ele. E continua: «Vocês têm ouro, nós temos ouro. Vocês têm bauxita, nós também.»

E não pára por aí. O embaixador faz questão de remexer a faca na ferida. Ele se pergunta como é possível que o Brasil tenha chegado lá enquanto a Guiné ainda engatinha. Ao final, emite o julgamento: segundo ele, os guineanos precisam “organizar-se para ver a luz no fim do túnel”.

Blabla 2Santo Deus, quanta arrogância! Não precisa ser especialista pra entender que o Brasil chafurda num mar de lama, desorganizado, bagunçado, rapinado, depredado, longe de ver a luz no fim do túnel.

O representante de um país que mal consegue manter em dia o pagamento de contas de manutenção de suas embaixadas não está em condições de dar lições a quem quer que seja. Fosse eu guineano, me sentiria incomodado.

Fica a impressão de que os quadros do Itamaraty andam fazendo pronunciamentos sem sentido nem utilidade, só pra bater cartão. Se há alguma intenção oculta por detrás disso tudo, não identifiquei. Só espero que não tenha nada a ver com financiamento de grandes obras pelo BNDES. Já basta.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s