Três em um

José Horta Manzano

Estou acostumado a dar uma passada d’olhos na imprensa internacional. Posso garantir-lhes que, fora de nosso país, erros gramaticais são raros e excepcionais. Que se trate de regência, de sintaxe ou simplesmente de datilografia ‒ perdão! de digitação ‒, a raridade é a mesma.

Dizem que o desleixo com que costumamos nos comportar no Brasil é herança do colonizador. Se assim for, constato que a herança frutificou. Em vez de regredir, o desmazelo parece aumentar a cada dia. O filho saiu melhor que o pai.

Até o Estadão, que, afinal de contas, é o jornal brasileiro de referência, reverenciado no mundo todo, tem-se deixado levar pela negligência. E logo na primeira página! A impressão que fica é de que as chamadas ‒ que são justamente as palavras mais lidas do veículo ‒ ficam por conta de estagiários ou de gente que não tem suficiente domínio da norma culta.

Na edição de 1° de agosto, três escorregões coexistiam na página principal da edição online. Ao mesmo tempo, sim, senhores. Aqui estão:

Chamada Estadão, 1° ago 2017

Conselho prorroga mais 1 ano da Lava Jato
Eta, frase torturada! Prorroga-se algo por determinado tempo. Deveriam ter posto «Conselho prorroga Lava a Jato por um ano».

Chamada Estadão, 1° ago 2017

Béndine tentou dissuadir Ferreirinha a depor
Aqui também, a regência foi pro beleléu. Dissuade-se alguém de (fazer) algo. Teria sido melhor: «Béndine tentou dissuadir Ferreirinha de depor».

Chamada Estadão, 1° ago 2017

Neymar viaja à Barcelona
Essa é primitiva. Salvo as exceções, que não chegam a meia dúzia (Cairo, Porto, Rio de Janeiro, Recife, Crato), nome de cidade não aceita artigo. Ninguém mora na Barcelona, nem trabalha na Florianópolis, nem pretende estudar na Paris. Sem artigo, sobra somente a preposição. Naturalmente, não ocorre crase. Melhor seria: «Neymar viaja a Barcelona».

Água mole em pedra dura… Vamos em frente. Quem sabe, um dia ainda chegamos lá.

Destino que ir

José Horta Manzano

Este ainda passa como erro de datilografia ‒ ou digitação, que é a mesma coisa. Faltou releitura, mas ficou engraçado.

Chamada do Estadão, 20 dez° 2016

Chamada do Estadão, 20 dez° 2016

Interligne 28a

Já este aqui dá engasgo. Não é confusão de teclado. É bem pior: falta de intimidade com a norma culta da língua, fato espantoso num encarregado de redigir manchete de jornal.

Chamada do Estadão, 19 dez° 2016

Chamada do Estadão, 19 dez° 2016

Quem vai, não vai “algum lugar”, mas A algum lugar. Havia mais de uma opção para acertar.

Se fizessem questão de manter o verbo ir, simplesinho e eficaz, deveriam ter escrito:
●  Cinco destinos aos quais você pode ir sem passaporte.

Ficaria melhor ainda se tivessem usado outro verbo. Assim:
●  Cinco destinos que você pode visitar sem passaporte.
●  Cinco destinos que não exigem passaporte.
●  Cinco destinos que dispensam passaporte.
●  Cinco destinos para conhecer sem passaporte.
●  Cinco destinos para quem não tem passaporte.

E assim por diante. Bastava espremer um pouquinho os miolos. Mas, que fazer? Ninguém pode dar mais do que tem.

Impressão e expressão

José Horta Manzano

Escrita 3O jornal finlandês Savon Sanomat informa que o presente ano escolar é o último em que as crianças estão aprendendo a escrever à mão. Nos anos 50, a esferográfica baniu caneta, tinteiro e mata-borrão. Na Finlândia, a partir do ano escolar 2015-2016, esferográficas seguirão o mesmo destino: serão despachadas para o museu. A partir de então, os pequeninos serão alfabetizados diretamente num teclado.

Daqui a poucos anos, todos dominarão, desde tenra idade, a arte de se exprimir por meio de teclas. A escrita manual, condenada à obsolescência, será olhada com a curiosidade que hoje reservamos para manuscritos medievais. Num futuro não longínquo, só especialistas em paleomanugrafia (ciência nova, que acabo de inventar) serão capazes de decifrar os manuscritos atuais que se salvarem do incêndio.

Máquina de escrever 1Dá uma sensação esquisita, não dá não? Pensar que uma técnica cuja aquisição nos custou tanto esforço está em via de extinção. Na escola regular, tínhamos aula de caligrafia, mas nunca tivemos datilografia – não fazia parte do currículo. Quem quisesse aprender a bater à maquina, como se dizia, que se inscrevesse numa escola particular. Foi o que fiz. Foi no tempo em que os bichos ainda falavam. Aprendi numa velha Remington, preta, pesada e barulhenta. Recebi um diploma que guardo até hoje com muito orgulho.

A meu ver, a abolição da escrita manual é drástica e prematura. O ato de escrever educa a mão, disciplina-lhe os movimentos, prepara incursões no universo da pintura, do desenho, da música.

Na escola, costumávamos aprender latim, língua já então extinta – sim, senhores, não minto! – havia dois mil anos. E isso não fez mal a nenhum de nós, pelo contrário: deu-nos a chave para descobrir a árvore genealógica da maioria de nossas palavras. Um enriquecimento.

Escrita 2Privados do aprendizado da língua mãe, jovens de hoje não se podem dar conta de que conceitos aparentemente diferentes como expressão, impressão, opressão, depressão, compressão, repressão são irmãos de pai e mãe, saídos do mesmo tronco. É pena, porque essa noção da interligação das palavras é útil para desenvolver espírito analítico.

Escrita 1Ah, tem mais! A escrita manual é pessoal, única, identificável entre mil. É impossível encontrar duas escritas idênticas. Ao escrever à mão, cada um se revela. A grafologia permite conhecer particularidades da personalidade ignoradas, às vezes, até pelo próprio analisando. Já a escrita por teclado é pasteurizada, padronizada, insípida e despersonalizada.

Espero que nossos governantes, que às vezes adotam medidas educacionais pra lá de estranhas, não se joguem de cabeça nessa moda. Há que refletir muito nas consequências das decisões que tomamos. Criança que anda cedo demais periga ficar com as pernas tortas.

À prova de vazamento

Ruy Castro (*)

Na semana passada, Merkel expulsou o chefe da CIA na embaixada americana em Berlim, por aliciar funcionários da inteligência alemã para se tornarem agentes duplos e venderem informações aos EUA. Depois de sofrer com as polícias secretas nazistas e comunistas por quase 60 anos, é natural que os alemães não gostem de ser espionados. E, afinal, não somos aliados dos EUA? ― pergunta Merkel. Por que espionar aliados?

Porque não há aliados no mundo digital. O homem de capa, chapéu e luvas, adentrando de madrugada um gabinete, vasculhando arquivos com a lanterna, subtraindo pastas de documentos datilografados ficou obsoleto. Hoje, sem sair de seu quarto, um escolar munido de um smartphone consegue furar bloqueio de qualquer instituição e surrupiar seus documentos em 0,1 segundo.

Talvez por isso, o chefe do Parlamento alemão ― o democrata-cristão Patrick Sensburg ― tenha anunciado em televisão que ele e seus colegas estão considerando voltar a usar máquina de escrever para redigir documentos mais sigilosos. O apresentador perguntou-lhe se ele estava brincando. E Sensburg, na lata: «Não, não estou. Os russos já estão fazendo isso desde o ano passado».

(*) Ruy Castro (1948-) é escritor e jornalista. O texto acima transcrito é excerto de artigo publicado pela Folha de São Paulo em 21 jul° 2014.