“Terapias de conversão”

José Horta Manzano

Talvez eu esteja enganado, mas acredito que, no Brasil, o Código Penal ainda não prevê artigo específico para o crime de forçar um indivíduo a mudar sua orientação sexual. Estou me referindo a supostos “terapeutas”, que agem geralmente no universo neopentecostal – mas não só.

Em primeira leitura, a Assembleia Nacional da França adotou nesta terça-feira 5 de outubro um projeto de lei que oficializa a proibição de pseudoterapias “de conversão”, esse tipo de prática que visa a impor a heterosexualidade a pessoas lésbicas, gays, bi e trans (LGBT).

Os parlamentares franceses aprovaram o texto por unanimidade, mostrando que a questão está acima de toda política partidária ou eleitoreira. Foi um desses raros momentos em que uma proposta conseguiu a façanha de unir todo o tabuleiro político, todos integralmente de acordo. É admirável.

Votado em primeira leitura na Assembleia, o texto está sendo agora encaminhado ao Senado. O Código Penal passará a contar com uma infração específica para o crime cometido por autodenominados “terapeutas” que pretendem “curar” os homossexuais e trazê-los de volta ao bom caminho. A pena para os contraventores será de dois anos de prisão, cumulados com multa 30 mil euros (cerca de 200 mil reais).

A classe política francesa se dá as mãos quando percebe alguma ameaça de o país deslizar para o terreno pantanoso em que política e crenças religiosas se misturam. Não pretendem deixar que o país se torne uma teocracia. Nem mesmo uma quase-teocracia, como há tantas pelo mundo.

No Brasil, nem o povo nem os políticos parecem se dar conta desse tremendo perigo. A existência de uma “bancada evangélica” no Parlamento não assusta ninguém. No entanto, deveria assustar. É um primeiro passo para a transformação de nossa República laica em Estado religioso.

Com o capitão que ocupa a Presidência, nossa mistura de política com crenças religiosas está sendo potencializada com fortes doses de ignorância. Neste momento, o risco de escorregarmos para uma semiteocracia está elevado ao quadrado.

Impressão e expressão

José Horta Manzano

Escrita 3O jornal finlandês Savon Sanomat informa que o presente ano escolar é o último em que as crianças estão aprendendo a escrever à mão. Nos anos 50, a esferográfica baniu caneta, tinteiro e mata-borrão. Na Finlândia, a partir do ano escolar 2015-2016, esferográficas seguirão o mesmo destino: serão despachadas para o museu. A partir de então, os pequeninos serão alfabetizados diretamente num teclado.

Daqui a poucos anos, todos dominarão, desde tenra idade, a arte de se exprimir por meio de teclas. A escrita manual, condenada à obsolescência, será olhada com a curiosidade que hoje reservamos para manuscritos medievais. Num futuro não longínquo, só especialistas em paleomanugrafia (ciência nova, que acabo de inventar) serão capazes de decifrar os manuscritos atuais que se salvarem do incêndio.

Máquina de escrever 1Dá uma sensação esquisita, não dá não? Pensar que uma técnica cuja aquisição nos custou tanto esforço está em via de extinção. Na escola regular, tínhamos aula de caligrafia, mas nunca tivemos datilografia – não fazia parte do currículo. Quem quisesse aprender a bater à maquina, como se dizia, que se inscrevesse numa escola particular. Foi o que fiz. Foi no tempo em que os bichos ainda falavam. Aprendi numa velha Remington, preta, pesada e barulhenta. Recebi um diploma que guardo até hoje com muito orgulho.

A meu ver, a abolição da escrita manual é drástica e prematura. O ato de escrever educa a mão, disciplina-lhe os movimentos, prepara incursões no universo da pintura, do desenho, da música.

Na escola, costumávamos aprender latim, língua já então extinta – sim, senhores, não minto! – havia dois mil anos. E isso não fez mal a nenhum de nós, pelo contrário: deu-nos a chave para descobrir a árvore genealógica da maioria de nossas palavras. Um enriquecimento.

Escrita 2Privados do aprendizado da língua mãe, jovens de hoje não se podem dar conta de que conceitos aparentemente diferentes como expressão, impressão, opressão, depressão, compressão, repressão são irmãos de pai e mãe, saídos do mesmo tronco. É pena, porque essa noção da interligação das palavras é útil para desenvolver espírito analítico.

Escrita 1Ah, tem mais! A escrita manual é pessoal, única, identificável entre mil. É impossível encontrar duas escritas idênticas. Ao escrever à mão, cada um se revela. A grafologia permite conhecer particularidades da personalidade ignoradas, às vezes, até pelo próprio analisando. Já a escrita por teclado é pasteurizada, padronizada, insípida e despersonalizada.

Espero que nossos governantes, que às vezes adotam medidas educacionais pra lá de estranhas, não se joguem de cabeça nessa moda. Há que refletir muito nas consequências das decisões que tomamos. Criança que anda cedo demais periga ficar com as pernas tortas.