O espinho do estagiário

José Horta Manzano

A popularização da internet, estas últimas décadas, tem atrapalhado um bocado a vida de estagiário de jornal. Nos tempos antigos, ele cumpria horário igual ao dos jornalistas e seu trabalho podia contar sempre com a supervisão de um profissional experiente. Hoje mudou.

Se antes o jornal era atualizado uma vez por dia, a atual publicação online exige atualização contínua. Cabe frequentemente ao estagiário ficar de plantão à noite, visto que a vida não pára só porque o sol se pôs. As agências internacionais continuam inundando a redação com seus despachos.

No caso de hoje, a tarefa era bolar título para notícia um tanto complexa. Como se sabe, na imprensa, título bom é título que cabe [no espaço concedido]. Só que às vezes fica difícil resumir uma história em poucas palavras.

Trata-se da história de um conterrâneo condenado nos EUA por ter participado daquela espantosa invasão do Capitólio de Washington. Além de dar esse informe, era bom que o título desse uma pista sobre a pena imposta ao condenado: multa de 100 dólares acrescida de 100 horas de prestação de serviços comunitários – tudo isso submetido a um período probatório de um ano. Em outros termos, o brasileiro vai ter de pagar a multa, prestar o serviço comunitário e, sobretudo, andar na linha por um ano inteirinho. Durante esse período, qualquer escorregão é sinônimo de prisão imediata. E aí, só Deus sabe quando é que ele vai deixar o cárcere.

Como resumir tudo isso em algumas palavras? Na certa sem ter um colega mais experiente por perto, nosso estagiário se virou como pôde. Saiu assim:

Chamada da Folha de São Paulo

Agora diga-me, distinto leitor: por acaso já se viu alguém ser condenado a liberdade, fosse ela condicional? Condenado a liberdade? Ficou pra lá de esquisito.

O que está feito está feito. Cada cabeça pensa diferente. Dependesse de mim, não teria mencionado a liberdade, mas a pena, que me parece a informação mais importante. Teria dito, em linguagem telegráfica, que o infeliz foi condenado a pagar multa e a prestar 100h de serviços comunitários.

Curioso, fui ler a reportagem. Achei esquisita a história do condenado. Imaginei que se tratasse de um jovem idealista. Qual nada! O brasileiro é um senhor de 53 anos que está nos EUA há apenas 5 anos, desde 2016. No ano de 2018, dois anos depois de chegar, recebeu o status de… asilado político(!). Alegou ser perseguido quando trabalhava na Prefeitura de Curitiba.

Fazendo as contas, infere-se que a alegada perseguição se deu nos tempos do lulopetismo. Em 2018, quando o aceitaram como asilado, o governo já havia mudado. Se perseguição tinha realmente havido antes, não havia mais. Tudo indica que as autoridades que cuidam da concessão de asilo nos EUA não checaram bem a evolução da situação política no país do requerente. Isso sem contar que, se tivesse realmente sido perseguido em Curitiba, podia ter simplesmente mudado de cidade.

Não conheço a lei americana, mas sei que, nos países que conheço (no Brasil inclusive), cidadão estrangeiro está proibido de participar de manifestação política. No caso de um asilado, pior ainda. Esse imbróglio está complicadíssimo e difícil de entender.

Bem, que ninguém atire pedra no estagiário do jornal. Uma história assim rocambolesca não caberia no título, evidentemente.

Neologismo

José Horta Manzano

“Trumptruppen”

Neologismo surgido na imprensa italiana em janeiro passado, logo em seguida ao assalto que os apoiadores incondicionais do presidente em fim de mandato deram ao Capitólio de Washington.

A formação da palavra é deliciosamente híbrida. O primeiro elemento (Trump), evidentemente, é o sobrenome do presidente americano. Já a segunda parte (truppen) não vem da língua inglesa, tampouco da italiana. Vem do alemão. Truppen é o plural de Truppe, que significa tropa.

Portanto, “Trumptruppen” dá nome àquela horda de gente fina que tomou de assalto o Congresso dos EUA em 6 de janeiro passado. São as tropas de Trump. Essa repetição de “tr” torna o som da expressão cortante como rajada de metralhadora. Combina com Trump, um personagem pesadão.

Além de provocar uma onomatopeia estimulante, o alemão Truppen soa mais belicoso que o inglês troops.

O sonho de nosso capitão tupiniquim é incentivar a criação de um similar nacional que possa repetir, em Brasília, a façanha da tropa original americana. Não será fácil.

Forjados pelo clima rude e pelo vento cortante das grandes pradarias, os integrantes das “Trumptruppen” são aguerridos. Já nossos devotos, moldados pelo mormaço tropical, são menos convictos que os originais.

Não precisa ter bola de cristal. Pode-se apostar que não veremos nunca as “Bolsonarotruppen” em ação.

Sem vinho, nada de almoço

José Horta Manzano

A tolerância ‒ que alguns, equivocadamente, confundem com preconceito ‒ é um dos pilares do processo civilizatório. Tolerar a diferença alheia não quer dizer aderir a ela.

Significa esforçar-se por conviver com ela. Exigir que todos ajam e se comportem como nos agrada é dar mostra de intolerância no mais alto grau. É atitude que polui o relacionamento entre as gentes. Guerras deflagradas por motivos de intolerância religiosa já mataram milhões.

Itália: estátuas ocultadas

Itália: estátuas ocultadas

O Irã, país que até o mês passado estava banido do mundo civilizado, passou por uma lavagem a jato ‒ sem trocadilhos. De supetão, os pecados foram perdoados e o país se viu reintegrado no convívio planetário. Uma ressureição instantânea.

No entanto, não convém acreditar em milagres. Nada se transforma de golpe. Assim como o grão de milho, depois de virar pipoca, guarda alma de cereal, os dirigentes da república islâmica não perderam o inconfundível viés autoritário, despótico até.

Hassan Rohani, líder religioso, é o sucessor de Ahmadinedjad na presidência do Irã. Na esteira da anulação das sanções econômicas que pesavam sobre seu país, visitou Itália e França, esta semana, para reatar relações comerciais.

Dando prova de que tolerância é conceito desconhecido na alta cúpula de Teerã, o medalhão exigiu que, nas refeições, o cardápio fosse halal(*) e que bebidas alcoólicas não fossem postas à mesa.

França & Irã: reunião de trabalho

França & Irã: reunião de trabalho

A Itália dobrou-se à imposição dos visitantes. O tradicional copo de vinho foi substituído por água. Mais que isso, esculturas do Capitólio romano mostrando corpos desnudados foram ocultadas.

Já na França, menos disposta a vergar-se, o banquete programado foi simplesmente cancelado. Sem vinho, nada de refeição. O cerimonial francês julgou a exigência inadmissível. A delegação iraniana almoçou separada dos demais.

François Hollande 8A meu ver, a decisão de Paris foi acertada. Note-se, aliás, que as normas ocidentais de etiqueta impõem que homens se apresentem em reuniões e à mesa com a cabeça descoberta. Assim como o turbante do visitante foi tolerado, cabia ao dignitário aceitar que os franceses acompanhassem a refeição com a bebida à qual estão acostumados. Cada um se serviria de vinho ou de água, conforme lhe apetecesse.

É um toma lá dá cá necessário. A tolerância ensina que cada um deve dar um passo em direção ao outro. Embora tenha progredido, a cúpula iraniana mostra que ainda não chegou lá.

Interligne 18b

(*) Diz-se refeição halal daquela em que as carnes provêm de animais abatidos segundo as normas da charia, o conjunto de preceitos maometanos.