O espinho do estagiário

José Horta Manzano

A popularização da internet, estas últimas décadas, tem atrapalhado um bocado a vida de estagiário de jornal. Nos tempos antigos, ele cumpria horário igual ao dos jornalistas e seu trabalho podia contar sempre com a supervisão de um profissional experiente. Hoje mudou.

Se antes o jornal era atualizado uma vez por dia, a atual publicação online exige atualização contínua. Cabe frequentemente ao estagiário ficar de plantão à noite, visto que a vida não pára só porque o sol se pôs. As agências internacionais continuam inundando a redação com seus despachos.

No caso de hoje, a tarefa era bolar título para notícia um tanto complexa. Como se sabe, na imprensa, título bom é título que cabe [no espaço concedido]. Só que às vezes fica difícil resumir uma história em poucas palavras.

Trata-se da história de um conterrâneo condenado nos EUA por ter participado daquela espantosa invasão do Capitólio de Washington. Além de dar esse informe, era bom que o título desse uma pista sobre a pena imposta ao condenado: multa de 100 dólares acrescida de 100 horas de prestação de serviços comunitários – tudo isso submetido a um período probatório de um ano. Em outros termos, o brasileiro vai ter de pagar a multa, prestar o serviço comunitário e, sobretudo, andar na linha por um ano inteirinho. Durante esse período, qualquer escorregão é sinônimo de prisão imediata. E aí, só Deus sabe quando é que ele vai deixar o cárcere.

Como resumir tudo isso em algumas palavras? Na certa sem ter um colega mais experiente por perto, nosso estagiário se virou como pôde. Saiu assim:

Chamada da Folha de São Paulo

Agora diga-me, distinto leitor: por acaso já se viu alguém ser condenado a liberdade, fosse ela condicional? Condenado a liberdade? Ficou pra lá de esquisito.

O que está feito está feito. Cada cabeça pensa diferente. Dependesse de mim, não teria mencionado a liberdade, mas a pena, que me parece a informação mais importante. Teria dito, em linguagem telegráfica, que o infeliz foi condenado a pagar multa e a prestar 100h de serviços comunitários.

Curioso, fui ler a reportagem. Achei esquisita a história do condenado. Imaginei que se tratasse de um jovem idealista. Qual nada! O brasileiro é um senhor de 53 anos que está nos EUA há apenas 5 anos, desde 2016. No ano de 2018, dois anos depois de chegar, recebeu o status de… asilado político(!). Alegou ser perseguido quando trabalhava na Prefeitura de Curitiba.

Fazendo as contas, infere-se que a alegada perseguição se deu nos tempos do lulopetismo. Em 2018, quando o aceitaram como asilado, o governo já havia mudado. Se perseguição tinha realmente havido antes, não havia mais. Tudo indica que as autoridades que cuidam da concessão de asilo nos EUA não checaram bem a evolução da situação política no país do requerente. Isso sem contar que, se tivesse realmente sido perseguido em Curitiba, podia ter simplesmente mudado de cidade.

Não conheço a lei americana, mas sei que, nos países que conheço (no Brasil inclusive), cidadão estrangeiro está proibido de participar de manifestação política. No caso de um asilado, pior ainda. Esse imbróglio está complicadíssimo e difícil de entender.

Bem, que ninguém atire pedra no estagiário do jornal. Uma história assim rocambolesca não caberia no título, evidentemente.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s