Boicote – 2

José Horta Manzano

Em 1492, Cristóvão Colombo tomou posse, em nome da Coroa Espanhola, de terras recém-descobertas. Embora ninguém, naquela altura, se desse conta, ele acabava de desembarcar num imenso e desconhecido continente, que receberia mais tarde o nome de América.

Os Estados Unidos, apesar de serem herdeiros das colônias inglesas e não das espanholas, sempre aceitaram Colombo como descobridor oficial do continente. Columbus Day é o nome do 12 de outubro, data do descobrimento. Pelo menos vinte cidades americanas, grandes e pequenas, levam o nome de Columbus, em homenagem ao descobridor.

Em 1898, os EUA e a Espanha entraram em guerra. O conflito não foi longo mas devastador para a Espanha, que perdeu, para os EUA, as colônias que lhe restavam: Cuba, Porto Rico, Filipinas, Guam e pequenos arquipélagos no Oceano Pacífico.

Apesar de os dois países estarem em estado de beligerância, não consta que nenhuma localidade americana tenha cogitado “cancelar” o nome de Columbus, o descobridor que trabalhara a serviço da Espanha. O 12 de Outubro também não foi afetado: continuou sendo lembrado como Columbus Day, status que mantém até hoje.

Em 24 de fevereiro último, o exército russo invadiu a Ucrânia suscitando um clamor planetário de indignação. Reações têm sido fortes. Sanções financeiras e comerciais estão chovendo sobre a Rússia. Mas tem de haver limite para tudo.

Como já denunciei alguns dias atrás, a anulação de palestra sobre Dostoiévski, o maior escritor russo, como fez uma universidade italiana, é claro exagero. Não ajuda a Ucrânia. Não é símbolo de repulsa, mas de ignorância.

Yuri’s Night
O site Futurism dá notícia de uma nota (ora deletada) lançada por uma fundação sem fins lucrativos. Devia ser uma noitada dedicada a recoltar fundos. O tema era “Yuri’s Night” – em homenagem a Yuri Gagarin, primeiro humano a dar algumas voltas em torno da Terra, dentro de uma cápsula que orbitava além da atmosfera. O chato é que Gagarin, que faleceu 54 anos atrás, era de nacionalidade russa. Em curiosa forma de protestar contra a agressão da Rússia contra a Ucrânia, a homenagem ao astronauta foi cancelada, e a noitada passou a chamar-se “Uma celebração do Espaço: Descubra o que vem depois”.

Reptile Database
O site Reptile Database centraliza dados científicos sobre todas as espécies de répteis conhecidas na face da Terra. Esta semana, passou inacreditável informação ao conjunto de seus assinantes, que costumam ser cientistas, pesquisadores e estudantes. Fez saber que estava removendo da plataforma, com efeito imediato, mais de mil artigos assinados por cientistas russos, pouco importando que tivessem sido escritos muitos anos antes. Com a manobra, castigou não somente cientistas russos (que podem até ser oponentes a Putin). “Cancelou” cientistas de outras nacionalidades, cujo único pecado era ter coassinado um artigo com um colega russo. De tabela, vedou a cientistas do mundo inteiro acesso à conceituada base de dados.

Repito que, por mais simbólicas e humanitárias que possam parecer, essas medidas são um hino à ignorância, além de serem inócuas e inúteis. Putin não costuma acessar base de dados de herpetologia.

O cancelamento

Visite a Rússia
Antes que Putin visite você

 

José Horta Manzano

O que ninguém ousava imaginar até poucas semanas atrás ficou claro: a intenção de Vladímir Putin é cancelar a Ucrânia. Estou utilizando o verbo no sentido atual, como ele vem sendo usado nas redes sociais quando se quer “botar alguém fora do jogo”. O objetivo de Putin é o cancelamento da Ucrânia. Ele quer que ela deixe de existir como país e se transforme em província russa.

A Federação Russa é formada por 85 regiões administrativas. Parte delas tem autonomia limitada, enquanto a maioria é governada por interventor enviado diretamente por Moscou. Putin quer transformar a Ucrânia na 86ª região administrativa da federação. E com interventor nomeado.

Por quê?

É preciso voltar algumas décadas e dar uma espiada na “carreira” do personagem que hoje manda e desmanda naquele país. De origem humilde, o jovem Vladímir foi, na escola, aluno medíocre e briguento. Violento, os esportes de luta corporal sempre o atraíram. No fim da adolescência, procurou emprego no KGB – os serviços de espionagem externa, o equivalente soviético da CIA americana.

Sua folha de serviços é a de um obscuro funcionário. Guardadas as devidas proporções, lembra a passagem de Bolsonaro pelo Exército. Putin foi enviado a Dresden (na Alemanha Oriental, então satélite de Moscou), onde permaneceu alguns anos e aprendeu a língua alemã. Com o desmonte da União Soviética, no início dos anos 1990, voltou a Leningrado (hoje São Petersburgo), sua cidade natal.

Retornado à pátria, Putin põe um pé na política. Em pouco tempo, tornou-se assessor de Anatoli Sobtchak, prefeito da cidade. Segundo más linguas, Sobtchak era o “chefe da máfia de São Petersburgo”. Putin tornou-se seu braço direito. Daí para a frente, sua ascensão se acelerou. Não é difícil entender por quê.

Já na segunda metade dos anos 1990, conseguiu ser admitido como assessor de Boris Eltsin, presidente o país. No fim dos anos 1990, Eltsin estava sofrendo pesadas acusações de corrupção e enriquecimento ilícito. Para escapar à justiça, bolou um plano.

Em primeiro lugar, nomeou Vladímir Putin para o cargo de “chefe do governo” e propôs um pacto. Ele, Eltsin, renunciaria à presidência e Putin assumiria no seu lugar. Em troca, Putin assinaria um decreto concedendo imunidade total ao predecessor, o que o livraria de todo processo judicial. Eltsin renunciou em 31 de dezembro de 1999. Naquele mesmo dia, Putin assumiu e assinou o decreto, tal como combinado. Coisas da Rússia. Só da Rússia?…

Naquele momento, Putin era visto como um presidente fantoche, uma marionete manipulada, uma figura inócua e passageira. Quem pensou assim enganou-se pesadamente. O rapaz era vivo e, tendo nas mãos as rédeas do poder, não soltou mais. No fim deste ano, vão se completar 23 anos desde o dia em que subiu ao trono.

Na verdade, o povo russo nunca viveu sob regime democrático. Do feudalismo tsarista, passou à ditadura soviética. Tão acostumados estão a essa opacidade do andar de cima, que não estavam preocupados que o poder estivesse nas mãos de Putin ou de um outro. Isso não era importante, como não é até hoje. Importante mesmo, naquele momento, é que as prateleiras de lojas e supermercados estavam abastecidas. Povo de barriga cheia não faz revolução.

Na Rússia, o poder é vertical, de tipo mafioso: quem manda é o capo, os outros obedecem. (Acaba de me ocorrer a frase de Pazuello.) Não há instituições como conhecemos no nosso mundinho, imperfeito mas democrático. Não há Congresso nem Justiça como conhecemos. O Parlamento e a Justiça estão enfeudados ao chefe. Processos são viciados, oponentes são assassinados ou condenados a pesadas penas de prisão. Toda divergência é silenciada pela violência. A informação é controlada pelo Estado. Não há mídia independente. Só se faz o que seu mestre autoriza. Putin é a versão moderna de um Luís 14, um rei-sol anacrônico que destoa dos ideais de nosso mundo ocidental.

O poder corrompe, como diz o adágio. Putin enfiou na cachola que vai ficar na História como aquele que restaurou a glória do Império Russo dos tempos de antigamente. A conquista da Ucrânia é apenas o primeiro passo. A mídia tem descrito como “guerra” os acontecimentos destes dois dias. Não é a melhor descrição. Não se trata de guerra, mas de invasão pura e simples. Invasão de um país soberano por um outro país soberano. A última vez em que a Europa assistiu a uma barbaridade desse tipo faz 80 anos. O invasor chamava-se Adolf Hitler. Todos sabem como a aventura terminou.

A grande preocupação de Bolsonaro, nosso aprendiz de ditador, é escapar da justiça. Com esse objetivo, tem tentado cooptar as Forças Armadas e aparelhar tribunais. Nossas instituições são mais resilientes que as da Rússia, mas… tudo tem limite. Se nosso aprendiz for deixado à vontade mais algum tempo, podemos chegar a um momento de inflexão, um ponto de não-retorno.

Para se livrarem do perigo, a única arma que os brasileiros têm é o voto. Em outubro, a independência de nossas instituições democráticas depende da decisão dos eleitores. Não haverá segunda chance.

Observação
Não podemos esquecer que, semana passada, o capitão se solidarizou com a causa russa. Declarou isso diante de Vladímir Putin e das câmeras. Até hoje não se retratou. A conclusão é evidente: concorda com o cancelamento da Ucrânia e com todos os males que advirão dessa atrocidade. Nosso perigo mora no Planalto.

PT – Cancelamento de registro

José Horta Manzano

A procuradoria da Justiça Eleitoral deu parecer favorável a um pedido de cassação do registro do PT – Partido dos Trabalhadores. A agremiação é acusada de ter recebido financiamento do estrangeiro, o que é proibido pela legislação eleitoral. Dificilmente o caso progredirá. As reações dos extremos do espectro político foram contrastadas.

Do lado dos populistas de direita, choveram aplausos; os apoiadores de doutor Bolsonaro estão soltando foguetes. Do lado dos populistas de esquerda, o que se ouve são protestos indignados; os simpatizantes de Lula da Silva estão soltando fogo pelas ventas.

Se eu fosse do time dos populistas de direita, deixaria de lado esse sentimento de vitória e refletiria com calma; se eu fosse do time dos populistas de esquerda, esqueceria essa sensação de orgulho ferido e pesaria os prós e os contras.

Para o projeto de reeleição de doutor Bolsonaro, o desaparecimento do PT não convém. O presidente foi eleito na onda do anti-petismo. Volta e meia, ele nos assusta com o perigo da volta ao poder do adversário. Ora, se o PT desaparecesse, quem encarnaria o espectro da volta dos ‘comunistas’ no discurso bolsonarista? Melhor que o partido da bandeira vermelha continue existindo. E, se seguir desidratado como está, melhor ainda. Nada de cassar-lhe o registro.

Estrela do PT formada com sálvias.
Foi plantada no Alvorada quando Lula era presidente. Descaracterizou o jardim, um projeto paisagístico oferecido ao Brasil pelo imperador do Japão.

Para o projeto dos petistas – com exceção de Lula da Silva –, o desaparecimento do partido é uma bênção. O PT, convenhamos, anda com o nome sujo na praça. Mensalão e petrolão deixaram marca pesada, indelével, que não sai nem lavando com água quente. Há que considerar que a extinção da legenda não significa a sumidura dos afiliados. Alguns eleitos migrarão para outras siglas. Os que permanecerem, simplesmente fundarão um novo PT, com outro nome. Seria até boa ocasião para ascenção de figuras novas, menos ‘lulodependentes’.

Em princípio, mudar de nome parece manobra grosseira e fadada ao fracasso. Mas não é assim. Vejam o caso do DEM: alguém ainda se lembra que é a continuação do antigo PFL, sucessor da Arena, partido da ditadura? E alguém se dá conta de que o Cidadania sucedeu ao antigo PPS, partido que reclamava a abolição da propriedade privada?

Se a reciclagem deu certo para eles, havia de dar também para o PT. A mudança de nome seria o melhor caminho pra surgir como partido novo, livre de vícios e de pecados.

Nota
Não sou petista e muito menos bolsonarista. Que fique claro.

O desaforo inútil

José Horta Manzano

A diversidade humana é fascinante. O que um tem sobrando pode faltar a um outro. Por sua vez, este outro pode esbanjar alguma característica que escasseia no primeiro. Assim caminha a humanidade, é salutar.

O que pode causar algum problema é o excesso. Nenhum descomedimento é bom. Pode provocar encontrões com a família, com os colegas, com os amigos. Quando o indivíduo excessivo exerce função de mando, os transtornos serão mais amplos. Quando o posto de mando é o mais importante do país, decisões impulsivas e exageradas podem acarretar resultados calamitosos para a nação inteira. Quem ocupa posição elevada deve pensar duas vezes antes de agir.

Característica marcante de nosso antigo presidente era seu espírito exageradamente maleável e conciliador. Para aumentar seu rebanho, por exemplo, não hesitava em lançar mão de expedientes, digamos assim, pouco convencionais. Manobras de bastidores, cooptação, distribuição de benesses, atribuição de sinecuras, criação de ministérios sob medida para acomodar mais ovelhas, afagos em adversários, todos os meios, fossem eles quais fossem, justificavam o almejado fim.

No afã de fazer-se bem querer por todos, nosso messias chegou a extremos e navegou por mares traiçoeiros, nunca dantes navegados nessepaís. Chamou para junto de si um acadêmico que vivia nos EUA ― justamente aquele que havia escrito que o governo do Lula era o mais corrupto que jamais houvera no Brasil. Fez as pazes com José Sarney, inimigo de 30 anos, e ainda ensinou a todos que o novo companheiro, por não ser pessoa comum, merecia tratamento especial. Curvou-se aos caprichos de Paulo Maluf e não se envergonhou de ir até a casa do tradicional adversário para suplicar apoio eleitoral. Mas esses eram assuntos internos, que não transpunham as fronteiras do País. Não fosse a orientação ideológica que arruinou sua diplomacia, poderia até ter legado ao mundo a imagem de um Brasil civilizado e confiável. Fica para uma próxima vez.

Já nossa atual presidente… ah, nossa atual presidente! São outros quinhentos. O que o Lula tinha de sobra, falta a dona Dilma. A diferença entre o criador e a criatura é tão gritante que a gente fica a cismar que bicho terá mordido nosso messias no dia em que resolveu, com um dedazo, designar sua sucessora. Dona Dilma está nos antípodas da maleabilidade e da conciliação.

Reunião ministerial

Reunião ministerial

É sabido que nossa presidente tem gênio forte, que é irascível, estabanada, agressiva. Dizem que, vendo-se contrariada, é sujeita a ataques de fúria. Ao contrário de seu predecessor, não procura convencer por meios suaves ― prefere impor sua vontade. Talvez esteja aí a explicação para o andamento errático de seu governo. Seus auxiliares, intimidados, encolhem-se e não ousam contradizer a chefe. Na ausência do contraditório, ela se convence de que está no caminho certo e acaba tomando decisões inapropriadas.

Esta terça-feira, dona Dilma anunciou o cancelamento de sua visita de Estado aos EUA. Nenhum de seus conselheiros diplomáticos terá conseguido explicar-lhe que essa decisão, conquanto satisfaça seu amor-próprio, pode não ser benéfica para nosso País. Na valsa aveludada da diplomacia mundial, anular uma visita de Estado é pior do que pisar o pé da dama no meio do baile.

Concordo que não é confortável saber-se espionado por quem quer que seja. Mas, que fazer? Ainda que dona Dilma se sinta incomodada, governos sempre se espionaram e vão continuar a fazê-lo. O Brasil não é o único país na mira de espiões internacionais. Todos dão uma xeretada nos que lhe interessam. Estes últimos meses, tornou-se pública a informação de que os EUA espionam praticamente todos os governos do planeta. Alguém viu alguma reação epidérmica? Não. Todos se limitaram a um protesto formal e tudo ficou por isso mesmo.

A reação violenta de nossa presidente só faz escancarar a realidade: os dirigentes brasileiros, desprovidos de proteção contra intrusões, se encontram em situação de total vulnerabilidade. A revelação dessa verdade soa como um estímulo a outras potências que estejam planejando matricular-se no clube dos que espionam o Planalto.

Aquilo roxo by Alpino

Aquilo roxo
by Alpino

Por que o governo de outros Estados reagiu de maneira tão suave? Porque são realistas. Entendem que o vigor e a intensidade do protesto não mudarão a situação. Todos continuarão a espionar todos, como sempre se fez.

Está faltando realismo ao Planalto. Conseguem-se melhores resultados com um sorriso do que com uma carranca. Nossa ultrassusceptível presidente não deve conhecer esse princípio basilar da boa convivência. Uma boa conversa reservada com o presidente Obama teria surtido melhor efeito. Sem causar escândalo. Derrubar pontes, barrar estradas e fazer beicinho não são a melhor solução. Nosso messias esqueceu-se de ensinar à pupila as artes da persuasão pelo diálogo.

Entre importação de cubanos, perdão a dívidas de países africanos ditatoriais e enfrentamento com o império, estamos cada dia mais parecidos com nossa república vizinha, a bolivariana.