PT – Cancelamento de registro

José Horta Manzano

A procuradoria da Justiça Eleitoral deu parecer favorável a um pedido de cassação do registro do PT – Partido dos Trabalhadores. A agremiação é acusada de ter recebido financiamento do estrangeiro, o que é proibido pela legislação eleitoral. Dificilmente o caso progredirá. As reações dos extremos do espectro político foram contrastadas.

Do lado dos populistas de direita, choveram aplausos; os apoiadores de doutor Bolsonaro estão soltando foguetes. Do lado dos populistas de esquerda, o que se ouve são protestos indignados; os simpatizantes de Lula da Silva estão soltando fogo pelas ventas.

Se eu fosse do time dos populistas de direita, deixaria de lado esse sentimento de vitória e refletiria com calma; se eu fosse do time dos populistas de esquerda, esqueceria essa sensação de orgulho ferido e pesaria os prós e os contras.

Para o projeto de reeleição de doutor Bolsonaro, o desaparecimento do PT não convém. O presidente foi eleito na onda do anti-petismo. Volta e meia, ele nos assusta com o perigo da volta ao poder do adversário. Ora, se o PT desaparecesse, quem encarnaria o espectro da volta dos ‘comunistas’ no discurso bolsonarista? Melhor que o partido da bandeira vermelha continue existindo. E, se seguir desidratado como está, melhor ainda. Nada de cassar-lhe o registro.

Estrela do PT formada com sálvias.
Foi plantada no Alvorada quando Lula era presidente. Descaracterizou o jardim, um projeto paisagístico oferecido ao Brasil pelo imperador do Japão.

Para o projeto dos petistas – com exceção de Lula da Silva –, o desaparecimento do partido é uma bênção. O PT, convenhamos, anda com o nome sujo na praça. Mensalão e petrolão deixaram marca pesada, indelével, que não sai nem lavando com água quente. Há que considerar que a extinção da legenda não significa a sumidura dos afiliados. Alguns eleitos migrarão para outras siglas. Os que permanecerem, simplesmente fundarão um novo PT, com outro nome. Seria até boa ocasião para ascenção de figuras novas, menos ‘lulodependentes’.

Em princípio, mudar de nome parece manobra grosseira e fadada ao fracasso. Mas não é assim. Vejam o caso do DEM: alguém ainda se lembra que é a continuação do antigo PFL, sucessor da Arena, partido da ditadura? E alguém se dá conta de que o Cidadania sucedeu ao antigo PPS, partido que reclamava a abolição da propriedade privada?

Se a reciclagem deu certo para eles, havia de dar também para o PT. A mudança de nome seria o melhor caminho pra surgir como partido novo, livre de vícios e de pecados.

Nota
Não sou petista e muito menos bolsonarista. Que fique claro.

Globalização

José Horta Manzano

Com o desvanescimento do comunismo, cuja pedra tombal foi talhada a partir de um flanco do Muro de Berlim desmoronado, nosso antigo Partidão não teve outro jeito senão mudar de nome e de programa.

De suas cinzas, surgiu o Partido Popular Socialista, conhecido como PPS. Como todos os partidos brasileiros, abriga afiliados vindos de horizontes diversos. Essa heterogeneidade não facilita aos brasileiros identificar quem é quem, nem que partido quer o quê.

Essa opacidade não desagrada aos partidos. O que, no fundo, todos querem mesmo é o poder. Ou, pelo menos, um naco dele. Com todas as mordomias que vêm de quebra.

.:oOo:.PPS-Italia

Mas o assunto deste post é outro. Renata Bueno, antiga vereadora da Câmara Municipal de Curitiba (PR), à época filiada ao PPS, acaba de ser eleita para o Parlamento Italiano. Segundo as leis italianas, três são os ungidos para representar os italianos residentes na América do Sul. Renata está entre os três.

A moça tem duas cidadanias. A italiana, naturalmente, mas também a brasileira. O que a faz a primeira cidadã (também) brasileira a conquistar o direito de tomar assento no parlamento daquele país. Nossos melhores votos de sucesso e boa gestão!

Quem quiser ler a notícia em detalhe, que se dirija ao portal do (antigo) Partidão. Aqui.