Janot e o pagode

José Horta Manzano

Neste país, ultimamente, a gente navega de espanto em espanto. Quando parece que estamos no auge, que nada mais pode espantar, eis que aparece assombro maior.

O de hoje nos foi brindado por doutor Janot Monteiro de Barros. O moço, que já ocupou o posto preeminente de Procurador-Geral da República, confessou que sua aparente bonomia esconde impulsos assassinos. Revelou que «quase matou» Gilmar Mendes, ministro do STF. Numa boa. Curtiu o ódio, premeditou o crime, carregou o revólver, encaminhou-se para o local da execução mas, na última hora, murchou.

Essa história acrescenta covardia à vilania. Além de ser o vilão da quase tragédia, doutor Janot se acovardou na hora agá. E ainda tem a caradura de vir contar? Francamente, o homem tem um grave problema de equilíbrio. É destrambelhado. Até que combina com o estilo do governo atual – alô, gerente de RH do Planalto!

De loucos, o mundo está cheio. O espantoso não é que esse cidadão também faça parte da categoria, mas que tenha um dia chefiado a PGR. E, mais que tudo, fico muito preocupado com o fato de ele ter podido penetrar armado no prédio do STF.

Nunca estive lá, mas imaginava que, pra entrar, precisasse enfrentar um dispositivo desses que a gente vê no aeroporto, com pórtico detector de metais e esteira para objetos, pastas e pacotes. Ou será que doutor Janot entrou pela janela? Até que ficou bonito: Janot pela janela. Dá letra de pagode, mermão.

Consulta heterodoxa

Myrthes Suplicy Vieira (*)

O paciente entra na sala do oncologista pálido, abatido. O médico o convida a sentar. Ele se curva lentamente e desaba sobre a cadeira, com um gemido. De cabeça baixa, permanece em silêncio por vários minutos.

Preocupado, o médico o estimula: “Como posso lhe ajudar?”

Uma lágrima desce hesitante pela face do paciente. Ele se apruma, encara com firmeza o médico e diz: “Quero fazer uma terapia de reversão do câncer”.

Atônito, o médico indaga: “Como assim? O senhor foi diagnosticado recentemente com câncer por algum colega?”.

Um tanto constrangido, o paciente comenta: “Na verdade, ainda não. Já consultei especialistas de várias áreas, fiz todos os exames que eles solicitaram, mas até agora não foi possível estabelecer um diagnóstico definitivo. Pode parecer loucura da minha parte, mas sei que estou doente e que é só uma questão de tempo para encontrar o exame certo para meu caso”.

Já começando a antever problemas na relação, o médico opta por uma conduta de cautela e dá continuidade à anamnese: “O que o leva a crer que está com câncer? Em qual órgão?”

O paciente se agita na cadeira e, momentaneamente animado, despeja uma lista interminável de sintomas: “Ah, doutor, tenho sentido dores para urinar, sinto uma massa estranha na minha próstata quando me sento ou me dobro para calçar as meias, um cansaço abominável o dia inteiro, perdi muito peso nos últimos meses, meu cabelo está se tornando ralo e caindo, perdi boa parte da minha libido e, quando tento uma relação, perco rapidamente a ereção…”

Médico: “Há toda uma série de doenças com sintomas parecidos. Por que não seria, por exemplo, uma simples infecção urinária?”

Paciente: “É, eu até cheguei a considerar essa possibilidade. Mas depois, consultando o Google, percebi que há vários outros sinais que confirmam a existência de uma neoplasia”.

Médico: “Mas, então, me diga. Por qual razão nenhum dos exames foi capaz de confirmar sua suspeita? Posso vê-los?”

Paciente: “Ah, doutor, infelizmente a realidade é que os exames laboratoriais no Brasil ainda são muito limitados. Não temos acesso a equipamentos de última geração, nem profissionais qualificados para pesquisar em profundidade indicadores pouco conhecidos”.

Médico: “Pelo que posso constatar em seus exames, não há nenhuma razão para preocupação. Mantenho contato regular com especialistas americanos e europeus e posso lhe afiançar que o senhor não obteria resultados diferentes em país mais avançado”.

Paciente: “Seja como for, doutor, pressinto que estou morrendo. Preocupo-me em deixar minha mulher e meus filhos desamparados e, por isso, quero me submeter à quimioterapia, radioterapia e tudo o mais a que tenho direito. Só não quero passar por uma cirurgia porque tenho medo de ficar impotente o resto da vida”.

Médico: “O senhor está louco? Eu jamais aceitaria fazer o que o senhor propõe. Os resultados seriam desastrosos, para o senhor e para mim. As substâncias usadas na quimioterapia são drogas muito potentes, que nem sempre discriminam células sadias das cancerosas e que, portanto, apresentam importantes efeitos colaterais negativos sobre sua saúde em geral. Os efeitos nocivos da radiação são também velhos conhecidos da medicina. Se não fosse por tudo isso, eu ainda poderia ter minha licença cassada pelo Conselho de Medicina por sujeitar um paciente a um tratamento não-indicado e desnecessário”.

Paciente: “Estou pronto para assinar uma autorização, assumindo todos os riscos e eximindo o senhor de qualquer responsabilidade pelas consequências”.

Médico: “Mesmo assim, não há hipótese de eu embarcar na sua loucura. Olhe, amigo, conheço vários profissionais de psicologia e psiquiatria que poderiam ser de grande ajuda para o senhor neste momento”.

Paciente: “Não adianta, doutor. Já consultei vários deles e foram unânimes em sugerir que eu procurasse antes um urologista oncologista”.

Médico: “Bom, se esse é o caso, não sou a pessoa certa para atendê-lo. Não posso contrariar minhas próprias crenças científicas. Não há evidência de que tratamento antecipado possa reverter as chances de instalação de um câncer”.

Paciente: “Doutor, estou tão desesperado que consegui até sensibilizar um juiz para dar fim a minhas angústias. Aqui está a liminar…”

Médico: “Juízes não são os melhores conselheiros para indicação de tratamentos médicos especializados. E não seriam eles, de qualquer forma, a arcar com as terríveis consequências de um ato tão irresponsável”.

Paciente: “Doutor, se o senhor continuar com sua recusa, vou ter de processá-lo por omissão de socorro… e, se nem isso funcionar, eu me mato. O senhor vai ter de levar essa culpa consigo para o túmulo.”

Médico: “Não posso impedi-lo de levar adiante seu delírio, mas, se puder lhe dar um conselho, vá para casa, relaxe, tome um porre, chore bastante e reflita sobre os motivos de querer destruir seu corpo e sua alma. Por falar nisso, como anda sua vida afetiva? O senhor passou por estresse agudo nos últimos tempos?”

Paciente: “Bem, para ser sincero, minha vida conjugal não está nada boa. Já não sinto desejo por minha esposa e tenho encontrado algum prazer apenas na companhia de meus amigos. Quando saímos para jogar bola, eu fico extasiado com a quase indestrutibilidade dos corpos masculinos quando expostos a atividades físicas extenuantes. Quero continuar a sentir que pertenço plenamente a esse universo. Sabe, na sauna que fazemos depois do futebol, ver o suor escorrendo pelas suas costas, coxas e pernas me dá uma sensação borbulhante de vida e alegria. É isso que quero restituir para minha vida com a terapia da reversão do câncer…”

PS
Embora eu tenha me permitido tratar com ironia a autorização judicial para que “psicólogos cristãos” praticassem terapias de reorientação sexual, estou acabrunhada com a notícia do suicídio do médico Farah Jorge Farah, encontrado morto, vestido de mulher. Nem nos meus piores pesadelos eu poderia imaginar caso mais emblemático para ilustrar o sofrimento psíquico de uma criatura que se força a viver uma vida de fachada. Muito provavelmente esse indivíduo acreditou que suas dores de alma desapareceriam se ele evitasse revelar seu universo interior misógino e repleto de ódio a algum profissional qualificado para lidar com esse tipo de problema. Não pretendo justificar os atos extremos de um assassino, mas considero fundamental que nossa sociedade reflita sobre os danos decorrentes da ideia de interferir na estrutura psíquica de uma pessoa fragilizada, seja em nome de algum ideal político, religioso ou de adequação social.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Dose dupla

José Horta Manzano

Tem certas notícias que, embora capazes de indignar qualquer cidadão em tempos normais, passam despercebidas na cachoeira de escândalos atuais. Parecem fatos menores. Não são.

Meus atentos leitores devem-se lembrar de signor Pizzolato, aquele membro da gangue do Mensalão que, na iminência de ser despachado à Papuda, muniu-se de documento de familiar morto e, sob identidade usurpada, escapou para a Itália.

Prisioneiro 2O sentimento de invulnerabilidade que a dupla cidadania lhe propiciava, no entanto, murchou. Não demorou muito, foi preso pela polícia daquele país. Faz anos que signor Pizzolato trava batalha contra sua extradição para o Brasil. Enquanto isso, continua preso. Se se tivesse entregado à Polícia Federal brasileira, já estaria livre da silva, constrangido apenas por uma imperceptível tornozeleira.

Apesar disso, continua lutando contra a extradição, Por algum motivo será. Não sou especialista em briga de bandidos nem em código de honra de marginais. Assim mesmo, desconfio que o temor de signor Pizzolato não seja exatamente o de ser mandado para o xadrez. Afinal, já faz tempo que ele vive atrás das grades. O medo há de ser outro. Melhor não entrar nesse terreno.

Pizzolato 6 camburaoSeja como for, o episódio tem rendido muita humilhação para o Brasil. Quando o Lula decidiu negar à Itália a devolução de signor Cesare Battisti – terrorista condenado por envolvimento em quatro assassinatos –, usou o pretexto de o extraditando não ser homicida comum, mas criminoso político. Não enxergo diferença, mas parece que o Lula enxergou.

Prison 5Já a Itália, antes de devolver signor Pizzolato, mandou vistoriar prisões brasileiras. Deixou claro que não acredita na boa-fé das autoridades federais, segundo as quais o cidadão será abrigado em estabelecimento penitenciário de padrão Fifa.

O portal d’O Globo informa que o governo italiano despachou representante para inspecionar, in loco e pessoalmente, as instalações onde Pizzolato ficará hospedado.

Isso significa duas coisas. Primeiro, que consideram o Brasil como país de segunda ordem, onde prisões ainda mantêm padrões medievais. Segundo, que não têm confiança nas garantias oferecidas por nossas autoridades – preferem mandar alguém de confiança conferir. É vexame em dose dupla.