Voto impresso auditável

José Horta Manzano

Essa interessante fotografia foi tirada no comecinho dos anos 1960, no tempo em que havia eleições, antes de 31 de março de 1964. Ela dá uma vista geral das mesas de apuração eleitoral. A cesta de basquete indica que a ação se passa num ginásio de esportes.

Para os mais jovens, é bom lembrar que no (já distante) século 20 o eleitor brasileiro não conhecia a urna eletrônica. Aliás, acho que eleitor nenhum conhecia, dado que a eletrônica ainda se chamava eletrotécnica e estava engatinhando. Votava-se por meio de cédulas de papel. Naturalmente, a apuração era manual, os votos tendo de ser contados um a um.

No dia da eleição, assim que a seção eleitoral terminava seu trabalho, a urna era lacrada pelos mesários. Em seguida, esperavam pela passagem do caminhão da Justiça Eleitoral, que ia percorrendo seção por seção e recolhendo urna por urna.

A urna era de material forte e maleável, uma espécie de lona que lembrava encerado de carroceria de caminhão. Nas cidades maiores, aquele amontoado de urnas era armazenado num local de bom tamanho e lá pernoitava sob a vigilância da Força Pública ou algum outro grupo de homens armados. Ninguém tinha autorização para entrar nem que fosse pra verificar se tudo estava em paz (ou se ninguém estava “passeando” por perto das urnas).

Na manhã seguinte, começava a apuração. O trabalho era lento. Imagine só, trazer cada urna à seção apuradora, abri-la, despejar aquela papelada sobre a mesa, espalhar tudo, catar os que eventualmente tivessem caído ao chão, dar um montinho a cada escrutador pra permitir que ele contasse. E tudo isso num ambiente barulhento, com muita gente circulando, gesticulando, falando alto, gritando, se exasperando.

Computador não existia. Cada voto era anotado à mão, em papeletas apropriadas. Cada mesa tinha a missão de contar os votos e dar o resultado à junta apuradora.

Durante a apuração, os partidos mandavam fiscais, cada um deles com a missão de vigiar as cédulas do candidato daquele partido. Quanto aos candidatos de outra agremiação, acho que os fiscais não eram tão severos.

A apuração levava dias, às vezes chegava a duas semanas. Enquanto isso, a cidade, o estado e o país ficavam às escuras, todos à espera do resultado final. Que era sempre uma surpresa, dado que as técnicas de sondagem de opinião não eram sofisticadas como hoje. E tinha outra variável: ninguém podia calcular a extensão dos milhares de fraudes.

Na realidade, não é difícil imaginar a infinidade de oportunidades de adulterar os resultados. Votos válidos desapareciam, votos trazidos no bolso do paletó de um escrutador (ou até de um fiscal) podiam surgir do nada, sem que ninguém notasse. Uma balbúrdia. E olhe que, nas metrópoles, ainda havia um verniz de ordem. Fico imaginando, nas pequenas localidades, quem é que tinha coragem de contradizer as ordens do mandachuva local?

Atropelado por uma baciada de más notícias e de problemas variados, já faz dias que nosso capitão presidente parou de falar em “voto impresso auditável”. Ainda bem. Tomara que enterre o assunto. Pode interessar a ele, mas tenho certeza de que os eleitores brasileiros não querem dar tamanho passo atrás. Os anos 60 tiveram seus encantos, mas o velho sistema de apuração eleitoral não está entre eles.

Vamos falar com clareza. Entendo que o que Bolsonaro pretende não é exatamente o voto unicamente em cédula de papel, como nos anos 1960. Ele quer papel + eletrônica, de maneira a permitir que se conte os papeizinhos em caso de necessidade.  À primeira vista, poderia até ser razoável. Só que… conhecendo a peça, a gente pode imaginar o pior.

Assim que terminasse a apuração, se o resultado não fosse favorável ao capitão, o Brasil conheceria uma torrente de ações, reclamações, requerimentos, e outros procedimentos desse tipo, todos pedindo recontagem dos votos. Os pedidos pipocariam em todos os estados, em todos os municípios, em cada lugarejo. Como resultado, teríamos exatamente a volta aos anos 1960, com seus males e seus vícios. E sem seus encantos.

Perguntar não ofende ‒ 4

José Horta Manzano

No embalo da Copa, revejo alguns comportamentos recorrentes que sempre me deixam perplexo. Eis alguns deles.

        • by Kopelnitsky, desenhista americano

          Por que é que jogador de futebol cospe no gramado? Altos e baixos, escuros e claros, ocidentais e orientais, todos cospem. Cheguei a ver um outro dia que ‒ desculpem-me os estômagos mais sensíveis ‒ raspou a garganta e escarrou. Alguém já viu jogador de basquete cuspir? Ou jogador de vôlei? Ou tenista? Tentem imaginar Roger Federer acertando o gramado de Wimbledon com uma cusparada das boas.

        • Por que é que tantos jogadores de futebol comemoram gol tirando a camisa? Atualmente, como tirar a camisa dá cartão amarelo, veem-se muitos deles ameaçar tirar a camisa para, logo em seguida, sustar o striptease. Mas a intenção é visível. De novo, pergunto: dá pra imaginar jogador de basquete tirando a camiseta a cada encaçapada?
        • Por que é que jogador de futebol reclama contra decisão do árbitro? Reparem, que é sistemático: a cada decisão, a parte desfavorecida parte pra cima do pobre juiz, uns parlamentando, outros até ameaçando. Não me recordo ter jamais visto árbitro voltar atrás na decisão. Por que a reclamação, então?
        • Por que é que a CBF protocolou recurso junto à Fifa reclamando da arbitragem do jogo do Brasil contra a Suíça? Que pretendem? Que a partida seja rejogada? Se reclamações como essa começassem a ser acatadas, jogo não terminaria nunca. Todos os campeonatos acabariam no tapetão. Esse tipo de reclamação, feito pra satisfazer a galeria, é totalmente estéril na realidade. É risível.

 

Ouvir estrelas

José Horta Manzano

Talvez o distinto leitor se lembre de que, durante os Jogos Olímpicos do mês passado, as cerimônias de distribuição de medalhas mostraram bandeira chinesa com erros. As quatro pequenas estrelas estavam desalinhadas. No original, todas apontam um vértice para a estrela maior, diferentemente do que se viu no Rio.

Os chineses, pra lá de ciosos com símbolos nacionais, não costumam brincar com essas coisas. Protestos oficiais chegaram rapidinho. Segundo O Globo, 8 milhões de posts raivosos circularam pelas redes sociais chinesas. A reclamação chegou até à criação de hashtag para denunciar o escorregão.

bandeira-brasil-3Logo depois de tomar posse do cargo de presidente, senhor Temer participou de reunião de chefes de Estado e de governo do G20, realizada na China. Naturalmente, o recinto estava paramentado com a bandeira nacional de cada país participante. Aquelas fotos esquisitas em que dirigentes se cumprimentam com aperto de mão mas sem se olhar nos olhos foram batidas e publicadas na mídia planetária.

Pois digo ao distinto leitor que nossa bandeira verde-amarela também tinha defeitos. Menos rigoroso ‒ haja vista os representantes que constuma eleger ‒ o povo brasileiro nem se tocou. Ainda que se tocasse, dificilmente se melindraria.

Bandeira brasileira como manda o figurino Clique para ampliar

Bandeira brasileira como manda o figurino
Clique para ampliar

O círculo azul do centro da bandeira brasileira não é salpicado de estrelinhas a esmo, de qualquer tamanho, em qualquer posição, só pra ficar bonitinho. Criança de escola elementar tem direito a pensar assim. Já quem organiza cúpula internacional é obrigado a ter mais cuidado.

Nossa bandeira nacional mostra 27 estrelas, uma para cada Estado e uma para o Distrito Federal. A disposição do conjunto retrata o céu do Rio de Janeiro tal como se apresentava no dia 15 novembro 1889 às 8h30, quando os militares deram o golpe que derrubou a ordem vigente e acabou com o Império. É aquele golpe militar «do bem», cujo festejo é politicamente correto. É até dia feriado.

Bandeira brasileira em versão chinesa Clique para ampliar

Bandeira brasileira em versão chinesa
Clique para ampliar

Nossas estrelinhas não são todas do mesmo tamanho. Cada uma é desenhada conforme sua grandeza aparente. Há 5 tamanhos diferentes. Posição e tamanho são rigorosamente definidos por lei. A correlação tampouco é aleatória: cada uma delas representa um Estado determinado. É proibido misturar.

A bandeira hasteada durante o G20 da China está mais pra desenho de escola elementar. Posição, disposição e tamanho das estrelas não conferem com o que manda o figurino.

Que se saiba, ninguém reclamou. É possível que ninguém tenha sequer notado. Sinal destes tempos estranhos. Não se pode exigir que outros respeitem o que nós mesmos não respeitamos.

Golpe parlamentar e judicial

José Horta Manzano

Assim que senhor Temer assumiu o trono, correu a notícia de que o número de estrangeiros contratados pelo sistema Mais Médicos ia diminuir em prol do aumento da quantidade de médicos brasileiros. Foi a conta. O regime cubano, grande beneficiário do esquema, entrou em pânico. A gerontocracia caribenha teve chilique coletivo. Por intermédio de sua irrelevante diplomacia, Cuba entrou em guerra aberta contra o Brasil.

Para nós, que observamos de longe, as armações estão ficando cada dia mais claras. Os bondosos irmãos Castro e os áulicos que os rodeiam tinham sido premiados com a sorte grande nos anos em que o PT mandava. Tiraram a barriga da miséria com nosso dinheiro.

A modernização do porto de Mariel e a importação de multidões de médicos semiescravos são os pontos mais estridentes, mas ninguém pode garantir que o iceberg não seja mais profundo. Debaixo do angu, pode haver mais carne. A perspectiva de as torneirinhas brasileiras se fecharem angustia os donos de Cuba.

Porto de Mariel, Cuba

Porto de Mariel, Cuba

Rapidinho, Havana preparou indignada mensagem denunciando o «golpe de Estado parlamentar e judicial»(1) em curso no Brasil. Desajeitada e pouco afeita a sutilezas diplomáticas, a cúpula cubana despachou a mensagem a Deus e todo o mundo.

Todas as agências da ONU tiveram direito a um exemplar. A Cruz Vermelha, O Comissariado para Refugiados, a Organização Mundial da Saúde, O Programa da ONU para o Meio Ambiente, a Secretaria para Mudanças Climáticas ‒ todas essas organizações estão entre os destinatários. Até a Organização da Conferência Islâmica(!) e membros do alto escalão do governo suíço receberam o documento. Discreto como de costume, o Vaticano não confirma recebimento.

Ninguém acredita seriamente que o esperneio dê algum resultado prático. É verdade que admistração cubana anda se aproximando dos EUA. É de crer que as benesses oferecidas pelo império não chegam aos pés do que o Brasil petista costumava oferecer.

Interligne 18c

(1) A nota não deixa claro o que venha a ser um golpe adjetivado como parlamentar E judicial. Este blogueiro é do tempo em que golpes de Estado não costumavam ser previamente votados pelo Legislativo, muito menos autorizados pelo Judiciário. Os tempos mudam.

(2) Em tempos normais, o insulto orquestrado por Havana renderia imediato corte de relações diplomáticas entre o Brasil e Cuba. Mais uma vez, está dada a prova de que, decididamente, não vivemos tempos normais.