Pagando o pato

José Horta Manzano

O folclore político nacional tem engordado com novos figurantes. O pixuleco e o pato são as imagens mais recentes. A presença do pixuleco, todos entendem: simboliza o corruptor-mor. Já o pato representa o cidadão que acaba pagando a conta da capetagem de seus governantes.

Mas por que ter escolhido um pato? Faz alusão à expressão «pagar o pato». E qual é a origem dessa curiosa frase? Há quem conte alguma tortuosa história de um pato que teria servido como moeda de troca numa hipotética negociação. Parece que o caminho não é esse.

É interessante notar que, na roupagem castelhana «pagar el pato», a expressão é corrente também na Espanha. A explicação que os espanhóis dão sobre a origem dela é mais convincente. Tem a ver com a expulsão dos judeus, determinada em 1492 por Fernando de Aragão e Isabel de Castela.

Pato 1Naquela época, duas opções foram dadas aos israelitas: ou se convertiam ao cristianismo, ou deixavam o país. Muitos se foram, outros preferiram se converter e ficar. Entre os que permaneceram e se converteram, alguns conservaram a antiga fé. Em público, agiam como cristãos, mas na intimidade familiar, mantiveram ritos e práticas da antiga religião.

Volta e meia, uma ou outra família acabava desmascarada por um vizinho ou por um curioso. Nessas horas, antes de os denunciar à Inquisição, o bisbilhoteiro costumava chantagear os infelizes. Para escapar do tribunal, da tortura e da fogueira, os contraventores preferiam pagar o montante que o denunciante lhes exigia.

Pagavam por não ter abandonado o «pacto com Deus», ao qual os judeus aderem desde os tempos bíblicos. A linguagem popular se encarregou de deturpar a expressão. De «pagar o pacto», transformou-se em «pagar o pato».

Pato 2Etimologia
Em muitas línguas europeias, o nome do simpático palmípede deriva de antiquíssima raiz sânscrita que deu em latim=anas/anatem; em italiano=anatra; em alemão=Ente; em catalão=ànec; em lituano=antis.

Nas línguas ibéricas, a influência árabe se impôs. Tanto em espanhol quanto em português, dizemos pato, derivação do persa bat através do árabe clássico baṭṭ e do árabe hispânico páṭṭ.

Usos e desusos

José Horta Manzano

No tempo em que a humanidade vivia de caça, pesca e colheita, não havia necessidade de calendário. A vida da tribo se desenrolava à ventura. Se houvesse que caçar, caçava-se. Se houvesse que colher, colhia-se. Se já nada mais houvesse, levantava-se acampamento em busca de lugar mais generoso.

Essa usança seguiu por milênios, até o homem descobrir que podia controlar a reprodução dos vegetais. Foi um achado e tanto, que abriu as portas da agricultura e, consequentemente, do sedentarismo.

Agricultura 1Técnicas de cultivo desenvolveram-se rapidamente. Cada espécie de planta tinha suas manhas. Esta tem de ser semeada em tal época. Aquela tem de ser podada em tal período. Aqueloutra estará pronta para a colheita em tal estação.

O homem deixou de viver ao deus-dará para seguir as imposições da agricultura. Foi nesse estágio que surgiu a necessidade de contar o tempo, de conhecer com exatidão a época do plantio e da colheita. Os primeiros calendários brotaram dessa exigência.

Ainda que todos concordassem com um ciclo de 365 dias, cada povo organizou o calendário à sua moda. Judeus antigos deram ênfase ao fim das colheitas, quando a terra é posta a descansar. O ano judaico começa entre 5 set° e 5 out°.

Ano-novo chinês

Ano-novo chinês

O zoroastrismo dos persas preferiu situar o início do ano no equinócio de primavera, aquele momento em que dias e noites têm exatamente a mesma duração. No Hemisfério Norte, cai em geral em 21 de março. É o «nowruz» (= dia novo), momento de festa grande. Até hoje, o «nowruz» é celebrado numa quinzena de países que receberam influência da antiga civilização persa.

Na China, foi escolhido outro momento para começar o ano. Faz milênios que ficou combinado que o ano começa exatamente a meio caminho entre o solstício de inverno (21 dez°) e o equinócio de primavera (21 mar). Portanto, cai no começo de fevereiro. Festas e festivais têm lugar nessa época. Fábricas e escritórios fecham, e grande movimento de populações ocorre. Trens e aviões ficam lotados. Embora faça um frio do cão, é momento de férias coletivas. E é bom aproveitar porque, para a (imensa) porção pobre da população, é a única semana de férias do ano.

Janus

Janus

Como os persas, os antigos romanos iniciavam o ano em março, no equinócio de primavera. Foi no império de Júlio César que a data foi transferida para 1° janeiro. Às autoridades, pareceu mais conveniente que o ano começasse no primeiro dia do mês dedicado ao deus Janus ‒ aquele que tem uma cara olhando para o passado e outra para o futuro, simbologia forte. Essa alteração de calendário só foi possível porque Roma, civilização urbana, já não estava tão ligada à lavoura.

Há muitos calendários: o cambodjano, o vietnamita, o muçulmano, o etiópico, o coreano, o hindu e numerosos outros. Assim mesmo, faz séculos que o sistema romano se impôs. Revisto e corrigido em 1582, durante o papado de Gregório XIII, o calendário atual universalizou o 1° de janeiro como primeiro dia do ano civil.

Que 2016 traga a todos saúde, paz e prosperidade. Amém, a nós também.

O que era, o que era!

José Horta Manzano

Você sabia?

Aqui vai a resposta à pergunta de ontem. Os dois únicos países duplamente encravados, ou seja, aqueles de onde precisa atravessar pelo menos dois países para chegar ao mar aberto são: o Usbequistão e o Liechtenstein.

Como sabem todos os meus eruditos leitores, o Usbequistão era uma das 16 repúblicas que compunham a antiga União Soviética. A grande maioria de seus habitantes fala uma variante de turco, língua do ramo altaico. Há ainda pequena minoria russa e mais outra de origem persa. Partindo do Usbequistão e atravessando o Casaquistão, chega-se ao Mar Cáspio. O problema é que, apesar do altamente rentável processamento de caviar que ali se faz, o Mar Cáspio é como um imenso lago. Salgado, sim, mas fechado. Não se comunica com mar aberto.

Já o Principado do Liechtenstein é um fragmento da Idade Média esquecido nos montes pré-alpinos. Ocupa território minúsculo, encravado entre Suíça e Áustria, dois países que tampouco têm acesso ao mar. No Liechtenstein, o idioma oficial é o alemão, a língua de cultura que se aprende na escola. Em casa, fala-se um dialeto do ramo alto-alemão (Hochdeutsch), incompreensível para um alemão.

Parabéns ao caro leitor João, que se arriscou e chegou pertinho.