Com a ajuda de Deus

Stanislaw Ponte Preta(*)

Tia Zulmira, pesquisadora do nosso folclore, descobre mais um conto anônimo. Conforme os senhores estão fartos de saber, quando uma coisa não tem dono, passa a ser do tal de folclore. Assim é com este conto muito interessante que a sábia macróbia(1) colheu alhures.

Diz que era um lugar de terra seca e desgraçada, mas um matuto perseverante um dia conseguiu comprar um terreninho e começou a trabalhar nele e, como não existe terra bem tratada que deixe na mão quem a tratou bem, o matuto acabou dono da plantação mais bonita do lugar.

Foi quando chegou o padre. Chegou, olhou para aquele verde repousante e perguntou quem conseguira aquilo. O matuto explicou que fora ele, com muita luta e muito suor.

‒ E a ajuda de Deus ‒ emendou o sacerdote.

O matuto concordou. Disse que no começo era de desanimar, mas deu um duro desgraçado, capinou, arou, adubou e limpou todas as pragas locais.

‒ E com a ajuda de Deus ‒ frisou o padre.

O matuto fez que sim com a cabeça. Plantou milho, plantou legumes, passou noites inteiras regando tudo com cuidado e a plantação floresceu que era uma beleza. O padre já ia dizer que fora com a ajuda de Deus, quando o matuto acrescentou:

‒ Mas deu gafanhoto por aqui e comeu tudo.

O matuto ficou esperando que o padre dissesse que deu gafanhoto com a ajuda de Deus, mas o padre ficou calado. Então o matuto prosseguiu. Disse que não esmorecera. Replantara tudo, regara de novo, cuidara da terra como de um filho querido e o resultado estava ali, naquela verdejante plantação.

‒ Com a ajuda de Deus ‒ voltou a afirmar o padre.

Aí o matuto achou chato e acrescentou:

‒ Sim, com a ajuda de Deus. Mas antes, quando Ele fazia tudo sozinho, o senhor precisava ver, seu padre. Esta terra não valia nada.

(1) Que teve vida longa; pessoa muito velha.

(*) Sergio Porto (1923-1968), o Stanislaw Ponte Preta, escritor, cronista, radialista e compositor carioca.

Outras máximas ― 30

«Quando o cavalheiro nervoso entrou no hospital dizendo “eu sou coronel, eu sou coronel”, o médico tirou o estetoscópio do ouvido e quis saber: “Fora esse, de que outro mal o senhor se queixa?”»

Sergio Porto (1923-1968), o Stanislaw Ponte Preta, escritor, cronista, radialista e compositor carioca.

Os dejetos da alma humana

 

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Stanislaw 1Banheiro 3Há já muitos anos, tive acesso a uma pesquisa realizada em um país europeu sobre o “banheiro ideal”. Nada muito filosófico, apenas a manifestação de interesse de um fabricante de louças sanitárias.

Para tornar a pesquisa um pouco menos burocrática e um pouco mais elucidativa para o cliente, os pesquisadores propunham que os participantes não apenas falassem sobre seus desejos e necessidades, mas que também desenhassem o ambiente de seus sonhos. Esperavam com isso encontrar indicações de materiais, texturas, acessórios e detalhes estéticos que se associassem com a sensação de satisfação para eventuais usuários. Os resultados obtidos, porém, ultrapassaram em muito as expectativas dos próprios pesquisadores.

Banheiro 1Descobriu-se a existência de dois grupos principais de consumidores: o primeiro, que bem poderia ser chamado de adeptos do encapsulamento, visualizava um ambiente sanitário total ou parcialmente blindado para evitar a proliferação de maus odores. Para isso, valiam-se de muitas divisórias, paredes lisas e, se possível, metálicas ou de vidro para evitar a retenção de bactérias causadoras de cheiro, além de manifestarem a expectativa de que se criasse alguma forma de tratamento químico para a eliminação de fungos, germes e bactérias.

O segundo grupo caminhava em direção diametralmente oposta: idealizava uma ambientação o mais próximo possível da de um jardim interno. Esmeravam-se na concepção de detalhes, como a introdução de uma profusão de plantas e flores, amplas janelas basculantes; também não manifestavam qualquer oposição à ideia de intercomunicação do ambiente propriamente sanitário com o do banho. Aparentemente, os participantes desse segundo grupo apostavam todas as suas fichas na crença de que a circulação sem obstáculos do ar e a presença de filtros naturais, como as plantas naturais e flores, seriam suficientes para garantir proteção contra odores e germes inoportunos.

Banheiro 4Ao me deter na análise dos resultados da pesquisa, minha primeira reação foi a de atribuir ao primeiro grupo o credo comportamental típico dos europeus, onde os banheiros mais se parecem com armários; o segundo grupo, pensei, estaria mais próximo das crenças e anseios dos nativos de terras tropicais. Pura tergiversação para não enxergar o cerne da questão.

Refletindo um pouco mais sobre essas estratégias, não pude me furtar ao desejo de estabelecer uma analogia com a forma pela qual nós humanos lidamos universalmente com nossos dejetos psíquicos. Inveja, rancor, ressentimento, orgulho, vaidade e suas derivações discriminatórias são frequentadores mais ou menos habituais de nosso mundo interior, não há como negar. Todo mundo já passou um dia pela experiência de ver germinar uma erva daninha em seu ambiente psíquico, a despeito de todos os esforços conscientes para erradicá-la. Nossa luta interior mais ferrenha, porém, é no sentido de evitar o constrangimento de eventuais “vazamentos”.

Banheiro 6Acredito sinceramente que o problema não está em admitir a existência desses malfeitores em nossa alma. Está, a meu ver, na forma como acreditamos poder combatê-los. Há pessoas que optam por mantê-los sob rígido controle racional, obrigando-os a viver em masmorras escuras e sem comunicação com o exterior. Se e quando esses invasores conseguem escapar, um verdadeiro tsunami emocional varre a vida dessas pessoas. Certa feita presenciei, durante uma sessão de psicoterapia em grupo, uma participante colocando para fora pela primeira vez todo o ódio contido em seu peito por décadas. Quando terminou de falar, entrou em choro convulsivo e todo seu corpo passou a exalar um forte cheiro de camarão estragado. Era o odor pútrido da emoção estagnada. Tão logo ele se dissipou, o semblante da mulher iluminou-se como que por encanto e ela parecia ter renascido em meio a um jardim florido depois de uma tempestade. Cheirava a terra úmida.

Banheiro 2Não é impossível também encontrar pessoas que não hesitam em ventilar seus conteúdos emocionais negativos caso a ocasião propícia surja. Não estou falando daquelas pessoas sem papas na língua, que despejam suas verdades íntimas sem pudor e até com um toque de exibicionismo. Refiro-me às raras pessoas que escolhem confessar com transparência seus desvios de alma, fraquezas ou transgressões, quando instadas a fazê-lo. Conheço algumas que não usam de meias palavras para admiti-los e em cujos dicionários não consta a palavra culpa.

Eu adoraria poder dizer que faço parte desse pequeno e seleto agrupamento humano, mas devo admitir que não me tem sido fácil administrar as reivindicações de meus porões pessoais. Por vezes, na falta de melhor argumento, transfiro a culpa para as circunstâncias e me concedo absolvição antecipada por me dedicar à tarefa de alimentar tais monstrinhos de vez em quando.

Banheiro 5Já descobri dolorosamente, no entanto, que varrer o problema para debaixo do tapete é uma estratégia tão perigosa quanto bloquear a válvula de segurança de uma panela de pressão para que o vapor não escape. Por outro lado, também já me dei conta de que os “sincericídios” são tão danosos socialmente quanto a própria doença que eles pretendem combater. Apontar o dedo para as sujeiras que os outros mantêm escondidas a sete palmos de sua superfície decididamente não é uma técnica eficaz de autopurificação.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

O que é bom dura pouco

Interligne vertical 2José Horta Manzano

Por que será que a grande ceifadeira chega tão cedo para levar gente tão promissora? «Bicho ruim não morre», costuma-se dizer. Na verdade, todo bicho, bom ou ruim, acaba morrendo, que não tem jeito de escapar. Mas tem muita gente fina que se vai cedo demais e nos deixa um gosto de quero mais.

Frédéric Chopin foi-se aos 39 anos. Wolfgang Amadeus Mozart nos deixou aos 35. Noel Rosa foi colhido com 27 aninhos. Castro Alves partiu aos 24 e Gonçalves Dias aos 41. Cacilda Becker, Edith Piaf e Lilian Lemmertz não chegaram a completar meio século ― antes disso foram chamadas de volta. Elis Regina, precoce em tudo o que fez, disse adeus antes dos 37.

Se há alguém que fez falta foi o carioca Sergio Porto, conhecido como Stanislaw Ponte Preta. Espírito brilhante, revelou humor fino e cáustico desde que escreveu sua primeira crônica. Tampouco ele chegou a completar meio século. Aos 45, seu coração parou de bater.

Mas a curta carreira foi suficientemente densa para nos deixar pérolas valiosas. Muita gente já deve ter ouvido falar em febeapá, termo que ainda hoje, quase 50 anos depois de seu desaparecimento, ainda é citado aqui e ali. Era o título de sua obra maior: Festival de Besteira que Assola o País. Tornou-se palavra comum. Uma suprema homenagem, espontânea e justa, ao inteligente escritor. Transcrevo abaixo uma de suas crônicas. Dispensa maiores explicações. A simples leitura destas linhas deixa perceber a joia que o Brasil perdeu num triste 30 de setembro de 1968.

Interligne 3a

Com a ajuda de Deus
Stanislaw Ponte Preta

Tia Zulmira, pesquisadora do nosso folclore, descobre mais um conto anônimo. Conforme os senhores estão fartos de saber, quando uma coisa não tem dono, passa a ser do tal de folclore. Assim é com este conto muito interessante que a sábia macróbia colheu alhures.

Diz que era um lugar de terra seca e desgraçada, mas um matuto perseverante um dia conseguiu comprar um terreninho e começou a trabalhar nele e, como não existe terra bem tratada que deixe quem a tratou bem na mão, o matuto acabou dono da plantação mais bonita do lugar.

Foi quando chegou o padre. O padre chegou, olhou para aquele verde repousante e perguntou quem conseguira aquilo. O matuto explicou que fora ele, com muita luta e muito suor.

— E a ajuda de Deus — emendou o sacerdote.

O matuto concordou. Disse que no começo era de desanimar, mas deu um duro desgraçado, capinou, arou, adubou e limpou todas as pragas locais.

— E com a ajuda de Deus — frisou o padre.

O matuto fez que sim com a cabeça. Plantou milho, plantou legumes, passou noites inteiras regando tudo com cuidado e a plantação floresceu que era uma beleza. O padre já ia dizer que fora com a ajuda de Deus, quando o matuto acrescentou:

— Mas deu gafanhoto por aqui e comeu tudo.

O matuto ficou esperando que o padre dissesse que deu gafanhoto com a ajuda de Deus, mas o padre ficou calado. Então o matuto prosseguiu. Disse que não esmorecera. Replantara tudo, regara de novo, cuidara da terra como de um filho querido e o resultado estava ali, naquela verdejante plantação.

— Com a ajuda de Deus — voltou a afirmar o padre.

Aí o matuto achou chato e acrescentou:

— Sim, com a ajuda de Deus. Mas antes, quando Ele fazia tudo sozinho, o senhor precisava ver, seu padre. Esta terra não valia nada.Interligne 3aFonte: Ponte Preta, Stanislaw. O melhor de Stanislaw Ponte Preta: crônicas escolhidas; seleção e organização de Valdemar Cavalcanti. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004, p. 85.