Terrivelmente evangélico

José Horta Manzano

Quando a ocasião se apresenta, doutor Bolsonaro afirma que nomeará para o STF, assim que der, um ministro “terrivelmente evangélico”. É curioso um presidente adotar critério religioso para escolher personalidades. Há terras em que a questão religiosa é crucial. O planeta tem lugares onde a tensão confessional é explosiva:  Síria, Líbano, Israel, Irlanda, Índia, Filipinas estão entre eles. São terras em que tensões confessionais estremecem o tecido social. No Brasil, uma declaração como essa do presidente não faz sentido. O critério religioso não é crítico entre nós. Introduzi-lo no discurso presidencial é a melhor receita pra repetir o desastre do nós x eles lulopetista, que surgiu de uma jogada de marketing e nos atormenta até hoje. Xô!

Tensões sociais, temos. E muitas! Brancos x pretos, ricos x pobres, nortistas x sulistas, instruídos x iletrados, velhos x jovens, homens x mulheres, héteros x não héteros – os antagonismos são plurais. Oposições religiosas não tem constituído, até agora, ponto de discórdia. Fiéis de religiões ultraminoritárias não são hostilizados. Hebreus, protestantes tradicionais, muçulmanos, animistas, xintoístas, ortodoxos e budistas vivem sua fé na paz de criança dormindo.

A miríade de seitas e denominações neopentecostais que brotam como feijão recém-plantado tampouco se atropelam nem se antagonizam. Convivem em harmonia, sabedoras de que a diferença mais tangível entre elas é o nome escrito na tabuleta que encima a porta do templo. Até hoje, esse conjunto de movimentos a que se convencionou chamar neopentecostais não entrou em conflito aberto com o catolicismo, secular âncora religiosa da população e, ainda hoje, religião declarada pela maioria dos brasileiros.

Doutor Bolsonaro, mais uma vez, mostra inabilidade política. Aliás, já está ficando cansativo falar dessa faceta de sua personalidade. Se tem a intenção de angariar simpatia de comunidades religiosas, veja você, deixou passar excelente oportunidade. Foi quando nomeou, para a pasta da Educação, Abraham Weintraub, de ascendência judia. Era o caso de ter sublinhado que aquele senhor descendia de uma comunidade religiosa minoritária cujos membros têm dado forte contribuição ao país. Um pronunciamento seu exaltando o fato teria despertado grande simpatia na comunidade hebraica. Não o fez, azar dele.

E agora vem essa insistência em anunciar que pretende nomear um ‘evangélico’ para o STF. Pra começo de conversa, em política, ano e meio de antecedência é uma eternidade. Daqui até lá, muita água há de passar sob a ponte do arroio Chuí. Anunciar desde já o que pretende fazer no fim do ano que vem é pura temeridade.

Pra fim de conversa, doutor Bolsonaro repete o erro do lulopetismo: continua a afagar os que já são, em boa proporção, adeptos do seu time. Já goza de simpatia entre os ‘crentes’. Isso posto, a melhor tática seria tentar angariar afeição junto a outras comunidades religiosas. Por que não entre os católicos, (ainda) majoritários no país? Anda faltando sagacidade pelas bandas do Palácio do Planalto.

Teoria dos conjuntos

José Horta Manzano

Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 25 maio 2019.

Na Itália do pós-guerra, a vida era dura. O longo conflito deixou um país exangue e uma economia desarticulada. Todos se davam conta de que a reconstrução ia exigir muito trabalho. Só de pensar, dava desânimo – o que é compreensível. Escaldados pelas estrepolias de um guia iluminado que só lhes havia trazido sangue e lágrimas, os italianos descartavam a ideia de recorrer de novo a um salvador da pátria. O terreno tornou-se então fértil para o florescimento do comunismo, doutrina que prometia progresso e felicidade para todos sem muito esforço. De fato, fundado nos anos 1920, o Partido Comunista Italiano conheceu expansão fenomenal a partir do fim da Segunda Guerra. Chegou a ser o maior partido comunista do mundo ocidental – uma façanha.

Quando da ascensão da agremiação, lá pelo fim dos anos 1950, corria uma anedota reveladora do estado de espírito dos afiliados. Numa cidadezinha recuada, discorria um comício. A certa altura, o orador dirigiu-se a um rapaz de jeitão humilde que assistia atento. Inflamado, perguntou-lhe em voz bem alta pra ser ouvido por todos:

– Se o camarada tivesse duas casas, o que é que faria?

– Ficaria com uma e daria a outra ao partido.

– Muito bem. E se tivesse duas vacas, o que é que faria?

– Ficaria com uma e daria a outra ao partido.

– É assim que se faz. E se tivesse duas bicicletas, o que é que faria?

– Ei! Mas… Duas bicicletas, eu tenho!

À época, não havia gravador de bolso, de modo que ninguém pode confirmar a veracidade do diálogo. Assim mesmo, ele é espelho de como o cidadão comum encara doutrinas e ideologias. Todo ideário é bom até o ponto em que me é favorável. A partir do momento em que começa a exigir de mim um esforço que não estou disposto a fornecer, já não presta. «It’s human nature – é a natureza humana.» O bom camponês de nossa historinha disse amém à cartilha comunista enquanto ela lhe prometia as delícias de viver, sem contrapartida, no mundo do ‘venha a nós’. Quando se deu conta de que o ‘dá cá’ implicava um ‘toma lá’, a coisa azedou.

É que, ao mencionar a partilha das bicicletas, o predicador mostrou como pode ser desestabilizante, na prática, a Teoria dos Conjuntos. De repente, o camponês percebeu que o conjunto de generosos doadores que abriam mão de metade do patrimônio em prol da sociedade incluía também o conjunto dos possuidores de bicicleta – ou seja, ele entrava na dança. Meio cismado, voltou pra casa pensativo. No dia seguinte, rasgou a carteirinha do partido. E nunca mais assistiu aos comícios dos camaradas.

Universal, a Teoria dos Conjuntos se aplica também ao Brasil. O lulopetismo em geral – e doutora Dilma Rousseff em particular – aprenderam essa verdade na marra. A dicotomia nós x eles valeu enquanto se manteve no campo abstrato. A partir do momento em que inteiros grupos sociais se deram conta de que se situavam numa intersecção de conjuntos que lhes era desfavorável, passaram a engrossar o time dos batedores de panela. E deu no que deu.

É de crer que doutor Bolsonaro nunca ouviu falar na fábula das bicicletas do camponês italiano. Devia, pelo menos, ter analisado a débâcle do lulopetismo, mormente por ter sido ela a alavanca maior do sucesso eleitoral que o levou à Presidência. De certeza, não analisou. Embora acredite estar longe do modelo anterior, está a repetir os erros dos predecessores. As falas e os atos cortantes e excludentes são a exata reprodução do famigerado nós x eles.

O trágico é que a política ao molho bolsonaresco acicata a Teoria dos Conjuntos. O governo tem lançado muito anátema estes últimos tempos. Sua metralhadora giratória está agredindo até apoiadores da primeira hora, gente que, por infelicidade, se encontra numa intersecção desfavorável. As recentes manifestações estudantis são produto de intersecções que incomodam muita gente fina. Cidadãos situados no ponto de encontro entre os que aplaudiam a atuação do governo e os que contam com uma escola pública rica de verbas estão como o italiano da bicicleta. Não apreciaram que a navalha venha ferir-lhes a carne. Vão acabar batendo panela.

O eles despertou

José Horta Manzano

Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 27 outubro 2018.

Até o fim do século 20, o Brasil era governado por figurões que costumavam ter ideias. Com a chegada do Partido dos Trabalhadores ao topo do poder, ideologias substituíram as ideias. Não são a mesma coisa. Ideias são conceitos avulsos, visões pessoais, objetivos soltos, que podem (ou não) ser partilhados in totum pelo círculo íntimo do dirigente máximo. Ideologia é o agrupamento disso tudo num sistema. São propósitos estruturados impostos aos membros do círculo dirigente. Eles não terão outra escolha: ou abraçam a totalidade do ideário ou vão cantar em outra freguesia.

Ao colher as rédeas do mando, Lula da Silva e correligionários seguiram, em obediência franciscana, a cartilha que lhes haviam arquitetado os ideólogos companheiros. Mas ai! A fina camada de generosidade do programa ocultava um coração mesquinho. Implacável, o cerne do ideário não tolerava divergências e excluía os que se atrevessem a desviar da linha. Esquecidos de que haviam recebido missão de zelar todos os brasileiros, os dirigentes brotados da nomenklatura tropical instituíram a detestação como padrão de conduta. Os que não houvessem votado neles passaram a sofrer lapidação em praça pública. Estava instalada a política do nós x eles.

Toda sociedade, em maior ou menor grau, é percorrida por linhas de fratura. Essas cicatrizes têm origens diversas. Podem demarcar etnias, podem mostrar o ponto de junção de culturas, podem separar religiões. No Brasil tivemos, desde sempre, diferenças entre povos do Norte e do Sul, endinheirados e remediados, gente de pele mais clara e gente de pele mais escura, doutores formados e ignorantes chapados, quatrocentões e imigrantes recentes. Essas diferenças ‒ com as quais costumávamos conviver, senão em harmonia, pelo menos em avença ‒ foram exacerbadas pela aplicação do ideário do Partido dos Trabalhadores. São cicatrizes que, antes apenas perceptíveis, foram excitadas e postas a nu. A molecagem deu no que tinha de dar: agravou o embate entre os que se reconheciam de cada lado de cada trincheira. O Brasil se encrespou de múltiplos antagonismos.

Secretado pela cúpula dirigente e espargido pela militância, o veneno do nós x eles se embrenhou no dia a dia dos brasileiros e contaminou a relação entre as gentes. Nunca antes neste país se havia assistido a tão explícita incitação à discórdia. Durante os anos em que o lulopetismo ditou o tom e o ritmo, colega desconheceu colega, vizinho se indispôs com vizinho, irmão viu irmão pelas costas. A coesão nacional deu sinais de esgarçamento. No entanto, a nomenklatura cometeu um erro primário que teve o poder de fraudar-lhe os planos mesquinhos: foram com demasiada sede ao pote e se lambuzaram. Rapinaram o erário. Depenaram os cofres que guardavam o fruto do trabalho dos compatriotas. Os brasileiros se abalaram com a ladroíce insolente.

Ao fim e ao cabo, a descoberta do assalto patrocinado pela cúpula despertou nojo e entravou a prática maligna de dividir para melhor reinar, que era a essência do nós x eles. Mais que bloquear antagonismos, a indignação que tomou conta da população teve o efeito de engrossar as fileiras do eles ‒ aquela banda hipotética onde se deviam enclausurar os que não compactuassem com o ideário oficial. Era tudo o que o lulopetismo não queria, mas, se deu errado, são eles mesmos os culpados.

Com a aproximação das eleições presidenciais, a repulsa nacional tinha de se coagular em torno de um candidato que representasse a mais concreta garantia de afastar a nomenklatura malfazeja. Vários postulantes poderiam ter encarnado esse papel. Quis o destino que a cristalização se fizesse em torno de um certo capitão reformado. A botar fé nas sondagens, ele deve sair vitorioso amanhã. Não me cabe prejulgar como será um mandato que ainda nem começou. Se estamos a caminho de um período de turbulência ou de bonança, só o tempo dirá. O que parece certo é que a corda da discórdia arrebentou justamente do lado dos que a tinham esticado. O eles despertou.