Realidade paralela

José Horta Manzano

Ao subir à Presidência, doutor Bolsonaro carregou consigo um apanhado de indivíduos. À medida que se passaram os primeiros meses de mandato, como é natural, os elementos que não afinavam com o grupo foram sendo expurgados. Inversamente, como ímã poderoso, o núcleo atraiu adeptos de última hora.

O curioso é que – não, curioso não é adjetivo que caiba aqui; vamos recomeçar. O afligente é que os indivíduos expelidos eram justamente os que, por seu histórico profissional, garantiam seriedade e profissionalismo ao conjunto. Dizem que foi o próprio chefe a expulsá-los, por se sentir ofuscado por eles.

Dessa acomodação, sobrou um conjunto com características surpreendentes. Por um lado, cresceu como se tivesse tomado fermento. Entre assessores de primeiro, segundo e terceiro escalão, são milhares de apadrinhados instalados em sinecuras, a sugar o dinheiro suado da população. Por outro, o grupo é heterogêneo, com gente de variadas origens, unidos por uma característica comum: o descolamento da realidade nacional e a subserviência ao padrinho.

Mais e mais, se tem qualificado o descolamento em que esse pessoal vive de realidade paralela.

Será?
Realidade paralela, expressão traduzida diretamente do inglês, tem sido geralmente aplicada à física quântica, onde convive com noções distantes do homem comum: antimatéria, violação de simetria, universo espelho.

Não me parece expressão adequada para descrever o comportamento dos apadrinhados do doutor. Duas linhas (ou dois pensamentos, ou duas ideias, ou duas vidas) paralelas são aquelas que caminham lado a lado, equidistantes, regulares. Não são esses os modos de nosso presidente nem do cardume que lhe faz escolta. Realidade paralela é conceito elevado demais, inalcançável para aquela gente terra a terra.

A irregularidade ziguezagueante do percurso de todos eles faz mais lembrar um bate-cabeça ou um barata-voa. Se se fizer questão de usar a palavra realidade, que se diga que vivem numa realidade divergente. É bom lembrar que divergir é o oposto de convergir.

O propósito de um grupo coeso, coerente e bem intencionado é sempre a convergência em direção a um objetivo comum. No entanto, a característica marcante de nossos dirigentes é a divergência escancarada, em que interesses pessoais passarão sempre à frente dos interesses do Estado.

Cada um vive a própria realidade, que, de paralela, não tem nada. Essa multiplicidade de interesses pessoais dissonantes, cada um apontando numa direção diferente, resulta em realidades divergentes.

Cada um tem a sua, e vamos em frente, que Deus ajuda. E a pandemia que se lixe.

Guerra de religiões

José Horta Manzano

Artigo publicado pelo Correio Braziliense em 29 fevereiro 2020.

Fosse mineiro, doutor Bolsonaro teria aprendido, desde criança, que mingau quente se come pelas bordas. Está evidente que não aprendeu. Em repetidos ataques, o homem mira sempre o topo da hierarquia. Desde os tempos em que era candidato, já assestou golpes pesados à China (nosso maior parceiro comercial), à França (nosso único fornecedor de submarinos), à Argentina (nosso vizinho mais significativo), ao Congresso (que, na hora do aperto, será o garante da continuidade de seu mandato), à CNBB (congregação maior da Igreja no Brasil). O homem é desastrado. Esses ataques frontais têm alto potencial destrutivo. De ricochete, o próprio presidente sai um pouco chamuscado em cada episódio. E, por extensão, o Brasil e o povo perdem.

Em 2022, nem chineses, nem franceses, nem argentinos votarão em nossa eleição presidencial. Portanto, não há por que perder tempo a acariciá-los. Mas os brasileiros católicos, ainda majoritários no país, sim, votarão. Muitos deles estão se sentindo incomodados com a deferência que doutor Bolsonaro tem demonstrado para com as denominações neopentecostais. Essa tendência ficou ainda mais clara quando ele propôs alívio fiscal à conta de luz de templos; quando declarou desejar ministro ‘terrivelmente evangélico’ para o STF; quando se deixou filmar de joelhos, em posição de submissão, diante de um pastor paramentado.

Não se espera que o presidente de todos os brasileiros abrace uma raça, uma origem ou uma religião em detrimento das demais. Ao passar por cima dessa regra de bom senso, doutor Bolsonaro aciona perigosa armadilha que pode fechar-se em volta dele mesmo. Decerto avisado por seu entourage, mandou que a ministra Damares entrasse em contacto com dignitários católicos pra apagar o incêndio. Talvez dê certo, mas desagravo emitido pessoalmente pelo presidente teria mais força.

Por seu lado, o esperto (e agora experto) Lula da Silva já pressentiu o trunfo que se lhe apresenta. Nas trevas que envolvem a atual presidência, descobriu um fiapo de luz que pode ajudá-lo a subir de volta ao palco iluminado. O raciocínio é simples: se Bolsonaro for para um lado, ele tem de ir para o outro; tem de captar a simpatia dos abandonados por Bolsonaro. Tendo em vista o bate-cabeça que corre solto pelos corredores do Planalto – e que desagrada a muita gente –, a estratégia do Lula não tem nada de adoidada. Paparicar o novo governo argentino pode dar manchete, mas não traz votos. Há caminho mais direto.

Na onda do aceno que, ainda na cadeia, tinha recebido do papa Francisco, Lula fez questão de visitar Sua Santidade. Obra do acaso ou não, a viagem caiu bem no dia em que o ex-presidente tinha de comparecer a uma audiência judicial. Conseguiu adiamento e embarcou. E a notícia saiu em todos os jornais, tevês e portais. Protestantes, judeus e maometanos terão ficado indiferentes. Evangélicos terão feito muxoxo. Já católicos terão visto com alívio um importante personagem que, embora caído, dá mostras de estar bem com a Igreja. Faz um ano que os fiéis da religião majoritária no país se encontram reféns do estranho estrabismo que afeta o presidente, distorção que o faz considerar que adeptos de denominações neopentecostais valem mais do que os demais brasileiros.

Se, um quarto de século atrás, um futurólogo profetizasse que o Brasil destes anos 20 estaria armando a bomba-relógio de um conflito religioso interno, seria tachado de embusteiro. Naquela época, ninguém se dava conta de que o país era percorrido por tão profundas linhas de fratura, só à espera de um estopim. De lá pra cá, a estratégia do nós x eles fez grande estrago. Agora cada cidadão se equilibra entre laços de pertencimento de ordem étnica, sexual e, agora se vê, religiosa. Conflitos religiosos são a marca de países atrasados. Na Europa, num passado distante, guerras de religião chegaram a durar séculos. Hoje, estão extintas. Só faltava agora este florão da América, iluminado ao sol do Novo Mundo, seguir por esse caminho de pedra e retroceder às trevas medievais.