Bolsonaro: a imbroxabilidade desvendada

José Horta Manzano

Bruno Meyerfeld é um escritor e jornalista franco-brasileiro. É o correspondente no Brasil do jornal Le Monde, quotidiano francês de referência. Acaba de lançar novo livro, redigido em francês, com o título Cauchemar brésilien – Pesadelo brasileiro. A ilustração mostra a capa da obra.

Fruto de acurado trabalho de investigação jornalística, o livro, ainda sem edição brasileira, retrata a história da ascensão de Jair Messias Bolsonaro, desde a infância até a Presidência. A obra está cheia de historietas interessantes – algumas conhecidas, outras menos – todas girando em torno da vida do capitão.

O público francês vê em Bolsonaro apenas um incansável destruidor da floresta amazônica. O livro trata de esclarecer que Bolsonaro é muito mais que isso – mais e pior. Narra suas obsessões, sua incrustada paranoia, suas transgressões, sua ojeriza às minorias (pretos, mestiços, homossexuais, índios), sua misoginia, seu comportamento mortífero perante a epidemia de covid. E muito mais.

Entre as revelações, aparece uma muito interessante. Lá pelas tantas, depois de descrever as noites arrastadas que um presidente insônico passa a perambular pelos corredores do Alvorada nas horas mortas, o autor continua:

«En plus de ses soucis de sommeil, [Jair Bolsonaro] souffre également de ‘dysfonction érectile’. Il est un utilisateur régulier de Cialis, ce vasodilatateur concurrent du Viagra. Et ne s’en cache nullement. La présidence, cela fait ‘débander même les super-héros’.»

«Além do problema de insônia, [Jair Bolsonaro] sofre também de ‘disfunção erétil’. Ele é cliente regular de Cialis, vasodilatador concorrente do Viagra. E não se preocupa em esconder. A presidência deixa ‘até um super-herói broxa’.»

Sensacionalismo não é o forte do jornal Le Monde nem de seus jornalistas. Se o autor citou essa peculiaridade do presidente do Brasil e assinou embaixo, é porque checou a informação junto a fontes confiáveis.

Sabendo disso, a gente agora começa a entender por que o capitão concordou com a distribuição de Viagra para oficiais das Forças Armadas. E fica também claro o porquê de ele se referir continuadamente à própria ‘imbroxabilidade’. Compreende-se. Apoiado no braço amigo do Cialis, não precisa ser super-herói: qualquer um consegue.

No fundo, ele parece mais é estar em marcha acelerada para a impotência total. Se é que já não chegou lá.

Se você estiver em Paris
Está marcada para este 12 de setembro a noite de autógrafos do lançamento do livro Cauchemar brésilien. Será no Bar Cultural 61, Paris 19ème, a partir das 19 horas.

Olimpíadas camponesas

José Horta Manzano

Nos tempos de antigamente, quando a vida era ritmada pelos trabalhos do campo, a colheita era o ponto culminante. Por essa ocasião, em sinal de regozijo, organizavam-se jogos e festas, com danças, comes e bebes.

Com o inchaço das cidades e o correspondente esvaziamento do campo, as festas de antanho perduram, mas com outro significado. Não mais representam o júbilo do camponês cujo trabalho foi coroado com uma boa colheita. São agora atração turística desconectada do sentido antigo, mas sempre animadas.

Saint-Oyens

Em matéria de jogos e festas, a imaginação humana não tem limites. Dependendo do lugar, há corrida de caramujos, batalha de tomates, combate de lanceiros montados, concurso de danças e trajes típicos ‒ de tudo um pouco.

Nas regiões montanhosas da Suíça, os invernos são longos e rudes. Seis meses por ano, quando não há pasto, o gado vive confinado no estábulo. Nesse período, é alimentado com palha colhida no fim do verão, posta a secar e armazenada em fardos. Conservado ao abrigo da umidade, esse feno vai garantir o sustento dos animais até a volta da primavera.

O povoado de Saint-Oyens (366 habitantes) é pobre. Suas poucas dezenas de cabeças de gado leiteiro são alimentadas, no inverno, com palha colhida no fim do verão. O vilarejo guarda uma tradição peculiar: os jogos que celebram a colheita utilizam fardos de palha seca.

Esporte camponês

Escolhe-se um fardo de exatos 15kg. A competição consiste em lançá-lo o mais longe possível. Um certo Sébastien Debonneville detém o recorde absoluto, imbatido há diversos anos: 7 metros ‒ um prodígio!

O concurso, cuja recompensa única são os aplausos do público presente, é aberto a todos. Nos primeiros minutos, só os habitantes do povoado se arriscam. Passado o primeiro susto, vêm os primeiros goles de vinho brando e os forasteiros vão se desinibindo.

Este ano, o concorrente que atirou mais longe o fardo de feno alcançou 6 metros, bem longe do recorde. Se o distinto leitor quiser se candidatar, é só passar, que é bem-vindo. Não precisa se inscrever. Não precisa de endereço, que o vilarejo é pequeno. Basta procurar no google.

Pra que lado eu corro?

José Horta Manzano

Salsicha

Fabricação de salsicha

«Gesetze sind wie Würste, man sollte besser nicht dabei sein, wenn sie gemacht werden»

Leis são como salsichas: é melhor não estar por perto quando são fabricadas.

Citação atribuída a Otto von Bismarck (1815-1898), homem político alemão.

.

Decididamente, há um bocado de esquizofrenia na maneira como o governo brasileiro vem-se comportando com relação às revelações públicas de espionagem americana.

Lado A
Pela pluma de Denise C. Marin, o Estadão de 8 de agosto nos informa que o Planalto está disposto a dar «proteção» ― seja lá o que isso signifique ― a um jornalista americano. Note-se que o homem a quem se está propondo proteção não a solicitou. Oferecer blindagem a quem não pediu é prática utilizada sistematicamente por organizações mafiosas. Vindo de um governo, é menos usual.

Mas essa é uma outra história. Soaria artificial se eu comparasse a proteção garantida pelo Estado brasileiro a estrangeiros divulgadores de segredos de Estado com o pizzo extorquido por chefes de clã sicilianos em troca de defesa e segurança.

O jornalista é cidadão americano, vive no Brasil e oficia como correspondente do jornal londrino The Guardian. Andou escrevendo, no respeitável periódico para o qual trabalha, aquilo que todos já sabiam sem que estivesse escrito. Disse simplesmente que espiões espionam.

É uma das práticas mais antigas do planeta. Ela começa com vizinhos, que se espreitam através das frestas da veneziana. Passa por camelôs, firmas comerciais, indústrias, que se espiam como podem, com maior ou menor classe. E chega até países, que se espionam mutuamente com a sofisticação de que são capazes.

Todos fazem isso. Não é o fato de não se falar de um fato que faz que ele não exista. Não se costuma falar de espionagem, mas a realidade é que ela sempre existiu e sempre existirá. De certas coisas, não convém falar. Ponto e basta. É como a fabricação de salsichas: mais vale não conhecer detalhes.

Lado B
O mesmo artigo do Estadão nos dá conta de que o governo brasileiro anda preocupado com a visita aos EUA, que dona Dilma tem programada para o mês de outubro. Nestes tempos de popularidade escassa, na falta de uma recepção com chuva de papel picado na Quinta Avenida, umas fotos sorridentes ao lado de Obama fariam grande bem a nossa mandachuva.

Essa é sem dúvida uma das razões que explicam esse comportamento «morde e assopra» do governo brasileiro. Com a China desacelerando, é prudente não levantar muito a crista perante um de nossos maiores clientes.

Rica de informações, a matéria do jornal ainda informa que o Brasil está propenso a retomar com os EUA as negociações, emperradas faz quase 15 anos, sobre o compartilhamento da base de lançamento de Alcântara. Compartilhar com o inimigo que nos espiona! Quem diria…

Conclusão I
Que o país que nunca espionou nenhum outro atire a primeira pedra! Essa lapidação não periga acontecer.

Conclusão II
Essas «revelações» feitas por iluminados ou por surtados podem causar algum espalhafato mas não abalam a marcha do mundo. Se a História guardou o nome de alguns espiões famosos tais como Judas, Mata Hari, Joaquim Silvério dos Reis, Günter Guillaume, não há registro de denunciadores de espiões.

Com ou sem «proteção» do Estado brasileiro, a glória desse senhor será efêmera.

Interligne 37b