Frase do dia — 291

«A visita de Dilma ao antecessor em solidariedade por sua condução coercitiva pela força-tarefa da Lava a Jato não deixa dúvidas de que a chefe do governo apoia o líder dos investigados na operação policial. E não os investigadores.»

José Nêumanne Pinto, escritor e jornalista, em artigo publicado no Estadão de 9 mar 2016.

Frase do dia — 275

«Em seis minutos, quando você houver terminado de ler este texto, 12 brasileiros terão perdido o seu emprego: dois a cada minuto. Será difícil achar outro. Quem encontrar dificilmente será com um salário semelhante.»

José Nêumanne Pinto, escritor e jornalista, em artigo publicado no Estadão de 2 nov° 2015.

Frase do dia — 252

«Dilma acaba de pular a cerca da autonomia dos Poderes. Seu encontro às escondidas no Porto com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, foi o passo em falso que coroou os percalços que a têm feito penar no pior primeiro semestre de um governo em 193 anos de independência.»

José Nêumanne Pinto, escritor e jornalista, em artigo publicado no Estadão de 15 jul° 2015.

Frase do dia — 234

«As obras não iniciadas ou atrasadas em 57% da rede de saneamento básico no Brasil passaram a ser a metáfora pronta ao alcance do nariz.»

José Nêumanne Pinto, escritor e jornalista, em artigo publicado no Estadão de 8 abr 2015. Em matéria de ironia, a frase é um primor.

Frase do dia — 160

«Dilma não atuou na Seleção nem a treinou, mas não resiste a recorrer ao esporte bretão para parecer simpática. Nascida em Minas, comemorou a conquista de Libertadores da América pelo Atlético Mineiro em 2013 em redes sociais. “Congratulo (sic) com toda a torcida do Atlético pela conquista do título. Eu sou torcedora do Atlético e, quando criança, ia com meu pai a muitos jogos do Galo no Mineirão”, postou. Não faltou quem nos mesmos veículos lembrasse que 1) como nasceu em 1947, tinha 18 anos e, portanto, não era criança quando o estádio foi inaugurado; e 2) que o pai morrera em 1962, três anos antes de sua inauguração.»

José Nêumanne Pinto, escritor e jornalista, in Estadão 16 jul° 2014, mostrando que mentira tem perna curta.

Frase do dia — 141

«Por que o governo, que manda exumar cadáveres enterrados há mais de 40 anos, empenha sua força no Congresso para manter sob sete palmos de terra verdades atuais, como o arrombamento dos cofres da Petrobrás?»

José Nêumanne Pinto, jornalista, poeta e escritor, in Estadão de 21 maio 2014.

Frase do dia — 95

«Trata-se de uma inversão na prática da mendicância: é a primeira vez na História que quem dá a esmola agradece ao mendigo. Ao anunciar mais 2 mil [médicos] contratados em tais condições, a vendedora de peixe na Suíça comporta-se como receptadora de escravos no Caribe 125 anos após a Abolição.»

José Nêumanne Pinto, jornalista e escritor, referindo-se à visita que nossa presidente fez a Cuba para agradecer aos ditadores o envio de médicos. In Estadão, 29 jan° 2014. O texto integral está aqui: Da banca de peixes ao mercado de escravos.

Jeito brasileiro de governar

José Horta Manzano

Certos escrevinhadores são bons, outros menos. Alguns poucos são muito bons. Os muito bons conseguem, às vezes, conjugar num só parágrafo ideias soltas que, embora espalhadas aqui e ali, pertencem a um mesmo tronco. São todas exemplos acabados da maneira brasileira de governar, de mandar.

Segue um parágrafo do artigo que José Nêumanne Pinto publica no Estadão online de 30 de janeiro. Quem quiser ler o texto integral, vai encontrá-lo aqui.

José Nêumanne Pinto

José Nêumanne Pinto

” A presidente Dilma Rousseff foi a Santa Maria e chorou com pena das famílias que o Estado abandona ao desamparo. Assim como o imperador dom Pedro II jurou que venderia o último diamante da Coroa para não deixar um cearense morrer de fome. Fê-lo mais de cem anos antes de os sertanejos continuarem perdendo tudo, até a própria vida, por causa da sede implacável. As imagens das ruínas da obra inacabada da transposição do Rio São Francisco sem que uma gota de água fosse levada à caatinga mais próxima são a denúncia mais deslavada da hipocrisia generalizada de gestores públicos que, desde o Império até hoje, garimpam votos valiosos na miséria que os donos do poder semeiam em suas posses e colhem na máquina pública que, eleitos pelos súditos, passam a pilotar. Os maganões da República mantêm-se no poder enganando os sobreviventes da seca do semiárido, das enxurradas da Serra Fluminense e deste incêndio em pagos gaúchos. “