Engolindo sapo

José Horta Manzano

Tem horas em que a gente tem de engolir cobras, lagartos, lagartixas, sapos e o que mais houver no prato. Manda quem pode, obedece quem tem juízo. Tem outras horas em que dá pra escapar do vexame. Quando é assim, só engole sapo quem for bobo.

Quando a doutora foi destituída do trono presidencial e despachada de volta pra casa, houve gente ‒ pouca gente ‒ que tentou classificar o impeachment na categoria de golpe. A cômoda categorização servia de desculpa a maus perdedores. Mas deu no que deu, não veio a reviravolta, a destituição foi-se tornando definitiva, e os descontentes tiveram de engolir os sapos. Não só os sapos, como o brejo inteiro.

Sapo 2Acontece que algumas das republiquetas vizinhas, as mais pobres por sinal, compraram a tese do «golpe» e embarcaram nessa canoa furada. Quem sabe imaginavam que o «exército do Stedile» ou outra milícia qualquer fosse soltar brucutus nas estradas e conseguir reverter a decisão do Congresso.

Um dos inconformados foi señor Evo Morales, medalhão-mor do paupérrimo Estado Plurinacional de Bolivia, alinhado com os bolivarianos puro-sangue. Inconformado, atropelou sutis códigos diplomáticos e chamou para consultas seu embaixador em Brasilia. Señor Morales não há de se ter dado conta de que, no aveludado terreno das relações exteriores, a medida é pra lá de grave. Precede e anuncia iminente ruptura de relações diplomáticas. Por reciprocidade, o governo brasileiro teve de chamar de volta nosso embaixador em La Paz.

Passou-se mais de um mês e a situação política brasileira não se alterou. Nenhum exército paralelo soltou os cachorros. A doutora não voltou. O mandachuva boliviano começou a sentir que tinha entrado num poncho justo. Conferiu as estatísticas de comércio e deu-se conta de que o Brasil é, com folga, o maior cliente de seu país. Nada menos de 35% das vendas externas bolivianas são absorvidas por nós.

temer-5O figurão pode ser exótico, folclórico, autoritário, mas… louco não é. Ninguém, em consciência normal, se indispõe com seu melhor cliente ao bater pé firme num tema que, francamente, é página virada. Evo Morales fez, esta semana, um pronunciamento. Disse que estava devolvendo seu embaixador a Brasília apesar (sic) da situação política em nosso país. E não parou por aí.

Sublinhou que o Congresso brasileiro havia, sim, dado um golpe. Acrescentou que, embora legal, o golpe não tem legitimidade. Em suma: tinha dito besteira, tentou consertar, não conseguiu, piorou a situação e ainda se recusou a engolir lagartos.

E como reagiu nosso glorioso Itamaraty? Ostentou sua melhor cara de paisagem, engoliu o sapo inteirinho e fez de conta que nada tinha acontecido. Passando por cima da afronta, vai devolver o embaixador brasileiro a La Paz nesta segunda-feira. Ficou tudo por isso mesmo. O Barão do Rio Branco, onde quer que esteja, há de ter sentido engulho.

Nuestra América

José Horta Manzano

Das trevas, nasce a luz. Se momentos de estresse são penosos, são também propícios para lançar luz sobre assuntos que andavam meio esquecidos.

Um quarto de século atrás, foi criado o Mercosul. Concebido para impulsionar atividades comerciais, tornou-se tribuna política e está emperrado faz mais de dez anos. Desde que a Argentina quebrou, no começo deste século, o clube sul-americano desviou-se de sua função e hoje não passa de penduricalho folclórico. Atrapalha mais que ajuda.

Mercosul 2Entre os projetos que o senador Calheiros desenterrou e foi correndo mostrar à presidente da República, está o abandono do Mercosul. É encorajante. Até que enfim, alguém ousa gritar bem alto o que todos têm pensado baixinho. Essa associação de países atrasados, regidos por personagens populistas, não nos serve.

Que se tome o exemplo da União Europeia. Numa visão mais ambiciosa que a nossa, o objetivo maior era a integração política, a criação dos Estados Unidos da Europa. Crises internacionais escancararam disparidades entre sócios e acirraram desavenças. A atratividade do bloco desmilinguiu a ponto de alguns membros já cogitarem retirar-se do clube.

Por que continuar dando murro em ponta de faca? Uma retirada do Brasil do Mercosul aumentará nossas chances de alavancar o comércio exterior. Vamos torcer pra que a proposta sobreviva aos manifestos de 16 de agosto.