Mañana

José Horta Manzano

O Brasil enxergado pelos estrangeiros se encaixa num clichê imutável. Na composição do quadro, entram: praias, fio dental, caipirinha (ou caipiriña, como se vê em botecos da Europa), clima quente, carnaval, uma certa lentidão nos gestos e na fala, simpatia, bela música, baixa afeição pelo batente e uma grande simpatia por mañana – a arte de postergar. Que nos agrade ou não, é assim que somos vistos.

Entra presidente, sai presidente, o clichê não muda; é inabalável. Por mais que o lulopetismo tenha alçado a corrupção ao patamar de filosofia de governo, o brasileiro não passou a ser visto como indivíduo especialmente corrupto ou corrompível. Não mais do que já era no século passado, antes do Lula. Quanto a doutor Bolsonaro, por mais que arreganhe os dentes e insulte chefes de Estado a mancheias, como fez na ONU, os brasileiros não são passaram a ser vistos como especialmente agressivos ou provocadores.

No duro mesmo, o que o mundo sente é dó do povo brasileiro – assim como nós sentimos pena dos infelizes norte-coreanos, obrigados a sobreviver sob a bota de ditadura cruel. Todo o mundo faz a distinção entre o povo e os dirigentes de turno. Um exemplo? Aqui adiante.

Não deixes para mañana o que puderes fazer hoje. Deixa pra depois de amanhã e assim terás hoje e mañana livres.

Faz poucas semanas, caiu Matteo Salvini, uma das duas cabeças do então bicéfalo governo da Itália. Salvini era aquele que insistia num discurso de ódio e de intolerância, com relentos mussolinianos, num estilo aparentado ao de Bolsonaro. Agora que ele saiu, será que alguém mudou seu conceito com relação aos italianos? Certamente não. Com Salvini no governo ou sem ele, o povo peninsular seguirá sendo visto como sempre foi.

Outro exemplo são os EUA de Trump. Depois que ele tiver pendurado as chuteiras, o povo americano continuará sendo visto como sempre foi. Um governo de turno não tem o poder de distorcer o modo como o mundo enxerga a população do país.

Portanto, fique frio. O Lula e Dilma nos envergonhavam. Na mesma linha, doutor Bolsonaro continua a nos açoitar com um vexame atrás do outro. No entanto, felizmente, o mundo sabe fazer a distinção entre o mandatário-mor e a população. Continuam e vão continuar a nos ver na praia, de fio dental, caipiriña na mão, sempre deixando as coisas sérias para mañana.

Para o bem o para o mal, as coisas são desse jeito. E, pelo momento, a situação continua sem conserto. Mañana, quem sabe?

É irritante constatar a que ponto, no exterior, nossa língua é ignorada em favor do espanhol. Um exemplo está na ordem do dia. Desde que o futuro acordo Mercosul-União Europeia foi anunciado, o nome de nosso claudicante mercado comum tem sido frequentemente citado. Curiosamente, não aparece nunca como Mercosul, mas sempre Mercosur, à espanhola. Vai ver que é pra fazer companhia à caipiriña.

Tomara que caia

José Horta Manzano

Pouco comentada, uma marcante diferença de comportamento entre europeus e brasileiros é a facilidade com que estes últimos se desvestem em público para mostrar partes íntimas do corpo. Não sei de onde vem essa tendência nacional. Um primeiro pensamento pode ver a origem em nosso clima quente, mas duvido.

Embora a maior parte da Europa tenha clima frio, o verão costuma ser agradável e até escaldante em certas regiões. Multidões procuram o sol à beira d’água e se vestem em traje de banho, como manda o figurino. Mas nossa roupa de praia é sempre mais ousada que a de outros lugares. No Carnaval, nossas afrodescendentes de tez clara (antigamente conhecidas como mulatas) rebolam com menos roupa do que qualquer europeia em qualquer desfile.

1979 – Lula fazendo seu strip-tease

Nossa sem-cerimônia não se restringe às praias ou aos desfiles de Carnaval. Todas as camadas da população agem assim em muitas ocasiões. «Oia aqui, ó» – diz a moça conversando no ônibus com a vizinha de banco. E, sem a menor inibição, levanta a blusa pra mostrar a pinta ou a cicatriz à amiga. A cena, que no Brasil passa batida, é impensável em outras terras.

2019 – Camisa arregaçada, Bolsonaro faz seu show debaixo dos holofontes

Atualmente é de constatar que nem o exercício de altas funções é imunização contra essa falta de freios. Recentemente, dois dos maiores defensores da pudicícia pátria não hesitaram em arregaçar manga e camisa pra mostrar parte do corpo em cadeia nacional. Esse «oia aqui» do andar de cima foi protagonizado pelos doutores Bolsonaro e Weintraub, respectivamente presidente da República e ministro da Educação. É interessante notar que a arregaçada veio de dois ardentes defensores da pureza da alma nacional, sempre prontos a nos proteger contra ideias ou imagens indecorosas.

2019 – Weintraub deixa cair a camisa e mostra o ombro

Não foi espetáculo conjunto – cada um fez o strip-tease no seu canto, por razões pessoais. O atentado cometido na mesma semana pelos dois figurões é atitude inconcebível em qualquer personagem público da Europa. Nas muitas décadas que tenho vivido deste lado do mundo, nunca assisti a nada parecido.

Um dirigente de alto coturno deveria entender que, quando se pronuncia, a plateia, em princípio, não está ali pra conhecer os detalhes do que lhe vai sob a roupa. A meu ver, essa exibição de pelanca é de mau gosto e está fora de contexto. Ou talvez seja rabugice minha, vai saber.

1946 – Rita Hayworth de tomara que caia

Nota para os mais jovens
O ‘tomara que caia’ que aparece no título é reminiscência de moda feminina surgida lá pelos anos 1940. O vestido ‘tomara que caia’ não tinha alça que prendesse o conjunto aos ombros. Se não desabava, era por magia. A todo momento, parecia que a roupa ia cair, daí o apelido. Ousado naquela época, hoje não comove mais ninguém.

Lasca de bacalhau

José Horta Manzano

Sabe aquela lasca de bacalhau que se enfia entre dois dentes e não sai de jeito nenhum? Você chupa, cospe, bochecha, e nada. Discretamente, mete os dedos dentro da boca e tenta puxar fora. Nada. Nem de um lado, nem de outro.

Vai perturbar durante toda a festa, a tal ponto que você não acha mais graça em nada. Você não vê a hora de chegar em casa e finalmente passar aquele abençoado fio dental. Ah, que alívio!

Tenho lido sobre um tal de Feliciano, deputado federal cujo nome não combina com a infelicidade que espalha em redor. Me fez pensar no fiapo de bacalhau. Só que este é do tipo que nem fio dental resolve. Onde ele se enfia, não há santo que o faça sair. Nem Santa Felicidade. (Não nos esqueçamos que, segundo a hagiografia, Santa Felicidade era irmã de Santa Perpétua. Ai, ai, ai.)

Li também que é dono (sic) de uma Igreja. Em virtude disso, autodenomina-se pastor. Como o dono é ele, não espanta se chegar amanhã a bispo ou até mesmo a papa. De sua própria confraria, entende-se. Outros já fizeram isso. O povo, crédulo, não liga.

O personagem é dado a um discursozinho assaz depreciativo para com os afrodescendentes, como se usa dizer hoje. Considera que pertencem todos a uma raça amaldiçoada. É esquisito, dado que várias fontes afirmam que o próprio deputado, filho de mãe mulata, também se enquadra na categoria.

Não pára por aí. Nosso deputado-pastor também tem fixação na sexualidade. Como em outros espíritos radicais, constata-se também nesse senhor uma obsessão por assuntos ligados ao sexo. Entre iluminados, gurus, ditadores e outros poderosos, não é incomum.

Crédito: SandroCastelli. com

Crédito: SandroCastelli. com

Dizem que Mao, aquele que mandou na China durante decênios, tinha libido exacerbada. Mesmo estando já com certa idade, suas pulsões continuavam vívidas. Só se acalmavam ― até o dia seguinte ― quando lhe traziam uma jovem voluntária para passarem juntos a noite.

Eclesiásticos pedófilos, gurus libidinosos, milionários sadomasoquistas já não espantam mais ninguém. Nosso pastor-deputado é obsedado pela homossexualidade, que diz detestar e combater. Freud certamente explicaria.

Além das disfunções já descritas, o homem é dado a carteiradas. Outro dia, em plena Câmara Federal, mandou prender um cidadão que manifestamente não enxergava o mundo pelos mesmos óculos do pregador.

Apesar de suas excelsas qualidades ― ou, quem sabe, exatamente por causa delas ―, seus pares o elegeram para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal. O povo caiu matando. «Tirem esse homem daí!» foi a invectiva mais gentil que se ouviu pelos lados de Brasília.

Agora, cá entre nós, quem errou? O pastor-deputado? Não me parece. Ele não foi eleito deputado na semana passada. Seus pares, principalmente aqueles que votaram nele, estão a par de sua linha de pensamento. Se o escolheram, foi em conhecimento de causa.

Portanto, errados estão os deputados que lhe deram seu voto. E mais errados ainda estão os eleitores que deram seu voto a esses deputados irresponsáveis.

Vamos, brava gente! Um pouco mais de discernimento na hora de apertar aqueles botões da urna não há de fazer mal ao Brasil.