Olha o radar!

José Horta Manzano

Num momento de desatino ‒ ou inspirado sabe-se lá por qual guru ‒, doutor Bolsonaro mandou barrar a instalação de 8 mil radares nas estradas do país. Alem de afrontar o bom senso, a ordem contraria a tendência mundial de reforçar a regulamentação do tráfego rodoviário. Por toda parte, já está comprovada a relação entre a velocidade dos veículos e a gravidade dos acidentes.

Tão fora de esquadro é a decisão presidencial que até uma juíza federal se comoveu e emitiu contraordem. Não se sabe como terminará o embate, que a briga é de foice. Vença quem vencer, o balanço será ruim. Se a vontade presidencial prevalecer, perderão o utilizadores de nossas precárias estradas, que se tornarão ainda mais perigosas. Se a ordem judicial triunfar, a imagem de doutor Bolsonaro sairá do episódio ainda mais esfolada e enfraquecida.

Os franceses receberam, estes dias, confirmação da eficácia dos radares rodoviários na prevenção de acidentes. Desde que começaram a protestar, em novembro do ano passado, os Coletes Amarelos já atacaram 75% do parque de radares fixos instalados no país. Aparelhos foram queimados, derrubados, destruídos, inutilizados ou furtados. As estatísticas do primeiro trimestre, impiedosas, trazem o veredicto: o número de mortos nas estradas francesas aumentou 17% desde o início do ano. Uma subida brutal.

É fácil de entender. Os radares costumam ser instalados nos pontos perigosos, onde o motorista tende a aumentar a velocidade do carro. Ciente de que há um radar fixo, o cidadão refreia seus ímpetos pra não levar multa. Assim, contribui para desinchar as estatísticas de acidentes. Quando sabe que não há radar nenhum, o sujeito se solta. It’s human nature ‒ é natural.

Espero que o bom senso vença e que a instalação dos radares seja liberada no Brasil. É excelente caminho pra diminuir a hecatombe rodoviária brasileira, drama de características e proporções africanas.

Estradas bloqueadas

José Horta Manzano

Manif 2Ouço pelo rádio que, hoje de manhã, estradas e artérias estão sendo bloqueadas por gente simpática a dona Dilma, grupos que gostariam que ela não fosse destituída do cargo.

Meu senso de democracia me leva a aplaudir o direito que cada um tem de manifestar sua opinião. Meu senso de justiça, por seu lado, me obriga a reconhecer que o direito não é noção absoluta. O de cada um termina exatamente onde começa o do próximo.

Portanto, reuniões, reclamações, manifestações e demonstrações serão legítimas desde que não perturbem o quotidiano de concidadãos. O que está acontecendo esta manhã fere esse princípio, donde ter de ser considerado ilegítimo ‒ e tratado como tal.

Manif 4São desnorteantes essas algazarras promovidas por milícias a soldo de interesses escusos. O bom senso ensina que, para ser eficaz, uma ação tem de ser bem direcionada, lógica e inteligente.

Atravancar o dia a dia de cidadãos não é bem direcionado nem lógico nem inteligente. É de duvidar que balbúrdia melhore o humor da população e de seus representantes. O resultado do processo de destituição independe dessa confusão passageira. Os que estão por detrás desses grupelhos escancaram a pouca inteligência que têm e o estado de desespero em que se encontram.

O efeito será exatamente inverso ao que esperam.