Amigo da onça

José Horta Manzano

Nos anos 1940, não havia internet nem televisão. Nos jornais, tudo era impresso em preto e branco, até as fotos. Para desfrutar imagens que não fossem as da vida real, só indo ao cinema ou comprando uma revista. As décadas de 1940 e 1950 marcaram o período áureo da telona e das revistas semanais.

A revista O Cruzeiro, publicada desde os anos 1920, era a mais importante. Toda semana, estava nas bancas um novo número com variedades, análise dos fatos do momento, seções assinadas por escritores de peso como Rachel de Queiroz.

E havia a tradicional página com um quadrinho (um quadrão, na verdade) do Amigo da Onça, personagem criado pelo desenhista pernambucano Péricles Maranhão (1924-1961). Figurinha um tanto sádica, o Amigo da Onça trajava sempre um impecável dinner jacket branco e azedava a vida de todos. Adorava pôr os outros em situação difícil – em saia justa, como se diz.

Não sei se é implicância minha, mas desde a primeira vez que vi Monsieur Zemmour, atual candidato da extrema-direita à Presidência da França, achei que ele se parecia com o Amigo da Onça. Não falo de semelhança de caráter (ainda que…), falo de parecença física. Dê uma olhada na ilustração que botei lá na entrada.

Ontem foi o primeiro grande comício do candidato, com vistas às eleições presidenciais de abril próximo. Desenrolou-se num miniestádio coberto, nas cercanias de Paris. Calcula-se que umas 15 mil pessoas tenham estado presentes. A gente se pergunta como é que é possível alguém sair de casa e viajar quilômetros para assistir ao discurso de um Zemmour. Enfim, cada cabeça, uma sentença.

O comício foi perturbado por diversos acontecimentos violentos. Os repórteres e cinegrafistas de um canal de tevê que costuma mostrar antipatia pelo candidato foram ameaçados por militantes e tiveram de ser evacuados pelos seguranças. O mesmo destino coube aos jornalistas de Mediapart, um jornal de esquerda. Francamente, os da extrema-direita não apreciam a imprensa. Dependesse deles, todos os jornais podiam fechar – com exceção dos que só publicam reportagens elogiosas.

Quando se encaminhava ao palco para discursar, Monsieur Zemmour foi agarrado pelo pescoço por um jovem desconhecido e, na confusão, acabou torcendo o pulso. O rapaz foi detido para averiguações e o candidato encontrou um médico camarada que lhe prescreveu 9 dias de licença médica.

Digo que o médico foi camarada porque, apesar de estar de licença médica por quase dez dias, o candidato não parecia estar sofrendo durante o discurso. Frise-se que, na França, toda agressão que acarretar mais de 8 dias de licença médica é considerada delito grave, com pena de até 3 anos de prisão mais 45 mil euros de multa. Nesta segunda-feira, o agressor continuava sendo interrogado nas dependências da delegacia. Ele alegou ser fã de Zemmour, mas os investigadores não parecem estar convencidos.

Um pouco mais tarde, um grupo de militantes de uma ONG de combate ao racismo, chamada SOS Racisme, foi reconhecido por devotos mais exaltados. Os integrantes do grupo foram então agredidos fisicamente, sangue correu, gritaria subiu, e a explicação terminou na rua, longe do recinto.

Resumo da ópera: gente gritou, o povo correu, cadeiras voaram. Hoje em dia, todos filmam tudo; as imagens falam mais que mil palavras. Ao final da festa, 62 pessoas tinham sido detidas para averiguações.

Acredito (e espero) que o eleitorado francês não desça ao ponto de eleger essa figura para a Presidência da pátria dos direitos humanos. Seria o cúmulo. Mas isso mostra que os simpatizantes da direita extrema não são gente tranquila, disposta a dialogar nem a debater.

A invasão do Capitólio de Washington, os buscapés atirados contra o STF em Brasília, as cadeiras voando em Paris são faces de um mesmo poliedro. Os devotos não são muitos (felizmente!), mas são barulhentos. Todo cuidado tem de ser tomado para não acreditar que sejam majoritários. Não são.

Dedo de honra

José Horta Manzano

Nos tempos de antigamente, para se apresentar, o cidadão estendia seu cartão de visita. Estava ali o básico: nome, sobrenome, profissão, endereço e telefone (se houvesse). Quem recebia o cartão tinha ainda a possibilidade de examinar as características: tamanho, espessura e qualidade do papel, cor da tinta, impressão em relevo ou não. De posse dessas informações, já era possível saber muita coisa sobre o titular.

Nestes tempos em que o “Oi!” substituiu o cartão, para saber a que veio cada um, é preciso observar seu tom de voz, seu sotaque, seu comportamento, seu gestual. Ah, o gestual! Esse é ponto importante. Dispensa palavras. É feito exatamente pra ser visto de longe.

Me impressionou muito aquele gesto elegante que nosso ministro da Saúde fez em Nova York, logo depois de comer pizza na calçada. O distinto leitor há de se lembrar que, apupado por manifestantes quando já se encontrava dentro do ônibus, o doutor espichou o braço e mostrou o dedo do meio à multidão.

No arsenal obsceno da minha juventude, não constava o gesto do ministro. Deve ter sido popularizado mais tarde. O gesto equivalente era “dar uma banana”, com os punhos cerrados e os braços cruzados, sendo um na vertical. O significado era o mesmo. Esse gesto de mostrar o dedo do meio, aliás, nem nome tinha. Se hoje tiver, desconheço. Agradeço a quem puder mandar uma cartinha para a Redação desvelando o mistério.

Só que tem uma coisa. O que pode ser tolerável num adolescente – irrequieto e ainda pouco familiarizado com os códigos de comportamento da sociedade – é absolutamente inaceitável de parte de um ministro da República. Um ministro? Impensável!

Outro dia já falei do candidato surpresa nas presidenciais francesas que terão lugar daqui a 4 meses. Trata-se de Monsieur Eric Zemmour, jornalista e escritor, que professa ideias da direita extrema, entre as quais um ódio feroz contra imigrantes em geral e árabes em particular.

O extremista ainda não oficializou sua candidatura. Por enquanto, percorre o país fazendo publicidade para seu novo livro e testando a receptividade da população a sua presença. Sábado esteve em Marselha. Como de costume, foi acolhido tanto por admiradores como por oponentes. A um dado momento, não se conteve e mostrou o dedo a uma mulher (veja a imagem).

Ficou-se sabendo que ele estava apenas reagindo. A distinta senhora também lhe havia feito o mesmo elegante gesto. Pouco importa. O candidato é ele, não ela. Assim como é inaceitável o que fez o ministro brasileiro, é intolerável ver o mesmo gesto vindo de um candidato à presidência da França. Um homem público não tem o direito de reagir como um homem comum em todas as ocasiões.

Dois casos isolados de figuras públicas que se permitem esse tipo de baixaria em público, como os que mencionei, são pouca coisa; não dão amostragem suficiente para um estudo científico. Mas o fato de os dois pertencerem à mesma família política (extrema direita) deixa no ar uma interrogação. Serão todos assim? O palavreado e o gestual rasteiro fazem parte da cartilha de todo aprendiz fascistoide?

Ao se dar conta da onda de indignação que rugiu nas redes por causa de seu gesto, Monsieur Zemmour tuitou uma pirueta: “Madame, naquele momento hão havia tempo para um debate como eu aprecio. É por isso que usei a única linguagem que a senhora e seus camaradas ‘antifascistas’ compreendem imediatamente: a de vocês!”.

A vulgaridade agressiva é a arma dos que não têm argumentos. Assim como Trump e Bolsonaro não tinham, tampouco esse candidato tem programa para seu país. Taí a origem do comportamento rasteiro de todos eles.

Título
Em francês, o gesto de mostrar o dedo do meio se diz “doigt d’honneur”, dedo de honra. A expressão é calcada sobre “bras d’honneur”, braço de honra, que é nossa “banana”.

O polemista francês

Eric Zemmour

José Horta Manzano

Monsieur Eric Zemmour é um francês pra lá de especial. Apesar da aparência física pouco graciosa, faz anos que surge aqui e ali, nalgum programa televisivo, sempre com a mesma obsessão. Para ele, os imigrantes são a causa de todos os males da França.

Mas, atenção! Quando fala em imigrantes, leia-se: os árabes originários da Argélia, da Tunísia e do Marrocos, antigas colônias e/ou protetorados franceses). Estrangeiros provindos da Alemanha, da Espanha, da Lituânia ou da Quirguízia não entram na mira do polemista.

Polemista – é essa a palavra. Se são figuras um tanto raras no Brasil, os polemistas existem aos montes na França. Não sei se a origem desse fenômeno é a própria lingua, que se presta a debates metafísicos. Talvez seja simplesmente a tradição, a educação que cada um recebe. Os jovens já entram na adolescência ensaiando os primeiros passos no mundo da polêmica.

Discute-se por um sim ou por um não. Cada um faz questão de dar sua opinião. Atenção: as discussões são animadas, mas a agressividade costuma limitar-se às palavras, sem consequências físicas.

Monsieur Zemmour, jornalista e escritor, fez da troca de ideias sua marca de fábrica. Seja qual for o tema da conversa, não tem jeito: ele sempre acaba acusando seus “imigrantes” de todos os males. É o que alguns chamam de monomania, um defeito que incomoda.

Ele tem dado sinais de que será candidato à Presidência do país, nas eleições de abril do ano que vem. Por enquanto, não confirma, deixa que as especulações borbulhem. Mas é bem provável que, qualquer hora, se declare candidato oficial.

Entrevistado pela Folha de São Paulo(*), mandou respostas por escrito. Naturalmente, foi instado a dizer o que pensa de Bolsonaro, Trump, Marine Le Pen, Macron – uma armadilha atrás da outra. Não deixou nenhuma pergunta sem resposta. No entanto, escorreguento feito peixe ensaboado, limitou-se ao politicamente correto, sem jamais se comprometer.

Segundo Zemmour, o Brasil é exemplo de multiculturalismo que deu certo. Ele parece achar que o simples fato de todos falarem a mesma língua é fator suficiente para atestar que a noção de bem comum está arraigada na alma do brasileiro.

Se vê que o Monsieur não conhece bem nosso país. Os brasileiros têm uma baciada de qualidades, mas a noção de bem comum não está entre elas. E faz uma falta danada. A noção de bem comum anda de mãos dadas com o sentimento de pertencimento, o grande ausente da alma nacional.

Pertencimento não se resume a enrolar-se na bandeira e cantar o Hino. Vai bem mais longe que isso. Começa no respeito ao vilarejo (ou à cidade, ou à metrópole) onde se vive. Continua no comportamento civilizado, em que cada cidadão respeita o próximo e paga seu “dízimo” – sob forma de imposto –, como contribuição para o funcionamento da sociedade.

Estamos a anos-luz da noção de bem comum mencionada pelo polemista francês. No fundo, o país dele, apesar dos mal-amados “imigrantes”, está bem mais próximo da meta do que nós.

(*) Se alguém estiver interessado em ler a longa entrevista concedida por Monsieur Zemmour à Folha, faça-me saber por email.