Visita ao Piauí

José Horta Manzano

Doutor Bolsonaro visitou o interior do Piauí. Visita de médico, rapidinha. E pensar que médicos fazem falta por aquelas lonjuras. Talvez a população gostasse mais de receber um doutor de verdade, daqueles que examinam e dão remédio. Mas remédio que cura, não desses fajutos que a gente vê por aí, pô!

by Antônio Carlos Nicolielo (1948-), artista paulista

Visita de doutor de araque é como chuva no sertão. Vem de repente, faz um barulhão e deixa todo o mundo alegre. Mas vai-se embora logo, deixa a terra mais seca que antes, não tem serventia. É mera ilusão, que hoje responde pelo nome mais sofisticado de marketing eleitoral.

Curiosidade
Você sabia que a palavra piauiense reúne 5 vogais grudadas umas nas outras? Em nossa língua, está aí a mais extensa coleção de vogais, em sequência, numa só palavra.

Outras línguas ostentam impressionantes sequências de consoantes. O alemão, por exemplo, tem o sobrenome Schürch, um cacho de 6 consoantes para uma vogalzinha. Enquanto isso, o gênio do português é conviver com fileiras de vogais. E ninguém se assusta com isso. Uai, é? Ô, é e é, uai!

Fazendo justiça

Myrthes Suplicy Vieira (*)

A Eletropaulo, a empresa paulista de energia e luz, é uma das campeãs de reclamações junto ao Procon, o órgão de defesa dos direitos do consumidor. Considero esse fenômeno incompreensível, fruto quiçá do desconhecimento – para não dizer ignorância – de boa parte da população de São Paulo quanto aos imensos e complexos desafios que cercam a administração dessa grande empresa.

computador-18Lembro, por exemplo, que só muito recentemente veio à tona a discussão sobre a necessidade de aterramento da rede elétrica paulista para evitar os constantes problemas de queda de árvores causados pelas fortes chuvas que enfrentamos todos os anos na primavera e no verão. A Eletropaulo prontamente ofereceu sua contribuição para o aprofundamento do debate público. Emitiu um comunicado alertando para os altos custos que uma providência desse porte acarretaria, manifestando inclusive preocupação com o inevitável repasse para o preço da distribuição da

(Ops, desculpem, a luz acabou)

fiacao-1Retomando. Dizia eu que, em função da atual grave crise econômico-financeira que afeta nosso país, a Eletropaulo confessa estar de mãos e pés atados para fazer frente como deveria à crescente violência das forças naturais, consequência inevitável do aquecimento global. A empresa foi além: abriu seu coração para se posicionar ao lado do infeliz consumidor que já está às voltas com o aumento do desemprego e da inflação e não teria como pagar tarifas ainda mais altas. Lamenta as perdas praticamente diárias que seus usuários são forçados a enfrentar em sua residência e em seus negócios devido à frequente interrupção do fornecimento de energia elétrica e se prontifica a dar solução rápida a todos os reclamos. Promete envidar seus melhores esforços para encontrar um ponto de equilíbrio entre as necessidades da população e sua

(Perdão novamente. A energia foi interrompida mais uma vez. Pelo que a Eletropaulo informou, está sendo feita uma grande operação de manutenção na rede do bairro, uma vez que ele foi um dos maiores atingidos pelo temporal da última quinta-feira)

computador-16Voltando. Acredito que grande parte da elite paulistana não se dá conta da angústia que assoberba a diretoria da empresa quando ela se predispõe a implementar inovações necessárias para prestar serviços de qualidade na quarta maior cidade do mundo e não conta com os recursos adequados para fazê-lo. Só as almas mais afeitas ao entendimento da psicologia humana poderão compreender a dor avassaladora que isso representa

(Mais uma interrupção breve, queiram desculpar. Parece que os ventos hoje estão numa velocidade acima da esperada para esta época do ano. Os fios balançam e, já se viu, há um desligamento automático da rede)

fiacao-2O que poucos de nossos concidadãos percebem é que o Brasil é um país ainda em desenvolvimento e que o aprimoramento da infraestrutura do setor elétrico nacional foi descuidado pelo governo federal ao longo da última década. Se, ao menos,

(Desta vez a pausa forçada foi um pouco maior. Aparentemente, a tempestade que se avizinha está retardando a ação das equipes de reparo…. Meu computador também deu sinais de desgaste e está mais lento que de costume)

Em suma, o que precisa ficar claro é que vivemos em um país de dimensões continentais e a cidade de São Paulo isoladamente representa a demanda inteira de energia elétrica de vários países europeus e latino-americanos somados. Apesar de tantas dificuldades, o Brasil demonstrou ser capaz de desenvolver quadros profissionais do mais alto quilate no setor de geração de energia elétrica, formou técnicos experimentados nas lutas para fazer chegar à região amazônica os confortos do século 21 e capacitados para responder pela construção da maior hidroelétrica do mundo. A Eletropaulo é parte importante dessa história. Graças ao talento e denodo de suas equipes técnicas

computador-17(Desculpem. Agora foi o sol que voltou forte e tornou quase impossível manter as equipes da Eletropaulo nas ruas, sem hidratação adequada e com fome depois de tantas horas de trabalho hercúleo)

Um dos grandes méritos da Eletropaulo é, sem dúvida, ressaltar o valor da cultura para uma geração imbecilizada pelo uso sistemático da tecnologia. Todos sabem que nossos cérebros são literalmente sugados pelos computadores, celulares, tablets e quejandos. Graças aos encantos do mundo virtual, passamos a viver na periferia de nós mesmos, alienados de nossas necessidades fisiológicas, psíquicas e sociais. Quando falta luz, redescobrimos o prazer de ler um bom livro, entramos novamente em contato com a magia e o romantismo de um jantar à luz de velas, ficamos disponíveis para sentar e conversar com familiares e amigos, reencontramos a utilidade da introspecção e da meditação. Que outros estímulos externos teriam a mesma força para provocar essa revolução de costumes?

(Perdão, pela última vez. A força caiu novamente, a noite chegou e eu confesso ter perdido o fio do raciocínio. Volto ao tema amanhã, se não chover, não ventar e o calor não for tão abrasador)

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Tsunami urbano 2

José Horta Manzano

Não faz muito tempo, pouco mais de duas semanas atrás, escrevi um artigo sobre um monstruoso erro de urbanização que foi ― e continua sendo ― cometido na cidade de São Paulo.2013-0308 Enchente

Dizia eu que, quando os jesuítas subiram a serra, quase quinhentos anos atrás, já chovia, e muito, nessa terra. Os drenos que a natureza havia pacientemente sulcado durante milênios foram ignorados. Acabaram sendo canalizados, ou seja, enfiados dentro de canos, literalmente. Os tubos foram calculados para um fluxo médio. Vê-se hoje que os períodos de subida das águas foram soberbamente menosprezados.

Deu no que deu. Reparem bem: as enchentes acontecem sempre nos mesmos lugares, exatamente nas regiões em que a natureza foi violentada. Como dizia um chefe que tive muito anos atrás, com seu carregado sotaque estrangeiro: «ninguém tapeia a natureza».

Hoje, pelo que li nos jornais, foi vez da Avenida Prof. Ascendino Reis, lá pelos lados do Ibirapuera. Por que justamente lá, bairro de classe média alta, lugar de gente fina? Ora, minha gente, porque por ali passava um dreno natural, um córrego chamado Uberaba. O fio d’água, margeado por vegetação, seguia pela atual Avenida José Maria Whitaker, passava por detrás da colina onde hoje está instalado o Aeroporto de Congonhas, dava uma guinada para oeste e desembocava no córrego Pinheirinho. Este, por sua vez, seguia até desaguar no Rio Pinheiros.Ascendino Reis 1952

Ascendino Reis 2013Taparam os córregos e acharam que o problema estava resolvido. Bairros foram arruados e terrenos foram vendidos. Só esqueceram de combinar com a natureza. Impassível, ela continua a verter suas águas pelos mesmos caminhos. Tanto se lhe dá que o escoadouro esteja asfaltado. Casas, automóveis, caminhões não são capazes de deter força maior que eles. Não há brucutu que segure uma enchente.

Para os curiosos, duas imagens seguem anexadas. A primeira, de 1952, mostra o Córrego Uberaba, ainda não canalizado. Note-se que passa por debaixo da Avenida Ascendino Reis. Não procurem a Avenida Rubem Berta, porque ainda não existia.

A segunda imagem, mais ou menos na mesma escala, foi tirada do google e mostra a mesma região nos dias de hoje. Os córregos sumiram do mapa. Mas a topografia continua igual. As águas seguem o mesmo caminho milenar.

Ninguém tapeia a natureza.

.

Clique nos mapas para ampliar.